conecte-se conosco


Camisa 10

Globo perde Libertadores. Farra no futebol acabou

Publicado

Emissora carioca implorou redução do preço da transmissão à Conmebol. Ouviu um sonoro ‘não’. E o contrato até 2022 foi rescindido

O drástico corte das verbas de publicidade do governo federal, mais a pandemia provocaram uma grave crise financeira na Globo.

E um dos efeitos colaterais mais drásticos está na revisão da transmissão de futebol pela emissora.

Como já acontece na Europa e nos Estados Unidos, o esporte se tornou caro demais para a tevê aberta. E migrou para os canais a cabo ou pay-per-view.

Ainda mais para a Globo, que está mergulhada na crise. A ponto de demitir mais de 100 profissionais, no ano passado. Acabar com contratos longos de suas estrelas.

Renato Aragão, Vera Fischer, Jô Soares, Miguel Falabella, Stênio Garcia, Zeca Camargo, Renato Aragão, Malu Mader, Otaviano Costa, Maria Fernanda Cândido, Leandro Hassun, Malvino Salvador, José de Abreu, Regina Duarte, Bruno Gagliasso, Bianca Bin, Rafa Brites, Lair Rennó, Aguinaldo Silva, Cininha de Paula…

Maitê Proença, Isabela Garcia, Pedro Cardoso, Luiz Fernando Guimarães, Pedro Paulo Rangel, Danielle Winits, Helena Ranaldi, Marcelo Anthony, Dalton Vigh, Barbara Paz, Luana Piovani, Bruna Marquezine, Zé Mayer, Thiago Abravanel e Reynaldo Giannechini, entre outros.

Em junho, a Globo já avisou a Fifa que não iria manter o pagamento combinado de nove parcelas de 90 milhões de dólares, cerca de R$ 478 milhões, cada. Em um total de 810 milhões de dólares, cerca de R$ 4,3 bilhões, pela Copa do Mundo do Qatar.

E entrou na justiça brasileira para que a Fifa não desfaça o acordo. A Globo já pagou cinco parcelas, 450 milhões de dólares, cerca de R$ 2,3 bilhões. Mas perdeu o fôlego para seguir pagando. 

A questão será resolvida na Suíça.

O grupo Disney pode herdar o direito de mostrar o Mundial de 2022 ao Brasil.

Depois, no mês passado, a escandalosa briga e rescisão da Globo com o Campeonato Carioca. Por causa da MP 948, que proporcionou ao Flamengo a transmissão de seus jogos como mandante, a emissora tenta se livrar na justiça dos estaduais do Rio de Janeiro de 2021, 2022, 2023 e 2024. 

E não pagar os combinados R$ 408 milhões.

A briga do início da semana era só com a Turner, pelo Brasileiro. A emissora carioca não aceita que a americana use a MP 948 e transmita, na tevê a cabo, os jogos dos clubes que patrocina, mesmo sendo visitantes, como prevê a Medida Provisória de Jair Bolsonaro.

Só pela transmissão, a Globo paga R$ 180 milhões por ano para a CBF. Com os contratos com os clubes, chega a R$ 600 milhões em gastos.

E ontem o canal da família Marinho anunciou.

O contrato de transmissão da Libertadores da América está rescindido.

Ele contemplava 2020, 2021 e 2022.

Presidente da Conmebol,Alejandro Domínguez  foi firme com a Globo

A Conmebol não aceitou reduzir o preço de 65 milhões de dólares, cerca de R$ 346 milhões.

A Globo insistiu usando a pandemia e a desvalorização do real, em relação ao dólar, como desculpa. O contrato foi firmado quando o dólar estava a menos de R$ 4,00: R$ 3,98. A cotação atual é de R$ 5,33. O que chegou a um aumento de cerca de R$ 100 milhões por ano.

Por esse dinheiro, a Globo poderia só mostrar dois jogos diferentes na quarta-feira. E mais dois jogos no Sportv, na terça e na quarta-feira.

A emissora carioca também alegava a queda enorme no seu pay-per-view. A Globo perdeu mais de 400 mil assinantes do canal Premiere. Deixando de ganhar quase R$ 40 milhões mensais.

