conecte-se conosco


Medicina e Saúde

Frio impõe maiores cuidados com vírus de doenças respiratórias

Publicado

Gripes, resfriados, rinites, asma e bronquite encontram condições propícias nas baixas temperaturas. Problemas dermatológicos são comuns

A chegada de uma forte massa de ar frio polar nesta semana, em meio à pandemia do novo coronavírus, intensificou a preocupação com as doenças respiratórias e a circulação de vírus e bactérias típicas dessa estação, para além do Sars-CoV-2.

Gripes, resfriados, rinites, asma, bronquite e outras infecções encontram condições propícias nas baixas temperaturas. Outros problemas comuns são os dermatológicos – pele ressecada já é característica do tempo frio e pode piorar com o uso do álcool gel.

As doenças respiratórias tendem a se concentrar no período do inverno por dois motivos: com a temperatura mais baixa, diminui a circulação sanguínea em áreas que recebem o ar frio, como os pulmões, por exemplo. Isso permite uma infecção mais ágil e aguda por parte dos vírus transmitidos pela via respiratória.

É o que explica Flávio Guimarães, virologista do Centro de Tecnologia de Vacinas da UFMG e vice-presidente da Sociedade Brasileira de Virologia. Mas há também, diz ele, “uma razão social, que é a tendência de aglomeração das pessoas em locais fechados”. “Isso contribui para alastramento de doenças respiratórias no inverno.”

Vírus e frio

Mas o especialista faz uma ressalva em relação ao vírus da covid-19. “O coronavírus, como muitas outras coisas na pandemia, veio para quebrar alguns paradigmas. Muito se falou que o Brasil teria uma chance melhor – isso há 4, 5 meses -, porque nossa temperatura é mais quente e o vírus não se adaptaria bem.”

Isso, diz ele, não correspondeu à realidade. “Agora que está esfriando mais, será que vai ficar pior? Eu acho que não.” Para ele, o que pode causar novos picos da doença, mesmo que momentâneos, é o processo de flexibilização e retomada das atividades”.

A infectologista e professora da Unicamp Raquel Stucchi vai na mesma linha. Avisa que o recado para os dias frios continua o mesmo: “Fiquem em casa”. “Não é hora de encontrar os amigos ou a família, porque a aglomeração aumenta muito o risco de transmissão.”

Nas ruas

A tarde da sexta-feira (21) foi a segunda mais fria em 60 anos em um mês de agosto, na cidade de São Paulo, segundo dados do Instituto Nacional de Meteorologia (Inmet). Na estação do Mirante de Santana, onde são feitas as medições oficiais da cidade, a temperatura média observada foi de 9,3°C, por volta das 15h.

O prefeito Bruno Covas (PSDB) informou que a capital iniciou a Operação Baixas Temperaturas, para a população em situação de rua. E, no momento, há uma sobra de vagas: 10 mil pessoas já foram abrigadas desde maio e ao todo são mais de 24 mil vagas ofertadas.

A presença dessa massa de ar polar sobre o Brasil trouxe ainda geada e até um pouco de neve para algumas cidades da região Sul do País. A lotação de turistas em Santa Catarina e Rio Grande do Sul.

O fenômeno raro, que ocorre em localidades que registraram temperaturas negativas, fez com que algumas pessoas tentassem reproduzir os famosos bonecos de neve que são frequentemente vistos em nações que possuem invernos bem mais rigorosos.

As imagens circularam na sexta-feira nas redes sociais e até viraram memes utilizando o nome de Olaf, o simpático boneco de neve da animação Frozen.

As baixas temperaturas ainda vão permanecer no Brasil por mais dois dias, até domingo, quando então a massa de ar polar deve se dirigir para o Oceano Atlântico. Apesar disso, muitas pessoas estão aproveitando o clima atípico para tirar fotos e fazer vídeos da maior onda de frio do ano. 

Leia mais:  Brasil investiga 1º caso de fungo fatal super-resistente a medicamentos
publicidade

Medicina e Saúde

ES recebe lote a mais da Coronavac e fica perto de zerar fila de espera pela 2ª dose

Publicado

Dois voos, um na madrugada e outro na manhã desta sexta-feira, trouxeram os imunizantes. Mais de 80 mil capixabas ficaram com a segunda dose atrasada

O Espírito Santo recebeu uma nova remessa de vacinas da Coronavac, produzida pelo Instituto Butantan. O ministério da Saúde enviou 65.200 doses do imunizante – quantitativo maior do que o esperado pela Sesa – que deverá ser aplicado no grupo que aguarda a aplicação da segunda dose.

Na madrugada desta sexta-feira, chegaram 43.800 doses. Já durante esta manhã, por volta das 10h15, um novo voo trouxe mais 21.400 doses da Coronavac. Com as duas remessas, o Estado recebeu um total de 65.200 vacinas do Instituto Butantan. 

