conecte-se conosco


Internacional

EUA realizam transplante de pulmões de doador que teve Covid-19

Publicado

Receptor teve um caso grave e chegou a precisar ser ligado a um respirador e a uma máquina de oxigenação por membrana extracorpórea, chamada de ECMO, que atua como coração e pulmões artificiais

Um hospital da cidade americana de Chicago anunciou nesta sexta-feira a realização do que chamou de “um dos primeiros transplantes duplos de pulmão Covid para Covid“, em que tanto o receptor quanto o doador haviam tido a doença.

Segundo o hospital Northwestern Memorial, parte da rede Northwestern Medicine, o doador dos pulmões teve covid-19 e apresentou sintomas considerados “de leves a moderados”. Ele se recuperou da doença sem que seus pulmões sofressem danos permanentes, mas posteriormente morreu de outra causa, não relacionada ao coronavírus.

Seus órgãos foram então transplantados para um paciente na casa dos 60 anos que havia sofrido danos irreversíveis nos pulmões em decorrência da covid-19. O hospital informou que o receptor trabalha no setor de saúde e havia sido diagnosticado em maio do ano passado.

O receptor teve um caso grave de covid-19 e chegou a precisar ser ligado a um respirador e a uma máquina de oxigenação por membrana extracorpórea, chamada de ECMO, que atua como coração e pulmões artificiais, oxigenando e circulando o sangue, em casos em que os órgãos do paciente não são capazes de desempenhar essas funções.

A cirurgia realizada em fevereiro, em Chicago, foi um dos primeiros transplantes duplos de pulmão em que tanto o receptor quanto o doador haviam tido covid-19 Foto: NORTHWESTERN MEDICINE

Quando os médicos concluíram que os danos em seus pulmões eram irreversíveis, ele entrou na lista de espera para um transplante, onde ficou uma semana até que um doador compatível fosse encontrado.

A cirurgia foi realizada em fevereiro e, segundo o hospital, o paciente é “um dos primeiros sobreviventes de covid-19 nos Estados Unidos a receber pulmões de um doador que se recuperou do vírus”.

TESTES

“(A cirurgia) é um marco para transplantes de pulmões”, diz o médico Ankit Bharat, chefe de cirurgia torácica e diretor cirúrgico do programa de transplantes de pulmões da Northwestern Medicine, que liderou a equipe responsável pela operação.

Bharat lembra que muitos dos mais de 30 milhões de americanos já infectados pelo coronavírus são doadores de órgãos. Segundo o médico, se aqueles que tiveram casos leves ou moderados e se recuperaram não puderem doar, isso poderá representar um “enorme problema”.

“Se nós dissermos não a eles simplesmente porque tiveram covid-19 no passado, vamos reduzir drasticamente o número de doadores, quando já há uma enorme diferença entre oferta e demanda”, afirma o cirurgião.

Mas transplantes de órgãos em que o doador já teve covid-19 exigem cuidados. No mês passado, o caso de uma mulher que contraiu covid-19 após receber transplante duplo de pulmões contaminados ganhou manchetes e chamou a atenção para a necessidade de realizar testes rigorosos nesse tipo de cirurgia.

A cirurgia realizada em fevereiro, em Chicago, foi um dos primeiros transplantes duplos de pulmão em que tanto o receptor quanto o doador haviam tido covid-19 Foto: NORTHWESTERN MEDICINE

Naquele caso, cujos detalhes foram publicados na revista científica American Journal of Transplantation, a receptora, que sofria de doença pulmonar obstrutiva crônica, ficou doente com covid-19 três dias após a cirurgia em um hospital no Estado de Michigan.

CASO DE TRANSMISSÃO EM MICHIGAN

A doadora do caso de Michigan era uma mulher que teve morte cerebral após um acidente de trânsito e que, segundo sua família, não apresentava nenhum sintoma de covid-19.

Antes da cirurgia, doadora e receptora foram testadas para coronavírus, com resultado negativo. Exames dos pulmões a serem transplantados também não indicaram a presença do vírus.

