conecte-se conosco


Mundo Cristão

Ex-agente do FBI resgata vítimas do tráfico humano, após sentir chamado de Deus

Publicado

Por 20 anos de sua vida, Joe Malhoit buscou se desenvolver na carreira policial e investigativa nos Estados Unidos. Até que um chamado de Deus mudou seu rumo e apontou uma nova direção para o seu ministério.

Joe se formou em estudos pastorais na Universidade North Central, uma instituição associada às Assembleias de Deus em Minneapolis. Foi ali que ele conheceu sua futura esposa, Amy, e se preparou para o ministério.

Mais tarde, Joe já dividia sua rotina entre o trabalho secular e a atuação na Assembleia de Deus de West Oaks. Mas, com a chegada das duas filhas, ele sentiu que precisava de um novo emprego para sustentar melhor a família.

Ele foi contratado pelo FBI, o departamento de investigação dos EUA, e logo começou a estudar na Academia de Treinamento do FBI em Quantico, na Virginia. Foi assim que começou uma vida de 20 anos como agente especial do FBI, sendo 18 deles no escritório de campo de Minneapolis.

Joe trabalhou em casos envolvendo terrorismo doméstico por grupos de supremacia branca, crimes do colarinho branco e prostituição infantil.

Enquanto atuava como agente, Joe continuou ativo sempre que possível em sua igreja. Ele e Amy também adotaram um filho de 12 anos, Arjun, que veio da Índia em 2011.

Após sua aposentadoria do FBI em 2017, Joe embarcou em uma nova fase de vida: palestrando para organizações sobre como lidar com traumas e reforçar a segurança. Com a chegada da pandemia de Covid-19, as palestras foram interrompidas e Joe buscou uma nova maneira de combinar sua paixão pelo ministério com a aplicação da lei.

Ele encontrou a combinação perfeita na FREE International, um ministério afiliado às Assembleias de Deus que atua na recuperação de vítimas do tráfico humano.

“Depois de trabalhar em casos de prostituição infantil por quatro anos, desenvolvi um coração por essas meninas”, diz Joe, de 53 anos, à AG News. “É difícil encontrar grupos que façam bem esse tipo de trabalho”.

O missionário americano Michael Bartel, que foi cofundador do ministério em 2007, também é grato por contar pela experiência policial de Joe.

“Ele comandava operações para o FBI específicas para o tráfico”, diz Bartel, de 51 anos. “Suas habilidades são altas e ele tem um coração voltado para a restauração. Joe viu como as meninas precisam de transformação e esperança”.

Leia mais:  APAC do Estado integra ação nacional de oração
publicidade

Mundo Cristão

Mulher vai ao lugar onde o seu marido foi morto e entrega Bíblia aos assassinos

Publicado

Até onde você iria para evangelizar uma pessoa? A resposta pode ser fácil dependendo da região e das pessoas envolvidas. Mas, e quando o objetivo é alcançar os assassinos que mataram o seu próprio cônjuge?

Este foi o desafio que uma mulher chamada Kelly Saenz decidiu encarar. Ela foi casada com o missionário Pabel Saenz. Ambos viviam na Colômbia, um país que vem apresentando índices de perseguição religiosa cada vez mais altos nos últimos anos.

A intolerância religiosa na Colômbia ocorre principalmente por causa dos carteis de droga, em primeiro lugar, e também por questões étnicas. No caso dos cartéis, os criminosos não gostam do evangelismo, pois isso retira pessoas do mundo do crime, enfraquecendo as organizações.

Também há a intolerância por motivos étnicos nas zonas interioranas do país, onde as tradições religiosas e indígenas são muito fortes. “A média de pressão aos cristãos na Colômbia permanece em um nível alto, aumentando de 9 pontos no ano anterior para 9,4. Isso é principalmente devido à pressão de criminosos e grupos étnicos”, diz a Portas Abertas.

Na lista anual de perseguição religiosa da Portas Abertas em 2020, a Colômbia aparece na 41ª posição em uma lista de 50 nações. “Todas as esferas da vida marcaram acima dos 7,8 pontos dentro do limite de 16,7 pontos e essa pressão é alta em todos os níveis. A pressão é mais alta na comunidade, com 11,9 pontos”, diz a entidade.

