conecte-se conosco


Medicina e Saúde

Frio impõe maiores cuidados com vírus de doenças respiratórias

Publicado

Gripes, resfriados, rinites, asma e bronquite encontram condições propícias nas baixas temperaturas. Problemas dermatológicos são comuns

A chegada de uma forte massa de ar frio polar nesta semana, em meio à pandemia do novo coronavírus, intensificou a preocupação com as doenças respiratórias e a circulação de vírus e bactérias típicas dessa estação, para além do Sars-CoV-2.

Gripes, resfriados, rinites, asma, bronquite e outras infecções encontram condições propícias nas baixas temperaturas. Outros problemas comuns são os dermatológicos – pele ressecada já é característica do tempo frio e pode piorar com o uso do álcool gel.

As doenças respiratórias tendem a se concentrar no período do inverno por dois motivos: com a temperatura mais baixa, diminui a circulação sanguínea em áreas que recebem o ar frio, como os pulmões, por exemplo. Isso permite uma infecção mais ágil e aguda por parte dos vírus transmitidos pela via respiratória.

É o que explica Flávio Guimarães, virologista do Centro de Tecnologia de Vacinas da UFMG e vice-presidente da Sociedade Brasileira de Virologia. Mas há também, diz ele, “uma razão social, que é a tendência de aglomeração das pessoas em locais fechados”. “Isso contribui para alastramento de doenças respiratórias no inverno.”

Vírus e frio

Mas o especialista faz uma ressalva em relação ao vírus da covid-19. “O coronavírus, como muitas outras coisas na pandemia, veio para quebrar alguns paradigmas. Muito se falou que o Brasil teria uma chance melhor – isso há 4, 5 meses -, porque nossa temperatura é mais quente e o vírus não se adaptaria bem.”

Isso, diz ele, não correspondeu à realidade. “Agora que está esfriando mais, será que vai ficar pior? Eu acho que não.” Para ele, o que pode causar novos picos da doença, mesmo que momentâneos, é o processo de flexibilização e retomada das atividades”.

A infectologista e professora da Unicamp Raquel Stucchi vai na mesma linha. Avisa que o recado para os dias frios continua o mesmo: “Fiquem em casa”. “Não é hora de encontrar os amigos ou a família, porque a aglomeração aumenta muito o risco de transmissão.”

Nas ruas

A tarde da sexta-feira (21) foi a segunda mais fria em 60 anos em um mês de agosto, na cidade de São Paulo, segundo dados do Instituto Nacional de Meteorologia (Inmet). Na estação do Mirante de Santana, onde são feitas as medições oficiais da cidade, a temperatura média observada foi de 9,3°C, por volta das 15h.

O prefeito Bruno Covas (PSDB) informou que a capital iniciou a Operação Baixas Temperaturas, para a população em situação de rua. E, no momento, há uma sobra de vagas: 10 mil pessoas já foram abrigadas desde maio e ao todo são mais de 24 mil vagas ofertadas.

A presença dessa massa de ar polar sobre o Brasil trouxe ainda geada e até um pouco de neve para algumas cidades da região Sul do País. A lotação de turistas em Santa Catarina e Rio Grande do Sul.

O fenômeno raro, que ocorre em localidades que registraram temperaturas negativas, fez com que algumas pessoas tentassem reproduzir os famosos bonecos de neve que são frequentemente vistos em nações que possuem invernos bem mais rigorosos.

As imagens circularam na sexta-feira nas redes sociais e até viraram memes utilizando o nome de Olaf, o simpático boneco de neve da animação Frozen.

As baixas temperaturas ainda vão permanecer no Brasil por mais dois dias, até domingo, quando então a massa de ar polar deve se dirigir para o Oceano Atlântico. Apesar disso, muitas pessoas estão aproveitando o clima atípico para tirar fotos e fazer vídeos da maior onda de frio do ano. 

