conecte-se conosco


Cidades

Dados sobre qualidade da água do rio Doce estão disponíveis na internet

Publicado

As informações geradas pelo Programa de Monitoramento Quali-quantitativo Sistemático de Água e Sedimento (PMQQS) do rio Doce passaram a contar com uma ferramenta mais transparente e acessível para sua divulgação: o Portal de Monitoramento do rio Doce. Por meio da plataforma, qualquer pessoa pode ter acesso direto ao banco de dados sobre a qualidade e quantidade de água e sedimentos no rio Doce, escolhendo as regiões e parâmetros que deseja visualizar.

A equipe da Coordenação Técnica de Enfrentamento da Crise Ambiental do Rio Doce (CTECAD) do Instituto Estadual de Meio Ambiente e Recursos Hídricos (Iema) trabalhou na criação do Portal junto da Agência Estadual de Recursos Hídricos (Agerh), da Agência Nacional de Águas e Saneamento Básico (ANA), do Instituto Brasileiro de Meio Ambiente e Recursos Renováveis (Ibama), do Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade (ICMBio), do Instituto Mineiro de Gestão das Águas (Igam) e da Fundação Renova.

“Nossa equipe acompanhou todas as etapas de construção da ferramenta, contribuindo com informações técnicas e sugestões de melhorias dos layouts. O portal marca um momento importante na busca de dar transparência aos trabalhos e ao monitoramento realizados no âmbito da restauração ambiental do rio Doce”, destacou Gilberto Arpini, coordenador da CTECAD.

Esta é a primeira versão do Portal de Monitoramento, que reúne dados tanto do monitoramento convencional quanto do automático e, futuramente, contará com os dados das zonas costeira, estuários e as lagoas monitoradas pelo programa.

Atualmente, o site traz os resultados de qualidade de água e sedimentos em 39 pontos de monitoramento convencional localizados no rio Doce e afluentes para os seguintes parâmetros:

  • Água: oxigênio dissolvido, pH (acidez), turbidez, sólidos suspensos totais, ferro dissolvido, alumínio dissolvido, manganês total, arsênio total, cádmio total, chumbo total, Escherichia coli, níquel total, zinco total, cromo total e mercúrio total.
  • Sedimentos: ferro, alumínio, manganês, cádmio, chumbo e arsênio.

Já no monitoramento automático, são disponibilizados dados gerados pelas estações automáticas em 22 pontos de monitoramento localizados no rio Doce e afluentes para os seguintes parâmetros:

  • Quantitativo: nível da água e precipitação pluviométrica.
  • Qualitativo: oxigênio dissolvido, pH (acidez), condutividade elétrica, temperatura da água, turbidez, clorofila a e cianobactérias

Antes do lançamento do Portal, os dados do monitoramento eram divulgados por meio de relatórios. “Entretanto, esses documentos não estavam atendendo plenamente a comunicação do PMQQS, pois nem sempre estavam em linguagem clara, além de serem muito técnicos e extensos. O portal é acessível para os interessados com diferentes formações e necessidades de informação, com visualização de gráficos de qualidade das águas e dos sedimentos além da possibilidade de fazer o download de toda a base de dados do PMQQS”, explicou a servidora do Iema, Emília Brito, integrante da Câmara Técnica de Segurança Hídrica e Qualidade da Água.

A CTECAD do Iema faz parte do Grupo Técnico do Programa de Monitoramento Quali-quantitativo, Sistemático, Água e Sedimentos (GTA-PMQQS), que foi implementado em julho de 2017 com o objetivo principal de acompanhar e propor melhorias ao programa implementado pela Fundação Renova, que por sua vez, tem o objetivo de acompanhar, ao longo do tempo, a recuperação da bacia hidrográfica do rio Doce e zona costeira e estuarinas adjacentes.

Este programa faz parte das ações de reparação dos danos causados pelo rompimento da barragem de Fundão, em Mariana, em Minas Gerais, ocorrido em 05 de novembro de 2015.

Acesse o portal em: www.monitoramentoriodoce.org

Leia mais:  Linhares é o terceiro maior gerador de empregos formais do Espírito Santo em 2020
publicidade

Cidades

Obra de saneamento é apresentada em Vila Velha

Publicado

Projeto da Cesan para a Grande Terra Vermelha, em Vila Velha, foi o assunto debatido em audiência pública da Comissão de Saúde da Assembleia

Interligar todas as residências em uma única rede de esgoto, com a ligação das casas até a tubulação da rua e construir duas estações de tratamento para atender todos os bairros do entorno. Esse é o trabalho que será realizado pela Companhia Espírito Santense de Saneamento (Cesan) na Região 5, conhecida como Grande Terra Vermelha, em Vila Velha. O cronograma de obras foi apresentado em audiência pública promovida pela Comissão de Saúde da Assembleia Legislativa (Ales) na noite de quarta-feira (15).

