conecte-se conosco


Medicina e Saúde

Especialista responde seis principais dúvidas sobre câncer de ovário

Publicado

Doença é silenciosa e pode passar despercebida; Oncologista desmistifica dúvidas sobre o tema

Desconforto e inchaço abdominal, indigestão frequente, mudança nos hábitos intestinais. Qual mulher nunca passou por estes desconfortos? Mas, atenção, se eles forem recorrentes, é preciso desconfiar e procurar atendimento médico. Esses sintomas podem ser um indicativo de câncer de ovário, doença cuja campanha de conscientização é celebrada este mês, no Maio Azul.

Segundo tipo de câncer ginecológico mais comum, os tumores no ovário devem acometer 6.650 mulheres no Brasil em 2022, de acordo com o Instituto Nacional do Câncer (Inca).

Numericamente, eles só ficam atrás do câncer de colo de útero. Mas, ao contrário deste, que pode ser facilmente identificável através do exame de Papanicolau, o câncer de ovário é de difícil detecção.

“Como ainda não existe um exame de rastreio, como mamografia e Papanicolau, a recomendação é que a mulher vá regularmente ao ginecologista, procure se informar sobre o histórico de saúde e fique atenta a quaisquer alterações, como sangramento vaginal, desconforto ou dores abdominais, perda de peso inexplicável e inchaço abdominal”, diz a oncologista Virgínia Altoé Sessa, da Oncoclínicas Espírito Santo.

Por isso, é importante alertar as mulheres para a importância do diagnóstico precoce e reforçar a importância da conscientização.

Leia mais:  Automassagem ajuda a combater e controlar o stress do dia a dia

Abaixo, a oncologista responde as principais dúvidas sobre o tema.

Confira a seguir:

  1. Quais são os principais sintomas?

O câncer de ovário é silencioso. No início, pode ser assintomático, ou mesmo apresentar sintomas inespecíficos como desconforto abdominal, mal estar, prostração, sensação de barriga inchada, empachamento mesmo após uma refeição leve, náuseas sem causa aparente, emagrecimento e redução do apetite e até mudança no hábito intestinal.

  1. Existe uma faixa etária mais atingida?

O câncer de ovário acomete mais pacientes idosas, principalmente acima de 60 anos.

  1. É possível detectar precocemente o câncer de ovário?

Não existe exame de rastreamento para o câncer de ovário, como a mamografia, para o câncer de mama e o Papanicolau para o câncer de colo de útero. No entanto, é possível detectar o tumor no ovário, especialmente quando a paciente faz acompanhamento médico regular, com avaliação e exames de rotina.

  1. Há fatores de risco? É possível evitar o câncer de ovário?

A idade é o principal deles, já que cerca de metade dos casos acometem pacientes maiores de 60 anos. Não ter filhos também pode ser fator de risco.

Outro ponto importante é o histórico familiar e possíveis síndromes genéticas que aumentam a chance de câncer de ovário, como a síndrome de Lynch, mutações nos genes BRCA 1 e 2, BRIP1 e RAD51.

  1. Quais os tratamentos mais indicados?
Leia mais:  ALES: Mesa-redonda vai debater suicídio entre jovens

O tratamento mais indicado é a cirurgia, no entanto, a quimioterapia também pode ser realizada antes do procedimento. Se necessário, como forma complementar à prática, a quimioterapia pode ser recomendada após a intervenção cirúrgica.

Existem também terapias-alvo, cada dia mais presentes nos tratamentos oncológicos, e no câncer de ovário não é diferente, com os inibidores de PARP, por exemplo.

  1. Qual o prognóstico do tratamento?

O prognóstico está totalmente relacionado ao estágio do tumor e diagnóstico. Casos mais iniciais, com EC I e II, tem altíssimas chances de cura, ultrapassando 90%. Já em pacientes que apresentam a doença de forma mais avançada, as taxas de cura são de 75%. Em caso de metástase, os números podem cair para 30% em cinco anos.

Sobre a Oncoclínicas Espírito Santo

A Oncoclínicas Espírito Santo é referência em tratamento oncológico no estado e tem como proposta promover excelência em prevenção e diagnóstico, tratamento e reabilitação para pacientes com câncer, com cuidado individualizado e assistência integral.