Morte do missionário

No caso de Pabel, a sua morte ocorreu em novembro de 2014, quando ele estava trabalhando como moto-taxi e acabou indo parar em uma região perigosa.

“Eles supostamente o mataram porque queriam roubar sua moto. Eles me deram a moto, as chaves e dois capacetes”, disse Kelly ao 100 Huntley Street, um programa de rádio canadense.

O corpo de Pabel desapareceu. Apenas após três dias de buscas a sua esposa ficou sabendo que ele realmente estava morto, depois que recebeu uma ligação da Guarda Indígena local.

Anos depois, Kelly decidiu voltar ao mesmo local onde Pabel foi assassinado. Chegando lá, ela encontrou os moradores nativos e também o chefe da aldeia, quando ficou sabendo que os sobrinhos dele confessaram ter matado o missionário.

Apesar do choque, Kelly não se intimidou e disse que ouviu dentro de si uma voz. “Este é o momento em que preciso ver o seu testemunho sobre mim. O fruto de tudo que você e seu marido tem feito nos últimos anos”, dizia a voz.

Foi isso o que deu coragem a ela para se posicionar em um ambiente tão hostil. “Eu sempre estive na casa de Deus, Ele sempre esteve comigo. Mas quando esses homens estavam na minha frente, eu disse diretamente a eles: Vocês não conhecem o nosso Senhor”, disse ela.

No fim das contas, a mulher do missionário morto naquele mesmo lugar, conseguiu testemunhar o perdão e amor de Deus aos assassinos do seu marido. “Demos Bíblias aos membros da aldeia indígena e também enviamos Bíblias aos dois rapazes que assassinaram Pabel”, disse ela, segundo o Guiame.

Leia mais:  Franklin Graham diz que, mesmo na pandemia, Deus criou oportunidades para o Evangelho
Continue lendo

Mundo Cristão

Evento une cristãos para orar contra o aborto

Publicado

Evento “40 Dias pela Vida Brasil” reúne cristãos contra uma das práticas mais abominadas pela fé cristã

O aborto é uma das práticas mais abominadas pelo cristianismo, uma vez que é visto como a morte de bebês em seu estágio mais fragilizado de vida, que é no útero materno. Diante disso, o movimento 40 Dias pela Vida no Brasil visa conscientizar a população sobre essa realidade, além de levantar a Deus um clamor de oração.

O movimento 40 Dias pela Vida surgiu nos Estados Unidos em 1998. Ele foi se espalhando para vários estados dos EUA e posteriormente para outros países, estando atualmente presente no mundo inteiro, inclusive no Brasil.

Segundo informações da Gazeta do Povo, o movimento contra o aborto este ano ocorrerá em quatro cidades brasileiras, sendo em Brasília (DF), no Rio Janeiro (RJ), no Recife (PE), e em Fortaleza (CE). A ideia é fazer com que pessoas se mobilizem para orar e jejuar durante 40 dias consecutivos, até 28 de março.

Grupos organizados também fazem manifestações de forma “pacífica, cristã e não vinculada a nenhuma denominação”. O movimento foi fundado por protestantes nos EUA, mas logo se tornou ecumênico, reunindo pessoas de diferentes tradições religiosas em prol de uma causa comum, que é a proteção da vida desde a concepção.

Em sua conta no Instagram, por exemplo, o 40 Dias pela Vida Brasil destacou a iniciativa de uma família em dar o seu recado contra o aborto em Brasília, Distrito Federal.

“Essa linda família se uniu hoje aos @40diaspelavidadf para orar pelo fim do aborto”, diz uma publicação. “Recordando a brevidade da vida, todos refletiram, já desde pequenos, sobre a importância de valorizar profundamente cada vida humana, inclusive a vida de cada bebê por nascer”.

O movimento pede para que que “mais famílias se unam em oração, para educar seus filhos, pelo testemunho e exercício, a amar e a respeitar a vida sempre, desde a concepção até a morte natural”.

Além da oração, jejum e atos voluntários, o movimento também realiza ações em frente a hospitais onde são realizados abortos, uma prática que se tornou tradição e foi difundida nos outros países, segundo a BBC.

Leia mais:  Artigo: A influência da religião na sociedade
Continue lendo

São Mateus

Política e Governo

Segurança

Camisa 10

Mais Lidas da Semana