conecte-se conosco


Medicina e Saúde

Deputados debatem atendimento eletivo em saúde

Publicado

O retorno de cirurgias não emergenciais durante a pandemia dividiu a opinião dos parlamentares na sessão ordinária desta quarta-feira

A pandemia do novo coronavírus e suas consequências nas mais diversas áreas foi destaque nos discursos dos deputados durante a sessão ordinária virtual realizada nesta quarta-feira (24). Entre os temas, destaque para o atendimento na área da saúde para outras demandas que não sejam as relacionadas à Covid-19.

O deputado Delegado Lorenzo Pazolini (Republicanos) destacou a necessidade de manter outros serviços funcionando na área da saúde. Pazolini falou sobre os atendimentos eletivos, aqueles que funcionam com agendamento prévio e que não são considerados emergenciais. 

“As pessoas continuam tendo outras necessidades na área da saúde. As estruturas de saúde não podem receber apenas pacientes de coronavírus. Os procedimentos eletivos foram suspensos. Infelizmente temos um número grande de vítimas da epidemia do descaso, pessoas que não estão conseguindo atendimento ou nem estão saindo de casa para procurar assistência por medo”, ressaltou o parlamentar, pontuando casos particulares de cirurgias cardíacas e ortopédicas.

O deputado Dr. Emílio Mameri (PSDB) também falou sobre as consequências da pandemia para as outras áreas da saúde. “As cirurgias eletivas precisaram ser suspensas e sabemos que isso vai ter um custo. Além disso, essa situação da pandemia vai gerar outras demandas, sobretudo para a área da saúde mental. Já estamos em diálogo com o governo para acompanhar o retorno de serviços de saúde que, embora não sejam considerados emergências, são muito importantes”, disse Mameri. Ele ainda lembrou que haverá o lançamento da Frente Parlamentar em Defesa da Saúde Mental nesta quarta-feira (24). 

Sobre o tema, o deputado Doutor Rafael Favatto (Patriota) destacou que o retorno de cirurgia eletivas precisa ser uma decisão cautelosa. “Muitas cirurgias eletivas, embora não sejam emergência, necessitam de uma UTI à disposição caso haja alguma complicação. Esses procedimentos são aqueles que não colocam a vida do paciente em risco caso ele espere mais algum tempo. Além disso, colocar esse paciente, que está bem, dentro de um hospital atualmente pode representar um risco maior ao paciente. É preciso reforçar que é diferente da cirurgia de emergência. Existe uma reserva de UTI para as emergências e esses procedimentos estão acontecendo”, explicou Favatto. 

“A palavra é bom senso”, defendeu o deputado Hudson Leal (Republicanos). “Qualquer cirurgia ou mesmo o procedimento de anestesia gera uma imunodeficiência no paciente. Se puder esperar, melhor esperar”, opinou.   

Reabertura das escolas

Na área da educação, o deputado Sergio Majeski (PSDB) registrou a preocupação com o retorno das aulas presenciais nas escolas. As aulas estão suspensas no Estado desde o dia 17 de março e, de acordo com o decreto em vigor, a suspensão vai até o dia 30 de junho. A Secretaria Estadual de Educação (Sedu) sinalizou que a suspensão deve ser prorrogada. 

“A curva continua aumentando, o número de contaminados e mortes só cresce. Diante disso, é um despropósito falar de retorno das aulas presencias em julho ou agosto. É claro que é preciso estudar esse retorno desde já, para organizar a rede de ensino. Mas esse momento poderia ser mais bem aproveitado para melhorar o material que é disponibilizado aos alunos, melhorar o acesso dos alunos em termos de tecnologia e capacitar os professores para essa nova demanda”, defendeu.  

Majeski afirmou que está encaminhando uma série de questionamentos à Sedu para acompanhar os debates sobre o retorno das atividades presenciais.

Juro Zero

O deputado Alexandre Xambinho (PL) sugeriu a ampliação do “Juros Zero”, programa estadual voltado para micro e pequenas empresas. A iniciativa permite que empreendedores capixabas tenham acesso a empréstimos de R$ 5 mil com carência e parcelamento especial, além da taxa de juros zerada. Xambinho sugeriu que o valor seja maior para dar fôlego ao setor. 