Leia mais:  Quase 400 mil capixabas já tiveram contato com coronavírus no Estado
publicidade

Medicina e Saúde

Idosos com 80 anos ou mais já podem agendar vacina em Vitória a partir desta quinta-feira

Publicado

Em Vila Velha e Cariacica, o agendamento deve começar na próxima segunda. Já na Serra, o agendamento será aberto assim que as doses chegarem

O agendamento online para vacinar idosos de 80 anos ou mais e trabalhadores ativos da saúde, começa nesta quinta-feira (24), a partir das 14h, em Vitória. De acordo com a Secretaria de Saúde no município  a vacinação do novo grupo já acontece na sexta-feira (26).

Já os idosos serão vacinados na Igreja Batista de Jardim da Penha, no Centro de Celebração de Jardim Camburi e nas unidades de saúde dos bairros Andorinhas, Do Quadro, República, Consolação, Alagoano, Fonte Grande, Grande Vitória, Ilha das Caieiras, Jabour, Maria Ortiz, Resistência, Santa Luiza, Santa Martha, Santo André e São Cristóvão. Os idosos acamados ou restritos ao leito serão vacinados em casa.

Os trabalhadores da saúde serão imunizados nas unidades de saúde dos bairros Conquista, Forte São João, Ilha de Santa Maria, Jardim Camburi, Maruípe, Praia do Suá, Santo Antônio e Centro.

VILA VELHA
Em Vila Velha, o agendamento da vacinação para idosos de 80 a 84 anos e dos profissionais da saúde ativos, será aberto na próxima segunda-feira (1), e a aplicação começa um dia depois, na terça (2). 

Uma cerimônia, realizada nesta quinta-feira (25), marcou o início da imunização para o novo grupo.  A vacinação para mais essa parcela foi possível com a chegada das 61 mil doses de vacina da AstraZeneca/Oxford e Coronavac (Sinovac/Butantan). Com isso, será concluída a imunização dos idosos de 85 a 89 anos e também iniciada a vacinação de 24% dos idosos com 80 a 84 e 8% dos profissionais da saúde.  

SERRA
Na Serra, a secretaria de Saúde informou que o Governo do Estado sinalizou a distribuição aos municípios de vacinas contra a covid-19 para esta quinta (25) e sexta-feira (26), e assim que as doses chegarem, será aberto o agendamento online. 

Segundo determinação do Ministério da Saúde, essas doses se destinam à complementação da imunização com a primeira e segunda doses dos grupos de profissionais de saúde e de idosos com idade acima de 85 e para iniciar a ampliação da primeira dose em idosos maiores de 80 anos. 

CARIACICA
Com as novas doses que o município irá receber, a Secretaria Municipal de Saúde (Semus) irá ampliar o público a ser vacinado, iniciando a faixa etária de 80-84. A previsão é de que na próxima segunda-feira sejam abertas novas vagas para agendamento, já contemplando esse público. O agendamento deve ser pelo site vacina.cariacica.es.gov.br. 

VIANA
No município de Viana, a vacinação já está adiantada. Nesta quinta-feira (25), o município começa a imunizar idosos com idade entre 75 e 79 anos. 

Leia mais:  Covid-19 pode deixar sequelas como fadiga crônica e embolia pulmonar
Continue lendo

Medicina e Saúde

Pesquisa aponta presença do Sars-CoV-2 no ES em 2019

Publicado

Um grupo de pessoas apresentou anticorpos para o vírus da Covid-19 em pesquisa realizada pelo Lacen junto a pacientes suspeitos de dengue e chikungunya

Pesquisa desenvolvida pelo Laboratório Central de Saúde Pública do Espírito Santo (Lacen/ES) revela que o vírus Sars-CoV-2, causador da Covid-19, já circulava no estado em dezembro de 2019. De acordo com o coordenador-geral do Lacen, médico e pesquisador Rodrigo Ribeiro Rodrigues, um estudo com 7.370 amostras de pacientes com suspeita de dengue e chikungunya indicou que um grupo apresentou anticorpos para a Covid. O assunto foi tema na reunião virtual da Comissão de Saúde nesta terça-feira (23). O primeiro caso oficial de Covid-19 no Espírito Santo, confirmado pelo Ministério da Saúde, data de 5 de março de 2020. 

