conecte-se conosco


Medicina e Saúde

Comitê de Aleitamento Materno do Himaba realiza ações de incentivo à amamentação

Publicado

O Comitê de Aleitamento Materno do Hospital Estadual Infantil e Maternidade Alzir Bernardino Alves (Himaba), em Vila Velha, organizou, em parceria com o Grupo de Trabalho Humanizado (GTH), ações para celebrar a Semana Mundial de Aleitamento Materno. A ideia é conscientizar a todos sobre a importância dessa ação e proporcionar momentos de interação entre os pacientes e colaboradores da unidade.

A equipe responsável pela realização das atividades, distribuiu painéis e cartazes pelo hospital. Além disso, foram feitas abordagens com adesivos personalizados e frases referentes ao aleitamento materno. Para os colaboradores, ainda haverá sorteio durante a semana. Atualmente, o hospital está sob gestão do Instituto Acqua.

A presidente do comitê e responsável técnica pelo Banco de Leite Humano (BLH) do Himaba, Angélica Carvalho, lembra que o leite humano não é apenas a principal fonte de alimento do recém-nascido como também é o fator determinante no desenvolvimento da criança e na redução das taxas de mortalidade infantil. Ela explica que durante o período mais intenso da quarentena para enfrentamento ao novo Coronavírus (Covid-19), as doações de leite humano registraram leve aumento, porém voltaram a cair, sendo preciso garantir engajamento para que adquiram volume necessário de coletas.

Leia mais:  Gestante: melhore sua imunidade e saúde com 5 cuidados

“Em um dado momento da pandemia, até por conta de muitas mães estarem em casa durante o isolamento e conseguirem desenvolver uma rotina de amamentação mais tranquila, tivemos ascensão no abastecimento. O que elas produziam além do que era aproveitado por seus filhos, recebíamos para distribuir entre os pacientes da Unidade de Terapia Intensiva Neonatal (UTIN). Para atender à demanda interna dos bebês, prematuros ou de baixo peso que se encontram internados no setor, precisaríamos de 70 litros semanais, porém essa é a média que estamos registrando durante todo o mês”, destacou Angélica Carvalho.

A técnica ressalta que a campanha mobiliza a sociedade como um todo, e até quem não é doadora ajuda no funcionamento do trabalho no local. “No mês passado, recebemos 200 frascos para armazenamento de leite, que foram doados por uma cidadã. Eles são essenciais para mantermos a conservação ideal do alimento”.

Números do Banco de Leite

De janeiro a julho deste ano, o Banco de Leite Humano (BLH) do Hospital Estadual Infantil e Maternidade Alzir Bernardino Alves (Himaba) contou com 236 doadoras, coletando 455,2 litros de leite humano e atendendo 257 recém-nascidos internados na Unidade de Terapia Intensiva (UTI) da unidade. No mesmo período do ano de 2020, foram 203 mães doadoras, 278,7 litros de leite e 259 bebês alimentados com leite doado.

Leia mais:  Vacina contra a Covid-19 é aplicada em mais de 20 mil pessoas no Estado

Atualmente, o estoque do BLH do Himaba está com média de 70 litros de leite humano. Com essa quantidade, é possível alimentar 35 prematuros por aproximadamente sete dias.

Atendimento no Banco de Leite do Himaba

Atualmente, o Banco de Leite do Himaba realiza atendimentos presenciais por meio de agendamentos, das 8h às 17h, todos os dias da semana. A coleta ainda pode ser feita pela equipe da instituição na residência da lactante, toda quinta e sexta-feira, de forma agendada pelo telefone (27) 3636-3151.

No dia anterior a coleta, é feito o contato com a mãe para confirmar o atendimento no local. Vale destacar que no período de enfrentamento à pandemia do novo Coronavírus (Covid-19), os cuidados antes, durante e depois da coleta permanecem dentro dos protocolos estabelecidos para prevenir a contaminação pela doença.

publicidade

Medicina e Saúde

OMS aponta que COVID-19 aumentou casos de ansiedade e depressão em 25%

Publicado

Um resumo científico divulgado no primeiro trimestre de 2022 pela Organização Mundial da Saúde (OMS), mostra que no primeiro ano da pandemia de COVID-19, a prevalência global de ansiedade e depressão aumentou em 25%. Ainda sobre a pesquisa, a crescente procura por tratamentos de transtornos levou quase que a totalidade de países pesquisados pela OMS a incluir a saúde mental e apoio psicossocial em seus planos de resposta à COVID-19.  

