conecte-se conosco


Internacional

Donald Trump diz que está “indo bem”, presidente está em hospital com covid-19

Publicado

O presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, se pronunciou pela 1ª vez desde que foi levado ao hospital militar Walter Reed, em Washington. O republicano foi diagnosticado com covid-19 nessa 6ª feira (2.out.2020). Através de seu perfil no Twitter, disse neste sábado (3.out) que está “indo bem”.

Estou indo bem, eu acho! Obrigado a todos. AMOR”, escreveu Trump.

Donald Trump tem 74 anos de idade e é considerado obeso. As duas características são avaliadas por especialistas como agravantes em pessoas que adquirem a covid-19. A primeira-dama, Melania Trump, também testou positivo para a doença. Ela, no entanto, permanece em isolamento na Casa Branca.

A secretária de imprensa da Casa Branca, Kayleigh McEnany, emitiu comunicado (íntegra – 55 KB) na tarde de 6ª feira (2.out) assinado pelo médico de Trump, Sean P. Conley.

Estou feliz em informar que o presidente está muito bem. Não tem necessidade de oxigênio suplementar, mas em consulta com especialistas, optamos por iniciar 1 tratamento com remdesivir. Ele completou a 1ª etapa e está descansando confortavelmente”, disse Conley.

Leia mais:  Covid-19 mudou mercado mundial de drogas, alerta ONU

O remdesivir, medicamento da farmacêutica norte-americana Gilead Sciences, é uma terapia experimental que começou a ser desenvolvida em 2009 para pacientes de ebola. Um ensaio clínico dos EUA mostrou que o medicamento encurta o tempo de recuperação em alguns pacientes com coronavírus.

Antes de ser levado ao hospital, Trump publicou 1 vídeo no qual diz que a internação é apenas uma precaução e agradece as mensagens de apoio que recebeu.

Eu quero agradecer a todos pelo imenso suporte. Eu estou indo para o Walter Reed Hospital. Eu sinto que estou bem, mas nós vamos para garantir que tudo corra bem. A primeira-dama está muito bem. Eu quero agradecer a todos. Eu nunca me esquecerei. Obrigado”, disse o presidente norte-americano.

BOLSONARO ENVIA MENSAGEM

Na 6ª feira (2.out), o presidente Jair Bolsonaro usou seu perfil no Facebook para desejar “rápida recuperação” a Donald e Melania Trump.

Desejo rápida recuperação ao presidente dos EUA, Donald Trump, e à primeira-dama, Melania. Com fé em Deus, logo estarão recuperados e o trabalho na condução de seu país e sua campanha de reeleição não serão prejudicados. Vocês vencerão e sairão mais fortes, para o bem dos EUA e do mundo”, escreveu Bolsonaro.

Leia mais:  EUA registram 4.591 mortes em 24h, número recorde

publicidade

Internacional

Marido de professora vítima em massacre no Texas morre de ataque cardíaco

Publicado

Joe Garcia sofreu um ataque cardíaco durante luto pela morte da mulher em massacre que aconteceu em uma escola no Texas; eles foram casados por 24 anos

O que já era um pesadelo para a família de Irma Garcia, professora morta no massacre em uma escola primária de Uvalde, no Texas, se tornou ainda pior. Irma foi uma das duas professoras mortas no tiroteio que aconteceu terça-feira (24) e agora sua família anunciou que seu marido, Joe Garcia morreu após um ataque cardíaco. Eles foram casados por 24 anos.

O anúncio foi feito por John Martinez, sobrinho do casal. “Com o coração partido e profunda tristeza venho dizer que o marido de minha tia Irma, Joe Garcia, faleceu devido à dor que sentia pela partida dela. Estou realmente sem palavras sobre como todos estamos nos sentindo. Nossa família, Deus tenha misericórdia de nós, isso não é fácil”.

De acordo com o repórter da KABB FoxErnie Zuniga, Garcia sofreu um ataque cardíaco fatal. O casal deixa quatro filhos e uma arrecadação online foi criada para ajudar a família.

