conecte-se conosco


Cidades

ES não descarta adotar “lei seca” para combater aglomerações durante a pandemia

Publicado

A afirmação é do Comandante-Geral do Corpo de Bombeiros do ES, coronel Alexandre dos Santos Cerqueira, em entrevista à Jovem Pan News Vitória

A adoção de uma “lei seca” com finalidade de reduzir aglomerações, entre o final da noite e o início da manhã, está no “radar” do Governo do Estado para ser incluída entre as medidas que possam ser adotadas no combate à pandemia do novo coronavírus.

A lei seca já é adotada em outras regiões do país. “Não existe nenhuma conversa adiantada neste sentido, mas evidentemente não descartamos essa possibilidade como uma forma de reduzir as aglomerações pelo Estado”, afirmou o comandante geral do Corpo de Bombeiros, coronel Cerqueira, em entrevista à Rádio Jovem Pan News Vitória, na manhã desta segunda-feira.

Cerqueira é integrante da chamada Sala de Situação, um comitê composto por membros do governo e da sociedade civil organizada, que discute ações e medidas para evitar a disseminação da covid-19 no Espírito Santo.

Na entrevista, Cerqueira disse que o Estado vai reforçar a fiscalização neste fim de ano, principalmente nas praias. Em casos extremos, ele afirma que participantes de festas desautorizadas podem ter tendas e outro materiais apreendidos.

Diferentemente do que pensa do comandante geral dos bombeiros, a procuradora geral de Justiça do Ministério Público (MP) do Estado, Luciana Andrade, avalia que a adoção de uma “lei seca” levaria as aglomerações das ruas às casas dos capixabas.

“É uma medida que, sem dúvida alguma, reduziria as aglomerações. Mas elas poderiam, de alguma forma, sair das ruas e serem ‘deslocadas’ às casas das pessoas”, avaliou a procuradora.

Para a chefe do MP, a conscientização da população faz mais efeito no combate à pandemia.

Leia mais:  Agricultores buscam meios de comercializar seus produtos durante a pandemia de Covid-19
publicidade

Cidades

Primeiros idosos são vacinados contra a covid-19 em asilos de Vitória e Viana

Publicado

A capital iniciou a campanha vacinando idosos em instituições de longa permanência contra covid-19 na manhã desta terça (19)

Prefeituras da região metropolitana começaram a registrar os primeiros vacinados contra a covid-19. A preferência, seguindo os protocolos do Ministério da Saúde, tem sido a população idosa residente em instituições de longa permanência.

Em Vitória, o primeiro vacinado contra a covid-19 foi o aposentado José Firmino, de 93 anos. Ele reside no Asilo dos Idosos de Vitória, na Ilha de Monte Belo, desde 2000. Antes, vivia pelas ruas. A vacinação ocorreu na manhã  desta terça-feira (19) e contou com presença do prefeito Lorenzo Pazolini.

No município de Viana, a primeira pessoa imunizada com uma dose da CoronaVac foi um idoso que reside em uma instituição de longa permanência da cidade. O momento da vacinação foi transmitido, ao vivo, pelas redes sociais, e contou com a presença do prefeito Wanderson Bueno.

Leia mais:  Agricultores buscam meios de comercializar seus produtos durante a pandemia de Covid-19
Continue lendo

Cidades

Suzano promove evento virtual para fornecedores em Cachoeiro de Itapemirim

Publicado

Em formato remoto, o encontro acontece nesta terça-feira (19/01) de janeiro para falar sobre a gestão de fornecedores da nova unidade da empresa no Sul do Estado. 

A Suzano, referência global na produção de bioprodutos desenvolvidos a partir do cultivo de eucalipto, está promovendo um encontro exclusivo para os fornecedores do Sul do Espírito Santo. Em formato virtual, o evento “Como ser um fornecedor Suzano” acontecerá no dia 19 de janeiro e vai reunir representantes de diversos segmentos interessados em atender a nova unidade da companhia, em Cachoeiro de Itapemirim.

Mais de 800 fornecedores foram convidados para o encontro de alinhamento, que visa promover a transparência nos processos de cadastro, fluxo de compras e gestão de fornecedores, abordando ainda os principais requisitos para ser fornecedor. O evento faz parte das ações relacionadas à unidade de conversão de papel, em construção no município.

A iniciativa também está alinhada com os Direcionadores de Cultura da Suzano, entre eles o de Gerar e Compartilhar Valor, buscando incentivar a economia e o empreendedorismo local, além de ampliar a geração de emprego nas regiões em que atua.

“Valorizamos um relacionamento sólido e transparente com os nossos fornecedores e buscamos empresas parceiras que atuam com sustentabilidade e responsabilidade econômica, social e ambiental. Além disso, priorizamos as empresas que estão localizadas na mesma região de nossas unidades e seguimos com essa premissa na nova fábrica”, comenta Daniela Datrino Camargo, consultora de Suprimentos da Suzano.

Com um investimento de R$ 130 milhões, a unidade de conversão de papel de Cachoeiro de Itapemirim marca o ingresso do Espírito Santo no mapa de unidades da empresa que produzem bens de consumo, agregando valor ao produto celulose. Serão produzidos no local papéis higiênicos de alta qualidade das marcas Mimmo e Max Pure. A expectativa é ampliar a capacidade produtiva para 30 mil toneladas anuais, o equivalente a cerca de 15 mil fardos e a 1 milhão de rolos por dia.

Leia mais:  Calçamento rural melhora qualidade de vida em 82 comunidades do Estado
Continue lendo

São Mateus

Política e Governo

Segurança

Camisa 10

Mais Lidas da Semana