conecte-se conosco


Política Nacional

Eleições 2020: Bolsonaro diz que não pretende apoiar nenhum candidato

Publicado

Presidente afirmou a apoiadores no Palácio da Alvorada que “tem muito trabalho em Brasília” e que não quer se envolver em política neste ano

O presidente Jair Bolsonaro afirmou, nesta terça-feira (2), a apoiadores no Palácio da Alvorada que não pretende apoiar nenhum candidato nas eleições municipais, marcadas para outubro deste ano. 

“Não pretendo apoiar prefeito em lugar nenhum. Não tenho partido, exatamente para não me meter em política esse ano. Tenho muito trabalho aqui em Brasília para ficar entrando em questões municipais”, disse a apoiadores. 

O presidente também comentou sobre as manifestações contrárias ao governo federal realizadas nesta segunda-feira (1º) em Curitiba. “Alguém viu o quebra-quebra em Curitiba?”, perguntou. 

O ato terminou em confronto com a PM (Polícia Militar), que usou bombas de gás lacrimogênio para dispersar manifestantes. No ato, os manifestantes atearam fogo em lixeiras, quebraram fachadas de vidro de comércio e fizeram pichações em pontos de ônibus.

Os manifestantes também gritavam palavras de ordem contra Bolsonaro e puseram fogo em uma bandeira do Brasil. 

Leia mais:  Ex-ministro Joaquim Barbosa articula oposição a Bolsonaro para 2022
publicidade

Política Nacional

Bolsonaro diz que vai autorizar aumento de 33% para professores

Publicado

Em conversa com apoiadores, presidente afirmou que ‘vai cumprir a lei’ e conceder ‘aumento máximo’ aos profissionais

O presidente Jair Bolsonaro (PL) disse que deve conceder a professores o “máximo de aumento” no reajuste do piso salarial da categoria, ou seja, 33,2%. Isso elevará o valor mínimo dos vencimentos de R$ 2.886,24 para R$ 3.845,34, uma alta bem maior do que os 7,5% negociados anteriormente entre os ministérios da Economia e da Educação e os estados e municípios.

“Eu vou seguir a lei. Governadores não querem os 33%, tá? Eu vou dar o máximo que a lei permite, que é próximo disso, ok?”, disse o presidente em conversa com apoiadores nesta quarta-feira (26).

Por lei, desde 2009, o piso salarial dos profissionais do magistério público é atualizado anualmente no mês de janeiro, e é atrelado ao Vaaf – índice chamado de valor aluno/ano –, do Fundeb (Fundo de Manutenção e Desenvolvimento da Educação Básica e de Valorização dos Profissionais da Educação). 

No entanto, as regras do Fundeb foram alteradas em 2020 por meio de emenda constitucional (EC nº 108/2020). O fundo passou a ter mais dinheiro da União, e o volume maior de recursos fez com que também aumentasse o valor do Vaaf – o que causou reações da CNM (Confederação Nacional dos Municípios), que afirmou que o critério de reajuste perdeu eficácia com a criação do novo Fundeb.

De acordo com a confederação, o reajuste de 33,2% pressionaria os municípios, responsáveis por parte dos custos, e provocaria impacto de R$ 30 bilhões só nas finanças municipais. 

O Ministério da Educação divulgou uma nota em 14 de janeiro com a informação de que consultou o órgão setorial da Advocacia-Geral da União sobre os efeitos do novo marco regulatório do financiamento da educação básica. Segundo a Educação, o critério de reajuste previsto anteriormente não condiz com a criação do novo Fundeb, e que é necessária a regulamentação do tema por intermédio de uma lei específica.

Comissões e frentes de apoio à educação rechaçam o posicionamento contra o reajuste do piso salarial. “O corte desse critério de reajuste para uma categoria que é a pior remunerada dentre todas as outras de nível superior das administrações públicas municipais, estaduais e federal, é a certeza definitiva de abandono completo de qualquer política educacional para o país”, comentou o presidente da Confederação Nacional dos Trabalhadores em Educação, Heleno Araújo.

Leia mais:  Senador flagrado com dinheiro na cueca reassume mandato
Continue lendo

Política Nacional

Em visita ao ES, Moro terá encontro com Casagrande

Publicado

Além do encontro com o governador Casagrande, Sergio Moro fará visita ao Convento da Penha

O ex-ministro Sergio Moro (Podemos) vem ao Estado nos próximos dias 11 e 12 para participar de encontros com militantes e apoiadores, conversar com lideranças políticas, incluindo o governador Renato Casagrande, e visitar alguns pontos turísticos capixabas.

Segundo o presidente do Podemos capixaba, Gilson Daniel, que está atuando na pré-campanha de Moro a presidente da República e vai ficar à frente da agenda, Moro chega no dia 11 pela manhã e faz uma sessão de entrevistas nos principais veículos de comunicação do Estado.

Logo após está marcado um almoço com empresários e, na parte da tarde, o ex-juiz participa do 7º Encontro Folha Business, evento conjunto da Apex Partners e da Rede Vitória, voltado para o meio empresarial, econômico e político.

No dia seguinte, Moro se encontra com o governador num café da manhã que deve ocorrer na Residência Oficial ou no Palácio Anchieta. Gilson, que é secretário estadual de Planejamento do governo Casagrande, está trabalhando para que o governador apoie Moro à Presidência.

Logo após, ele participa de um encontro do partido, que contará com filiações. Moro vai almoçar com potenciais candidatos do Podemos e depois terá uma agenda da área ambiental, que está sendo organizada, segundo Gilson Daniel, pelo senador Marcos do Val. “Depois ele vai visitar alguns pontos do Espírito Santo, como o Convento da Penha”, disse Gilson.

Leia mais:  Sem voto impresso, não vai ter eleição em 2022, afirma Bolsonaro
Continue lendo

São Mateus

Política e Governo

Segurança

Camisa 10

Mais Lidas da Semana