conecte-se conosco


Brasil

Findes participa de evento em SP para atrair negócios para o ES

Publicado

A presidente da Federação, Cris Samorini, participou de painel e falou sobre as potencialidades do Estado

O Espírito Santo como local para fazer negócios e gerar oportunidades. Este foi o foco do evento BuyES, que aconteceu nesta quarta-feira (08), no BTG Pactual em São Paulo, e contou com a participação da presidente da Federação das Indústrias do Espírito Santo (Findes), Cris Samorini.
Visualização da imagem
Cerca de 200 pessoas, entre elas investidores, empresários, o governador do Estado, Renato Casagrande, os principais players de setores da indústria e da inovação, além de representantes do mercado de fundos de investimentos de São Paulo, participaram do fórum empresarial promovido pela Apex Partners e pelo Bandes.  
Na ocasião, foram apresentadas as principais potencialidades de investimento no Espírito Santo com o objetivo de prospecção e atração de empresas para o território capixaba. Os convidados puderam conhecer sobre o ambiente de negócios favorável do Estado, os atrativos fiscais, o polo de tecnologia, ecossistemas e cadeias produtivas de destaque, além de informações estratégicas que diferenciam o Espírito Santo, como os setores de infraestrutura e logística.
Visualização da imagem

A presidente da Findes, Cris Samorini, compôs o painel “Como a sociedade civil capixaba ajuda no desenvolvimento do ES”. Mediado pelo empresário Marcus Buaiz, participaram ao lado da industrial o presidente do Espírito Santo em Ação, Fábio Brasileiro, e o empresário e presidente do hub Base 27, Francisco Carvalho.

Cris Samorini aproveitou a oportunidade para falar do trabalho da Findes em frentes como inovação, infraestrutura, ambiente de negócios e qualificação de mão de obra, e destacou que o diálogo permanente e transparente que acontece entre os diversos Poderes e instituições é um dos diferenciais no Espírito Santo.

“Esse bom relacionamento permite avançarmos diariamente em temas que contribuem para a produtividade e a competitividade das nossas indústrias. Isso gera mais oportunidades e desenvolvimento para o Estado. Um exemplo claro disso é em relação ao debate do Corredor Centro-Leste, que conta com a união de esforços de vários atores do Estado. A partir do diálogo e de estudos qualificados, estamos conseguindo avançar em um tema que é muito estratégico para o Espírito Santo e para o Brasil.”  
Além de Cris Samorini, empresários do setor industrial também estiveram presentes e dividiram com a plateia as trajetórias de sucesso de suas empresas. Léo de Castro, vice-presidente da CNI e vice-presidente da Fibrasa, Ada Mota, fundadora da Adcos, e Luís Cordeiro, presidente da Estel e da Placas do Brasil, compartilharam ainda suas visões sobre o Espírito Santo enquanto um bom local para se fazer negócios.  

“Hoje somos uma das maiores empresas de embalagens plásticas do país. Encontramos, ao longo desses 50 anos, uma boa ambiência para o crescimento da empresa, por uma relação equilibrada com o poder público e uma boa governança que se estabeleceu no nosso Estado”, frisou Léo de Castro. 

Protagonismo do ES

O governador do Estado, Renato Casagrande, destacou que as discussões realizadas durante o fórum Buy ES dão oportunidade de apresentar o Espírito Santo aos empresários interessados em desenvolver parcerias de negócio.
“Falar bem da gente mesmo pode parecer arrogante, mas o Espírito Santo ficou muito tempo acanhado pelos vizinhos. É muito bom que a gente possa divulgar o que conquistamos nos últimos anos. Não somos uma ilha e por isso dependemos do que acontece e o que acontecerá no Brasil. Temos que trabalhar muito para termos um país que encontre seu rumo e possa dar estabilidade à população”, disse.
Casagrande reforçou que o objetivo é de que o Espírito Santo seja uma referência na prestação de serviço público em todas as áreas.  
“Trabalhamos com cinco premissas e estas se relacionam com o setor produtivo: competitividade, justiça, inovação, desenvolvimento regional e sustentabilidade. Somos um Estado com boa gestão fiscal e recursos tanto para fazer investimentos quanto para atrair empreendimentos. Criamos o Fundo Soberano que serve uma parte como uma poupança intergeracional e outra para atração de empresas. Isso mostra que é possível sim ter uma visão a longo prazo na administração pública. Com continuidade dessas boas políticas, o Espírito Santo pode ir muito mais além”, pontuou.
Fundo de Investimento em Participações  
Um dos temas abordados nas mesas temáticas durante o BuyES foi o Fundo de Investimento em Participações (FIP) Funses 1, fundo na modalidade venture capital multiestratégia, lançado recentemente pelo governo do Espírito Santo, por meio do Bandes. O fundo é o maior da categoria no país e, com aporte inicial de R$ 250 milhões, vai permitir buscar a atração de novos negócios, gerando emprego e renda para a população do Estado, a partir do investimento de receitas provenientes da indústria do petróleo e do gás natural.
“A disponibilidade de mecanismos inovadores de investimento em empresas de base tecnológica e startups, como no caso do Funses 1, permite o crescimento de um ambiente de negócios promissor no Espírito Santo. A participação do Bandes em todo o processo de confecção do novo Fundo e nas discussões com os demais atores do ecossistema de inovação potencializa o Estado, em um futuro próximo, consolidando a vanguarda de formas de investimento que se enquadram nos conceitos de private equity, venture capital e seed capital, e gerando novas oportunidades de negócios”, frisou o diretor-presidente do Bandes, Munir Abud de Oliveira.
Como estratégia da formação de carteira, o Fundo vai contar com um portfólio diversificado, investindo em setores estratégicos, com foco em inovação no ambiente produtivo e/ou social. Vale lembrar que o Fundo vai atuar em todos os estágios de fundraising, na jornada da empresa com investimentos de R$ 300 mil até R$ 30 milhões. É importante destacar que haverá a possibilidade de follow-ons nas empresas que melhor performarem, desde a aceleração até a Série A.
Por Beatriz Seixas, com informações da assessoria de imprensa do Bandes

