conecte-se conosco


Medicina e Saúde

Coronavírus gera danos entre trabalhadores da área da saúde

Publicado

O novo coronavírus tem gerado impacto crescente sobre os trabalhadores chineses da área da saúde, a linha de frente para conter a epidemia, disse uma importante autoridade nesta sexta-feira, ao passo que mais de 5 mil novos casos foram relatados, incluindo mais de 120 novas mortes.

Autoridades prometeram fazer mais para estimular as economias impactadas pelo vírus, o que ajudou as bolsas de valores da Ásia a registrarem ganhos, e as ações chineses obtiveram seu primeiro ganho semanal em quatro semanas.

A Comissão Nacional de Saúde da China disse que registrou 121 novas mortes e 5.090 novos casos de coronavírus na parte continental do país na quinta-feira, levando o número total de infectados para 63.851.

Cerca de 55.748 pessoas estão recebendo tratamento, enquanto 1.380 morreram por causa do vírus que surgiu em dezembro em Wuhan, capital da província de Hubei, região central do país.

Os dados mais recentes levam em conta algumas mortes que foram contadas em duplicidade em Hubei, disse a comissão.

Leia mais:  Mais de 50 mil doses de vacina contra a Covid-19 chegam ao Estado

O vice-ministro da comissão de saúde chinesa, Zeng Yixim, disse que 1.716 trabalhadores da área da saúde foram infectados e seis morreram até a terça-feira, com o número de funcionários infectados crescendo.

“As obrigações dos trabalhadores médicos na linha de frente são, de fato, muito pesadas; as condições de trabalho e de descanso deles são limitadas, as pressões psicológicas são gigantescas, e o risco de infecção é alto”, disse Zeng em entrevista coletiva.

Autoridades chinesas e hospitais têm repetidamente falado da falta de equipamentos de proteção, incluindo máscaras.

Os novos dados de infecções totais não davam sinais de que o surto está se aproximando de um pico, disse Adam Kamradt-Scott, especialista em doenças infecciosas do Centro de Estudos em Segurança Internacional da Universidade de Sydney.

“Baseado na tendência atual de casos confirmados, isso parece ser uma clara indicação de que, embora as autoridades chinesas estejam fazendo seu melhor para evitar a disseminação do coronavírus, as medidas bastante drásticas que eles implementaram até agora parecem ter sido muito pouco, muito tarde”, disse.

Leia mais:  Saiba como a comida pode melhorar o seu humor

Cientistas chineses estão testando dois medicamentos antivirais e resultados preliminares devem sair em semanas, ao passo que o chefe de um hospital em Wuhan disse que a infusão de plasma de pacientes recuperados mostraram alguns resultados preliminares animadores.

publicidade

Medicina e Saúde

O que é a varíola do macaco, doença que deixa países europeus em alerta

Publicado

Casos foram confirmados no Reino Unido e em Portugal; Espanha investiga oito indivíduos com sintomas

Países europeus estão em alerta diante de possíveis surtos de varíola do macaco. No Reino Unido, sete casos foram detectados desde o início do mês. Portugal notificou nesta quarta-feira (18) cinco infecções. A Espanha investiga oito suspeitas.

A varíola do macaco é rara e causada pelo vírus da varíola símia, semelhante geneticamente ao vírus da varíola, mas que causa uma doença geralmente mais leve, segundo o Manual MSD de Diagnóstico e Tratamento.

“Apesar do nome, os primatas não humanos não são reservatório do vírus da varíola. Embora o reservatório seja desconhecido, os principais candidatos são pequenos roedores (p. ex., esquilos) nas florestas tropicais da África, principalmente na África Ocidental e Central”, explica o guia médico.

Casos da doença foram notificados desde 2016 em Serra Leoa, República Centro-Africana, República do Congo e Nigéria. Este último país sofreu o maior surto recente.

Nos Estados Unidos, um surto foi registrado em 2003. Identificou-se que roedores importados da África como animais de estimação transmitiram o vírus para cachorros, que passaram para humanos. Trinta e cinco casos foram confirmados em seis estados.

Leia mais:  Covid-19: profissional de Saúde que não se vacinar será impedido de trabalhar no Espírito Santo

O vírus passa de animais para humanos por meio de secreções fisiológicas, mas a transmissão entre humanos é mais difícil. Acredita-se que seja mais provável quando há contato direto e pessoal prolongado, segundo o manual.

Os casos em investigação na Espanha sugerem “contato com fluidos”, segundo um porta-voz do Departamento Regional de Saúde de Madri.

“De um modo geral, a varíola dos macacos é transmitida por transmissão respiratória, mas as características dos oito casos suspeitos apontam para contato com fluidos. Os oito casos suspeitos em Madri estão entre homens que fazem sexo com homens. Eles estão bem, mas essa doença pode exigir tratamento hospitalar”, afirmou o porta-voz em entrevista ao jornal britânico The Guardian.

Todos os casos de Portugal são de homens jovens, segundo a Direção Geral da Saúde. Eles tiveram lesões ulcerativas na pele. 

