conecte-se conosco


Medicina e Saúde

Entidades médicas esperam decisão da Anvisa sobre cigarro eletrônico

Publicado

Estudos comprovam que dispositivos causam danos à saúde

Sociedades médicas brasileiras esperam que a Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) decida ainda este ano manter proibida a importação e venda de cigarros eletrônicos no Brasil. 

Em 2009, a agência publicou resolução proibindo os chamados Dispositivos Eletrônicos para Fumar (DEFs), que agora passam por processo de discussão e atualização de informações técnicas.

A Anvisa está na fase da Tomada Pública de Subsídios, aberta a receber informações técnicas a respeito dos cigarros eletrônicos. “Esperamos que até o fim do ano tenhamos essa decisão. Mas o nosso papel agora é entregar à Anvisa todas as evidências científicas comprovando os malefícios do cigarro eletrônico”, disse Ricardo Meirelles, da Associação Médica Brasileira (AMB).

A AMB, o Conselho Federal de Medicina (CFM) e entidades médicas, como a Sociedade Brasileira de Pneumologia e Tisiologia (SBPT), têm se unido em torno da proibição do comércio dos cigarros eletrônicos. 

Essas entidades alertaram a Anvisa sobre os prejuízos desse aparelho e têm lutado contra a informação falsa dos fabricantes, que afirmam que o cigarro eletrônico é alternativa mais saudável ao cigarro convencional.

“Vários estudos comprovam que os Dispositivos Eletrônicos para Fumar (DEFs) causam danos à saúde. Eles podem causar irritação brônquica, inflamação em quem tem doença pulmonar obstrutiva crônica (Dpoc). Essas pessoas não podem usar o cigarro eletrônico de maneira nenhuma”, afirmou Meirelles.

Aristóteles Alencar, da Sociedade Brasileira de Cardiologia, explicou que esses aparelhos produzem partículas ultrafinas. Essas partículas conseguem ultrapassar a barreira dos alvéolos do pulmão e caem na corrente sanguínea, provocando inflamação. 

“Quando essa inflamação ocorre no endotélio, que é a camada que reveste internamente o vaso, pode dar início a eventos cardiovasculares agudos, como o infarto e a síndrome coronariana aguda, a angina do peito”.

Esse tipo de cigarro, chamado de vapers pelos fabricantes, na intenção de desassociar à figura do cigarro, contém uma série de substâncias nocivas e cancerígenas. 

Eles trazem, em sua composição, substâncias como nicotina, propilenoglicol e glicerol, ambos irritantes crônicos; acetona, etilenoglicol, formaldeído, entre outros produtos cancerígenas e metais pesados (níquel, chumbo, cádmio, ferro, sódio e alumínio). Para atrair consumidores, são incluídos aditivos e aromatizantes como tabaco, mentol, chocolate, café e álcool.

Leia mais:  Cerca de 1 milhão de pessoas contraíram infecções sexualmente transmissíveis no Brasil em 2019

“O efeito protetor que se atribuía ao cigarro eletrônico não existe. Em países que liberaram esses produtos há crescente aumento de doenças cardiovasculares na população abaixo de 50 anos”, disse Alencar. “Diferente do cigarro convencional, que demora às vezes 20 ou 30 anos para manifestar doença no usuário, o cigarro eletrônico tem mostrado essa agressividade em menos tempo”, completou.

Outra substância perigosa encontrada em muitos desses cigarros é o tetrahidrocarbinol, ou THC. “É a substância que leva à dependência do usuário da maconha”, explicou Meirelles. Segundo ele, os DEFs também podem conter óleo de haxixe e outras drogas ilícitas.

Jovens e propaganda

Adolescentes são alvos das fabricantes de cigarros eletrônicos. O design dos aparelhos e as essências oferecidas são pistas de que, apesar de indicarem o produto apenas a adultos, buscam chamar a atenção de jovens. A adoção de sabores mais infantis, a aplicação de cores na fumaça e até mesmo o design de alguns modelos não são atraentes ao público adulto.

