conecte-se conosco


Mundo Cristão

Decisão do Vaticano sobre casamento gay gera post furioso de Elton John

Publicado

Cantor chama Vaticano de hipócrita após Igreja proibir benção a casamento gay

“Como pode o Vaticano se recusar a abençoar casamentos gays porque eles ‘são pecado’, mas felizmente lucrar investindo milhões em ‘Rocketman'”, questionou o cantor

Elton John acusou o Vaticano de hipocrisia depois que a Igreja Católica disse que não poderia abençoar casais do mesmo sexo. O cantor, que se casou com David Furnish em 2014, também revelou que o Vaticano investiu “milhões” em sua cinebiografia ‘Rocketman’ (2019).

No Instagram, ele compartilhou um post furiosos dizendo: “Como pode o Vaticano se recusar a abençoar casamentos gays porque eles ‘são pecado’, mas felizmente lucrar investindo milhões em ‘Rocketman’ – um filme que celebra minha descoberta da felicidade de meu casamento com David?? #hipocrisia”.

O cantor de 73 anos marcou a Igreja Católica e o Papa Francisco, que aprovou o decreto do Vaticano. De acordo com o The Daily Beast, o Vaticano investiu tanto em ‘Rocketman’ quanto em ‘MIB: Homens de Preto Internacional’.

Papa Francisco. (Foto: Getty Images)

Em sua explicação sobre as uniões entre pessoas do mesmo sexo, a Congregação para a Doutrina da Fé disse que Deus “não pode abençoar o pecado”. A declaração dizia: “A presença em tais relações de elementos positivos, que por si só devem ser valorizados e apreciados, não pode justificar essas relações e torná-las objetos legítimos de uma bênção eclesial, uma vez que os elementos positivos existem no contexto de uma união não ordenada ao plano do Criador”.

David Furnish e Elton John (Foto: Instagram)

Leia mais:  Apóstolo pede que Bolsonaro proclame “jejum de arrependimento” ao Brasil
publicidade

Mundo Cristão

Cego chora e louva a Deus após ter visão recuperada

Publicado

Idoso se emociona e agradece a Deus pela vida do médico que foi instrumento para recuperar a sua visão.

Depois de quase 20 anos sem enxergar por causa da catarata, um senhor das Filipinas, de 65 anos, cego, se emocionou depois de recuperar a sua visão em uma cirurgia de apenas sete minutos.

A operação ocorreu em 12 de março, no International Eye Center, uma clínica que fica na província de Pampanga, após a cirurgia o paciente voltou a enxergar e agradeceu a Deus por poder ver novamente.

Para que a operação fosse possível, o senhor, teve que contar com apoio de doações e também com uma instituição de caridade.

Noel Lacsamana, o médico que o operou disse que: “Foi um momento muito especial. O paciente conseguiu enxergar novamente depois de todos aqueles anos”, e parabenizou o homem que ficou 19 anos sem poder enxergar.

Um agradecimento especial ao Senhor

O paciente apertou fortemente a mão do Dr. Noel, o abraçou, agradeceu a ele e depois olhou para o seu e disse: “Meu Senhor, obrigado por abrir meus olhos”.

Para o homem que estava cego, ver era uma coisa muito distante, mas ele acredita que Deus usou a vida do médico para que ele pudesse voltar a enxergar novamente.

Sua esposa contou que eles ouviram falar do médico por meio de um programa de rádio, e foi através disso que a esperança acendeu em seu coração.

O médico que está a 16 anos na profissão, disse que abriu a sua própria clínica depois de trabalhar em grandes hospitais e que 60% dos seus pacientes são casos de caridade que ele faz para retribuir a bolsa integral que ganhou para estudar medicina.

 

Leia mais:  Pastor mostra 4 formas de enxergar as perspectivas de Deus para o próximo ano

Continue lendo

Mundo Cristão

STF derruba lei que obriga Bíblia em bibliotecas e escolas estaduais, no Amazonas

Publicado

A maioria dos ministros do Supremo Tribunal Federal (STF) votou para derrubar uma lei que obriga escolas e bibliotecas públicas estaduais a manterem ao menos um exemplar do principal livro do Cristianismo nesses espaços.

Na avaliação deles, a norma viola a laicidade do Estado e a liberdade religiosa garantida na Constituição. A decisão não impede a aquisição da Bíblia ou livros sagrados de outras religiões, mas derruba a imposição de adquirir apenas um deles.

“Nas normas impugnadas, ao determinar-se a existência de exemplar da Bíblia nas escolas e bibliotecas públicas, institui-se comportamento, em espaço público estatal, de divulgação, estímulo e promoção de conjunto de crenças e dogmas nela presentes. Prejudicam-se outras, configurando-se ofensa ao princípio da laicidade estatal, da liberdade religiosa e da isonomia entre os cidadãos”, diz trecho do voto da relatora, a ministra Cármen Lúcia.

Segundo ela, a lei do Amazonas confere “tratamento desigual” uma vez que “assegura apenas aos adeptos de crenças inspiradas na Bíblia acesso facilitado em instituições públicas”. A ministra avaliou que a norma “desprestigia outros livros sagrados quanto a estudantes que professam outras crenças religiosas e também aos que não têm crença religiosa alguma”.

Até agora, já votaram da mesma forma os ministros Alexandre de Moraes, Marco Aurélio Mello, Edson Fachin, Rosa Weber, Ricardo Lewandowski e Dias Toffoli. Faltam os votos de mais quatro ministros: Nunes Marques, Luís Roberto Barroso, Gilmar Mendes, e do presidente da Corte, Luiz Fux. Eles têm até segunda-feira para fazer isso. O julgamento é no plenário virtual, em que eles não se reúnem, apenas colocando seus votos no sistema eletrônico da Corte.

A ação foi proposta em 2015 pelo então procurador-geral da República Rodrigo Janot. Cármen apontou que, em julgamento passado, o STF manteve decisão do Tribunal de Justiça do Rio de Janeiro suspendendo uma lei local semelhante. A relatora não citou, mas, em 2019, o STF também manteve uma decisão do Tribunal de Justiça do Amazonas que derrubou uma lei municipal de Manaus que obrigava espaços públicos a manter exemplares da Bíblia.

Leia mais:  Apóstolo pede que Bolsonaro proclame “jejum de arrependimento” ao Brasil
Continue lendo

São Mateus

Política e Governo

Segurança

Camisa 10

Mais Lidas da Semana