conecte-se conosco


Internacional

EUA: Variante do Reino Unido deve dominar casos a partir de março

Publicado

Estudo confirma previsão do CDC (Centro de Controle de Prevenção e Doenças) do governo norte-americano e pode aumentar mortes

Um estudo publicado na plataforma MedRxiv no domingo (7) prevê que a variante do Reino Unido deve dominar os casos de covid-19 a partir de março nos Estados Unidos, com potencial de provocar um novo surto de casos e aumento do número de mortes. O país tem o maior número de casos e mortes provocadas pela doença do mundo, 26,9 milhões e 463,3 mil, respectivamente. 

A cepa é 40% mais transmissível do que as demais, dobrando a cada 10 dias, segundo a pesquisa. 

A variante foi detectada em 30 dos 50 Estados norte-americanos em janeiro. O Estado com maior prevalência é a Flórida, com 4% dos casos provocados pela variante. A média nacional no momento é de 2%, o que corresponde a mais de mil pessoas. A variante já foi registrada em 80 países, de acordo com a OMS (Organização Mundial da Saúde).

Foram analisados 500 milhões de testes e centenas de genomas. O estudo confirma a previsão manifestada do CDC (Centro de Controle de Prevenção e Doenças) do governo norte-americano de que a B.1.1. O 7 poderia ser tornar predominante em março caso se comportasse como no Reino Unido.

Os pesquisadores concluíram que a cepa provavelmente chegou pela primeira vez aos Estados Unidos no final de novembro, um mês antes de ser detectada. Ela foi introduzida separadamente no país pelo menos oito vezes, por meio de pessoas que viajaram ao Reino Unido entre o Dia de Ação de Graças e o Natal.

O estudo ainda não foi submetido à revisão por pares nem publicado em periódico científico.

Leia mais:  Farmacêutica Merck Sharp & Dohme recruta voluntários para testes de covid-19
publicidade

Internacional

Centenas de israelenses protestam contra ‘passe verde’ para vacinados

Publicado

Manifestantes acusaram governo de querem criar divisão entre aqueles que não querem ser vacinados e o resto da população

Algumas centenas de israelenses protestaram na noite de quarta-feira (24) em Tel Aviv contra as medidas do governo para estimular a vacinação, que a partir desta semana incluem um passe verde que permite o acesso a certos locais e atividades apenas para os vacinados contra covid-19.

O protesto aconteceu na Praça Habima, em Tel Aviv, em frente a um icônico teatro e justamente no dia em que o município organizou o primeiro “Concerto do Passe Verde”, no qual só podiam entrar aqueles que haviam recebido as duas doses da vacina há pelo menos uma semana.

Alguns dos manifestantes exibiram cartazes acusando o governo de instalar um regime de apartheid que marginalizará aqueles que não querem ser vacinados, e outros até compararam o passe verde às marcas que os judeus tiveram que usar na Alemanha nazista.

De acordo com a imprensa local, o protesto reuniu vários grupos, em sua maioria marginalizados, e alguns deles negam não apenas a eficácia da vacina, mas também o perigo do coronavírus.

No entanto, sua reivindicação representa um setor significativo da sociedade, que inclui múltiplas ONGs e até mesmo acadêmicos, que expressaram preocupação com o avanço do governo nas liberdades individuais da população no esforço de vacinar o maior número possível de pessoas.

Além da introdução do passe verde, o Parlamento aprovou ontem uma lei que autoriza o envio de listas de pessoas não vacinadas às autoridades locais, e uma comissão parlamentar deu sua aprovação inicial a uma medida que permitiria aos israelenses que chegassem do exterior se isolarem em casa, em vez de em hotéis, mas com a condição de usar uma pulseira eletrônica para monitorar seus movimentos.

Leia mais:  Youtuber é morto a tiros durante 'pegadinha' que simulava assalto
Continue lendo

Internacional

Cataratas do Niágara congelam em meio a forte frente fria

Publicado

As famosas cataratas do Niágara congelaram na segunda-feira (22/2), em meio a uma forte frente fria polar que continua a atingir várias regiões dos Estados Unidos.

O gelo se formou no topo da famosa cachoeira depois que as temperaturas caíram para -19C em Niagara, no norte do estado de Nova York.

Cataratas do Niagara congeladas

Nuvens espessas de vapor e um arco-íris também eram visíveis na área, localizada na fronteira entre EUA e Canadá e uma das mais visitadas dos dois países.

O fenômeno ocorreu depois que o presidente Joe Biden declarou um grande desastre no Texas, onde ocorreram apagões e pelo menos 30 mortes durante uma nevasca histórica. Nas redes, circula uma teoria da conspiração afirmando que a nevasca no Texas é “fake”.

No país, ao menos 69 pessoas morreram de envenenamento por monóxido de carbono, hipotermia, acidentes de carro, incêndios em casas e afogamentos no período congelante.

Cataratas do Niagara congeladas

Cataratas do Niagara congeladas

Leia mais:  Ataque com faca em sede da polícia em Paris deixa cinco mortos
Continue lendo

São Mateus

Política e Governo

Segurança

Camisa 10

Mais Lidas da Semana