No final do primeiro ano da pandemia o Ministério da Saúde divulgou uma pesquisa com análise da saúde mental do brasileiro. O resultado apontou que quase 30% dos entrevistados procuraram ajuda profissional motivados por questões relacionadas à saúde mental. 

Diante do resumo científico da OMS, mostrando o aumento global de ansiedade e depressão, o professor Carlos Henrique Santos da Silva (CRP:06/128424), coordenador do curso de Psicologia da UniPaulistana, confirmou que a clínica psicológica daquele centro de estudos, que disponibiliza atendimento gratuito, também registrou aumento significativo logo nos primeiros meses da pandemia. 

Segundo o professor, a clínica atende crianças, jovens e adultos e a maior incidência se dá por razões colocadas por instituições como a OMS e o Ministério da Saúde, como ansiedade e depressão, mas o longo período da pandemia, junto a questão econômica e o fator do luto mais incidente, levou muita gente a procurar tratamento para saúde mental. A instituição atende mais de 80 pessoas por mês, o dobro em relação ao período pré-pandemia.  

Leia mais:  Nova cepa está disseminando mais em jovens com menos de 20 anos, diz virologista

Continue lendo

Medicina e Saúde

Alerta: 7 sinais de que você está bebendo pouca água

Publicado

Muitas vezes, deixamos de nos hidratar durante o dia, o que traz consequências nada animadoras

Beber água é fundamental para o bom funcionamento do nosso organismo. Entre os seus benefícios estão a melhoria do funcionamento dos rins, da circulação sanguínea e a regulação da temperatura corporal. Além disso, o auxílio ao emagrecimento e o combate à celulite também estão relacionados à ingestão desse precioso líquido.

Ocorre que, muitas vezes, deixamos de nos hidratar durante o dia, o que traz consequências nada animadoras. Com base em informações da Sociedade Brasileira de Endocrinologia e Metabologia, listamos oito sinais de que você está bebendo menos água do que deveria:

1. Dor de cabeça e tonturas

Já reparou que um simples copo de água costuma resolver o problema da dor de cabeça? Nosso cérebro é um dos órgãos que mais demanda água e a desidratação pode causar dor de cabeça e tontura. Isso acontece por várias razões. A explicação mais comum é que, quando há pouco líquido, ocorre uma contração dos vasos do cérebro, que gera uma sensação dolorosa. Ademais, sem água suficiente, algumas substâncias não estão diluídas, e o rim não consegue eliminá-las de uma maneira eficaz.

Leia mais:  Gestante: melhore sua imunidade e saúde com 5 cuidados

2. Urina escura

É um dos sinais mais eficientes de que você precisa ingerir mais água é aquela urina amarelada escura e com odor mais forte que o normal. Isso ocorre devido a uma concentração mais alta de ureia, que ajuda a eliminar as proteínas ingeridas. Sem água suficiente, o corpo retém o líquido que está armazenado e reduz a eliminação de água pelos rins.

3. Suor com odor mais forte

A explicação é a mesma do item anterior: quanto menos diluídas estão as toxinas que devem ser liberadas pelo corpo, mais forte será o odor do seu suor.

4. Prisão de ventre

Aumentar a ingestão de água pode ser um ótimo remédio para quem sofre de prisão de ventre. É que os movimentos peristálticos, realizados de modo involuntário pelo tubo digestivo, dependem da hidratação. Desse modo, o bolo alimentar é transformado em bolo fecal com mais facilidade e chega ao reto para ser eliminado na forma de fezes.

5. Irritabilidade e cansaço

Talvez você não saiba, mas a água participa de diversas reações químicas no organismo. Por exemplo: se o sistema nervoso é afetado, você pode ter um sintoma emocional, porque algumas proteínas não estão sendo quebradas pela água (hidrolisadas). Assim, pouca água pode resultar em irritabilidade e cansaço.

Leia mais:  Espírito Santo dá continuidade à vacinação de novo grupo prioritário contra a Covid-19

6. Câimbras

Os músculos também precisam de água para funcionar de modo adequado. Isso porque a contração muscular exige um certo equilíbrio da concentração de minerais, e a água é um elemento central para que algumas reações químicas aconteçam no corpo. Sem líquido suficiente, o resultado pode ser o aparecimento de cãibras.

7. Secura na boca e pele

Embora pareça óbvio, nem todo o mundo presta atenção nos sintomas da sede. Pele e boca secas são sinais tardios, mas significam um forte indício de que você precisa aumentar a ingestão de líquidos.

Portanto, hidrate-se!

Continue lendo

São Mateus

Política e Governo

Segurança

Camisa 10

Mais Lidas da Semana