conecte-se conosco


Segurança

Furto de fios de cobre: mais de uma tonelada e meia de fios já foi apreendida em Vitória este ano

Publicado

O caso de furto mais recente aconteceu na última segunda-feira (30), na Avenida Nossa Senhora da Penha, em Vitória

Os furtos de fios de cobre continuam frequentes na Grande Vitória. Só este ano, já foi apreendida mais de uma tonelada do material nos municípios de Vitória, Cariacica e Serra. Na Capital, mais de 50 pessoas foram presas desde janeiro de 2021. 

O caso de furto mais recente aconteceu na última segunda-feira (30), na Avenida Nossa Senhora da Penha, em Vitória. Nas imagens, é possível ver o suspeito escalando o poste para começar a arrancar os fios. 

Dois homens, que segundo a Guarda Municipal participaram do furto, foram presos. No entanto, os agentes ainda prouram uma mulher, que também faz parte da quadrilha. 

O homem que subiu no poste para fazer o trabalho, segundo a Guarda Municipal, tem 43 anos e já foi preso três vezes, inclusive por furto. O outro, que aparece nas imagens monitorando o comparsa, tem 34 anos e foi preso oito vezes por furto. 

Leia mais:  Mãe e esposa são presas após espancarem criança até quase matarem

A avenida é uma das principais de Vitória e está se tornando alvo de criminosos. Segundo a Guarda Municipal, nos últimos seis dias, quatro furtos de fios aconteceram na região. Na madrugada de segunda, de acordo com os agentes, o mesmo grupo furtou fios na Praia de Santa Helena.

Segundo a Prefeitura de Vitória, desde janeiro de 2021, mais de 50 pessoas foram detidas por furto e/ou receptação de fios de cobre. Já são cerca de 1 tonelada e meia, aproximadamente, de material apreendido neste período. 

A Prefeitura da Serra informou que, anualmente, gasta cerca de R$ 180 mil com reposição de fios de cobre furtados da iluminação pública. Aproximadamente 150 a 200 metros de fios são furtados a cada mês. 

Já a Secretaria Municipal de Serviços de Cariacica informou que, de novembro até o momento, foram mais de 4 mil metros de cabos furtados, o que representa um prejuízo de R$ 150 mil. 

Qual a punição para quem furta?

Segundo o advogado Thales Rodrigues, a pena para esse tipo de crime é de um a quatro anos de reclusão, além da aplicação de multa. No entanto, segundo ele, em casos de furto qualificado, a pena pode chegar a oito anos. 

Leia mais:  Polícia Militar inaugura nova sede de Companhia de Trânsito em Jardim Camburi

“Esse crime tem a pena de um a quatro anos de reclusão, mais a aplicação de multa. Porém, existem situações em que a legislação vai determinar que essa pena passe a ser de 2 a 8 anos, que é o chamado furto qualificado. Um dos exemplos do furto qualificado é quando o crime é cometido por duas ou mais pessoas”, explicou ele. 

publicidade

Segurança

Pacotes falsos: agente de turismo é preso por aplicar golpes de viagens no ES e no Rio de Janeiro

Publicado

As investigações apontam que mais de 40 pessoas foram vítimas do agente de viagens que atuava em Marataízes, no Sul do Espírito Santo

Um agente de turismo, de 31 anos, foi preso no bairro Acapulco, em Marataízes, no Sul do Espírito Santo. Segundo a polícia, o homem teria ofertado, por meio de uma agência de viagens, falsos pacotes de excursões para pessoas do Espírito Santo e do Rio de Janeiro com valores abaixo do mercado.

A prisão foi realizada, na última segunda-feira (27), em cumprimento a um mandado de prisão preventiva. As investigações da Polícia Civil apontam que mais de 40 pessoas foram vítimas do homem.

O titular da Delegacia de Marataízes, delegado Renato Barcellos, disse que diversos procedimentos investigativos foram abertos para apurar os golpes praticados pelo suspeito.

Além disso, segundo a polícia, o suspeito tem diversas petições protocoladas por advogados e várias reclamações no Instituto Estadual de Proteção e Defesa do Consumidor (Procon-ES) sobre os pacotes de viagens ofertados para clientes e que não foram realizados. 