Leia mais:  Covid-19 mudou mercado mundial de drogas, alerta ONU

Irma Garcia teria morrido tentando proteger as crianças dentro da sala de aula. Além das duas professoras, 19 crianças foram mortas no tiroteio em massa realizado por um jovem de 18 anos.

Continue lendo

Internacional

Guerra na Ucrânia chega a 3 meses com rastro de destruição, refugiados e civis mortos

Publicado

Conflito já provocou a saída de mais de 6 milhões de pessoas do país e vitimou 3.309 sem elo com batalhas, segundo Nações Unidas

A guerra na Ucrânia completa nesta terça-feira (24) três meses desde a ordem de invasão do país dada por Vladimir Putin. Classificado pelo presidente da Rússia de “operação militar especial”, o conflito já deixou milhões de refugiados e causou trilhões em danos e prejuízos.

Segundo dados do Acnur (Alto-Comissariado das Nações Unidas para os Refugiados), 6.552.971 pessoas deixaram a Ucrânia desde o início da guerra. A agência da ONU também registrou 2.048.500 entradas no país — sem ser possível confirmar se esse número se relaciona à população que retornou à Ucrânia

Segundo dados do Acnur (Alto-Comissariado das Nações Unidas para os Refugiados), 6.552.971 pessoas deixaram a Ucrânia desde o início da guerra. A agência da ONU também registrou 2.048.500 entradas no país — sem ser possível confirmar se esse número se relaciona à população que retornou à Ucrânia.

Também segundo a ONU, pelo menos 3.309 civis morreram devido aos confrontos entre russos e ucranianos. As Nações Unidas alertam para um número muito maior, já que diversas partes do país estão sitiadas, sem a possibilidade de acesso por parte de funcionários da ONU.

Ataque russo ucrânia

As autoridades da Ucrânia estimam que a guerra tenha causado R$ 3,4 trilhões em danos à infraestrutura do país e prejuízos em negócios.

Leia mais:  Covid-19 mudou mercado mundial de drogas, alerta ONU

Os Estados Unidos, o grande financiador ucraniano, prometeram mais uma doação, de cerca de R$ 200 bilhões, a Kiev, que contempla armas, ajuda humanitária e verbas para a manutenção do governo da Ucrânia.

A usina siderúrgica de Azovstal, o último reduto de resistência ucraniano em Mariupol, foi conquistada, de acordo com os russos. Mais de 2.500 combatentes do Exército da Ucrânia e do Batalhão de Azov teriam se rendido após semanas sitiados na fábrica

A usina siderúrgica de Azovstal, o último reduto de resistência ucraniano em Mariupol, foi conquistada, de acordo com os russos. Mais de 2.500 combatentes do Exército da Ucrânia e do Batalhão de Azov teriam se rendido após semanas sitiados na fábrica.

Como reflexo da guerra, Finlândia e Suécia anunciaram sua candidatura à Otan (Organização do Tratado do Atlântico Norte). O possível aumento da presença da Aliança próximo à fronteira russa não agradou a Moscou, que prometeu retaliações a finlandeses e suecos em caso de adesão ao grupo

Como reflexo da guerra, Finlândia e Suécia anunciaram sua candidatura à Otan (Organização do Tratado do Atlântico Norte). O possível aumento da presença da Aliança próximo à fronteira russa não agradou a Moscou, que prometeu retaliações a finlandeses e suecos em caso de adesão ao grupo.

Presidente da Turquia, Recep Tayyip Erdogan

Dentro da própria Otan, o presidente da Turquia, Recep Tayyip Erdogan, se mostrou contrário à entrada de Finlândia e Suécia na aliança militar. Para que o processo de adesão dos dois postulantes se concretize, é necessário que todos os países da organização aprovem a candidatura.

Leia mais:  Banda usa bolhas para isolar público em shows nos EUA
Continue lendo

São Mateus

Política e Governo

Segurança

Camisa 10

Mais Lidas da Semana