conecte-se conosco


Camisa 10

Familiares começam batalha pela herança milionária de Maradona

Publicado

Craque argentino teve um ganho estimado em quase R$ 3 bilhões ao longo da vida. Além de cinco filhos reconhecidos, outros seis tentam paternidade

A morte de Diego Maradona provocou uma grande comoção no mundo inteiro. Um dos maiores jogadores de todos os tempos, o argentino de 60 anos morreu vítima de uma parada cardiorrespiratória na última quarta-feira (25).

Velado e enterrado no dia seguinte, em eventos que reuniram uma verdadeira multidão pelas ruas de Buenos Aires, mais especificamente nos arredores da Casa Rosada e também do Cemitério Jardim da Paz, o craque agora deve protagonizar uma “batalha”.

Ninguém sabe muito bem quanto é o patrimônio de Maradona, mas uma coisa é certa: haverá uma verdadeira guerra entre seus herdeiros. Oficialmente, eles são cinco: Dalma Nerea, Gianinna Dinorah, Diego Jr, Dieguito Fernando e Jana.

Porém, segundo informações da imprensa argentina, ele tem mais seis filhos que tentam, na Justiça, serem reconhecidos. Quatro deles estão em Cuba: Javielito, Lu, Johanna y Harold. E ainda Santiago Lara, de 19 anos, e Magalí Gil, de 24.

Leia mais:  Volta dos 'cinquentões': Tyson, Jones e Holyfield correm riscos com lutas?

De acordo com o site Celebrity Net Worth, especializado nas fianças dos famosos, os ganhos totais do ex-craque ao longo da carreira giram em torno de 500 milhões de dólares (R$ 2,6 bilhões): “Durante sua carreira como jogador e treinador, Maradona ganhou dezenas de milhões de dólares em salários e patrocínios. Nos anos 80, ele era um dos jogadores mais bem pagos do mundo, ganhando muito dinheiro de salários e marcas parceiras, como Hublot, Puma e Coca-Cola”.

Por outro lado, tem quem fale que seu patrimônio é bem menor que isso, algo entre 75 (R$ 400 milhões) e 100 milhões de dólares (R4 534 milhões). Entre seus bens, destaque para cinco casas em Buenos Aires e muitos carros de luxo, entre eles quatro que ficavam na Argentina, além de um Rolls Royce Ghost, avaliado em 300 mil euros (R$ 1,9 milhão) e uma BMW i8, de 145 mil euros (R$ 922 mil) que ficavam em Dubai, onde ele trabalhou recentemente como treinador.

Na Bielorrússia, onde viveu por algum tempo ao exercer o cargo de presidente honorário do Dínamo Brest, Maradona circulava com um Hunta Overcomer, carro feito para uso militar e que funcionava também como veículo anfíbio.

Leia mais:  Dupla da MSL Rally conquista quarto lugar na terceira etapa do SARR 2022

Entre seus bens, existem também itens excêntricos, como por exemplo um anel de brilhantes avaliado em 300 mil euros que ele tinha como amuleto da sorte. E muitas outras jóias.

Além, claro, dos contratos que Maradona tinha em vigência, o primeiro deles com o Gimnasia y Esgrima, time em que treinava, além da marca esportiva Puma e a Konami e a EA Sports, desenvolvedoras de jogos de futebol que pagavam ao craque para utilizarem sua imagem.

Ele ainda tinha negócios em países como China, Cuba, Venezuela e Itália.

O velório de Diego Maradona acontece nesta quinta-feira (26), na Casa Rosada, sede do governo argentino. Espera-se que mais de 1 milhão de fãs e torcedores passem pelo local para se despedir do ídolo. Muitas pessoas dormiram na Plaza de Mayo para conseguir dar o último adeus ao craque e o governo armou um forte esquema de segurança. No início da manhã, algumas pessoas tentaram forçar a entrada, mas a situação foi controlada pela polícia.

Segundo o Clarín, Maradona já vivia recentemente uma disputa com sua ex-esposa, Claudia Villafañe, a quem acusou de apropriação indevida de mais de 400 objetos que eram dele. A publicação cita ainda que, por causa da disputa familiar por sua herança, a vontade do ex-jogador era de doar tudo o que ganhou para instituições de caridade.

publicidade

Camisa 10

Kléber Andrade vai receber torneio internacional de seleções sub-20 em junho

Publicado

A competição em terra capixaba é uma das etapas de preparação da seleção brasileira sub-20 visando o Torneio Sul-Americano Conmebol, em 2023

Principal palco do futebol capixaba e de grandes jogos, o Kléber Andrade terá mais uma grande competição para sediar na conta. Em junho, o estádio capixaba vai sediar o Torneio Internacional do Espírito Santo, que reunirá seleções brasileira, equatoriana, paraguaia e uruguaia da categoria sub-20.

Na noite desta quinta-feira (19) a Federação de Futebol do Espírito Santo (FES) confirmou a realização do evento nos dias 8, 10 e 12 de junho. O torneio é organizado pela CBF em parceria com a FES.

A competição em terra capixaba é mais uma etapa de preparação da equipe sub-20 visando o Torneio Sul-Americano Conmebol da categoria, previsto para os primeiros meses de 2023. A competição é classificatória para a Copa do Mundo Sub-20.

O presidente da FES, Gustavo Vieira, destacou a relevância da competição no Espírito Santo, que volta a receber um grande evento esportivo e já recebeu jogos da seleção brasileira de base em outras oportunidades.

Leia mais:  Volta dos 'cinquentões': Tyson, Jones e Holyfield correm riscos com lutas?

