conecte-se conosco


Internacional

Ex-presidente Nicolas Sarkozy fura fila da vacina contra Covid-19 na França

Publicado

Político de 66 anos passou à frente de franceses com mais de 75 anos, profissionais da saúde e pessoas com comorbidades, que são o público-alvo desta primeira fase da imunização

A revelação foi feita pela revista “L’Express” e é destaque em toda a imprensa francesa nesta quinta-feira (18). O ex-presidente Nicolas Sarkozy, de 66 anos, tomou a primeira dose da vacina contra o novo coronavírus em janeiro, no Hospital Militar de Percy, em Clamart, na periferia oeste de Paris.

O ex-presidente conservador, que tem criticado com frequência a estratégia de vacinação do governo de Emmanuel Macron, passou na frente de muitas pessoas prioritárias que ainda aguardam na fila a preciosa injeção. Até agora, apenas os franceses com mais de 75 anos, profissionais da saúde e pessoas com comorbidades podem ser vacinados na França.

“Por que Nicolas Sarkozy, que completou 66 anos no dia 28 de janeiro, já recebeu a primeira dose do imunizante?”, pergunta a revista

A equipe do ex-presidente, procurada pela “L’Express”, não quis comentar o caso. Os ex-chefes de Estado não são considerados prioritários e François Hollande, que também tem 66 anos, ainda não recebeu a vacina, ressalta a imprensa.

Críticas à estratégia do governo

A campanha de vacinação na França começou, como em todos os outros países da União Europeia, na última semana de dezembro. As primeiras doses foram reservadas com prioridade para os residentes em casas de repouso e os profissionais de saúde desses estabelecimentos. Desde 18 de janeiro, a vacinação foi aberta a todos os idosos com mais de 75 anos e profissionais de saúde a partir de 50 anos.

Mesmo assim, ainda não há doses suficientes, a fila de espera é longa e mesmo as pessoas prioritárias passam horas tentando marcar uma consulta para uma primeira injeção. O governo promete vacinar toda a população até o final do verão na França, em setembro.

“L’Express” lembra que a lentidão da campanha e a falta de doses foram alvo de frequentes críticas de Sarkozy nas últimas semanas. “Dá para acreditar? Eles estão cancelando as consultas para a segunda dose da vacina”, lançou o ex-presidente, que defende uma autorização rápida do imunizante russo Sputnik V.

Ao lado de sua advogada, o ex-presidente francês Nicolas Sarkozy acena ao chegar à corte em Paris — Foto: AP Photo/Michel Euler

Desde o ano passado, Sarkozy é investigado pela Procuradoria Nacional Financeira (PNF) por suspeita de “tráfico de influência” e “ocultação de crime ou delito”, em conexão com suas atividades de consultoria na Rússia.

Sarkozy não é a primeira personalidade fura fila francesa. Na semana passada, foi revelado que o elitista Hospital Americano de Paris vacinou em janeiro integrantes de seu conselho de administração que não eram prioritários.

Leia mais:  Itália registra mais 37.809 casos de covid-19 nesta sexta-feira (6)
publicidade

Internacional

Cataratas do Niágara congelam em meio a forte frente fria

Publicado

As famosas cataratas do Niágara congelaram na segunda-feira (22/2), em meio a uma forte frente fria polar que continua a atingir várias regiões dos Estados Unidos.

O gelo se formou no topo da famosa cachoeira depois que as temperaturas caíram para -19C em Niagara, no norte do estado de Nova York.

Cataratas do Niagara congeladas

Nuvens espessas de vapor e um arco-íris também eram visíveis na área, localizada na fronteira entre EUA e Canadá e uma das mais visitadas dos dois países.

O fenômeno ocorreu depois que o presidente Joe Biden declarou um grande desastre no Texas, onde ocorreram apagões e pelo menos 30 mortes durante uma nevasca histórica. Nas redes, circula uma teoria da conspiração afirmando que a nevasca no Texas é “fake”.

No país, ao menos 69 pessoas morreram de envenenamento por monóxido de carbono, hipotermia, acidentes de carro, incêndios em casas e afogamentos no período congelante.

Cataratas do Niagara congeladas

Cataratas do Niagara congeladas

Leia mais:  Itália registra mais 37.809 casos de covid-19 nesta sexta-feira (6)
Continue lendo

Internacional

Paciente transplantada morre de covid-19 após receber pulmões infectados

Publicado

Antes da cirurgia tanto a paciente quanto o órgão passaram por uma testagem onde não foi identificada a presença do vírus

Em Michigan, nos Estados Unidos, uma mulher morreu em virtude da covid-19 dois meses após receber o transplante de um pulmão infectado. Inicialmente, tanto a paciente que recebeu o órgão, quanto o próprio órgão deram negativo para a presença do vírus. O caso foi registrado no segundo semestre de 2020 e o cirurgião responsável por cuidado do pulmão também testou positivo.

Trata-se do único caso confirmado de infecção adquirida por transplante, mas de acordo com o diretor do serviço de doenças infecciosas de transplantes da Michigan Medicine, Daniel Kaul, a ocorrência alerta para a necessidade de testes mais rigorosos em órgão transplantados como o recolhimento de amostras da parte interna do pulmão.

De acordo com informações do jornal USNews, a doadora do órgão morreu em virtude de uma lesão cerebral após sofrer um acidente de carro. Já a paciente que recebeu o pulmão sofria de uma doença pulmonar obstrutiva crônica.

Três dias após a cirurgia, a paciente receptora do órgão apresentou febre e exames apontaram diagnóstico de infecção pulmonar. O quadro se agravou e a paciente apresentou choque séptico. Após a situação, a equipe médica decidiu realizar um novo teste de covid-19, o qual apresentou resultado positivo. Em dúvida sobre a origem da infecção, os médicos realizaram exames mais profundos com fluidos do órgão e também detectaram a presença do vírus.

Leia mais:  OMS: Não há provas de que covid-19 se espalhou em Wuhan em 2019
Continue lendo

São Mateus

Política e Governo

Segurança

Camisa 10

Mais Lidas da Semana