conecte-se conosco


Mundo Cristão

Ex-viciada em drogas compartilha a chave para superar o vício: ‘A cura se chama oração’

Publicado

Aos 12 anos de idade, Lisa já estava viciada em heroína, mas se sentiu liberta assim que buscou ajuda em Deus

Quando Lisa Bickle Stribling estava à beira do desespero, já sem esperança alguma, Deus a tirou da escuridão. Agora ela quer compartilhar seu testemunho que ela considera “poderoso” para que outras pessoas encontrem o caminho da luz.

Atualmente, ela é pastora e durante uma entrevista ao programa Supernatural Life,  com a apresentadora Patricia King, ela revelou detalhes de sua jornada para a salvação. Com suas palavras, ela espera incentivar aqueles que buscam uma saída do mundo das drogas. Lisa tornou-se viciada em drogas quando ainda era muito nova, tendo sua primeira experiência aos 12 anos. Ela conta que, quase que instantaneamente, se tornou viciada em heroína.

Aos 17 anos, ela já era uma jovem sem-teto com um bebê de 1 ano para criar. Lisa teve uma passagem pela prisão, e foi exatamente atrás de uma cela que se sentiu necessitada da presença de Deus. E Ele a tirou da escuridão.

Leia mais:  Ana Paula Valadão critica pastores que não cancelaram cultos: “religiosidade”

Uma luz no fim do túnel

Quando Lisa teve um encontro com Cristo, sua vida mudou drasticamente. Hoje em dia, ela lidera um ministério no Kansas, EUA, perto da segunda área mais violenta do país. Seu ministério ajuda viciados em drogas a se libertar da escravidão. 

A autora do livro “Next To The Last Pain” [Próximo à última dor], compartilha com todos uma chave poderosa para a libertação. “Seja álcool, vício em drogas ou metanfetamina; seja depressão ou desesperança, a chave para a cura se chama oração”, ela compartilhou.

“A oração deve estar presente em cada uma de nossas histórias. Temos que orar. Você não pode desistir de orar”, encorajou.

Lisa disse que se alguém está orando por seu ente querido que é viciado, nunca deve desistir. “Continue a orar. Apenas permaneça na Palavra de Deus e saiba que Ele nunca o deixará, nem o desamparará. A cura está a caminho”, continuou.

“Se você se firma na Palavra, ela tem que ser cumprida, pois Deus não é mentiroso. Ele disse que nunca nos abandonará e que não nos esquecerá. Então, continue firme. Aproxime-se de Deus, diariamente, e tenha experiências incríveis com Ele, hoje mesmo”, concluiu.

Leia mais:  Fósseis marinhos no monte Everest podem comprovar o dilúvio bíblico

publicidade

Mundo Cristão

Cientistas dizem ter criado um embrião sintético e levantam polêmicas éticas e religiosas

Publicado

O embrião foi criado por uma startup que planeja versões embrionárias de seres humanos, no futuro, a fim de coletar tecidos para transplantes

Qual o limite da Ciência? Para os cristãos, Deus estabeleceu limites para os feitos humanos, tanto na área científica quanto na tecnológica. Porém, o que se vê são cientistas caminhando a passos largos na tentativa de interferir de alguma forma na Criação de Deus. 

Recentemente, pesquisadores anunciaram a “criação de embriões sintéticos” sem espermatozóides ou óvulos. Conforme uma reportagem divulgada no veículo “Olhar Digital”, o geneticista molecular do Instituto de Ciência de Wizemnann, de Israel, Joseph Hanna, cultivou o primeiro embrião sintético de camundongo em laboratório.

É o primeiro embrião do mundo formado sem a presença de estruturas como óvulo e útero. A tecnologia ainda está longe de poder criar, por exemplo, órgãos humanos, mas abre uma perspectiva importante na área.

‘Solução para a questão de transplantes’

De acordo com o estudo, o embrião foi capaz de desenvolver todas as partes de um corpo primitivo e os tecidos necessários para manter uma gravidez. Esse estudo permitirá que os cientistas compreendam como são os primeiros estágios da gravidez humana.

O estágio embrionário é uma etapa crucial na gestação em seres humanos, pois é nesse período que ocorrem muitas interrupções não intencionais na gravidez. Os cientistas ainda não sabem o motivo disso acontecer eesse tipo de pesquisa vai ajudar a entender o que pode dar errado e quais medidas tomar.

O embrião cultivado, porém, sobreviveu somente 8 dos 20 dias do ciclo embrionário do camundongo. Ainda longe do objetivo da startup Renewal Bio, que pretende desenvolver células-tronco humanas sintéticas, para resolver situações adversas na saúde humana. 

Leia mais:  Homem morre cantando louvor sobre a volta de Jesus durante evangelismo

A startup planeja criar versões embrionárias de seres humanos e coletar tecidos para transplantes.

Controvérsias e polêmicas

Há muitas controvérsias sobre o investimento nesse tipo de pesquisa com embriões. Muitos cientistas discordam do enfoque escolhido pela Renewal Bio. 

De acordo com uma declaração concedida ao MIT Technology Review, por um cientista de células-tronco do Instituto de Biotecnologia Molecular de Viena, não se trata de uma opção absolutamente necessária, então, ele não vê motivos para despender esforços.

