conecte-se conosco


Cidades

Cronograma do Fonplata é apresentado em Assembleia Popular

Publicado

A vinda de uma equipe do Fundo de Desenvolvimento Fonplata e o cronograma do workshop para o início de obras do Programa de Requalificação Urbana em Vila Velha foram apresentados durante a tradicional Assembleia Popular, ocorrida nesta segunda-feira (10). O encontro com a comunidade foi realizado no Centro de Capacitação e Complementação (Titanic), na Praça Duque de Caxias, Centro.

 O prefeito Max Filho, ao lado do vice-prefeito Jorge Carreta, destacou que nos dias 29 e 30 de dezembro, o Executivo Municipal firmou contrato de financiamento no valor de U$ 27,6 milhões (mais de R$ 110 milhões) com o Fonplata, para investimentos em infraestrutura e melhorias ambientais em regiões da cidade.

“Serão obras em 30 bairros e mais a implantação de quatro parques na cidade”, frisou o prefeito, que ainda lembrou da primeira vez que assumiu a Prefeitura de Vila Velha, em 2000, e lutou para conseguir um financiamento para melhorias no bairro Dom João Batista.
 
“Quando assumi a Prefeitura, Vila Velha estava entre os 126 municípios brasileiros que iriam receber recursos do Banco Interamericano de Desenvolvimento, no programa Habitar Brasil. Antes da minha posse, o antigo prefeito assinou um convênio em que Vila Velha estava renunciando o programa Habitar Brasil. Eu só descobri isso depois de quase três meses na Prefeitura e fiquei sem chão. Na época, Max Mauro era deputado federal e reunimos os deputados”, contou.

Leia mais:  Municípios fazem balanço das arboviroses registradas em 2019

O prefeito ainda acrescentou que, depois de muita luta, conseguiu, junto com a comunidade, reaver os recursos. “Dos 126 municípios que estavam contemplados no Habitar Brasil, apenas 20 executaram as obras. E dentro destes, Vila Velha foi contemplado. E foi na raça”, ressaltou. Assim, “o programa do Fonplata não é o projeto do prefeito Max Filho, tem que ser um projeto da cidade de Vila Velha”, afirmou o prefeito.

O secretário municipal de Planejamento e Projetos Estratégicos (Sempla), Ricardo Ferreira dos Santos, apresentou o cronograma de trabalho conjunto entre a instituição financeira e o município. “O contrato de financiamento vinha sendo trabalhado desde junho de 2017. Levamos 30 meses para conseguir realizar esta importante operação de crédito, envolvendo pavimentação, drenagem vias, abrigo de ônibus, calçadas, ciclovias e outras melhorias urbanas, além dos parques, para que tenham condições de terem uma visão física do território de Vila Velha”.

O presidente do Centro Comunitário de Santa Paula I, Adir Barbosa, utilizou a tribuna para vibrar com obras para o bairro. “Minha comunidade de Santa Paulo I tem mais de 30 anos e nunca em nenhuma gestão contemplou com nenhuma obra nessa magnitude. Os moradores estão ansiosos e felizes em saber que seremos contemplados já de início em seis ruas, com drenagem e pavimentação em nossa comunidade que vai melhorar a qualidade de vida do nosso povo”, contou.
Como de costume, durante a reunião, outros moradores e lideranças comunitárias de vários bairros de Vila Velha registraram suas demandas.

Leia mais:  Eclipse da lua: planetário da Ufes receberá público e transmitirá fenômeno pela internet

publicidade

Cidades

Jaguaré atrai empresa agroindustrial

Publicado

Bom momento vivido pelo município é atrativo para empresa multinacional; grande produção de café conilon e perfil logístico também são fatores positivos para Jaguaré

Na manhã da última segunda-feira (16), o prefeito Marcos Guerra recebeu a visita dos representantes da empresa multinacional Eisa – Empresa Interagrícola SA. A empresa atua em atividades de armazenagem, industrialização e rebeneficiamento de café cru em grão e vai instalar uma unidade de produção na região norte do Estado. Os diretores apresentaram ao prefeito Marcos Guerra uma Carta de Intenções para a execução da empreitada.

Na oportunidade, participaram da visita o diretor comercial Carlos Santana, o diretor financeiro, Eudélio Oliveira, o gerente comercial em Vitória, Rodrigo Ernani, o presidente da Descamex, empresa de descafeinização do México, Demétrius Mogueira e Alejandro. Também participaram da reunião, o secretário municipal de Finanças João Marcos Preato Deolindo, o secretário de Desenvolvimento Econômico Cayo Casagrande e o controlador municipal interino Sorieldo Engelhardt.

O prefeito Marcos Guerra ressaltou que o município está aberto e que não há obstáculo nenhum para a instalação de novas empresas em Jaguaré e que, o objetivo é a geração de emprego e renda.

