conecte-se conosco


Medicina e Saúde

Gestantes e puérperas serão incluídas como novo grupo prioritário para vacinação contra a Covid-19

Publicado

A Campanha Nacional de Vacinação contra a Covid-19, do Ministério da Saúde, teve a inclusão de mais dois públicos prioritários, nessa segunda-feira (26). Segundo o Programa Nacional de Imunização, gestantes e puérperas deverão ser incluídas na próxima fase da Campanha, junto à população com comorbidades.

No Espírito Santo, serão vacinadas 47.966 capixabas entre gestantes e puérperas, de acordo com estimativa populacional realizada pelo órgão federal e utilizada também para a Campanha contra a Influenza.

A definição dos novos grupos tem como base as evidências científicas e dados epidemiológicos que mostram gestantes e puérperas como fatores de risco para desfecho desfavorável para o novo Coronavírus. Levou-se em consideração também, segundo informe técnico do Ministério da Saúde, o cenário pandêmico no Brasil, com elevada circulação da SARS-CoV-2 e o aumento no número de óbitos materno.

“Entende-se que os benefícios da imunização a gestantes e puérperas são superiores ao risco. Diante disso, em pactuação tripartite, entre União, estados e municípios, foi definido a inclusão destes dois novos grupos à Campanha”, informou a coordenadora do Programa Estadual de Imunizações e Vigilância das Doenças Imunopreveníveis, Danielle Grillo.

O Ministério da Saúde também definiu que o início da vacinação deve ocorrer junto ao grupo de comorbidades, seguindo a estratégia de primeiro, vacinar gestantes e puérperas com comorbidades, independentemente da idade; e posteriormente demais gestantes e puérperas, independentemente de condições pré-existentes. Ainda, segundo o Ministério, há a previsão de que até final de maio se atenda à oferta de primeiras doses para o grupo atualizado.

“Sempre ressaltamos que a Secretaria da Saúde aguarda o envio de doses por parte do Ministério para dar continuidade à vacinação, e que o início de cada grupo prioritário se dá com a entrega de 100% das doses referentes aquele grupo, aos municípios”, destacou Danielle Grillo, que informou também que os municípios e Estado se reunirão para pactuação, em Comissão Intergestora Bipartite, a melhor estratégia para a imunização do próximo grupo prioritário previsto.

Orientações às gestantes e puérperas
Ainda segundo o Ministério da Saúde, o início da vacinação a gestantes e puérperas deverá seguir as seguintes orientações:
– A gestante com comorbidade deverá comprovar a condição de risco, seja com exames, receitas, relatório médico, prescrição médica, ou cadastros já existentes dentro das Unidades de Saúde;

– A vacinação poderá ocorrer independentemente da idade gestacional e o teste de gravidez não deve ser um pré-requisito para a administração das vacinas;

– No caso de a puérpera, ao ser vacinada, na condição de lactante, deverá ser orientada a não interromper o aleitamento materno;

– A vacinação poderá ser realizada com qualquer vacina de plataforma de vírus inativado, vetor viral ou mRNA, respeitando os intervalos entre as doses recomendadas pelo Programa Nacional de Imunização.

Vacinação contra Influenza
Gestantes e puérperas também fazem parte do grupo prioritário para a Campanha Nacional de Vacinação contra a Influenza. Este ano, o público em questão tem até o dia 10 de maio para ser imunizado.

Segundo a coordenadora do Programa Estadual de Imunizações e Vigilância das Doenças Imunopreveníveis, Danielle Grillo, é essencial que o Estado tenha elevadas coberturas vacinais para as duas campanhas. “Precisamos contar com a participação de todas as grávidas e puérperas para termos altas e homogêneas coberturas vacinais, tanto para Influenza, que nos últimos anos são públicos nos quais não conseguimos alcançar uma cobertura de 90%, quanto agora para a Covid-19”.

A coordenadora ressalta que deverá ser respeitado o intervalo mínimo de 14 dias entre a administração das vacinas Influenza e Covid-19.

Leia mais:  Julho Amarelo: Sesa inicia campanha de conscientização sobre hepatites virais
publicidade

Medicina e Saúde

Famílias poderão se reunir sem máscara no fim do ano no ES, diz secretário

Publicado

A expectativa é começar o ano de 2022 com grande parte da populção completamete vacinada. Nésio explica que isso não representa o fim da pandemia, mas um controle da doença

Até o fim do ano, todo o público com mais de 18 anos deve estar vacinado com pelo menos uma dose da vacina contra covid-19 no Espírito Santo. Essa é a expectativa do secretário estadual de saúde, Nésio Fernandes. 

Diante dessa perspectiva, Nésio afirmou em uma entrevista que, se os capixabas continuarem se vacinando – e respeitando a determinação de duas doses para os imunizantes – o natal deste ano será diferente do que passou. 

“Nós entendemos que adesão às vacinas é um passo importante para viver esse novo momento. Para ter um Natal sem máscaras, entre a família, nós precisamos ter toda a família com duas doses de vacina até o final do ano”, afirmou o secretário.

A expectativa é começar o ano de 2022 com grande parte da populção completamete vacinada. Ainda segundo Nésio, isso não representa o fim da pandemia, mas um controle da doença. 

Maioria da população do ES pode estar completamente imunizada até o fim do ano

Caso o prazo de intervalo entre doses da vacina Pfizer seja mantido em 12 semanas, segundo o secretário estadual de saúde, há a possibilidade de que o Espírito Santo consiga imunizar a ampla maioria da população vacinável até o fim de 2021.