Desde 6 de maio, foram detectados sete casos da varíola do macaco no Reino Unido, entre eles quatro pessoas que se identificaram como “homossexuais, bissexuais ou homens que têm relações sexuais com outros homens”, segundo a agência britânica de segurança sanitária.

Leia mais:  Estado amplia pontos de testagem para detecção da Covid-19 na Grande Vitória

De acordo com a OMS, o período de incubação do vírus varia entre seis e 13 dias, podendo chegar a três semanas. Os sintomas são semelhantes aos da varíola, sendo as bolhas na pele o mais característico, mas também ocorre febre, calafrios, cansaço e dores musculares. 

“Os sintomas podem ser leves ou graves, e as lesões podem ser muito pruriginosas ou dolorosas”, complementa a entidade em comunicado. Os pacientes também podem apresentar linfonodos aumentados e maior risco de infecção bacteriana secundária da pele e dos pulmões.

Manual MSD ressalta que “não há tratamento seguro e comprovado para a infecção por vírus da varíola do macaco”. Os sintomas normalmente desaparecem espontaneamente.

Todavia, alguns medicamentos podem ser usados, como os antivirais tecovirimat, cidofovir e brincidofovir.

Continue lendo

Medicina e Saúde

Mais de 100 operações com robô! Médico do ES vira rei da cirurgia robótica

Publicado

Marca é inédita entre os doutores capixabas e entra para o ranking até do Brasil. Procedimentos feitos com robô, o famoso Da Vinci, minimizam sequelas e principal cirurgia com a tecnologia é a de retirada de câncer de próstata

O primeiro Da Vinci – o famoso robô que realiza cirurgias de forma menos invasiva usando tecnologia de última geração – chegou ao Espírito santo no dia 31 de julho de 2020. Hoje, o Estado conta com dois dos modelos que são da segunda geração (nos Estados Unidos, eles já estão na 5ª versão). E, de lá para cá, um médico largou na frente e é hoje considerado “o rei da cirurgia robótica” capixaba – Leandro Leal.

Para ele, o melhor da inovação da medicina é a minimização de sequelas que uma cirurgia convencional pode deixar. Na retirada de câncer de próstata, por exemplo, que lidera o tipo de cirurgia feita com o Da Vinci, o paciente raramente tem incontinência urinária e na mesma raridade enfrenta problemas na atividade sexual.

“A resistência para a robótica foi muito menor do que outras inovações da medicina, porque a robótica já é um aprimoramento da laparoscopia. Comecei a laparoscopia no Estado em 2005 e vivi muito dessa barreira. Hoje em dia é tranquilo. A questão atualmente é o custo. O convênio paga a parte hospitalar, anestesista, mas não os insumos do robô”, fala.

Leia mais:  Estado amplia pontos de testagem para detecção da Covid-19 na Grande Vitória

Hoje, em média, o paciente precisa desembolsar R$ 20 mil para se submeter ao procedimento moderno.

“O robô tem quatro braços e usa vários artefatos descartáveis a cada cirurgia. As pinças, que são quatro, ainda podem ser utilizadas por até 10 vezes, mas cada uma custa, atualmente, mais ou menos 3 mil dólares, só para se ter ideia”, compara.

Isso porque o Brasil ainda está na segunda geração do Da Vinci – o que já é um avanço. Nos Estados Unidos, já há a 5ª versão do robô operador.

“Acho que é a grande tendência (o robô). Essa quinta geração usada nos Estados Unidos ainda não é autorizada no Brasil. Ele se chama SP Single Port. É um robô com um único “braço”. Só tem uma incisão no paciente. E por essa incisão entram todas as pinças. Mas é necessário outro treinamento, as pinças e seus movimentos são diferentes, mas talvez seja o nosso futuro, provavelmente, nos próximos 5, 6 anos”, avalia.

Leia mais:  Sistema identifica sinais de depressão nas redes sociais

Por outro lado, o Espírito Santo é que vem se destacando nesse mercado nos últimos meses. Dos 85 robôs do Brasil, 2 estão no Estado. Pode parecer, pouco, mas já é bastante considerável levando em conta o número da demanda geral e populacional.

“Como disse, a maior barreira hoje, mesmo, é a financeira. Das 116 cirurgias que fiz até o último dia 12 de maio, tive pacientes que não reclamara, pagaram tranquilamente o valor da diferença. Mas têm pacientes que têm que empenhar a família toda e ainda falta. O hospital em que trabalho conseguiu fazer o parcelamento do valor em até 10X, o que facilita a adesão por parte do paciente”, diz ele, que é do Meridional.

Além de ser o primeiro médico capixaba a chegar à marca de mais de 100 pacientes operados pelo Da Vinci, aos 49 anos de idade, Leandro também foi o primeiro a realizar cirurgia laparoscópica na urologia no Espírito Santo.

Depois do câncer de próstata, a cirurgia mais buscada para ser feita com o robô é a de retirada de tumor renal. 

Continue lendo

São Mateus

Política e Governo

Segurança

Camisa 10

Mais Lidas da Semana