conecte-se conosco


Últimas Noticias

Costureiras reclamam que preço do metro do elástico subiu até 154%

Publicado

Com aumento da confecção de máscaras devido à pandemia do coronavírus, elas estão com dificuldade para achar produto e identificando altos valores

A pandemia do coronavírus está gerando uma nova onda de aumentos no mercado. Dessa vez, nas lojas de aviamentos.

Costureiras relataram que o preço do metro do elástico fino subiu até 154% com a procura do item para a produção de máscaras de proteção.

Essa alta expressiva foi identificada pela costureira Márcia da Silva Lopes Ferreira dos Santos. Ela vende produtos de beleza por catálogo e começou a produzir as máscaras, inicialmente, para ajudar suas clientes que não encontravam a peça.

Com o aumento da demanda, passou a confeccioná-las para manter um rendimento durante a pandemia, já que as vendas e outros serviços caíram no período.

“No começo, utilizei elástico que tinha guardado, mas lembro que paguei recentemente R$ 3 por 10 metros. Agora, encontrei a mesma quantidade por R$ 7,60 de um fornecedor que está vendendo pelo WhatsApp.”

Considerando o custo do metro do elástico, a peça passou de R$ 0,30 para R$ 0,76, ou seja, alta de 154%.

As máscaras da Marcia custam: R$ 8 (uma unidade) e R$ 15 (duas unidades). Ela faz entrega na região central de São Paulo ou o cliente pode retirar na portaria do seu prédio.

Gisele Bonaroski, dona da Costurices da Gi, identificou alta de 135% no preço do metro do elástico.

“Antes do aumento da produção de máscaras eu pagava, em média, R$ 5,50 por 10 metros de elástico. Hoje eu pago R$ 12,90”, diz.

Ou seja, o preço passou de R$ 0,55 para R$ 1,29, alta de 135%.

Gisele vende uma máscara por R$ 8 e duas por R$ 15 mais o frete. 

Outra costureira, Ana Alves dos Santos, disse que na semana passada não encontrou elástico para confeccionar as suas máscaras, aliás, esta é uma reclamação frequente de quem está produzindo a peça.

Nesta segunda-feira (20), ela conseguiu comprar o item no Brás, bairro conhecido como o polo de confecção de roupas do Brasil, e pagou mais caro.

“Eu comprava 100 metros do elástico branco fino por R$ 38,90, ontem eu paguei R$ 49,90”, afirma.

Ou seja, o preço do metro do elástico passou de R$ 0,39 para R$ 0,50, alta de 28,20%.

A costureira conta que o preço do elástico branco sempre foi menor do que o do preto. O valor deste último também subiu. Passou de R$ 49,09 para R$ 54,90.
Considerando o preço do metro, o valor foi de R$ 0,50 para R$ 0,55%, ou seja, alta de 10%.

As máscaras da Ana custam R$ 5. Ela faz entrega na região dos Jardins, na capital de São Paulo. Fora da região, somente se a compra for em grande quantidade.

Preço não sofreu alteração em Perus

Iraneth e Francineide: preço R$ 5Outras costureiras não perceberam um aumento no preço do metro do elástico, como as irmãs Iraneth e Francineide Oliveira Mourão. “Ainda não somos costureiras profissionais, mas em breve queremos ser”, diz Iraneth.

Iraneth conta que começou a fazer máscaras para doar. Quando o material acabou, precisou comprar mais e passou a cobrar R$ 5 a unidade.

Ela diz que costuma pagar entre R$ 0,80 a R$ 1 o metro do elástico em Perus, bairro da região noroeste da capital, e que não percebeu qualquer aumento.

“Há uma semana não compro o material, pode ser que tenha subido na semana passada, mas na última compra que fiz o valor estava normal.”

Por e-mail, a Fundação Procon afirmou que não tem informações sobre a alta no preço do metro do elástico. “Não temos como fazer um recorte tão específico”.

Leia mais:  Novo presidente da Capes gera polêmica ao defender criacionismo
publicidade

Últimas Noticias

Mãe reencontra filho após mais de 10 anos em hospital de Cachoeiro

Publicado

Silvano Ote Aguiar está internado na Santa Casa há cerca de 100 dias, após sofrer um acidente de trânsito. Hospital conseguiu localizar a mãe, que mora em MG

Um momento de emoção e esperança. Após ficar 100 dias internado sem identificação na Santa Casa de Misericórdia de Cachoeiro de Itapemirim, no sul do estado, um paciente conseguiu reencontrar a mãe. O momento foi proporcionado após o hospital localizar a família. A mãe não tinha notícias do filho há mais de 10 anos.

