conecte-se conosco


Segurança

Condomínios vão ter que comunicar violência doméstica à Polícia

Publicado

“Infelizmente a violência doméstica e familiar é uma triste realidade na vida de muitos capixabas, sendo a presente proposição de suma importância para as famílias do nosso Estado”. Assim o deputado estadual Enivaldo dos Anjos (PSD) justifica o projeto de lei que protocolou nesta quinta-feira (28), na Assembleia Legislativa do Espírito Santo, de enfrentamento à violência doméstica e familiar no Estado.

O projeto prevê a obrigatoriedade de os condomínios residenciais localizados em todo o Espírito Santo a comunicarem, às Polícias Civil e Militar, a ocorrência ou indício de ocorrência dessa natureza em suas dependências ou unidades habitacionais, seja contra a mulher, a criança, o adolescente ou o idoso.

A responsabilidade pelo comunicado competirá, de acordo com o projeto, aos síndicos e administradores dos condomínios, fornecendo à autoridade policial todas as informações “possíveis e necessária que permitam a identificação do autor ou autores dos crimes, bem como suas vítimas”.

Para além da obrigatoriedade da comunicação, o deputado Enivaldo dos Anjos fez incluir no projeto a punição do não cumprimento da lei, se aprovada, por omissão de socorro, prevista no artigo 135 do Código Penal Brasileiro, e cumplicidade com os autores do crime.

“As notícias são de que, durante a pandemia da Covid19, aumentou em cerca de 50% a violência doméstica e, apesar de já termos recordes de ocorrência de violência contra as mulheres por exemplo, há fortes indícios de que há uma subnotificação dessas ocorrências. Ou seja, a violência doméstica é maior do que se imagina. É preciso penalizar essa omissão da comunicação à autoridade policial, porque a sociedade precisa compreender que é sua responsabilidade também a inibição desses atos”, disse o deputado.

Leia mais:  Governo do Estado autoriza ampliação de vagas no concurso de oficiais da PMES
publicidade

Segurança

Motorista morre carbonizado em grave acidente na BR-101

Publicado

Outras duas pessoas foram socorridas com ferimentos e encaminhadas ao hospital

Um motorista morreu e outros dois ficaram feridos em um grave acidente seguido de incêndio na madrugada deste domingo (24), no km 339 da BR-101, em Guarapari .

A colisão envolvendo um carro, um caminhão e uma carreta aconteceu por volta de 01h.

Segundo o Corpo de Bombeiros, o motorista do Corolla teria tentado fazer uma ultrapassagem na curva e colidiu de frente com a carreta, atingindo também um outro caminhão que tentava ultrapassar. Diante disso, os três automóveis pegaram fogo.

O motorista do Corolla morreu no local, carbonizado. Os outros dois condutores dos caminhões, segundo o Corpo de Bombeiros, foram socorridos para unidades de saúde de Cachoeiro de Itapemirim e para a UPA de Guarapari.

Em nota, a Polícia Civil informou que não houve conduzidos à Delegacia Regional de Guarapari, envolvidos no acidente. O fato seguirá sob investigação da Delegacia de Infrações Penais e Outras (Dipo) de Guarapari.

O corpo da vítima foi encaminhado para o Departamento Médico Legal (DML) de Vitória, para ser liberado para os familiares e para ser feito o exame cadavérico, que apontará a causa da morte.

Por conta do acidente, a pista foi interditada nos dois sentidos durante a madrugada.

 

Leia mais:  Cadastro de familiares de presos será feito pelo WhatsApp

Continue lendo

Segurança

Suspeito de homicídio na Bahia é preso enquanto trabalhava no Aeroporto de Vitória

Publicado

O homem responde pelo crime de homicídio qualificado na cidade de Teixeira de Freitas

A Polícia Federal prendeu, na noite de sexta-feira (22), um foragido da Justiça da Bahia que estava trabalhando em obras na área do Aeroporto de Vitória.

O homem responde pelo crime de homicídio qualificado na cidade de Teixeira de Freitas. Por conta disso, havia um mandado de prisão preventiva decretado contra ele. 

A Polícia Federal informou que faz verificações de antecedentes criminais das pessoas que atuam nas áreas controladas do aeroporto da capital capixaba.

O foragido havia sido contratado dois dias antes. Ele não resistiu à ordem de prisão dos policiais e disse: “Vocês me acharam, né?”. 

Se condenado pelo Tribunal do Júri, o homem pode receber uma pena de até 30 anos.

A equipe de reportagem entrou em contato com a Zurich Airport Brasil, que administra o Aeroporto de Vitória, para saber como aconteceu a contratação do suspeito, mas ainda não obteve retorno. 

O posicionamento será acrescentado assim que for enviado. 

Leia mais:  Governo do Estado autoriza ampliação de vagas no concurso de oficiais da PMES
Continue lendo

São Mateus

Política e Governo

Segurança

Camisa 10

Mais Lidas da Semana