“É um torneio muito importante para o estado do Espírito Santo, visto que desde 2016 uma Seleção Brasileira não vem ao estado. Após um longo período sem a possibilidade de realização de grandes eventos, o ES volta a receber um de grande porte e dessa vez o futebol, então é com grande honra que vamos receber a seleção”, ressalta.

“Sua presença no estado vai mover toda a cadeia hoteleira, turística, gastronômica e de entretenimento. É um evento para o povo capixaba, seguindo as novas diretrizes do presidente Ednaldo Rodrigues, de aproximar a Seleção Brasileira do povo, e então a seleção conta com a presença dos capixabas no estádio”, finalizou.

Continue lendo

Camisa 10

Brasil não terá seu melhor árbitro na Copa. Peru derrubou Daronco. Wilton Sampaio e Claus serão os juízes no Catar

Publicado

A Federação Peruana entrou em guerra na Fifa contra Daronco por conta do jogo contra o Uruguai. Ele confiou no VAR em um lance decisivo. Virou inimigo número um, em Lima. Resultado. Perdeu o Mundial do Catar

A manhã desta quinta-feira gelada em quase todo o país começou com uma triste constatação para a arbitragem nacional.

Justo na primeira vez que o país terá dois árbitros na Copa do Mundo, desde 1950, o melhor juiz brasileiro não estará no Mundial: Anderson Daronco, da Federação Gaúcha de Futebol.

Daronco tem enorme prestígio na Comissão de Arbitragem da Fifa, nas principais Federações, nos grandes clubes brasileiros. E até na Conmebol.

O grande adversário que o venceu foi a Federação Peruana de Futebol.

O presidente da FPF, Agustín Lozano, fez denúncia formal contra o Daronco. Insistiu na anulação da partida contra o Uruguai, em Montevidéu, que o Peru perdeu por 1 a 0. 

Anderson Daronco virou ‘inimigo número um’ dos peruanos por conta de um lance. Aos 46 minutos do segundo tempo, os uruguaios venciam por 1 a 0, o confronto na noite de 24 de março. Até que o lateral Trauco tenta cruzar a bola da intermediária. Erra e ela vai em direção ao gol. O goleiro Sergio Rochet estava adiantado. E teve de correr para trás para segurar a bola. Ele fica complemente dentro do gol. E há sérias dúvidas se a bola ultrapassa a linha.

Leia mais:  Dinheiro, Neymar, Pochettino. O PSG é o caminho natural para Messi

O time peruano ficou revoltado, exigindo que, pelo menos, Daronco conferisse no VAR se a bola entrou ou não. Só que o juiz brasileiro não foi. Porque teve a confirmação no áudio que não foi gol.

Este lance tirou Daronco da Copa do Mundo do Catar. Ganhou o ódio de todo um país

E o Uruguai ganhou o jogo por 1 a 0. O empate teria grande impacto na penúltima rodada das Eliminatórias. Pressionaria os uruguaios no jogo contra os chilenos, vencido com facilidade. Os peruanos derrotaram os paraguaios. E terão de jogar a repescagem para ir ao Mundial. Enfrentarão o vencedor de Austrália e Emirados Árabes.

A pressão dos peruanos foi enorme desde o fim do jogo contra o Uruguai. A Fifa resolveu divulgar o áudio do VAR detalhando o lance.

Daronco: “Bola na área”
Assistente: “Tudo legal”
Daronco: “Calma! Checa isso aí”
Assistente: “Gol”
VAR: “Mais, mais, está em jogo ainda. Checado. Não entrou”
Daronco: “Não entrou?”
VAR: “Não”
Assistente: “Vai para a área”
VAR: “Temos que mandar essa imagem. Para essa imagem.
“A bola não entra toda. Vamos dar um zoom. Não entra toda.”

Ou seja, Daronco teve a confirmação eletrônica que a bola não entrou. Daí não ter paralisado o jogo. Nem sequer revisto o lance pela tevê. Confiou no VAR.

Leia mais:  Dupla da MSL Rally conquista quarto lugar na terceira etapa do SARR 2022

Mas mesmo com a divulgação do áudio, a Federação Peruana não desistiu da ação contra o Daronco.

Se ele tivesse ao menos ido conferir a jogada na tevê, talvez não fosse tão odiado no Peru.

Nos bastidores, ele acabou derrubado.

Wilton já havia sido o juiz de vídeo do Brasil no Mundial da Rússia. E foi um dos principais responsáveis pela implantação do VAR. Claus tem a seu favor excelentes arbitragens e participação constante em jogos de Eliminatórias e Libertadores, sem criar grandes polêmicas.

Messi criticou Wilton na vitória da Argentina contra o Peru nas Eliminatórias. Mas nada que ficasse tão marcado quanto o que aconteceu em Montevidéu.

Além de Wilton e Claus, o Brasil terá mais cinco assistentes, bandeirinhas. Neuza Back, Bruno Boschilia, Rodrigo FIgueiredo, Bruno Pires e Danilo Simon. Nenhum árbito de vídeo.

Raphael Claus, da Federação Paulista, é o 2º árbitro brasileiro confirmado na Copa do Catar

Anderson Daronco tem 41 anos. Em 2026, terá 45 anos. Suas chances de ir para a Copa serão muito reduzidas.

Sua Copa ideal seria a do Catar.

Não vai.

Por conta da pressão da Federação Peruana.

Situação mais do que injusta…

Continue lendo

São Mateus

Política e Governo

Segurança

Camisa 10

Mais Lidas da Semana