“Entre setembro e dezembro a gente pode alcançar até 80% de cobertura de D2 na população já alcançada com a D1. Desde que o Ministério da Saúde não decida pela antecipação da Pfizer para 21 dias de prazo”, afirmou.

Estado quer imunizar adolescentes e crianças

Além do público contemplado no PNI, adolescentes e crianças, de acordo com Nésio, também devem estar na lista de prioridades. “Nós consideramos ser fundamental vacinar a população abaixo de 18 anos com as vacinas autorizadas. Nós já temos a Pfizer autorizada, a CoronaVac já solicitou à Anvisa autorização”, disse.

A intenção do Governo do Estado é chegar no próximo ano com a pandemia sob controle e adolescentes vacinados.

“Se nós tivermos essas duas vacinas disponíveis, nós poderemos avançar na vacinação dos adolescentes e, inclusive, das crianças. Nós temos uma esperança que se incrementa, porque 2022 poderá chegar com grande parte dos adolescentes comtemplados com a primeira dose da vacina”

Leia mais:  Mais de 130 computadores chegam ao Estado para incrementar o processo de imunização capixaba
Continue lendo

Medicina e Saúde

Hospital Evangélico de Vila Velha terá primeiro laboratório de inovação hospitalar do Espírito Santo

Publicado

O Evangélico LAB foi lançado nesta quarta-feira (21) e vai estimular a cultura de inovação buscando aprimorar cada vez mais o atendimento

O Espírito Santo acaba de ganhar um novo laboratório de inovação: a plataforma Evangélico LAB. O lançamento foi na manhã de hoje (21), no HUB da Fucape Business School, e reuniu a diretoria da Associação Evangélica Beneficente Espírito-Santense (Aebes), instituição responsável pela administração do Hospital Evangélico de Vila Velha (HEVV), e gestores da unidade hospitalar.

Visualização da imagem

O evento de lançamento também contou com representantes e parceiros do ecossistema digital capixaba. A palestra de abertura foi de Bianca Rodrigues Souza, Innovation Champion da Tata Consultancy Service. Durante o bate-papo, ela destacou que “a inovação em saúde é uma tendência crescente que ganhou impulso ainda maior com a pandemia da Covid-19, por conta da necessidade da busca de soluções rápidas”.

Aridelmo Teixeira, fundador da Fucape Business School, também participou do evento contando a experiência do HUB e enfatizou que “levar a inovação para dentro da organização é o caminho para melhorar o atendimento aos clientes e a qualidade de vida dos colaboradores”. O outro palestrante foi Hiatha Anderson, analista de Inovação do Vix Labs e Vix Logística, que abordou a experiência do Grupo Águia Branca na área de inovação.

Primeiro hospital filantrópico a ter um laboratório de inovação no Espírito Santo, o HEVV lançou a iniciativa com a missão de fomentar a cultura da inovação entre suas equipes e o desenvolvimento de projetos que promovam melhorias que resultem em benefícios para os pacientes.

“O Evangélico LAB foi criado com o objetivo de suscitar ideias inovadoras para a melhoria da qualidade do atendimento, atrelado à nossa missão de promover saúde e conhecimento com inovação”, relata Drª Elimar Ponzzo Dutra Leal, gerente do Centro de Ensino, Pesquisa e Inovação do HEVV.

Ela também acrescentou que o hospital terá uma plataforma de ideias acessível a todas as equipes e qualquer colaborador poderá propor inovações para contribuir com melhorias nos processos e serviços.

Para o presidente da Aebes, pastor Rodrigo André Seidel, o lançamento do Evangélico LAB representa mais um importante passo na história da instituição. “Vivemos em um mundo que precisa de criatividade e inovação. É um passo grandioso para que o hospital possa continuar com a missão de promover atendimento de qualidade aos capixabas. Tudo isso é fruto de um trabalho em equipe e todos estão muito bem preparados e conscientes dos desafios, cientes do que esse projeto representa para o Hospital Evangélico de Vila Velha”, explica.

A superintendente da Aebes, Sirlene Motta, enfatizou que a inovação é um dos pilares de sustentabilidade da associação e faz parte do planejamento estratégico. “A inovação já faz parte da nossa história e o Evangélico LAB vem para reforçar essa prática”, pontua.

Sobre o Hospital Evangélico

Fundado em 1972, a história do Hospital Evangélico de Vila Velha começa anos antes, em 1956, quando começou a ser idealizado pelas igrejas Batista, Cristã Evangélica Casa de Oração, Evangélica de Confissão Luterana, Metodista, Presbiteriana do Brasil e Presbiteriana Unida, que compõem a Aebes. A unidade conta com uma equipe multidisciplinar e é referência em urgência e emergência cardiovascular e habilitado em alta complexidade nas especialidades: Cardiovascular, Oncologia, Nefrologia e Transplantes (rim, córnea, coração, ossos e tecidos), Oftalmologia, Bariátrica e Neurocirurgia. Hospital Evangélico de Vila Velha foi o primeiro hospital filantrópico capixaba a conquistar classificação máxima em gestão hospitalar: a certificação de excelência ONA nível 3.

Leia mais:  ​Covid: fumantes tem maior risco de desenvolver a doença grave
Continue lendo

São Mateus

Política e Governo

Segurança

Camisa 10

Mais Lidas da Semana