Conforme Rodrigues, a iniciativa da pesquisa partiu do interesse de compreender melhor o comportamento do novo coronavírus no território capixaba e no Brasil. Os estudos foram iniciados em junho de 2020, com as primeiras discussões sobre as possíveis relações entre a Covid-19 e doenças endêmicas causadas por arboviroses, isto é, pelos chamados arbovírus, que incluem os da dengue, zika, febre chikungunya e febre amarela. Há evidências de que a primeira amostra positiva para IgG anti-Sars-CoV-2 no Espírito Santo data de 18 de dezembro de 2019.

“Vários casos de Covid-19 passaram despercebidos por estarem ocorrendo concomitantemente com outras endemias. Sintomas da fase aguda da dengue e da chikungunya podem se confundir facilmente com os sintomas da Covid-19. No Espírito Santo o primeiro caso comprovado pelo PCR foi em 29 de fevereiro de 2020. Isso nos levantou a suspeita de que outros casos poderiam já estar ocorrendo em território capixaba”, destacou o coordenador do Lacen.

Das 7.370 amostras analisadas, 210 foram positivas para presença de anticorpos IgG, específicos para Sars-CoV-2. Desses, 16 pacientes tiveram coleta de sangue anterior ao dia 26 de fevereiro, data do primeiro caso identificado pela metodologia RT-PCR no Brasil. 

A pesquisa contou com o apoio do Núcleo de Doenças Infecciosas, da Universidade Federal do Espírito Santo (Ufes) e do Instituto de Higiene e Medicina Tropical, da Universidade de Nova Lisboa (Portugal).

“Este é o primeiro estudo a demonstrar com um tamanho amostral robusto, e usando um método altamente específico, que surtos concomitantes de dengue ou chikungunya podem dificultar o diagnóstico do Sars-CoV-2. Além disso, casos não diagnosticados precocemente podem ter contribuído para a rápida expansão da Covid-19 no Brasil. Vale ressaltar que para esses pacientes não é indicado o isolamento social, dessa forma ficam suscetíveis para a propagação do novo coronavírus”, destacou Rodrigo Rodrigues. 

Segundo o coordenador, essas informações trazem contribuições importantes ao Sistema Único de Saúde (SUS), uma vez que independentemente da existência do diagnóstico positivo para as arboviroses, deve-se considerar também a infecção pelo novo coronavírus, já que as doenças citadas apresentam sinais e sintomas semelhantes.  

Por determinação da Portaria 153-R, o Lacen/ES passou a realizar as testagens dos soros, com finalização das análises em setembro de 2020. No mês seguinte, a direção submeteu a publicação da pesquisa à revista científica americana PLOS ONE, com aprovação realizada em janeiro de 2021.

“Nosso trabalho foi submetido por uma revista americana de circulação mundial. Tivemos mais de 2 mil downloads em 15 dias. A relevância do assunto motivou o interesse das pessoas em nossa pesquisa”, comemorou o coordenador.

Ao final da reunião, o deputado Dr. Emílio Mameri (PSDB), vice-presidente do colegiado, perguntou ao coordenador se é possível apresentar um prazo provável e quando os capixabas estarão totalmente imunizados contra o novo coronavírus. 

“Se não tivermos uma política severa e um foco bem concentrado, ainda vamos levar um tempo longo para imunizar a população”, lamentou Rodrigues. 

Leia mais:  Covid-19 pode deixar sequelas como fadiga crônica e embolia pulmonar
Continue lendo

São Mateus

Política e Governo

Segurança

Camisa 10

Mais Lidas da Semana