O encontro aconteceu na Escola Estadual de Ensino Médio Mário Gurgel, em Jabaeté, e contou com a presença de autoridades, especialistas, líderes comunitários e moradores da região.

De acordo com o gerente de projetos da Cesan, Luiz Cláudio Victor Rodrigues, a universalização do saneamento básico na maior região do município, que hoje conta com cerca de 100 mil moradores, vai custar R$ 228 milhões e  tem previsão de entrega para o primeiro trimestre de 2024. 
Os recursos para as obras são oriundos do governo do Estado, Banco de Desenvolvimento do Espírito Santo (Bandes) e Banco Mundial. 

“A universalização levará rede coletora e tratamento para todos os bairros da região, inclusive Ponta da Fruta, Balneário Ponta da Fruta e Barra do Jucu. São 184 quilômetros de estrutura. A ordem de serviço já foi dada, a equipe de topografia já está no local e tem até seis meses para concluir o projeto e colocar a obra em andamento. Estamos conversando com as empresas para viabilizar a contratação de mão de obra local”, disse Rodrigues.

Os impactos socioambientais para os moradores das localidades envolvidas nas obras estão sob fiscalização de uma empresa contratada para acompanhar o processo. Segundo a gestora social do projeto, Danielle Érica da Silva, a população está sendo ouvida.  

“Nosso objetivo é levantar possíveis riscos para os moradores dos locais afetados pela obra, mitigando possíveis danos e perdas para quem vive nesses locais”, afirmou.

Proponente da audiência pública, o presidente de Comissão de Saúde, deputado Doutor Hercules (MDB), abordou a necessidade de levar à comunidade as informações necessárias acerca das mudanças nas comunidades que serão contempladas. Ele informou que uma nova reunião será realizada na Câmara de Vereadores de Vila Velha.

“A pedido de lideranças e do vereador Joel Rangel, nós vamos fazer uma nova reunião, mas será no Legislativo municipal. É fundamental a participação dos moradores para que sejam esclarecidos todos os pontos. Os representantes dos bairros vão tirar suas dúvidas sobre diversos pontos relacionados ao fornecimento de água e saneamento básico na região”, pontuou.

Leia mais:  Banestes encerra primeiro semestre do ano com resultado positivo de R$ 114 milhões
Continue lendo

Cidades

Seag e Sebrae-ES oferecem oficinas e consultorias para impulsionar a agroindústria familiar e empreendimentos rurais

Publicado

A Secretaria da Agricultura, Abastecimento, Aquicultura e Pesca (Seag), em parceria com o Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas (Sebrae) está dando continuidade ao programa “Agrolegal” em 2021. A estruturação do projeto teve início no ano passado e tem como principal objetivo o aperfeiçoamento de políticas públicas que visem a impulsionar o desenvolvimento da agroindústria familiar e de empreendimentos rurais.

Segundo o coordenador de Agroindústria e Empreendedorismo Rural da Seag, Jackson Fernandes de Freitas, atualmente estão sendo desenvolvidas oficinas no formato on-line e consultorias para produtores e donos de empreendimentos, em parceria com o Sebrae-ES. À medida que participam das oficinas, os produtores passam a ter acesso às consultorias. O plano para os próximos meses é continuar com as oficinas e promover capacitações para municípios e produtores.

Outra ação a ser realizada nos próximos meses é a publicação de uma portaria com a definição dos critérios para a utilização da logomarca criada para os produtos da agroindústria familiar e produtores originais do Espírito Santo. 

O setor da agroindústria é essencial para promover inclusão social e produtiva às famílias rurais por meio da participação nas mais diversas etapas de produção. O principal foco da iniciativa é executar ações que estimulem o desenvolvimento das agroindústrias familiares e de pequeno porte e do empreendedorismo rural no Estado do Espírito Santo. São mais de 1.500 empreendimentos de agroindústria familiar em todo o Estado.

O projeto conta com quatro grandes eixos de atuação: 1) fortalecimento do serviço de inspeção municipal; 2) orientação técnica e qualificação dos agricultores, dos empreendimentos e dos servidores que prestam suporte; 3) ampliação de mercado para as agroindústrias; e 4) Fomento à inovação e outras atividades empreendedoras. As ações planejadas envolvidas nesses quatro eixos vão desde a realização de capacitações e articulação de espaços para comercialização até o apoio a projetos de pesquisa, por exemplo.

Texto: Camila Borges

Leia mais:  Mais de mil vagas para oficinas com bolsa no Espírito Santo
Continue lendo

São Mateus

Política e Governo

Segurança

Camisa 10

Mais Lidas da Semana