conecte-se conosco


Brasil

Doença da urina preta faz mais uma vítima no Brasil; mulher fica entre a vida e a morte após comer peixe

Publicado

Autoridades de saúde emitem alertas para a população com relação ao aumento de casos da doença

Informações divulgadas pela Secretaria Municipal de Saúde da cidade de Goianésia, localizada na região central do estado de Goiás, indicam que uma mulher está internada em estado de saúde considerado grave após ser acometida pela doença de Haff, vulgarmente conhecida como doença – ou síndrome – da urina preta após o consumo de carne de peixe infectada.

De acordo com a referida fonte, os primeiros sintomas tiveram início cerca de 24 horas após a ingestão do peixe possivelmente contaminado.

O fato ocorreu em 24 de junho e a mulher precisou ser transferida às pressas para um hospital na cidade de Goiânia, capital do estado.

A paciente segue sendo observada de perto e, apesar do estado de saúde ser considerado grave, reage bem aos tratamentos. Com o caso registrado, os municípios da região estão emitindo alertas para a população com relação à doença. Os principais sintomas são dores musculares fortes, urina escura, dormência e perda de força, todos relacionados à ingestão de peixes.

O que é a Síndrome de Haff?

Trata-se de uma infecção ainda em estudo pela ciência. A teoria mais aceita neste momento indica para a presença de uma toxina biológica termoestável, que não é capaz de ser destruído pelos processos tradicionais de cozimento. Os animais acometidos por essa toxina, geralmente, são peixes de água doce e crustáceos.

Dentre os pacientes infectados com a doença, os animais consumidos teriam sido tambaqui, pacu-manteiga, pirapitinga e lagostim. Logo ao início dos primeiros sintomas, o tratamento médico deve ser buscado de maneira imediata, tendo em vista a potencialidade de morte.

Leia mais:  Pandemia derruba renda média do trabalhador brasileiro a R$ 995
publicidade

Brasil

Médico morre eletrocutado na frente da noiva um dia antes de casar

Publicado

A noiva, inclusive, tinha postado há poucas horas no Instagram um vídeo mostrando a decoração para recepcionar os convidados após a celebração

Uma tragédia às vésperas do casamento tirou a vida do médico Denis Ricardo Faria Gurgel, de 31 anos. Ele morreu na última quinta-feira (29) após sofrer uma descarga elétrica, na zona rural de Cariri do Tocantins, sul do estado.

Denis e a noiva estavam às margens de uma represa, participando de uma sessão de fotos, quando tudo aconteceu.

A cerimônia de casamento aconteceria nesta sexta, em Gurupi.

O Corpo de Bombeiros chegou a ser acionado, mas, infelizmente, ao chegar no local, o médico já estava caído, sem vida.

De acordo com relatos da noiva, os dois estavam com varas de pescar.

Um dos anzóis teria ficado preso em um fio de energia. O médico levou as duas mãos para retirar o anzol e levou a descarga elétrica. Segundo os bombeiros, o fio de energia não possuía proteção em alguns pontos.

Última foto mostra casal sorrindo e pescando minutos antes de médico sofrer choque e morrer nas vésperas de casamento

A última foto tirada pelo fotógrafo mostra o quanto o casal estava feliz.

A noiva, inclusive, tinha postado há poucas horas no Instagram um vídeo mostrando a decoração para recepcionar os convidados após a celebração.

Teixeira, o fotógrafo, e a noiva ainda gritaram por socorro a um funcionário da fazenda, mas devido à distância, cerca de 600 metros, o homem não conseguiu ouvir.

“Eu cheguei com a canoa perto, ele entrou descalço e começou a tirar a linha com a mão, mas sem triscar no fio. Já estava terminando, ele se desequilibrou e no reflexo, no impulso, para não cair, ele se apoiou no fio com a mão direita e já começou a receber a descarga elétrica”, disse o fotógrafo ao G1.

Leia mais:  Banco Central deve escolher cor cinza para nota de 200 reais
Continue lendo

Brasil

Idoso recebe nota de R$ 420 e dá troco de R$ 320 em Unaí (MG)

Publicado

Jovem de 24 anos usou a cédula falsa que tem um bicho-preguiça desenhado para pagar uma dívida de R$ 100; suspeito foi preso

Um jovem de 24 anos foi preso nesta quinta-feira (29) após usar uma cédula falsa de R$ 420 para pagar um empréstimo feito por um idoso de 75 anos em Unaí, a 590 km de Belo Horizonte.

De acordo com a PM (Polícia Militar), o idoso se recusou a receber a nota que tinha, em uma das faces, um desenho de um bicho-preguiça e uma folha similar à da maconha. O suspeito teria, então, esbravejado com a vítima e alegado que a nota era verdadeira e que ele teria retirado a cédula em um caixa eletrônico da cidade. A vítima, então, aceitou a nota e ainda devolveu R$ 320 de troco.

O boletim de ocorrência indica que a vítima teria sido procurada, na última terça-feira (27) pelo suspeito, que é empregado de um vizinho. O homem pediu R$ 100 emprestados e prometeu que faria a devolução até o início de agosto.

Desconfiada, a vítima procurou a Polícia Militar, que foi até a casa do suspeito. O homem reafirmou ter recebido a nota no caixa eletrônico do banco e que já havia gasto o dinheiro repassado pelo idoso. O jovem também afirmou que estava em liberdade condicional e já havia sido detido por roubo e receptação.

Na residência, os militares encontraram maconha. Questionado, o suspeito confirmou que a droga era dele e que ele a levaria para uma fazenda, onde seria consumida pelo jovem e pela esposa. O suspeito foi preso e encaminhado a uma delegacia.

Leia mais:  Brasil aplica 1,7 milhão de doses de vacinas contra covid em 24 h e bate recorde
Continue lendo

São Mateus

Política e Governo

Segurança

Camisa 10

Mais Lidas da Semana