Leia mais:  INSS alerta para golpes que prejudicam aposentados
publicidade

Brasil

Bebê passa mal e família morre em acidente de carro ao tentar socorrê-lo

Publicado

A mãe, de 32 anos, chegou a ser socorrida e levada na ambulância do município para uma unidade de saúde, mas também não resistiu aos ferimentos

O capotamento de um carro deixou três pessoas da mesma família mortas em Jaraguari (MS) – a 55 km de Campo Grande, na tarde da última quinta-feira (30). Entre as vítimas, havia uma bebê de 3 meses, segundo a Polícia Civil.

A família estava a caminho do posto de saúde da cidade, quando o motorista perdeu o controle do veículo na MS-244. De acordo com a Polícia Civil, a família estava na cidade há cerca de três meses, onde o casal trabalha em uma fazenda.

Conforme apurado, enquanto o pai trabalhava, o recém-nascido começou a passar mal. Desesperados, o casal saiu correndo a caminho de uma unidade de saúde. No caminho, o condutor perdeu o controle da direção e o carro acabou capotando.

A polícia informou que com o impacto da batida o bebê acabou arremessado pela janela traseira. Ele e o pai, de 34 anos, morreram no local do acidente.

Leia mais:  INSS alerta para golpes que prejudicam aposentados

A mãe, de 32 anos, chegou a ser socorrida e levada na ambulância do município para uma unidade de saúde, mas também não resistiu aos ferimentos.

Dinâmica do acidente está sendo investigada — Foto: Reprodução

Além do bebê, as vítimas do acidente também possuem uma filha, de 12 anos. A menina estava na escola, no momento da capotagem, por isso não estava no veículo.

Segundo apurado pela reportagem, ela ficará com parentes, em Rio Verde de Mato Grosso.

Perícia foi acionada e a dinâmica do acidente está sendo investigada.

Continue lendo

Brasil

Preço médio da gasolina cai 3,5% nos postos com efeito do ICMS

Publicado

Segundo a ANP, litro do combustível foi de R$ 7,390 para R$ 7,127; já o diesel tele leve queda, de R$ 7,568 para R$ 7,554

Os preços dos combustíveis registraram queda nos postos na semana, segundo levantamento da ANP (Agência Nacional do Petróleo, Gás e Biocombustíveis), divulgado nesta sexta-feira (1º). Os valores já refletem a redução de tributos do ICMS (Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviços) nos estados.

O valor médio da gasolina caiu 3,5%, de R$ 7,390 para R$ 7,127. O etanol recuou 3,07%, passando de R$ 4,873 para R$ 4,723. Já o preço médio do diesel teve leve queda, de R$ 7,568 para R$ 7,554 (0,18%). 

Na semana anterior, os combustíveis havia registrado aumento, com o diesel superando o preço da gasolina pela primeira vez, após reajuste nas refinarias, de 5,2% na gasolina e de 14,2% no diesel, no último o dia 17. 

Numa tentativa de abaixar os preços nos posto, os impostos federais foram zerados, e o ICMS (tributo estadual) passou a ser limitado a 18%. Lei sancionada no dia 23 de junho pelo presidente Jair Bolsonaro fixou um teto para a cobrança do imposto sobre combustíveis, energia elétrica, telecomunicações e transporte urbano. 

Leia mais:  Inflação faz nota de R$ 100 valer apenas R$ 13,43 em 28 anos do Plano Real

Alguns estados constestaram, alegando que a lei federal prejudica o orçamento estadual, dada a importância do ICMS para a arrecadação, e por isso esperam reverter a determinação no STF. Outros já anunciaram a redução, como São Paulo, Goiás, Rio Grande do Sul, Santa Catarina, Minas Gerais e Rio de Janeiro.

Continue lendo

São Mateus

Política e Governo

Segurança

Camisa 10

Mais Lidas da Semana