conecte-se conosco


Brasil

Covid-19: Brasil tem 117 mil mortes e 3,7 milhões de casos acumulados

Publicado

O balanço do ministério também recebeu notificações de 47.161 novas pessoas infectadas pelo novo coronavírus

O Brasil atingiu 117.666 mortes e 3.717.156 casos acumulados de covid-19. Os dados foram divulgados hoje (26) pelo Ministério da Saúde durante entrevista online de apresentação do Boletim Epidemiológico semanal.

Nas últimas 24 horas, foram registrados 1.086 novos óbitos. Ontem o sistema do Ministério da Saúde marcava 116.580. Ainda há 2.889 falecimentos em investigação pelas equipes das secretarias de saúde.

O balanço do ministério também recebeu notificações de 47.161 novas pessoas infectadas pelo novo coronavírus. Ontem, o painel da pasta trazia 3.669.995 casos desde o início da pandemia no Brasil.

Ainda de acordo com a atualização de hoje, 690.642 pessoas estão em acompanhamento e outras 2.908.848 já se recuperaram da doença.

Covid-19 nos estados

Os estados com mais mortes por covid-19 foram: São Paulo (29.194), Rio de Janeiro (15.700), Ceará (8.351), Pernambuco (7.460) e Pará (6.097). As Unidades da Federação com menos óbitos até o momento são Roraima (582), Acre (607), Tocantins (621), Amapá (647) e Mato Grosso do Sul (783).

Leia mais:  Túnel de pelo menos 40 metros é descoberto próximo a área de bancos em Minas
publicidade

Brasil

Espetáculo no céu: lua fará conjunção visível a olho nu com três planetas nesta semana

Publicado

Para visualizar os fenômenos, não será necessário uso de um telescópio. No entanto, é importante que a condição climática esteja boa

O céu ainda guarda surpresas para 2021. Desta vez, a lua vai fazer um show astronômico junto com outros três planetas no céu durante a noite. Vênus, Saturno e Júpiter estão alinhados e vão fazer uma conjunção especial com a Lua.

De acordo com o Gaturamo Observatório Astronômico da UFES (Goa), após o pôr do sol, a cada noite, a Lua se juntará a um planeta diferente.

A conjunção teve início na noite de segunda-feira (06). A fina Lua Crescente passou por Vênus, formando um perfeito par.

Já nesta quarta-feira (8), será a vez de Júpiter brilhar ao lado do satélite natural, mas o espetáculo não para por aí! 

Após a passagem por cada planeta, os quatro astros vão se encontrar no céu fazendo um lindo espetáculo. O alinhamento acompanhando da conjunção, terá início na quinta-feira (09) e poderá ser visto até a sexta-feira (10).

Segundo o GOA, para visualizar os fenômenos, não será necessário o uso de um telescópio. Apesar disso, é importante uma boa condição climática. No céu, os astros serão os mais brilhantes.

“Tudo é visível a olho nu, mesmo em cidades bem iluminadas. Tente observar os planetas após o pôr do sol, antes que o céu fique completamente escuro. As conjunções emolduradas pelas cores degradê crepuscular são verdadeiros espetáculos no céu” explicou o Centro Observatório da Ufes. 

Dezembro terá asteroide gigante e chuva de meteoros

De acordo com a Agência Espacial Americana (NASA), o asteroide 4660 Nereus possui 492 pés de comprimento, equivalente a aproximadamente 150 metros de comprimento. Ele vai entrar na órbita da Terra no dia 11 de dezembro.

A imensa rocha espacial chegará a cerca de 4,6 milhões de milhas (7,4 milhões de quilômetros) da Terra A agência classificou o fato como “potencialmente perigoso”.

Embora seja classificado assim, a Nasa relatou que não há nenhuma ameaça à humanidade, e não há motivo para preocupação, já que o astro passará a cerca de 3,9 milhões de quilômetros da Terra.

Chuva de meteóro

Já nos dias 13 e 14, o céu será palco de um espetáculo: um pico da chuva de meteoros Geminídeas, considerada pela Nasa uma das melhores e mais marcantes do ano. Será possível visualizar até 120 meteoros por hora.

