conecte-se conosco


Medicina e Saúde

Dia do Médico da Saúde da Família e Comunidade: Profissionais selecionados começam os atendimentos nas próximas semanas

Publicado

Quelen Tanize Alves da Silva, diretora geral do ICEPi.

Nesta quinta-feira (05) comemora-se o Dia do Médico da Saúde da Família e Comunidade, especialidade estratégica para um atendimento focado na relação médico-paciente.

Esse profissional é o especialista em pessoas e acompanha seus pacientes ao longo de toda trajetória clínica, criando vínculo com a comunidade onde realiza os atendimentos. Ele se destaca por avaliar o histórico do paciente de forma integral, para gerar um diagnóstico mais adequado e preciso.

Para realizar essa aproximação entre médico e paciente, um novo modelo de gestão para a saúde do Espírito Santo foi apresentado pela Secretaria da Saúde (Sesa). Trata-se do Programa de Qualificação da Atenção Primária à Saúde, que tem o objetivo de inovar e qualificar o atendimento aos usuários do Sistema Único de Saúde (SUS) no Estado.

Dentro do pacote de ações do Programa, três estão relacionadas à área da formação profissional e provimento, além da seleção de médicos para o Programa Estadual de Formação de Especialistas para o SUS e para a contratação de médicos supervisores especialistas em Medicina de Família e Comunidade, que irão atuar no corpo docente do Instituto Capixaba de Ensino, Pesquisa e Inovação em Saúde (ICEPi).

De acordo com a diretora geral do ICEPi, Quelen Tanize Alves da Silva, a partir do momento em que a Atenção Básica tem um bom atendimento, ela se torna resolutiva para basicamente 85% do que a população procura.

Para isso, o ICEPi abriu, em outubro, um edital para o preenchimento de 476 vagas, sendo 241 para médicos, 128 enfermeiros e 107 cirurgiões-dentistas, que vão atender aos 76 municípios capixabas que aderiram à proposta do programa. Este programa dará a oportunidade de os profissionais participarem de cursos de pós-graduação nas suas áreas, com o desenvolvimento de atividades de práticas assistenciais nos municípios.

De acordo com a diretora geral do ICEPi, a iniciativa visa cooperar com o provimento de profissionais de saúde para reduzir as desigualdades regionais e ampliar a cobertura e a resolutividade da Atenção Primária à Saúde. Para Quelen Tanize Alves da Silva, a adesão de quase a totalidade dos municípios capixabas mostra o apoio ao programa, que terá como um de seus objetivos reverter a constante queda na cobertura da Estratégia de Saúde da Família.

“Com isso teremos consequentemente a melhoria dos indicadores de saúde no Espírito Santo e a soma positiva na melhoria da prestação de serviços à população”, afirmou.

 

Leia mais:  AO VIVO | Secretaria de Saúde atualiza informações sobre o enfrentamento à covid-19

Histórico da Medicina de Família e Comunidade

A Medicina de Família e Comunidade começou no Brasil em meados da década de 1970, com o movimento da saúde comunitária, e junto do Programa de Agentes Comunitários de Saúde foi uma das bases para a criação da Estratégia Saúde da Família (PSF) nos anos 1990. Tanto a estratégia do Sistema Único de Saúde (SUS) quanto a especialidade médica se encontram em franca expansão.

A Saúde da Família tem mais de 30 mil equipes, atendendo mais da metade da população brasileira no SUS.

 

O ICEPi

O Instituto Capixaba de Ensino, Pesquisa e Inovação em Saúde (ICEPi), é responsável por um conjunto de políticas de inovação em saúde. Com ele, a Sesa passa a investir de maneira robusta na qualificação e modernização das práticas de cuidado da rede própria e no apoio aos municípios, criando um amplo movimento de formação de serviço de Médicos de Família e Comunidade e de especialistas.

O Instituto tem como objetivo reestruturar a atenção em saúde no Estado com fortalecimento das gestões municipais, atuando na resolução e na qualificação do cuidado em saúde para ampliar o acesso da população.

Leia mais:  Anvisa autoriza testes clínicos com vacina para covid-19 no Brasil
publicidade

Medicina e Saúde

Adiar tarefas pode ser sintoma de transtorno mental; entenda

Publicado

Procrastinação é comum na rotina de muita gente, mas médica alerta sobre quando ela tende a ser prejudicial

Com a proximidade das festas de fim de ano, é comum observar pessoas postergando suas tarefas, deixando que elas se acumulem, para realizar tudo na última hora. Esse ato de deixar as coisas para depois é conhecido como procrastinação.

A psiquiatra Maria Francisca Mauro explica como essa ação ocorre.

“Procrastinar é um ato voluntário irracional de adiar o curso de uma ação para o futuro — ou mesmo deixá-lo para a última hora — que causa problemas no âmbito pessoal e profissional”, diz Maria Francisca.

A especialista conta que a procrastinação pode se manifestar de diversas formas. Uma das mais comuns se verifica quando pessoas querem executar diversas tarefas ao mesmo tempo e, muitas vezes, deixam para finalizar tudo na última hora.

Deixar as coisas importantes para depois e optar por realizar atividades mais atraentes é um comportamento comum, mas que passa a ser um problema quando começa a consumir mais tempo do que deveria e, assim, a atrapalhar a vida.

Segundo a psiquiatra, as pessoas buscam algo de prazer imediato, adiando aquilo que deveria ser feito para buscar essa recompensa rápida.