“Temos recursos parados no Fundo Soberano que podem ser utilizados para ampliar o Programa Juros Zero. Minha proposta é aumentar o valor do empréstimo de R$ 5 para R$ 15 mil. O Espírito Santo possui 420 mil micro e pequenos empreendedores. São quase 1 milhão de capixabas que vivem do pequeno negócio direta ou indiretamente. Tudo isso retorna ao governo do Estado em forma de empregos e de impostos. Precisamos dar maior apoio a esse ramo”, destacou o parlamentar. 

Concursos na segurança

O deputado Delegado Danilo Bahiense (PSL) destacou a situação da segurança pública no Estado. De acordo com o parlamentar, o Espírito Santo deveria ter 3.800 servidores atuando na área, mas, atualmente, conta com 2.050. Bahiense falou sobre um projeto de lei para permitir que os concursos da área sigam normalmente mesmo durante a pandemia.

“Os concursos públicos da área da segurança estão paralisados. Por isso, estamos trabalhando em uma proposta que reconhece os cursos de formação como serviço essencial para que possamos dar continuidade aos trâmites mesmo durante a pandemia. O efetivo policial precisa de reforço urgente”, explicou. 

Assistência social 

O deputado Carlos Von (Avante) comparou os números do Espírito Santo com os da Paraíba e cobrou políticas públicas de assistência social. 

“O Espírito Santo tem mais de 1.400 mortes por Covid-19, enquanto o Estado da Paraíba apresenta pouco mais de 700 óbitos. O número de habitantes é próximo, de infectados também, mas o número de óbitos é muito menor. Precisamos entender o que eles estão fazendo para ter um resultado melhor. Também quero destacar que uma das prioridades nesse momento tem que ser a garantia de alimentos. O Estado precisa dar uma assistência maior às famílias que necessitam, em especial com a doação de cestas básicas”, destacou Von.

Leia mais:  Treinar no mesmo horário todos os dias pode evitar que você ganhe peso
publicidade

Medicina e Saúde

Hospital Central realiza primeira captação de múltiplos órgãos do ano

Publicado

O Hospital Estadual Central (HEC), em Vitória, realizou, nesse último domingo (24), a primeira captação de múltiplos órgãos do ano. A família, mesmo em um momento delicado com a perda de um ente, se sensibilizou com a possibilidade de ajudar tantas outras vidas e decidiu doar os órgãos para quem aguardava na fila de transplante.

“Em um momento de tristeza para uma família, a generosidade e a consciência da importância do ato da doação de órgãos propiciaram que outras pessoas tivessem um dia feliz. Parabenizo a equipe que abordou e correu contra o tempo para realizar esse feito. Agradeço a família que, em meio ao sofrimento, conseguiu pensar no próximo”, exclamou Miguel Duarte, diretor-geral do Hospital Estadual Central.

Foram captados o coração, dois rins, duas córneas e o fígado. A cirurgia durou cerca de cinco horas e contou com uma equipe de enfermeiros, técnicos e médicos. A abordagem à família foi realizada pelo serviço social e pela enfermagem. Com os órgãos doados, seis pessoas foram beneficiadas. Todas são do Espirito Santo e estavam na fila de transplante. “Neste momento de pandemia salvar vidas tem um significado muito especial. Encerra-se um ciclo e tantos outros se abrem”, destacou a coordenadora do centro cirúrgico, Fernanda Santos de Paula.

A coordenadora do Serviço Social, membro da Comissão Intra-Hospitalar de Doação de Órgãos e Tecidos para Transplantes (CIHDOTT), Karina Albino, explicou como se deu a abordagem. “Para a captação de órgãos acontecer, a abordagem precisa ser feita de uma forma leve e empática, porém rápida, afinal o tempo é crucial em todo esse processo. Após o sim da família, a equipe entra em campo para realizar todo o procedimento”.

O HEC conta com uma Comissão Intra-Hospitalar de Doação de Órgãos e Tecidos para Transplantes (CIHDOTT), que é a equipe que efetiva a proposta de doação, identificando os possíveis doadores e promovendo os protocolos para possibilitar o processo de doação de órgãos e tecidos dentro da instituição. A CIHDOTT é responsável ainda pelo acolhimento dos familiares de pacientes falecidos tanto doadores quanto não doadores. Nesse caso, a abordagem ocorre antes, durante e depois de todo o processo.