O paciente Silvano Ote Aguiar deu entrada no hospital no dia 4 de janeiro, após sofrer um acidente de trânsito. Ele foi encontrado no município de Vargem Alta, também no sul do estado, sem documento e sem conseguir se comunicar.

Trabalho de busca

Antes da emoção, veio o trabalho duro. A enfermeira Gisele Queiroz foi a responsável pela busca dos familiares de Silvano. Ela conta que entrou em contato com as prefeituras depois que o paciente conseguiu informar o nome e sobrenome. A partir daí, as buscas foram direcionadas a municípios vizinhos e, depois de quase 60 dias, a mãe do paciente foi localizada.

“Eu não aceitava ele sair daqui sem ter a família por perto. Isso me motivou a iniciar a procura, junto com o Serviço Social, para devolver a identidade dele e entregá-lo para a família. Agora estou muito realizada e feliz”, contou a enfermeira.

A mãe do paciente, Marly Ote, mora em Minas Gerais e há mais de 10 anos não tinha notícias do filho. Após viajar mais de 9 horas de carro, o reencontro foi só emoção. Após ver o filho depois de tanto tempo, Marly contou que nem conseguiu dormir no dia anterior, de tanta ansiedade.

“Valeu a pena esperar e fazer essa viagem para encontrá-lo. Deus deu uma segunda chance para ele viver e agora vou levá-lo para casa, cuidar com muito amor e carinho”, disse.

Assim que saiu do hospital, a mãe de Silvano agradeceu o empenho de toda a equipe e o cuidado que tiveram com seu filho durante o período em que ficou internado.

“Lá na minha cidade já tinham dito que esse hospital é maravilhoso e que ele estava sendo muito bem cuidado aqui. O que quero é agradecer por tudo e desejar muita saúde para todos vocês”, afirmou.

Fonte: Folha Vitória.

Leia mais:  Arrecadação, até dia 30, de donativos para cidades alagadas no ES
Continue lendo

Cidades

Vira-lata salva avó e neto de ataque de pitbull em Guarapari e acaba ferido

Publicado

Chamado de Covid, por aparecer no bairro durante a pandemia, o cachorro ficou muito machucado e ficará com sequelas; avó e neto saíram ilesos

A máxima que fala que o “cachorro é o melhor amigo do homem” foi colocada a prova no bairro de Meaípe, em Guarapari, no mês de agosto. O vira lata Covid, nome adotado por ele ter aparecido no bairro durante a pandemia, enfrentou um pitbull para defender uma senhora e o neto que moram no local.

Covid é querido por todos e recebe cuidados dos moradores. “Ele foi abandonado na nossa rua, estava todo maltratado e tinha muito medo das pessoas. Meu esposo, Juarez Fernandes, passou a cuidar dele dando comida, atenção e carinho. Logo começou a se identificar com as pessoas da vizinhança”, contou Cleide Fernandes.

Há cerca de um mês, a vizinha de Cleide, Elida Nascimento, foi passear com o neto e o vira lata foi atrás. “Eles estavam indo pescar na lagoa, no caminho um pitbull da vizinhança fugiu e foi em direção deles para atacar. Por sorte Covid estava perto e não aconteceu uma tragédia. Ele foi para cima do cachorro e defendeu os dois até que um homem que passava ajudou a separar a briga e tocou o pitbull para longe”.

Após o ato heroico, Covid ficou muito machucado. O vira lata foi atacado no pescoço e na pata com mais intensidade. “Ele ficou com sequelas, o tendão foi atingido. Já levamos no veterinário e todo possível foi feito. Está bem, mas ficará mancando daqui para frente”

“Ele foi incrível, o que seria de mim e do meu neto, que é uma criança, se Covid não estivesse lá? Esse cachorro salvou nossas vidas, graças a Deus”, agradeceu Elida.

Leia mais:  Arrecadação, até dia 30, de donativos para cidades alagadas no ES
Continue lendo

São Mateus

Política e Governo

Segurança

Camisa 10

Mais Lidas da Semana