“A estratégia do sabor, por exemplo. Por mais que digam que não é um produto para criança, eu não conheço um adulto que use o sabor algodão-doce. Ele é bem caracterizado com essa ideia da juventude”, afirmou Sabrina Presman, da Associação Brasileira de Estudo de Álcool e Outras Drogas (Abead).

Ela também cita a semelhança do aparelho com itens de uso diário de um estudante, como canetas ou pen drives. 

“O próprio formato do cigarro eletrônico se confunde com as coisas do jovem. Ele é mais moderno e muitos pais não conseguem identificar o que é caneta, o que é lápis e o que é cigarro”.

Paulo César Corrêa, coordenador da comissão de tabagismo da Sociedade Brasileira de Pneumologia e Tisiologia (SBPT), destacou que esses produtos são apresentados com slogans que tratam o cigarro convencional como ultrapassado e nocivo. A ideia é afastar essa má publicidade dos cigarros eletrônicos. 

Segundo ele, existem evidências de que há três vezes mais chances de pessoas que nunca fumaram passarem a fumar regularmente cigarros convencionais depois de usarem esses aparelhos.

Leia mais:  Cuidar da saúde intestinal melhora o processo de envelhecimento

Corrêa também alertou sobre a estratégia da indústria de cigarros eletrônicos em vender uma informação de que esse tipo de produto é menos nocivo que o cigarro convencional e que, portanto, trocar para os cigarros eletrônicos seria uma alternativa mais saudável. Ele, no entanto, alerta: cigarros eletrônicos não são apenas feitos de vapor e água.

“Ainda que não tenhamos a descrição completa dos riscos epidemiológicos, as evidências já existentes permitem dizer que o produto é extremamente perigoso e danoso à saúde individual e à saúde pública”.

Cigarro eletrônico

Os cigarros eletrônicos são aparelhos alimentados por bateria de lítio e um cartucho ou refil, que armazena o líquido. Esse aparelho tem um atomizador, que aquece e vaporiza a nicotina. O aparelho traz ainda um sensor, que é acionado no momento da tragada e ativa a bateria e a luz de led. Mas nem todos os cigarros eletrônicos vêm com luz de led.

A temperatura de vaporização da resistência é de 350°C. Nos cigarros convencionais, essa temperatura chega a 850°C. Ao serem aquecidos, os DEFs liberam um vapor líquido parecido com o cigarro convencional.

Os cigarros eletrônicos estão em sua quarta geração, onde é encontrada concentração maior de substâncias tóxicas. Existem ainda os cigarros de tabaco aquecido. São dispositivos eletrônicos para aquecer um bastão ou uma cápsula de tabaco comprimido a uma temperatura de 330°C. Dessa forma, produzem um aerossol inalável.

“Esses aparelhos expõem o usuário a emissões tóxicas, muitas das quais causam câncer”, explicou Cláudio Maierovitch, da Associação Brasileira de Saúde Coletiva.

Outro tipo de DEF se parece com um pen drive. São os sais de nicotina (nicotina + ácido benzóico). Esse tipo de cigarro provoca menos irritação no usuário, facilitando a inalação de nicotina. E, assim, provoca maior dependência. Os usuários desse aparelho têm pouca resposta ao tratamento convencional da dependência da nicotina. 

“Usar um dispositivo desse com 3% a 5% de nicotina equivale a fumar de dez a 15 cigarros por dia. Dispositivos com 7% de nicotina equivalem a mais de 20 cigarros por dia, cerca de um maço de cigarros”, disse Meirelles.

publicidade

Medicina e Saúde

Faz mal usar o celular no escuro? Causa câncer? Saiba como proteger os olhos

Publicado

Segundo especialista, longos períodos em frente à tela podem desencadear uma série de problemas. Entre eles, a miopia. Casos da doença em crianças aumentaram 39% durante a pandemia

Um hábito bastante comum e presente na rotina de grande parte da população: mexer no celular, por exemplo, após um dia inteiro de trabalho, debaixo das cobertas, no quarto escurinho e antes de dormir.

A questão é se e o quanto isso pode ser nocivo para a saúde dos nossos olhos. Antes de tudo é preciso ressaltar que independentemente do ambiente em que se está, a tela com muito brilho e até mesmo a muito escura exigem muito esforço dos olhos podendo levar a problemas para manter o foco além de ressecamento ocular. Mas então, o que fazer nestes casos? 