Dados sobre transplantes

Segundo dados da Central Estadual de Transplantes do Espírito Santo (CET-ES), neste início do ano foram realizados quatro transplantes de órgãos e 21 transplantes de córnea no Estado. Até esta segunda-feira (25), a Central contabilizou 1.440 pacientes aguardando por um órgão no Estado, sendo 1.038 para rim, 376 para córneas, 22 para fígado e quatro à espera de um coração.

Leia mais:  Alimentos que auxiliam no combate à depressão
Continue lendo

Medicina e Saúde

Estado começa imunização de trabalhadores da saúde com doses da Oxford-AstraZeneca

Publicado

O Governo do Estado iniciou, na manhã desta segunda-feira (25), a imunização dos profissionais da saúde com as doses da vacina contra o novo Coronavírus (Covid-19) da Oxford-AstraZeneca, produzida na Índia e importada pelo Ministério da Saúde. A cerimônia de vacinação simbólica ocorreu na Unidade Básica de Saúde (UBS) de São Francisco, em Cariacica, com a presença do governador Renato Casagrande. O Espírito Santo recebeu 35.500 doses da vacina, que chegaram neste domingo (24) e serão utilizadas para contemplar mais 27% dos trabalhadores da saúde que estão na linha de frente do combate à Covid-19.

“O mais importante da chegada dessas vacinas é que a gente pode ter a oportunidade de vacinar todos os trabalhadores da saúde pública do Espírito Santo que estão na linha de frente no combate à doença. A prioridade dada a esses profissionais é para que tenhamos segurança na aplicação das vacinas quando iniciar a fase de imunização para toda a população. A quantidade de vacinas ainda é pequena, mas é importante imunizar cada pessoa. Priorizamos quem estava na linha de frente nos hospitais, onde o tratamento da doença é mais intenso”, explicou o governador.

Casagrande destacou que o número de profissionais imunizados será o mesmo da quantidade de doses recebidas da vacina de Oxford-AstraZeneca. “A Fiocruz, o Ministério da Saúde e a nossa Secretaria da Saúde nos garantiram que outra leva desta vacina chegará antes de 12 semanas, que é o prazo para quem tomou a primeira dose, tomar a segunda”, afirmou o governador, citando também que novas doses da CoronaVac devem chegar ao Estado ainda esta semana.

“Nossa expectativa era maior, mas devem chegar ao nosso Estado entre 15 e 16 mil vacinas. Quando essa nova leva chegar, vamos convencer o Ministério da Saúde para que comecemos a vacinar os idosos com mais de 85 anos, que estão no grupo de maior vulnerabilidade, para que a gente possa também proteger essas pessoas. Estamos todos ansiosos, pois a quantidade de vacina ainda é pequena e está chegando a conta-gotas. Mas, estamos trabalhando com as prioridades dentro do Plano Nacional e Estadual de Imunização”, pontuou Casagrande.

O secretário de Estado da Saúde, Nésio Fernandes, destacou sobre o marco da vacinação dessas doses estarem iniciando em uma Unidade Básica de Saúde. “Hoje é a materialização da chegada das duas tecnologias que foram incorporadas ao Sistema Único de Saúde (SUS). Iniciar essa nova etapa em uma Unidade Básica de Saúde tem um significado muito importante, porque é a Atenção Primária que será responsável pela imunização de toda população. Nós resistimos à pandemia com os hospitais, com testagem, diagnóstico oportuno e monitoramento. Agora, para derrotar a pandemia, será com vacinas seguras, cientificamente comprovadas”.

Nésio Fernandes também falou sobre a imunização dos trabalhadores da saúde: “Na medida que chegarem novos lotes (de vacinas) vamos dar segmento para imunizar todos os trabalhadores da saúde da rede pública e privada.”

Na UBS de São Francisco, o primeiro trabalhador a ser imunizado foi o agente comunitário Edson Coimbra, que não escondeu a felicidade em receber a dose. “É uma ação muito importante, uma iniciativa que salva vidas. Nós, agentes comunitários, temos esse contato direto com a comunidade e é importante que não sejamos o transmissor da doença. Então, me sinto seguro, é uma dose de esperança”, relatou.