No céu do território brasileiro, as luzes em movimentos poderão ser observadas, embora ele seja mais visível do hemisfério Norte.

Segundo especialistas, acredita-se que a Geminídeas seja originária dos fragmentos do asteroide 3200 Faetonte, que passou “raspando” pela Terra em novembro de 2017. 

 

Leia mais:  Parceria com BrazilFoundation beneficia mais de mil pessoas na bacia do rio Doce

Continue lendo

Brasil

Com Selic em 9,25% ao ano, poupança voltará a render pela regra antiga

Publicado

Para superintendente executiva de Investimentos do Santander, mudança pode atrair mais aportes para caderneta, mas outras opções na renda fixa ainda são mais rentáveis

A maior parte dos analistas de mercado espera mais uma alta de 1,5 ponto na Selic na reunião desta semana do Comitê de Política Monetária (Copom), o que elevaria a taxa básica de juros dos atuais 7,75% a 9,25% ao ano em dezembro. A última decisão de 2021 do colegiado do Banco Central será nesta quarta.

Nesse cenário, já é quase certo que um referencial importante para os investidores pessoa física vai mudar. Quando a Selic fica acima de 8,5% ao ano – nível que não era superado desde julho de 2017 –, a caderneta de poupança volta a render de acordo com a regra antiga, com remuneração de 0,5% ao mês, mais a taxa referencial (TR), hoje zerada. Quando os juros estão abaixo de 8,5% a.a., os recursos depositados na poupança rendem 70% da Selic, acrescidos da TR.

Essa mudança, no entanto, só vale para depósitos feitos na poupança depois de 2012, quando a regra de rendimento da caderneta foi alterada para o modelo atual, destaca Luciane Effting, superintendente executiva de Investimentos do Santander. “Para quem efetuou depósitos antes da mudança, a rentabilidade será sempre de 0,50% ao mês + TR”, explica.

Nos cálculos de Luciane, com a Selic igual ou acima de 8,5% ao ano, o rendimento anual da caderneta de poupança equivale a 6,17% anuais, acrescido da TR. Ainda que o percentual continue perdendo para a inflação, a superintendente avalia que a rentabilidade um pouco maior pode atrair mais aportes para a poupança.

“Muitos poupadores enxergam na poupança um porto seguro, pelas suas características ou mesmo por um tema cultural, e levando em consideração um cenário de bastante volatilidade que pode se estender nos próximos meses, este pode ser mais um motivo da busca por essa segurança”, comentou.

Por outro lado, a superintendente destaca que a alta da Selic não impacta somente a rentabilidade da poupança, mas também a de outros ativos pós-fixados atrelados ao CDI . “E quando comparamos essa rentabilidade que a poupança irá alcançar com a rentabilidade de um CDB, por exemplo a 100% do CDI, a poupança pode perder atratividade.”

Há diferentes opções de investimento no mercado de renda fixa, diz Luciane. Mas a decisão de qual produto escolher deve estar associada aos objetivos, ao prazo e ao apetite a risco do investidor.

Veja alguns exemplos apontados pela superintendente executiva de Investimentos do Santander:

CDB DI e Fundos DI: para quem busca segurança e liquidez. Ambos acompanham o CDI, que acompanha de perto a taxa Selic, e no caso do CDB é preciso avaliar a taxa atrelada ao CDI;

LCIs e LCAs: para quem tem disponibilidade para o médio prazo, pois letras possuem carência e/ou opções que não permitem resgates antes do vencimento. O diferencial é que elas são isentas de IR para pessoa física, o que torna a rentabilidade potencialmente mais interessante;

Crédito Privado (CRI/CRA/ Debêntures Incentivadas): são títulos de renda fixa emitidos por empresas não financeiras. Aqui o investidor pode encontrar opções de empresas com boas avaliações de crédito e taxas interessantes.

E esses títulos também são isentos de IR para pessoa física.

Leia mais:  Governo Federal antecipa segunda parcela do Auxílio Emergencial
Continue lendo

São Mateus

Política e Governo

Segurança

Camisa 10

Mais Lidas da Semana