conecte-se conosco


Brasil

Estudantes aprovados no exterior pedem vacina contra covid-19 ao Governo do ES

Publicado

Um grupo de 20 estudantes do Espírito Santo precisa ser imunizado contra a covid-19 para ingressar em países como a França, por exemplo

Um grupo de 20 estudantes do Espírito Santo, aprovados em universidades do exterior, tem enfrentado dificuldades para colocar em prática o sonho de estudar fora do país. 

Eles precisam ser imunizados contra a covid-19 para ingressar em países como a França, por exemplo. 

Diante da situação, eles encaminharam, na quinta-feira (15), ao Governo do Estado e Secretária de Estado da Saúde (Sesa), um ofício pedindo que sejam vacinados a tempo para não perderem as bolsas de estudos.

No documento, eles explicam que as vacinas aceitas na França são: Janssen, Pfizer, Moderna e Astrazeneca. E, como as datas do início das aulas são em setembro, eles precisam estar no país europeu até meados de agosto, considerando o período obrigatório de isolamento de 7 a 10 dias.

Além disso, visto o curto intervalo de tempo até o início da mobilidade internacional, pedem a aplicação da vacina Janssen (dose única) ou a aplicação da vacina Pfizer (segunda dose aplicável após 21 dias) em tempo hábil.

“Sonho de uma vida”

Foto: Acervo pessoal

A estudante Lara Tassinari Nogueira Campos, 22 anos, assinou o ofício e foi aprovada para a École Nationale Supérieure des Mines de Saint-Étienne, na França. As aulas começam no dia 1º de setembro e Lara não foi vacinada.

Leia mais:  Concurso do IBGE tem mais de 4 mil vagas no ES. Veja cargos, salários e cidades de atuação

Ela também tem a bolsa Capes, e aguarda a liberação da vacina para comprar a passagem. 

“Esta seria a primeira vez que eu estudaria fora do país. Estudar fora para mim significa uma evolução e um aperfeiçoamento solene para minha carreira como engenheira ambiental”, destacou.

Além disso, ela adiantou que busca aprender na experiência contribuir para as tecnologias no Brasil. 

“A partir do estudo em uma universidade renomada na França, posso evoluir nos conhecimentos em relação à área do meio ambiente, das novas tecnologias aplicadas, do saneamento, entre outras, podendo então aplicar essa aprendizagem no Brasil, em busca de desenvolver essas questões que hoje apresentam dificuldades”, concluiu.

Guilherme Fontes Tavares da Silva, 22, é aluno finalista de engenharia mecânica na Unicamp, em São Paulo, mas como a família é do Espírito Santo e as aulas estão em sistema EAD, ele voltou para o estado para finalizar o curso.

Segundo ele, foi aprovado na Universidade École Centrale de Nantes, também na França. Considerada uma das melhores do mundo na área. Semelhante a Lara, não tomou nenhuma dose da vacina contra covid-19. 

“Busco o meu duplo diploma, para ter formação nacional e internacional. É uma experiência, até pelo longo prazo, cultural e acadêmica, ao mesmo tempo que posso ter contato com outras tecnologias, conhecer outra cultura. Se eu perder essa chance, não consigo mais concorrer”, concluiu. 

Leia mais:  Anvisa autoriza testes do primeiro soro anti-Covid produzido pelo Butantan

O que diz a Sesa

Dos 20 alunos, apenas três foram vacinados no Espírito Santo com a primeira dose, os outros 17 aguardam o posicionamento do Governo estadual sobre o pedido. 

No ofício encaminhado eles deixam claro que entendem a situação atual do país face à pandemia, e que não estão em posição de pedir tal privilégio, porém contam com a compreensão da Sesa.

Em nota, a Secretaria de Estado da Saúde (Sesa) disse que recebeu o ofício e irá analisar a solicitação. 

Informou, ainda, que as doses da vacina contra a covid-19 são disponibilizadas pelo Ministério da Saúde para redução da morbimortalidade dos grupos prioritários contemplados no Plano Nacional de Operacionalização da Vacinação contra a Covid-19. E reitera que, embora esta seja uma demanda que ocorre no cenário nacional, não há recomendação, por parte da Coordenação Geral do Programa Nacional de Imunizações, para vacinação de viajantes que não façam parte dos grupos prioritários descritos no Plano

Cidade mineira cria plataforma para ajudar intercambistas

A Prefeitura de Juiz de Fora (PJF) está realizando o pré-cadastro para os estudantes intercambistas de 18 anos ou mais.

Porém, a PFJ deixa claro que o pré-cadastro não é um sistema de agendamento, pois tem o objetivo de agilizar o atendimento nos locais de vacinação e evitar aglomerações na aplicação das vacinas.

 

publicidade

Brasil

Fies: pré-selecionados devem enviar informações até esta sexta-feira

Publicado

Estudantes precisam mandar os documentos diretamente para a instituição de ensino superior em que foi aprovado 

Os candidatos aprovados na lista do Fies (Fundo de Financiamento Estudantil) têm até esta sexta-feira (19) para complementar as informações da inscrição pela página do Fies, no portal Acesso Único.

No site, o pré-selecionado deve informar o estado, a agência que deseja contratar o financiamento, qual a modalidade e quem será o fiador.

Já o procedimento de validar as informações deve ser realizado diretamente na instituição de ensino superior para a qual o candidato tenha sido pré-selecionado. Cabe à instituição informar ao estudante sobre o meio a ser utilizado para o recebimento da documentação exigida, que pode ser em formato físico ou digital.