Segundo o oftalmologista, Nilo Resende, para melhorar esta situação, o ideal é que a pessoa aumente a iluminação do local minimizando as diferenças de adaptação do olho, reduzindo, então, a fadiga visual. “A sugestão é uma luz ambiente entre 75-150 lux no caso dos LCDs típicos. O uso de LCDs com baixa refletividade e com maiores índices de luminância inerentes pode proporcionar melhoria das condições de visualização, resultando em ergonomia nas leituras em vídeos”, disse o médico.

Como a nossa visão funciona no escuro

A visão no escuro leva a um fenômeno chamado midríase que nada mais é que a dilatação da pupila, o círculo menor e de cor preta do olho. É importante explicar que as pupilas têm a função de controlar a entrada de luz nos olhos, contraindo ou dilatando de acordo com a iluminação. A midríase pode piorar a qualidade visual para longe.

Muitas horas em frente às telas podem levar à perda da visão ou à necessidade de usar óculos?

De acordo com o especialista, quando se fala em exposição às telas, a maior preocupação é com a miopia um problema relacionado ao uso excessivo de telas.

Leia mais:  Mulheres na menopausa têm maior risco de desenvolver covid-19 grave

Nilo Resende lembra ainda que crianças que passam muito tempo em frente aos celulares e computadores e não se expõem ao sol com frequência ficam com a produção de dopamina prejudicada. A substância é responsável pelo controle do crescimento ocular e ajuda a evitar que se torne um olho “alongado” e desenvolva a miopia.

“A miopia ocorre quando o foco visual se forma antes da retina, causando dificuldade para enxergar com nitidez o que está longe. De acordo com dados da OMS (Organização Mundial da Saúde), entre 2020 e 2050, estima-se que a alta miopia cresça 89% no Brasil. Durante o tempo da pandemia, houve um aumento de 39% nos atendimentos de crianças com a doença na rede pública hospitalar, de acordo com a Secretaria de Saúde de Brasília”.

Alguns sinais podem alertar você se o tempo voltado para o celular está sobrecarregando os seus olhos. Coceira, visão embaçada, sensibilidade à luz e ardor ocular estão entre eles. Em caso de alguns desses sintomas, é importante buscar a orientação de um oftalmologista. 

Usar celular no escuro causa câncer ou cegueira

O especialista alerta: a afirmação não passa de fake news, uma vez que não existe correlação entre câncer ocular ou cegueira e celular.

“A Sociedade Americana do Câncer, a Biblioteca Nacional de Medicina dos EUA e a Sociedade Americana de Oncologia Clínica também não emitiram nenhum alerta sobre a conexão entre o uso de telefones celulares (à noite ou de qualquer outra forma) e o câncer ocular’, afirmou.

Leia mais:  Hospital Estadual Materno Infantil começa a receber pacientes com Covid-19 nesta quarta (07)

Veja dicas para proteger os olhos da exposição às telas

Existem várias maneiras de proteger e evitar problemas para a saúde dos olhos. A principal é, a cada duas horas, descansar cinco minutos, fechando os olhos ou focando em objetos à distância, como olhar por uma janela, por exemplo, recomenda o oftalmologista.

1. Mantenha o celular afastado do rosto, na altura dos olhos ou ligeiramente abaixo;
2. Evite luminárias próximas, luzes diretas no monitor ou reflexos na tela;
3. Deixe o celular no modo noturno: fazer isso, pode atenuar os possíveis efeitos de fadiga visual, ressecamento e indução de miopia.

Pra quem tem dúvida de quanto tempo pode ficar mexendo no celular sem prejudicar os olhos, em primeiro lugar, vale lembrar que ele varia de acordo com a idade do indivíduo.

A Organização Mundial da Saúde (OMS) preconiza que o ideal é que crianças abaixo de 1 ano de idade não sejam expostas a tela de computador. Já entre 2 e 5 anos, o tempo máximo não deve exceder 60 minutos por dia e sempre com supervisão de pais e ou responsáveis. 