Parte do Grupo Oncoclínicas, um dos maiores e mais respeitados grupos de oncologia, hematologia e radioterapia da América Latina, a Oncoclínicas ES conta com renomado corpo clínico, equipe multidisciplinar altamente especializada, tecnologia avançada e com profissionais comprometidos em oferecer acolhimento e o melhor atendimento.

Para mais informações, acesse: https://www.grupooncoclinicas.com/cecon

publicidade

Medicina e Saúde

Covid-19: testes positivos voltam a crescer; registro é o maior dos últimos 4 meses no ES

Publicado

Os testes realizados em junho representam quase 90% do total de testes feitos nos meses de março, abril e maio

Espírito Santo fechou o mês de junho consolidando o aumento do número de casos de covid-19 no Estado. Até essa quarta-feira (29), segundo a secretaria de Estado da Saúde (Sesa), as amostras que foram coletadas ao longo de todo o mês apresentam a maior positividade desde março: 27%.

Após os meses de março e abril apontarem para uma redução de casos da doença com registros positivos de 7,1% e 3,5%, respectivamente, maio já demonstrava um comportamento de subida, com 10,3% dos testes positivos.

O número de testes também chama a atenção. Os realizados em junho representam quase 90% do total de testes feitos nos três meses anteriores. O Estado contabilizou pouco mais de 217 mil testes, entre março e maio. Em 29 dias, foram cerca de 206 mil.

Os testes rápidos, de antígenos, disponibilizados para a população em pontos de testagens estaduais e municipais, também aumentaram. 

Entre março e maio, foram pouco mais de 174 mil testes realizados e uma positividade média de 7,8% das análises durante os três meses. Só em junho, somam mais de 180 mil testes realizados. A positividade é de 28,5% das amostras.

Leia mais:  ES espera aval da Anvisa para vacinar crianças a partir de 3 anos contra covid-19

Segunda maior onda de casos de covid no ES em 2022

Os casos positivos registrados no mês passado configuram a segunda maior onda de covid-19 deste ano. A taxa de transmissão cima de 1, ficando atrás apenas do aumento registrado em janeiro e fevereiro. 

O subsecretário de Vigilância em Saúde, Luiz Carlos Reblin, fez um alerta sobre o momento atual vivido pelo Estado. 

“Estamos com uma alta taxa de transmissão no momento e quando temos muitos casos, as pessoas mais vulneráveis e não totalmente vacinadas podem desenvolver a forma mais grave da doença e vir a óbito”, explicou.

Para Reblin, é fundamental que a população reforce a adoção dos cuidados aprendidos desde o início da pandemia, não deixando de lado a vacinação.

“Essas regras de manter distanciamento em locais com muita circulação, usar as máscaras e a higienização das mãos continuam tão importantes quanto era no começo da pandemia. Junto a isso, temos a vacinação contra a Covid-19, com doses disponíveis à população que precisa atualizar os esquemas vacinais com o quantitativo de doses referentes à faixa etária”, disse.

Saiba onde testar

Livre demanda (sem agendamento):

– Rodoviária de Vitória (Vitória): de segunda a sexta-feira, das 8h às 17h, para a realização de Teste Rápido de Antígeno;

– Ufes (Campus Goiabeiras): de segunda a sexta-feira, das 7h às 15h30 (com intervalo de 12h às 13h), para a realização de Teste Rápido de Antígeno;

Leia mais:  Saúde reduz intervalo para aplicação da D2 da Pfizer para 78 dias

– Ufes (São Mateus): de segunda a sexta-feira, das 8h às 17h, pra a realização de Teste Rápido Antígeno;

– Terminal de Laranjeiras (Serra): de segunda-feira a sexta-feira, das 8h às 17h, para a realização de Teste Rápido de Antígeno.