O quantitativo se aproxima do total de doses necessárias divulgadas pela Secretaria de Saúde para finalizar a vacinação da população que aguarda há mais de 28 dias a aplicação da segunda dose. Na última semana, o Estado também recebeu 20 mil doses da vacina. 

Com a soma dos lotes, o Estado fica perto de zerar a fila de espera pelo imunizantes, já que 87 mil pessoas, dos grupos de 70 a 74 anos, 65 a 69 anos e trabalhadores da saúde, aguardavam para concluir o esquema de vacinação.

Mais doses de Astrazeneca

Na mesma remessa que chegou ao Estado durante a madrugada, o Ministério da Saúde também enviou doses da vacina Covishield (Oxford/Fiocruz). O novo lote, com 52.250 doses, será aplicado na continuidade da vacinação do grupo de forças de segurança e salvamento, dos trabalhadores da educação e do grupo de comorbidades, com exceção da administração deste imunizante em grávidas. 

Leia mais:  Brasil investiga 1º caso de fungo fatal super-resistente a medicamentos
Continue lendo

Medicina e Saúde

Covid-19 pode ser mais grave do que efeitos colaterais da vacina em grávidas

Publicado

Eles recomendam que as gestantes tomem o imunizante, mesmo que, em nenhum deles, a bula recomende o uso nesse grupo

Registros de efeitos adversos levaram Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) a recomendar, nesta terça-feira (11), a suspensão da aplicação da vacina Oxford/AstraZeneca em gestantes. A agência destacou ainda que a bula não recomenda o uso do imunizante durante a gestação.

Com a recomendação da Anvisa, a Secretaria de Estado da Saúde (Sesa) decidiu suspender a vacinação em grávidas com a vacina da AstraZeneca em todas as cidades do Espírito Santo. A Sesa, no entanto, anunciou que esse grupo agora será imunizado com as vacinas da Pfizer, que, a princípio, seriam destinadas apenas para a cidade de Vitória.

Mesmo com a possibilidade de reações adversas causadas pela vacina nas gestantes, especialistas recomendam que essas mulheres devem tomar o imunizante, já que, segundo eles, a covid-19 pode ser mais grave do que os possíveis efeitos colaterais.

“Se nós formos olhar, em nenhuma das vacinas autorizadas no Brasil está escrito em bulas que ela pode ser usada em gestante. Na verdade, agora está sendo testado o uso das vacinas durante a gestação. O benefício de se vacinar a paciente gestante, para que ela não agrave e que não necessite, por exemplo, de um leito de UTI, é muito mais importante frente às coisas que se espera que a vacina poderia provocar numa grávida”, destacou o ginecologista e obstetra Fernando Guedes da Cunha.

O médico ressaltou ainda que algumas reações são esperadas nos dois primeiros dias após a vacinação. “A gestante que já tomou a primeira dose da vacina deve ter um sinal de alerta nas primeiras 48 horas. É comum que essa gestante sinta dor no corpo, que ela tenha febre baixa, de 38 graus. Isso são reações esperadas da vacina. O que a gente deve se preocupar? Às vezes com dor localizada nos membros inferiores, vermelhidão aguda, de uma hora para outra aparece uma vermelhidão. Isso deve ser avisado. Após as 48 horas da vacinação, é provável que os sintomas não apareçam”.

Já a professora da Universidade Federal do Espírito Santo (Ufes) e doutora em epidemiologia, Ethel Maciel, afirma que casos graves de reação às vacinas são raros diante da quantidade de pessoas já imunizadas. Ethel também reforça a importância delas para o combate à covid-19, mesmo entre as gestantes.

“Esse é o primeiro evento adverso que nós temos. Então é preciso analisar entre risco e benefício, para a Anvisa liberar novamente para esse grupo. Hoje é muito importante as gestantes tomarem a vacina, porque a gente está sob muito risco. O vírus está circulando de forma muito acelerada”, frisou.

De acordo com o subsecretário de Vigilância em Saúde do Estado, Luiz Carlos Reblin, a Sesa agora aguarda orientações do Ministério da Saúde para saber se as gestantes devem ou não tomar a segunda dose da mesma vacina.

“A maioria delas vai tomar a vacina em julho, não é imediatamente. Até lá, a gente acredita que a própria Anvisa terá finalizado a avaliação dessa situação que ocorreu e nos indicar a continuidade da vacina”, disse Reblin.

Fonte: Folha Vitória.

Leia mais:  Brasil investiga 1º caso de fungo fatal super-resistente a medicamentos
Continue lendo

São Mateus

Política e Governo

Segurança

Camisa 10

Mais Lidas da Semana