Há outros cientistas, porém, que acreditam ser cedo para falar sobre esse tipo de desenvolvimento de pesquisa, mas admitem que não deixa de ser um avanço na área. Enquanto isso, a medicina também dá seus saltos, transplantando coração de porco em seres humanos. 

Tudo para evitar a morte

Nos Estados Unidos, pela primeira vez na história, médicos transplantaram um coração geneticamente modificado de porco para um homem. O paciente que recebeu o transplante é David Bennet, de 57 anos. A notícia foi divulgada em janeiro deste ano, pelo Guiame

O homem tinha uma doença cardíaca terminal e, antes da cirurgia, disse que as opções dele eram morrer ou fazer o transplante, e ele queria viver. A cirurgia inédita e revolucionária foi realizada por especialistas da Faculdade de Medicina da Universidade de Maryland, no Centro Médico da universidade, nos Estados Unidos. 

Muitos médicos disseram que o feito “é um marco histórico na medicina” e que obstáculos foram vencidos com modificação genética para sucesso de cirurgias assim, abrindo caminho para vários tipos de transplantes.

Há poucos dias, o Guiame também publicou uma matéria mostrando que cientistas reanimaram células de porcos mortos a fim de “atualizar o conceito de morte”, levantando questões filosóficas, éticas e biológicas. 

Leia mais:  Tradicional caminhada religiosa “Passos de Anchieta” segue até este domingo (19)

Em 2019, uma equipe da Universidade de Yale surpreendeu a comunidade científica ao conseguir restaurar a função celular no cérebro de porcos, horas depois de terem sido decapitados.

Visão bíblica

Para a teologia, interferências como essas podem, além de questões éticas, significar querer agir na área divina, uma vez que, de acordo com a Bíblia, é Deus quem dá a vida e a toma, conforme 1 Samuel 2.6.

O escritor e colunista do Guiame, Felipe Morais diz que “há um princípio estabelecido por Deus que ‘aos homens está ordenado morrerem uma só vez, vindo, depois disto, o juízo’ (Hb 9.27) e, somente o Senhor pode ressuscitar uma pessoa.

“Portanto, a única esperança da ressurreição do corpo está em Cristo”, reforça o pastor da Igreja Batista do Reino.

Citando Isaías 38, que conta a história de Ezequias que recebeu uma sentença de morte de Deus, o pastor Cláudio Modesto deixa claro que até para dar mais tempo de vida a alguém é preciso que isso seja feito por Deus. 

“Temos claro aqui que é Deus quem tem o poder da vida e da morte, inclusive de dar mais anos de vida a alguém, como fez com Ezequias que após chorar recebeu 15 anos para colocar sua casa em ordem”, citou.

Ou seja, por mais que a Ciência se multiplique nos últimos dias e as descobertas promovam qualidade de vida às pessoas, sempre haverá limites impostos por Deus. 

“Deus é quem dá limites e não tem como ter uma cura para a morte. O homem não tem o controle sobre a vida e nunca terá porque a palavra final vem do Senhor”, concluiu o colunista.

Continue lendo

Mundo Cristão

Missa em memória das vítimas de trânsito será celebrada no Convento neste domingo

Publicado

A celebração, com início marcado para às 9 horas, marca o Dia Estadual em Memória das Vítimas de Acidentes de Trânsito

A tradicional “Missa em Memória das Vítimas de Trânsito” será celebrada no próximo domingo (07). O evento, que completa 16 anos de realização, acontece no Campinho do Convento da Penha, em Vila Velha, e também será transmitido nas redes sociais do Convento.

A celebração, com início marcado para às 9 horas, marca o Dia Estadual em Memória das Vítimas de Acidentes de Trânsito, estabelecido conforme a Lei Estadual nº 9.689/2011, e é uma oportunidade de reforçar a importância de a população refletir sobre a defesa de um trânsito seguro.

“Há 16 anos nos unimos, de forma solidária, à dor das famílias que perderam seus entes queridos, vítimas da fatalidade, mas também da imprudência e do descaso com o trânsito de nossas cidades e rodovias. A dor de quem perdeu alguém fica para sempre em nossa memória e em nossos corações! Infelizmente, vidas abreviadas, histórias interrompidas, sonhos sepultados abruptamente. A Missa do Convento da Penha quer fazer memória e recordar aqueles que partiram, mas também quer expressar nosso compromisso com a vida e a paz no trânsito. Nos esforcemos para construir cada dia mais, um trânsito mais humano, mais gentil, seguro e cidadão. Devemos ser, especialmente no trânsito, os semeadores de paz e de bem”, explica o Frei Djalmo Fuck, guardião e reitor do Convento da Penha.

Leia mais:  Franklin Graham diz que os tiroteios nos EUA têm uma raiz espiritual: ‘Tiramos Deus das escolas e dos lares’

A Missa é um ato de fé que vai além da religião. A organização destaca que a construção da paz no trânsito deve ser um objetivo comum a todos, pois envolve a segurança e a vida das pessoas.

Continue lendo

São Mateus

Política e Governo

Segurança

Camisa 10

Mais Lidas da Semana