conecte-se conosco


Internacional

Consumo mundial de café deverá atingir 167 milhões de sacas de 60kg

Publicado

Países consumidores deverão consumir 116,5 milhões de sacas e países produtores 50,5 milhões de sacas neste ano-cafeeiro 2020-2021

O consumo mundial de café no ano-cafeeiro 2020-2021 deverá atingir um volume físico equivalente a 167,01 milhões de sacas, o que representará um crescimento de 1,9% em relação ao ano-cafeeiro anterior, que foi de 163,9 milhões de sacas de 60kg. Nesse contexto, vale destacar que nos últimos 10 anos-cafeeiros o crescimento médio do consumo mundial foi coincidentemente de 1,9% ao ano.

Exclusivamente nos países importadores o consumo deverá ter um crescimento de 2,3% no ano-cafeeiro 2020-2021, com previsão de atingir 116,5 milhões de sacas. E nos países produtores tal consumo interno deverá aumentar 1%, somando 50,5 milhões de sacas. Portanto, o consumo interno nos países produtores de café deverá representar 30,2% do consumo mundial neste ano-cafeeiro 2020-2021. Dessa forma, estima-se que o consumo mundial de café continuará a crescer, tendo em vista o abrandamento das restrições relacionadas com a covid-19 e prospectos de recuperação econômica subsequente.

Esses números e dados estatísticos da performance do consumo da cafeicultura global, foram obtidos do Relatório sobre o mercado de Café – agosto 2021, da Organização Internacional do Café – OIC, instituição representativa da cafeicultura mundial, da qual o Brasil é país-membro. Tal Relatório encontra-se disponível na íntegra no Observatório do Café, do Consórcio Pesquisa Café, rede integrada de pesquisa coordenada pela Embrapa Café. Convém esclarecer que o ano-cafeeiro para a OIC compreende o período de outubro a setembro.

Leia mais:  Velório de Maradona é estendido em três horas por medo de protestos
publicidade

Internacional

Candidato à presidência da França quer proibir a Nutella

Publicado

Jen-Luc Melenchon afirma que o doce italiano de chocolate e avelãs “não é saudável para as crianças”

Muito está em jogo na próxima eleição presidencial francesa, marcada para abril de 2022. O pleito pode consagrar Emmanuel Macron, caso reeleito, como principal nome da política europeia após a aposentadoria da alemã Angela Merkel. Temas como desenvolvimento verde, imigração e segurança nacional devem dar o tom dos próximos meses. Mas um dos principais nomes na disputa escolheu um alvo inusitado em sua campanha: a Nutella.

O doce italiano de chocolate e avelãs fabricado pela gigante Ferrero virou alvo do deputado Jean-Luc Mélenchon, experiente político que concorre pela terceira vez ao Palácio do Eliseu. Em 2017, o candidato, que tem como bandeira a redução da jornada de trabalho e a ampliação de programas de seguridade social, levou 19,6% dos votos.

Seu programa para as eleições de 2022 será revelado apenas em 16 de outubro, mas o jornal La Depeche adiantou que “insegurança alimentar” deve ser uma das bandeiras. Segundo Mélenchon, a Nutella “não é boa para as crianças, não é boa para as florestas e nem para os animais que lá vivem”.

A perseguição do candidato à Nutella começou em 2018, quando uma promoção de 70% levou a empurra-empurra em uma rede de supermercados. Ele defende ainda restringir propagandas de alimentos infantis e racionar sal, açúcar e corantes nos alimentos industrializados.

Perseguida por Mélenchon, a Ferrero, dona da Nutella, investe para ganhar terreno em mercados como o americano. Além da Nutella, a companhia é dona de marcas como Ferrero Rocher, Kinder e Tic Tac. A receita da Nutella foi alterada há três anos — para ampliar o percentual de açúcar de 55,9% para 56,3%, segundo a Bloomberg. A ação levou a uma campanha nas redes socials com a hashtag #boycottNutella.

 A companhia sempre afirmou que está comprometida em reduzir embalagens e o impacto de seus produtos — e que a receita da Nutella segue a mesma. Após denúncias, também se comprometeu em eliminar o trabalho infantil na colheita de avelãs em países como a Turquia. No último ano a companhia cresceu 7,8% e faturou 12,3 bilhões de euros.

Leia mais:  Comunismo: China limita videogames a 3 horas por semana para menores
Continue lendo

Internacional

Lituânia manda população jogar fora celulares da Xiaomi; entenda

Publicado

Um relatório do governo indica que a empresa teria tecnologia para censurar pesquisas feitas em smartphones da marca; a Xiaomi nega

Por acusações de censura, o Ministério da Defesa da Lituânia recomendou que a população não compre e até jogue fora celulares de marcas chinesas, como a Xiaomi.

Um relatório do órgão de segurança digital do governo local aponta que os aparelhos tinham funções de detecção e censura de termos como “Tibete Livre”, “movimento pela democracia” e “Vida longa à independência de Taiwan”.

“Nossa recomendação é não comprar novos telefones chineses e nos livrar dos já comprados o mais rápido possível”, disse o vice-ministro da Defesa da Lituânia, Margiris Abukevicius, segundo o jornal South China Morning Post.

Um dos aparelhos indicados no relatório é o Mi 10T 5G, da Xiaomi. O relatório aponta que a função pode ser ativada remotamente pela empresa a qualquer momento e que estava desativada na União Europeia.

A Xiaomi negou o caso. “A Xiaomi nunca restringiu ou bloqueará qualquer comportamento pessoal de nossos usuários de smartphones, como pesquisa, ligação, navegação na web ou o uso de software de comunicação de terceiros”, informou a empresa, em comunicado. A companhia reforçou estar comprometida com os direitos legais dos usuários de smartphones e disse estar em conformidade com a lei geral de proteção de dados pessoais da União Europeia, cuja infração pode acarretar multa às empresas.

Leia mais:  Índia dá início ao mais ambicioso esquema de vacinação do mundo
Continue lendo

São Mateus

Política e Governo

Segurança

Camisa 10

Mais Lidas da Semana