Para a testagem por agendamento:

– Aeroporto de Vitória (Vitória), para a realização do exame RT-PCR e de Teste Rápido Antígeno: todos os dias, 24h;

– Hospital Estadual Infantil e Maternidade Alzir Bernardino Alves, o Himaba (Vila Velha), para a realização do exame RT-PCR e de Teste Rápido de Antígeno: segunda a sexta, das 09h às 15h30;

– Hospital Estadual Dr. Jayme Santos Neves, na Serra, para a realização de Teste Rápido de Antígeno: segunda a sexta-feira, das 7h30 às 18h (com intervalo das 11h30 às 13h30);

– Centro de Reabilitação Física do Espírito Santo (Crefes), para a realização de Teste Rápido de Antígeno: segunda a sexta-feira, das 8h às 16h.

Para agendar os testes de RT-PCR a população deve acessar o site Acesso Cidadão. Já o agendamento para o Teste Rápido de Antígeno, deverá ser feito no site Vacina e Confia. Além disso, no Vacina e Confia, a população tem acesso aos pontos de testagens municipais.

Continue lendo

Medicina e Saúde

Tratamento inovador elimina totalmente o câncer de mama em estágio inicial

Publicado

Tumores desapareceram em duas semanas após injeção da substância e sem efeitos colaterais

Um estudo recente publicado recentemente na revista Proceedings of the National Academy of Sciences mostrou que a aplicação de uma imunotoxina nos dutos mamários eliminou totalmente lesões pré-cancerosas visíveis e invisíveis de pacientes. 

A pesquisa foi feita em laboratório e liderada por pesquisadores do Johns Hopkins Kimmel Cancer Center, especializado em câncer de mama em estágio inicial.

O estágio zero da doença, também conhecido como CDIS (carcinoma ductal in situ), é caracterizado pela presença de células pré-cancerosas anormais nos dutos de leite.

De acordo com o autor sênior do estudo, Saraswati Sukumar, diversas mulheres realizam cirurgias de remoção, tratamentos de radiação e, em alguns casos, quimioterapia ou terapias hormonais para eliminar esses cânceres precoces.

“Em nossa pesquisa, propusemos um tratamento alternativo em que a injeção da droga imunotoxina pelo duto poderia resultar na limpeza do CDIS”, disse Sukumar em comunicado.

Metodologias do estudo

Primeiramente, o trabalho avaliou a eficácia da imunotoxina em quatro linhagens celulares de diferentes subtipos de câncer de mama em camundongos. Os resultados evidenciaram que o tratamento induziu à morte as células tumorais em todas elas. 

Leia mais:  Rússia promete 'centenas de milhares' de vacinas até o final de 2020

Os pesquisadores também administraram o tratamento a cerca de dez camundongos para captar possíveis toxinas circulares no sangue após a intervenção e, de cinco a 30 minutos depois, não encontraram nada.

Em seguida, eles injetaram a imunotoxina diretamente nos dutos mamários de dois grupos de camundongos com CDIS, classificados como MCF7 E SUM225.

No primeiro, foi administrado uma vez por semana durante três semanas e, para viés de comparação de eficácia, aplicaram no corpo de outro conjunto de camundongos.

No final da terapia, descobriram que aqueles que receberam a injeção no corpo tiveram um crescimento tumoral mais lento, mas que retornava após a interrupção.

Já os que receberam diretamente nos dutos tiveram os tumores completamente eliminados dentro de duas semanas após a conclusão do tratamento e a arquitetura da mama era parecida com glândulas mamárias normais. Nenhuma recorrência foi detectada após dois meses. 

O grupo SUM225 suprimiu a doença em apenas duas semanas de tratamento e não demonstrou recorrência até o final do estudo. 

Leia mais:  Avanço do sarampo em estados vizinhos alerta para manutenção da imunização

De acordo com os autores, o tratamento foi bem tolerado, sem efeitos colaterais da toxina ou injeção. Eles disseram que a pesquisa fornece uma forte base pré-clínica para a realização de ensaios de viabilidade e segurança em pacientes com câncer de mama em estágio 0. 

Segundo dados divulgados pelo Inca (Instituto Nacional de Câncer), no ano passado, o Brasil totalizou 66,3 mil diagnósticos da doença no público feminino, com 17,8 mil mortes. O câncer de mama é também o mais incidente em mulheres de todas as regiões do país, após o câncer de pele não melanoma.

Continue lendo

São Mateus

Política e Governo

Segurança

Camisa 10

Mais Lidas da Semana