Adolescentes entre 11 e 18 anos devem limitar o tempo a até 3 horas por dia e não permitir que passem a madrugada jogando ou com acesso livre ao celular.

Além disso, a Sociedade Brasileira de Pediatria (SBP) publicou em 2016 um manual de orientação chamado #menos tela #mais saúde. O documento traz as recomendações de uso das telas por idade além de uma série de informações e alertas para a saúde das crianças. 

Continue lendo

Medicina e Saúde

O que é a varíola do macaco, doença que deixa países europeus em alerta

Publicado

Casos foram confirmados no Reino Unido e em Portugal; Espanha investiga oito indivíduos com sintomas

Países europeus estão em alerta diante de possíveis surtos de varíola do macaco. No Reino Unido, sete casos foram detectados desde o início do mês. Portugal notificou nesta quarta-feira (18) cinco infecções. A Espanha investiga oito suspeitas.

A varíola do macaco é rara e causada pelo vírus da varíola símia, semelhante geneticamente ao vírus da varíola, mas que causa uma doença geralmente mais leve, segundo o Manual MSD de Diagnóstico e Tratamento.

“Apesar do nome, os primatas não humanos não são reservatório do vírus da varíola. Embora o reservatório seja desconhecido, os principais candidatos são pequenos roedores (p. ex., esquilos) nas florestas tropicais da África, principalmente na África Ocidental e Central”, explica o guia médico.

Casos da doença foram notificados desde 2016 em Serra Leoa, República Centro-Africana, República do Congo e Nigéria. Este último país sofreu o maior surto recente.

Nos Estados Unidos, um surto foi registrado em 2003. Identificou-se que roedores importados da África como animais de estimação transmitiram o vírus para cachorros, que passaram para humanos. Trinta e cinco casos foram confirmados em seis estados.

Leia mais:  Brasil registra 16 casos suspeitos de coronavírus, aponta ministério

O vírus passa de animais para humanos por meio de secreções fisiológicas, mas a transmissão entre humanos é mais difícil. Acredita-se que seja mais provável quando há contato direto e pessoal prolongado, segundo o manual.

Os casos em investigação na Espanha sugerem “contato com fluidos”, segundo um porta-voz do Departamento Regional de Saúde de Madri.

“De um modo geral, a varíola dos macacos é transmitida por transmissão respiratória, mas as características dos oito casos suspeitos apontam para contato com fluidos. Os oito casos suspeitos em Madri estão entre homens que fazem sexo com homens. Eles estão bem, mas essa doença pode exigir tratamento hospitalar”, afirmou o porta-voz em entrevista ao jornal britânico The Guardian.

Todos os casos de Portugal são de homens jovens, segundo a Direção Geral da Saúde. Eles tiveram lesões ulcerativas na pele. 

Desde 6 de maio, foram detectados sete casos da varíola do macaco no Reino Unido, entre eles quatro pessoas que se identificaram como “homossexuais, bissexuais ou homens que têm relações sexuais com outros homens”, segundo a agência britânica de segurança sanitária.

Leia mais:  OMS: crianças com 12 anos ou mais devem usar máscaras como adultos

De acordo com a OMS, o período de incubação do vírus varia entre seis e 13 dias, podendo chegar a três semanas. Os sintomas são semelhantes aos da varíola, sendo as bolhas na pele o mais característico, mas também ocorre febre, calafrios, cansaço e dores musculares. 

“Os sintomas podem ser leves ou graves, e as lesões podem ser muito pruriginosas ou dolorosas”, complementa a entidade em comunicado. Os pacientes também podem apresentar linfonodos aumentados e maior risco de infecção bacteriana secundária da pele e dos pulmões.

Manual MSD ressalta que “não há tratamento seguro e comprovado para a infecção por vírus da varíola do macaco”. Os sintomas normalmente desaparecem espontaneamente.

Todavia, alguns medicamentos podem ser usados, como os antivirais tecovirimat, cidofovir e brincidofovir.

Continue lendo

São Mateus

Política e Governo

Segurança

Camisa 10

Mais Lidas da Semana