conecte-se conosco


Brasil

Exame toxicológico já flagrou 170 mil motoristas de veículos pesados

Publicado

A análise, feita a partir de um fio de cabelo ou de parte da unha, é capaz de detectar se houve consumo de entorpecentes nos últimos 90 dias

Obrigatório desde 2016, o exame toxicológico em motoristas de ônibus, vans e caminhões já flagrou, em todo o Brasil, 170 mil condutores que eram usuários habituais de drogas. Quase metade deles dirigia veículos de transporte coletivo; a prevalência (67% nesses casos) é por consumo de cocaína. Os dados fazem parte de estudo do programa SOS Estradas, voltado à redução de acidentes e segurança nas rodovias.

Os responsáveis pelo programa defendem a manutenção da regra que estabelece a obrigatoriedade do exame. Isso consta do texto final da PL do Trânsito, aprovado pelo Congresso e que agora aguarda sanção do presidente Jair Bolsonaro.

Atualmente, a análise toxicológica é realizada quando da primeira habilitação de motoristas das categorias C, D e E, e na admissão e demissão dos condutores por transportadoras ou empresas de ônibus. Exames também são feitos, eventualmente, de forma aleatória. Além de multa, quem for flagrado tem a carteira imediatamente suspensa.

A análise, feita a partir de um fio de cabelo ou de um fragmento de unha, é capaz de detectar se houve consumo de entorpecentes nos últimos 90 dias. Ela identifica não apenas o consumo eventual, mas principalmente aquele feito de forma corriqueira. Motoristas profissionais muitas vezes recorrem a drogas para se manter alertas e conseguir dirigir por muitas horas consecutivas. Não raro, atravessam dias sem dormir – um risco enorme para a segurança do trânsito.

“É importante ressaltar que estamos falando de uma minoria, mas ainda assim uma minoria considerável”, alerta Rodolfo Rizzotto, que coordena o SOS Estradas. “A maioria dos motoristas é favorável ao exame. Além de afetar a segurança do trânsito, em geral quem recorre às drogas para poder dirigir por mais tempo oferece fretes a custo muito mais baixo, o que acaba influenciando na tabela de preços de todo mundo.”

Levantamento do SOS Estradas aponta que, desde que o exame se tornou obrigatório, o número de habilitações nas três categorias exigidas teve uma inflexão. Passou de um histórico de alta para queda – enquanto a frota de veículos pesados aumentou.

Em dezembro de 2015, último ano antes da obrigatoriedade do exame toxicológico, o país tinha 13,1 milhões de habilitados nas categorias C, D e E. A frota era de 2,35 milhões de veículos pesados. Em maio deste ano, nos primeiros meses da pandemia, o total de habilitados havia caído para 11,55 milhões. A estimativa de frota em dezembro passado, dado mais recente, era de 2,41 milhões de veículos pesados.

Para Rizzotto, a queda de habilitados está diretamente ligada ao medo dos motoristas serem flagrados.

“Quem consumiu drogas sabe que será pego e que ficará sem poder dirigir. Querer fazer ou renovar a habilitação nessas condições é como se você fosse parado numa blitz e, bêbado, pedisse para fazer o teste do etilômetro”, compara.

A Associação Brasileira de Caminhoneiros (Abcam), que reúne 54 afiliadas e representa 600 mil caminhoneiros, declara-se a favor da manutenção do exame toxicológico. Mantém essa posição mesmo que a exigência resulte em custos para empresas e, muitas vezes, para o próprio motorista.

Em carta aberta, a entidade ressalta que seus motoristas já enfrentam riscos inerentes à profissão, mas que podem ser “potencialmente aumentados pela agressiva competição do mercado que leva alguns profissionais ao uso de substâncias psicoativas”.

O texto diz ainda que, após o exame se tornar obrigatório, “muitos motoristas profissionais decidiram abandonar as drogas e com isso estão recuperando sua saúde, dignidade e convívio saudável com suas famílias e colegas”.