Em 2022 foram ofertadas 110.925 vagas para o Fies. Pelas regras do programa, todos os não pré-selecionados na chamada única serão, automaticamente, incluídos na lista de espera. As convocações por meio da lista de espera, que serão realizadas no período de 22 de agosto a 22 de setembro.

Leia mais:  Qualificar ES abre 10 mil vagas em cursos on-line nesta terça-feira (28)

O Fies é um programa do MEC (Ministério da Educação) que concede financiamento a estudantes em cursos superiores em instituições particulares, com avaliação positiva nos processos conduzidos pelo ministério e ofertados por instituições de educação superior não gratuitas aderentes ao programa.

Continue lendo

Brasil

Empresa espanhola vence leilão de Congonhas com R$ 2,45 bilhões em concessão de 30 anos

Publicado

Ao todo, a sétima rodada de concessões teve 15 terminais divididos em três blocos leiloados por R$ 2,86 bilhões 

aeroporto de Congonhas, o segundo mais movimentado do país, foi concedido ao setor privado em leilão nesta quinta-feira (18), na Bolsa de Valores de São Paulo (B3), na região central da capital paulista. A empresa vencedora foi a espanhola Aena, que apresentou proposta de R$ 2,45 bilhões. Outros 14 aeroportos também foram leiloados na sétima rodada de concessões aeroportuárias do governo federal, por um total de R$ 2,86 bilhões.

A Aena Desarrollo Internacional não teve concorrentes ao vencer o bloco SP-MS-PA-MG, composto dos aeroportos de Congonhas, em São Paulo (SP); Campo Grande, Corumbá e Ponta Porã, em Mato Grosso do Sul (MS); Santarém, Marabá, Parauapebas e Altamira, no Pará (PA); Uberlândia, Uberaba e Montes Claros, em Minas Gerais (MG). O valor inicial era de R$ 740,1 milhões. Por isso, o ágio chegou a 231%.

A Aena já administra sete terminais na Região Nordeste: os aeroportos internacionais do Recife (PE), de Maceió (AL), de João Pessoa (PA) e de Aracaju (SE), além dos aeroportos de Juazeiro do Norte e de Campina Grande.

A XP Infra IV levou o bloco Avaliação Geral, formado pelos aeroportos Campo de Marte, em São Paulo (SP), e Jacarepaguá, no Rio de Janeiro (RJ), por R$ 141,4 milhões. A Novo Norte Aeroportos, composto pela Socicam e pela Dix Empreendimentosvenceu o bloco Norte II, integrado pelos aeroportos de Belém (PA) e Macapá (AP), pelo valor de R$ 125 milhões, com ágio de 119,78%.

Leia mais:  Projeto prioriza análise de patentes relacionadas ao combate à pandemia de Covid-19

A expectativa do Ministério da Infraestrutura é que os vencedores do certame invistam R$ 7,3 bilhões na modernização dos terminais ao longo dos 30 anos de concessão.

Após o leilão, por causa dos trâmites internos, a assinatura dos contratos deve ocorrer no quarto trimestre de 2022. Além disso, a empresa tem um período de seis meses de operação comprartilhada, para então assumir totalmente o aeroporto.

O leilão foi dividido em três blocos. Juntos, os aeroportos são responsáveis por 16% do tráfego de passageiros do país, cerca de 30 milhões por ano, segundo dados da Anac (Agência Nacional de Aviação Civil) de 2019, período pré-pandemia.

Havia previsão de o Aeroporto Santos Dumont (RJ) fazer parte dessa rodada de concessão. No entanto, a privatização do terminal deve ocorrer somente no próximo ano, quando será realizada também a relicitação do aeroporto do Galeão.

Segundo o ministro da Infraestrutura, Marcelo Sampaio, que participou da sessão, esse foi o 100º leilão promovido pela pasta, com R$ 120 bilhões contratados. A expectativa é que a 8ª rodada de concessão de aeroportos, que vai incluir o Santos Dummont e Galeão, ocorra no ano que vem. “Estamos muito satisfeitos com o resultado de hoje”, afirmou. “Vamos reequilibrar a matriz de transportes no Brasil, trazendo um regime simples para que o privado posso continuar investindo”, completou Sampaio.

• Bloco SP-MS-PA-MG: composto dos aeroportos de Congonhas, em São Paulo (SP); Campo Grande, Corumbá e Ponta Porã, em Mato Grosso do Sul (MS); Santarém, Marabá, Parauapebas e Altamira, no Pará (PA); Uberlândia, Uberaba e Montes Claros, em Minas Gerais (MG).
Quem venceu: Aena Desarrollo Internacional
Valor: R$ 2,4 bilhões
Ágio: 231,02%
Valor estimado para todo o contrato é de R$ 11,6 bilhões.

• Bloco Aviação Geral: formado pelos aeroportos Campo de Marte, em São Paulo (SP), e Jacarepaguá, no Rio de Janeiro (RJ).
Que venceu: XP Infra IV
Valor: R$ 141,4 milhões
O valor estimado para todo o contrato é de R$ 1,7 bilhão.

• Bloco Norte II: integrado pelos aeroportos de Belém (PA) e Macapá (AP).
Quem venceu: Novo Norte Aeroportos
Valor: R$ 125 milhões
Ágio: 119,78%
O valor estimado para todo o contrato é de R$ 1,9 bilhão.

Continue lendo

São Mateus

Política e Governo

Segurança

Camisa 10

Mais Lidas da Semana