“Estamos trabalhando arduamente para atrair o desenvolvimento com geração de emprego e renda para Jaguaré, em especial para a área do Polo Industrial, tornando realidade esse sonho da população do município. Nós precisamos cuidar e manter o que nós temos. Mas, também, precisamos ampliar as possibilidades e, uma empresa como o Eisa, nos permitirá isso. Estamos preparados para o desenvolvimento em parceria saudável com a Câmara de Vereadores e com o Governo do Estado. Os nossos interesses são sempre transparentes e são para o município, tanto que convidamos a imprensa para fazer parte deste momento”, afirmou o prefeito referindo-se à presença de profissionais de imprensa na reunião.

Leia mais:  Municípios fazem balanço das arboviroses registradas em 2019

O investimento

O investimento total para implantação do projeto é de aproximadamente cento e oitenta milhões de reais. Esse valor contempla a construção do armazém, infraestrutura, compra e instalação de maquinas e equipamentos. A Eisa estima a criação de 120 empregos diretos com a implantação do empreendimento e início das operações, com média salarial bruta estimada em R$1,800,00. Estudos mostram que, nesses casos, um emprego direto gera pelo menos 3 empregos indiretos podendo, nesse caso alcançar a geração de mais 360 empregos para prestadores de serviços de oficinas, de siderúrgica, mecânica, entre outros.

O diretor comercial da Eisa, Carlos Santana, destacou que Jaguaré apresenta condições excepcionais para a implantação da empresa. Entre elas o bom ambiente político vivido no momento, com boas relações com o Governo do Estado e a Câmara Municipal.

“Encontramos um ambiente muito sadio com alinhamento entre o Executivo e o Legislativo para a instalação de um investimento de cerca de 30 milhões de dólares na primeira fase. Trata-se do processamento do café conilon com a descafeinização do grão. E Jaguaré é o maior produtor de café conilon do Estado do Espírito Santo, que também produz cafés lavados, os arábicas das regiões serranas, e um bom café natural, além do conilon, ou seja, os três ingredientes que compõem o blend, o Estado produz. Vamos trabalhar com o comércio exterior com venda para vários países, além da venda da cafeína natural para a indústria de cosméticos. E vamos fazer isso com um critério de sustentabilidade muito forte”, destacou.

Leia mais:  Tabela SUS Capixaba para exames é publicada no Diário Oficial

Estrutura

No projeto de instalação da unidade da multinacional, a Eisa planeja instalar um armazém para recebimento, armazenagem e rebeneficiamento de café cru em grãos e uma unidade para processos industriais no segmento de café verde. A capacidade inicial seria para armazenagem de 700 mil sacas de café cru em grãos. O rebeneficiamento será efetuado com máquinas de pré-limpeza, catadoras de resíduos, densimétricas, classificadoras e selecionadoras eletrônicas de grãos. Na área industrial serão utilizados tanques extratores, secadores e decantadores.

A Eisa é parte de uma multinacional, a Ecom, uma empresa agroindustrial de 180 anos, que atua no comércio de commodities e gestão de cadeia de suprimentos sustentável. Opera em 35 países produtores em todo o mundo e concentra a produção principalmente em café, algodão e cacau, além de participar de outros mercados de produtos agrícolas selecionados. A empresa figura entre os maiores comerciantes de café, está entre os quatro maiores comerciantes de cacau e os 5 maiores comerciantes internacionais de algodão.

Continue lendo

Cidades

Detran adequa sistema de Habilitação para emissão do novo modelo de CNH

Publicado

O Departamento Estadual de Trânsito do Espírito Santo (Detran|ES) informa que, devido à necessidade de parametrizar o sistema para expedição do novo modelo da Carteira Nacional de Habilitação (CNH), o sistema de Habilitação ficará paralisado temporariamente para o serviço de triagem de processo de Habilitação e não haverá emissão de Carteira Nacional de Habilitação (CNH) entre os dias 26 e 31 de maio em todo o Estado.  

A parada temporária é necessária para a adequação do sistema do órgão com a gráfica que emite o documento no Estado e realização de testes para a adoção do novo modelo da CNH a partir no dia 1º de junho de 2022, conforme estabelecido pela Resolução Nº 886, do Conselho Nacional de Trânsito (Contran). 

A medida não afeta a abertura de novos processos de Habilitação e a aplicação de exames teóricos e práticos, que serão feitos normalmente no período de parada programada. 

Os condutores que abrirem processos de Habilitação entre os dias 26 e 31 de maio terão a CNH emitida já no novo modelo a partir do dia 1º de junho de 2022, assim como poderão baixar a Carteira Nacional de Habilitação Eletrônica (CNH-e) no mesmo formato no aplicativo Carteira Digital de Trânsito (CDT) a partir dessa data. 

Leia mais:  Agência do Banestes suspende funcionamento após ter fios furtados em Vitória

Continue lendo

São Mateus

Política e Governo

Segurança

Camisa 10

Mais Lidas da Semana