O prefeito de Cariacica, Euclério Sampaio, também acompanhou o início dessa nova etapa de vacinação. “É um momento superimportante para nossa cidade com a chegada dessas novas vacinas. Estou muito feliz com a mobilização e o carinho tão grandes do governador Renato Casagrande com o município e, principalmente, com os nossos profissionais de saúde”, comentou.

As doses da nova vacina serão utilizadas para contemplar cerca de 33.858 profissionais da população-alvo da Fase 1 da Campanha de Vacinação contra a Covid-19 no Estado. Na última quarta-feira (20), o Ministério da Saúde atualizou a população total de trabalhadores da saúde que deverão ser vacinados. No Espírito Santo, esse público representa 124.416 pessoas.

Até a última sexta-feira (22), o Espírito Santo já havia imunizado 9.797 pessoas no Estado, segundo dados do Programa Estadual de Imunizações.

Campanha de Vacinação contra a Covid-19

Leia mais:  Governo adquire equipamentos que ajudarão testagens da Covid-19 em hospitais

A vacinação no Espírito Santo teve início na última segunda-feira (18), em solenidade com a presença do governador Renato Casagrande e do secretário Nésio Fernandes. O Estado segue o Plano Nacional de Vacinação contra a Covid-19, com os grupos prioritários definidos pelo Ministério da Saúde, que compreende às pessoas maiores de 60 anos residentes em instituições de longa permanência; pessoas maiores de 18 anos com deficiência residentes em Residências Inclusivas; indígenas aldeados; e trabalhadores da saúde.

Quanto aos imunizantes, a população que está sendo vacinada com a CoronaVac deverá receber a segunda dose no intervalo de quatro semanas. Já para a população-alvo imunizada com Oxford-AstraZeneca, a segunda dose será aplicada em um intervalo de 12 semanas, aproximadamente três meses.

“Para esta nova remessa de imunizantes, o Ministério da Saúde recomendou a todos os estados que a utilização seja feita como primeira dose, devido ao intervalo longo. O Ministério informou que os estados receberão o novo quantitativo para suprir a segunda dose, em 12 semanas”, informou a coordenadora do Programa Estadual de Imunizações e Vigilância das Doenças Imunopreveníveis da Sesa, Danielle Grillo.

Está prevista para esta primeira fase, a imunização do público idoso acima dos 75 anos não institucionalizados, em conformidade com os cenários de disponibilidade da vacina.

A coordenadora ressalta também que em todas as campanhas de vacinação, o Ministério da Saúde trabalha com a “reserva técnica” das doses. “Isso significa que de todo quantitativo de doses que nos é enviado, cerca de 5% deste total é o que chamamos de reserva técnica, ou a margem de segurança, para suprir eventuais perdas”, disse.

Trabalhadores da saúde

Leia mais:  Medicamento usado para tratar piolho pode matar o coronavírus

Em relação à imunização dos trabalhadores da saúde, o Ministério da Saúde entregou o quantitativo que somado à primeira remessa de doses, poderá imunizar cerca de 61% dos trabalhadores da saúde, cerca de 76 mil dos 124.416 mil profissionais – população total de trabalhadores da saúde capixaba que deverá ser imunizada, segundo dados atualizados do Ministério da Saúde.

Ainda segundo a Resolução Nº008/2021 da Comissão Intergestores Bipartite (CIB), aprovada entre Estado e Municípios, há a atualização do público de trabalhadores da saúde que serão imunizados nesta primeira etapa da fase 1 da Campanha de Vacinação contra a Covid-19.

Serão imunizados, a depender do quantitativo de doses disponibilizadas pelo Ministério da Saúde, trabalhadores da saúde de:

– Hospitais que realizam atendimento Covid-19: todos os trabalhadores de saúde, exceto setor administrativo;

– Serviço de Atendimento Móvel de Urgência (SAMU) e equipes de remoção de pacientes com suspeita da Covid-19, exceto setor administrativo;

– Unidade de Pronto Atendimento (UPA’s e PA’s): todos os trabalhadores de saúde, exceto setor administrativo;

– Atenção Básica e Centros de Referências para a Covid-19: trabalhadores envolvidos diretamente na atenção para casos suspeitos e confirmados de Covid-19;

– Hospitais da rede de Urgência e Emergência: todos os trabalhadores, exceto setor administrativo.

Continue lendo

São Mateus

Política e Governo

Segurança

Camisa 10

Mais Lidas da Semana