Leia mais:  "A gente não via ameaça", diz familiar de criança que morreu vítima de espancamento na Serra

De acordo com o delegado, o homem aplicava o mesmo golpe desde 2019. 

“Os pacotes ofertados abaixo do valor de mercado eram comprados por terceiros, sem nenhuma garantia de que seriam cumpridos. O suspeito ofertava as viagens aos clientes com base na cotação do dia, referente a milhas que são comercializadas livremente em sites da internet. Antes de efetivar as compras, os clientes pagavam pelo valor indicado, porém, quando os compradores iriam de fato adquirir essas milhas correspondentes à viagem prometida pelo valor flutuante, já pago por eles, já havia subido ou as milhas tinham sido vendidas a outros negociantes”, explicou.

O suspeito, segundo o delegado, mesmo sabendo da probabilidade de frustração do acordo com as vítimas, mantinha os clientes no erro. As vítimas só descobriam o golpe no dia do embarque.

“O passo seguinte do investigado era tentar, por alternativas mais baratas, até que os clientes desistissem ou aceitassem outros pacotes totalmente diversos do que ele oferecia, uma vez que já estavam vulneráveis, obtendo, dessa forma, vantagem em cima das transações efetuadas pelas vítimas”, acrescentou o delegado.

Leia mais:  Operação da Sefaz apreende mais de R$ 1 milhão em bebidas sem notas fiscais

O suspeito mantinha uma agência de viagens no bairro Cidade Nova, em Marataízes, e tinha o registro de pessoa jurídica no cartório. Além disso, segundo a polícia, a empresa tinha redes sociais, por onde mantinha contato com os clientes e fazia propagandas para atrair a atenção deles. 

Após o suspeito ser detido, o estabelecimento teve as atividades encerradas e foi encaminhado um ofício ao Instagram para a suspensão da conta.

O suspeito, de acordo com a polícia, vai responder pelo crime de estelionato. Ele foi encaminhado para o Centro de Detenção Provisória de Marataízes e está a disposição da Justiça.

Continue lendo

Segurança

Suspeitos de abuso e exploração sexual infantil na internet são presos durante operação no ES

Publicado

As prisões fazem parte da Operação Luz na Infância, deflagrada pela Polícia Civil, por meio da Delegacia Especializada de Repressão aos Crimes Cibernéticos (DRCC)

Dois suspeitos foram presos em flagrante nesta quinta-feira (30) por abuso e exploração sexual, no ambiente virtual, no Espírito Santo. As prisões fazem parte da Operação Luz na Infância, deflagrada pela Polícia Civil, por meio da Delegacia Especializada de Repressão aos Crimes Cibernéticos (DRCC).

O títular da Delegacia Especializada de Repressão aos Crimes Cibernéticos (DRCC), delegado Brenno Andrade, afirmou que as duas prisões já realizadas foram efetuadas nos municípios de Vitória e Vila Velha. Se condenados, os presos podem cumprir até dez anos de prisão.

“Foram conduzidas para a unidade policial, vamos lavrar o procedimento e encaminhar ao Poder Judiciário. Com elas foi encontrado material de abuso extremamente bárbaro. A Polícia dá prioridade a isso porque afeta não só as crianças, mas o entorno dela, o crescimento da criança, os pais, familiares, o ambiente escolar. Queremos prender esses criminosos e levar à Justiça”, afirmou a autoridade policial.

De acordo com informações da PC, estão sendo cumpridos mandados de busca e apreensão em três municípios do Estado nesta quinta (30). 

Leia mais:  PM apreende pés de maconha em Vila Valério

A ação faz parte de uma mobilização nacional para combater crimes de abuso e exploração sexual de crianças e adolescentes na internet e foi articulada pelo Ministério da Justiça e Segurança Pública por meio da Secretaria de Operações Integradas (Seopi). Ao todo, são 162 alvos no Brasil e mais 6 países, incluindo os Estados Unidos.

Continue lendo

São Mateus

Política e Governo

Segurança

Camisa 10

Mais Lidas da Semana