Leia mais:  Ministros do Supremo dizem que Kassio Nunes 'surpreende positivamente'
publicidade

Brasil

Voos internacionais partindo do Aeroporto de Vitória sem previsão de decolar

Publicado

Voo direto para Buenos Aires, na Argentina, não tem data para começar a operar, segundo a companhia aérea Gol

O sonho dos capixabas de terem voos internacionais partindo do Aeroporto de Vitória ficou para mais tarde. A companhia aérea Gol, que inicialmente iria operar os voos diretos para Buenos Aires, na Argentina, informou que não há uma nova previsão para a oferta internacional a partir da capital capixaba.

Segundo a Gol, o cenário atual que envolve a pandemia foi um dos motivos para o adiamento e, por isso, no momento não há previsão para inclusão da oferta internacional no Espírito Santo.

“Os mercados internacionais ainda estão com várias medidas restritivas de circulação de viajantes e com fronteiras fechadas, alterando drasticamente a demanda por esse tipo de serviço. Mesmo frente ao desafio sanitário, a Gol trabalha em conjunto com o governo do Espírito Santo para viabilizar a plena retomada do transporte aéreo no estado o mais breve possível”, disse a empresa por meio de nota.

A Gol já havia adiado o início dos voos internacionais outras vezes. A última previsão era de começar a operar o voo direto de Vitória para Buenos Aires em meados de 2020, mas adiou por questões estratégicas.

Aeroporto de Vitória foi internacionalizado em 2019

Desde o dia 5 de novembro de 2019, o Aeroporto de Vitória Eurico de Aguiar Salles passou a ser internacional. Naquela data, foi publicado no Diário Oficial da União a homologação da internacionalização do terminal.

Os voos internacionais são um sonho antigo dos capixabas e usuários do maior aeroporto do Espírito Santo. Desde que foi inaugurado – em março de 2018, o terminal já passou por reformas e alterações para a adaptação das estruturas para salas de embarque e desembarque internacionais.

Na nova estrutura, o embarque internacional fica nos fundos do saguão doméstico. Já a sala de desembarque é próxima à área das esteiras de bagagens, no térreo. Hoje, o aeroporto movimenta diariamente uma média de 10 mil passageiros em 80 voos. Em 2020, recebeu mais de 3 milhões de passageiros.

Leia mais:  Ministros do Supremo dizem que Kassio Nunes 'surpreende positivamente'
Continue lendo

Brasil

Criança de dois anos fica com cabeça presa em panela de pressão e pais fazem alerta

Publicado

O episódio aconteceu na tarde desse sábado (18) e só foi solucionado após ajuda da UPA.

Uma criança de dois anos precisou ser levada a Unidade de Pronto Atendimento (UPA) da cidade de Granja, no Ceará, após ficar com a cabeça presa em uma panela de pressão.

O episódio curioso aconteceu na tarde desse sábado (18) e deixou os pais do menino bem aflitos.

Segundo relatos de Keciane Silva, mãe da criança, o pequeno João Pedro estava brincando de “bumba meu boi’ quando colocou a panela de pressão na cabeça e não conseguiu mais retirá-la. Nesse momento começou o desespero, tanto dos pais quanto da criança. 

A cabeça da criança começou a ficar inchada com as tentativas de retirar a panela, levando o pequeno a ficar desesperado com cada nova tentativa. Sem alternativa, os pais levaram João Pedro até a UPA da cidade para conseguir ajuda

O médico José William, que atendeu a criança, afirmou que os pais chegaram na unidade com a criança muito agitada e que não conseguiram retirar a panela de imediato, sendo necessário aplicar duas medicações para evitar qualquer edema.

Além disso, o Corpo de Bombeiros foi acionado, mas não conseguiu acalmar a criança.

A remoção da panela de pressão só foi possível após os pais conseguirem acalmar a criança, que acabou dormindo e o edema diminuiu. Após isso, os pais conseguiram remover a panela da cabeça da criança. 

Pais de João Pedro fazem alerta

Mais calma após o susto, a mãe da criança agradeceu o trabalho do Corpo de Bombeiros e da UPA da cidade e aproveitou para alertar os pais, buscando evitar acidentes como esse. Keciane pediu para terem mais atenção com seus filhos e ressaltou que, um momento de descuido, virou um grande desespero.

Leia mais:  Candidata a vice-prefeita de Belém (PA) é alvo de ataque a tiros
Continue lendo

São Mateus

Política e Governo

Segurança

Camisa 10

Mais Lidas da Semana