Mas, após receber os novos órgãos, a receptora começou a apresentar sintomas como febre alta, dificuldade para respirar e sinais de pneumonia nos novos pulmões. Ela foi submetida a um teste nasal, em que uma haste é introduzida no nariz para coletar amostras.

O resultado do teste foi negativo, mas como sua situação continuava a se agravar, com sintomas compatíveis com covid-19, os médicos decidiram testar uma amostra de fluido que havia sido coletado de dentro dos pulmões da doadora, e o resultado foi positivo.

Testes posteriores confirmaram que a paciente havia realmente contraído o coronavírus dos órgãos transplantados. Ela morreu dois meses depois.

O caso de Michigan foi considerado o primeiro dos Estados Unidos em que houve transmissão comprovada por meio de um órgão transplantado, e os autores do artigo ressaltaram a necessidade de realizar testes adicionais em todos os doadores de pulmões para evitar esse tipo de contaminação.

Leia mais:  Veneza sofre pior inundação em 50 anos e água chega a quase 2 metros
publicidade

Internacional

Depois de expulsar Universal, governo de Angola suspende TV Record no país

Publicado

O governo de Angola suspendeu a programação da TV Record no país por “inconformidades” em relação aos requisitos legais para o exercício da atividade jornalística em Angola. O ministério alega por exemplo “que a empresa Rede Record de Televisão (Angola), Limitada, que responde pela TV Record África, tem como diretor-executivo um cidadão não nacional”.

A suspensão vem no rastro da expulsão da Igreja Universal do Reino de Deus (IURD) daquele país, após denúncias de pastores e fiéis.

A IURD é comandada por Edir Macedo, brasileiro que se autointitula ‘bispo’. Ele atualmente vive entre Miami (EUA) e São Paulo.

As polêmicas envolvendo a IURD já atingem a Argentina, que também vem estudando a possibilidade de expulsar a igreja e Portugal, onde uma série de reportagens mostrou um escandaloso esquema de adoção ilegal de crianças.

Leia mais:  Vídeo em que motorista tira sapatos e meias e doa a sem-teto viraliza
Continue lendo

Internacional

Gato é capturado após tentativa de introduzir drogas em presídio

Publicado

Substâncias ilícitas foram amarradas com pano junto ao corpo do felino, para serem distribuídas em centro penitenciário do Panamá

O gatinho acima foi capturado por autoridades panamenhas após tentar introduzir drogas no Centro Penitenciário Nova Esperança, na província de Colón. O “Narcogato”, como ficou conhecido, foi surpreendido por agentes penitenciários e policiais ainda do lado de fora da prisão, que comporta cerca de 1.700 detentos.

As substâncias ilícitas foram amarradas com tiras de pano ao redor do corpo do felino. Em entrevista ao canal Telemetro, o promotor Eduardo Rodríguez disse que gato possivelmente transportava cocaína, crack e maconha.

A engenhosidade dos criminosos fez com que o Ministério Público do Panamá anunciasse nas redes uma força-tarefa, que investigará o uso de animais na transferência de drogas para dentro presídio em questão.

Até o momento, as autoridades suspeitam que os bichos usados nessa modalidade são atraídos por meio de alimentos.

Andrés Gutiérrez, diretor do Sistema Penitenciário do Panamá, afirmou que apreensões do tipo são baseadas nos esforços para evitar que substâncias ilegais e itens proibidos cheguem aos presídios do país.

“Não vamos baixar a guarda”, disse ao jornal Panamá América, “e assim manter um ambiente adequado para o desenvolvimento de programas de ressocialização.”

Quanto ao “Narcogato”, fontes do governo local afirmam que ele foi entregue aos cuidados de uma fundação de defesa dos animais.

Aparentemente, ele não sofreu nenhum ferimento durante a operação de resgate e passa bem.

Leia mais:  Rainha concorda com 'período de transição' de Harry e Meghan
Continue lendo

São Mateus

Política e Governo

Segurança

Camisa 10

Mais Lidas da Semana