“Existem diversas formas de procrastinação, como a de adiar para a última hora, ou aquela motivada pelo fato de o indivíduo se sentir tenso, o que faz com que ele não consiga começar a realizar suas tarefas. Existe também a procrastinação enquanto traço da própria depressão ou baixa autoestima, e também aquela que se verifica quando a pessoa adia o início da execução de uma tarefa porque acredita que não tem capacidade para desenvolvê-la ou tem medo de falhar”, afirma.

Procrastinação e transtornos mentais

De acordo com a médica, além de causar prejuízos na vida pessoal, podendo até mesmo provocar um dano à credibilidade da pessoa, a procrastinação pode ser um sinal de problema de saúde mental, como quadro de depressão, ansiedade ou prejuízo do funcionamento cognitivo.

“Procrastinar pode ser um sintoma de depressão, pois pessoas que têm um distúrbio de saúde mental também apresentam prejuízo cognitivo, demonstrando dificuldade de se concentrar ou de entender algo. É importante que pessoas que não procrastinavam anteriormente fiquem atentas ao perceberem que estão gastando seu tempo da forma errada, adiando tarefas importantes e não cumprindo prazos”, afirma.

A especialista conta que a falta de vontade de realizar ações que antes eram algo normal, aliada ao sentimento de que tudo que se está fazendo é errado ou insuficiente, pode também ser um alerta para transtornos psiquiátricos.

Segundo a psiquiatra, para evitar gastar o tempo da forma errada, é recomendável prestar atenção aos prazos. Dispondo de um período muito longo para entregar determinada tarefa, a pessoa tende a perder o foco, e acaba deixando tudo para a última hora.

“As principais dicas para evitar procrastinar são: ter medidas diárias; pensar sobre o que precisa ser realizado a cada dia; ter cuidado com o celular e as redes sociais; sempre prestar atenção às prioridades, deixando os fatores da vida pessoal fora do ambiente de trabalho ou de estudo, a fim de evitar distrações; e filtrar o que é necessário para ter foco”, finaliza.

Leia mais:  Infectados devem esperar um mês antes de vacinar contra covid-19
Continue lendo

Medicina e Saúde

Cuidado. Alterações nas unhas dos pés podem indicar ‘doença silenciosa

Publicado

As alterações costumam surgir em pessoas que já estão com um quadro mais avançado, devido a um diagnóstico tardio

Além dos sintomas mais comuns, como sede excessiva, cansaço e visão turva, há alterações nas unhas dos pés que podem ser sinal de diabetes. Essencialmente caracterizada pelo açúcar alto no sangue (glicemia), que vai provocar lesões nos vasos sanguíneos e, desta forma, atingir todos os órgãos do corpo humano, a diabetes torna as unhas mais finas, quebradiças, pálidas e faz com que o crescimento seja lento, explica o endocrinologista Renato Teixeira ao portal  Metrópoles. Além disso, os diabéticos apresentam uma maior probabilidade de ter micoses e infecções.

O especialista acrescenta que os pés de quem tem diabetes também são afetados pela doença. “Podem apresentar vermelhidão, ficarem doloridos, com os dedos com aspecto de salsichas e muito torcidos. Também podem surgir lesões provocadas por pequenos traumas e formar úlceras de difícil cicatrização.”

As alterações costumam surgir em pessoas que já estão com um quadro mais avançado, devido a um diagnóstico tardio.

Cuidado. Alterações nas unhas dos pés podem indicar ‘doença silenciosa’

Nota uma sensação de sede excessiva, vontade frequente de urinar, fadiga, visão embaçada, fome e perda de peso? Esses são os sintomas mais comuns da diabetes, mas que muitas vezes passam despercebidos aos doentes.

Isto significa que uma pessoa diabética pode viver durante vários meses – ou mesmo anos – com sintomas moderados sem ter noção da doença. Assim, para prevenir e controlar a diabetes, é essencial reconhecer os sintomas, realizar rastreios regulares e adotar hábitos de vida saudável.

Não sabe por onde começar? Eis quatro recomendações do Mundo Z da Zurich para diminuir o risco de desenvolver a doença e ter um estilo de vida mais saudável:

1- Adote uma alimentação saudável e variada

Uma alimentação saudável, variada e rica em fibras é um dos pilares da prevenção da diabetes e é o melhor instrumento para controlar o peso e evitar problemas de obesidade. Procure consumir diariamente frutas e legumes e evite os alimentos processados ou ricos em gordura.

2- Diga não ao sedentarismo

A prática de exercício regular é também um fator determinante para a prevenção da doença, uma vez que o exercício físico contribui para o bom funcionamento do pâncreas e para controlar os níveis de glicose. Procure, por exemplo, realizar caminhadas rápidas de 150 minutos por semana (50 minutos em três dias alternados). Contudo, antes de começar a fazer exercício físico deverá aconselhar-se com o seu médico para saber qual é a atividade mais aconselhável à sua condição física.

3- Elimine o tabaco

Os fumantes apresentam um risco 30 a 40% maior de desenvolver diabetes tipo 2, a forma mais comum e frequente da doença.

4- Monitore a saúde com regularidade

Como a Diabetes é uma doença que se instala sem dar sinais óbvios, é importante realizar os seus exames e análises de saúde de rotina e monitorar periodicamente os níveis de glicemia.

Leia mais:  Dicas para fortalecer o sistema imunológico
Continue lendo

São Mateus

Política e Governo

Segurança

Camisa 10

Mais Lidas da Semana