Há acordos sigilosos com anunciantes. Afinal, foram quatro meses de paralização por conta da pandemia. Ambev, Casas Bahia, Chevrolet, Hypera Pharma, Itaú e Vivo pagaram R$ 1,8 bilhão pelo futebol em 2020. Redução, extensão para 2021, assuntos que o mercado publicitário garante estar ocorrendo para compensar 120 dias sem o esporte.

Além disso, o bilionário Facebook virou um sério adversário para a Globo, nos direitos de transmissão da Libertadores.

O Youtube e a Amazon se movimentam também em direção ao futebol

“Nesse contexto, e tendo em vista a suspensão daquela competição por vários meses, a empresa tentou renegociar com a Conmebol o contrato da Libertadores, válido até 2022, mas infelizmente não houve acordo. Assim, não restou alternativa à Globo a não ser rescindir o contrato”, diz a carta enviada para a Globo para a Conmebol.

A Conmebol não se afetou.

Duas empresas, a IMG e a Perform decidiram assumir a Libertadores e a Copa Sul-Americana por 350 milhões de dólares, cerca de R$ 1,8 bilhão.

A empresa de streaming DAZN desistiu de transmitir a Copa Sul-Americana e a Recopa, por conta da crise de assinantes. Devolveu os direitos e se livrará de pagar 91 milhões de dólares, cerca de R$ 483 milhões, até 2022.

Para manter as aparências, a Globo divulga que ainda está interessada na Libertadores.

“Como principal competição de clubes das Américas, a Libertadores continua sendo importante para a Globo. No entanto, para que sua transmissão seja viável e satisfatória para todas as partes envolvidas, ela precisa se adequar à nova realidade mundial dos direitos esportivos e à situação econômica vivida pelo país.”

Em 2019, a Turner rompeu o monopólio no Brasileiro. Duro golpe para a Globo

Só que a cúpula global sabe de duas verdades.

A primeira é que a Conmebol tem outros interessados e não precisa ‘se adequar’ à crise financeira que a emissora carioca mergulhou.

E a segunda é que, entre sobreviver ou transmitir futebol sem lucro, a opção óbvia está na readequação à nova realidade econômica que a Globo vive.

Não há dinheiro para cumprir o acordo feito pela Libertadores.

O monopólio…

A farra da Globo, no futebol, acabou…

 

Leia mais:  Seleção não quer disputar a Copa América. Saída pode ser time B

publicidade

Camisa 10

Atlético-MG depende de tropeço do Flamengo para ser campeão nesta terça-feira; veja as contas

Publicado

Caso Flamengo não vença o Ceará, nesta noite, Galo garante o título nacional; vitória na quinta-feira, diante do Bahia, também faz o time mineiro assegurar o título, independentemente do rival

Na liderança do Brasileirão, a torcida do Atlético-MG pode soltar o grito de “É campeão” na noite desta terça-feira. Para isso o Galo depende de um tropeço do Flamengo diante do Ceará, no jogo de logo mais, às 20h (de Brasília), no Maracanã.

Com a vitória sobre o Fluminense, no último domingo, o Galo chegou a 78 pontos na ponta do Campeonato Brasileiro (confira a tabela atualizada). O time mineiro abriu 11 de vantagem para o Flamengo, que tem 67 e um jogo a menos.

Se não vencer o Ceará, o Flamengo poderá fazer no máximo 77 pontos, e o Atlético, primeiro colocado com 78, será o novo campeão nacional!

Caso o Flamengo derrote o Ceará, uma vitória do Atlético diante do Bahia, na próxima quinta-feira, ou em cima do Bragantino, no domingo, dia 5 de dezembro, no Mineirão, garante o título ao time mineiro, independentemente dos resultados do rival rubro-negro.

Ainda faltam três jogos para Atlético no Brasileirão 2021 (Bahia, Bragantino e Grêmio). Se somar mais dois pontos nessa reta final, o Galo chega a 80 e também assegura a conquista. Dessa forma, mesmo que o Flamengo vença as quatro partidas restantes, poderá atingir, no máximo, 79 pontos e não conseguiria superar o time mineiro.

Leia mais:  Maior evento de Crossfit no ES, Extreme Rock Brasil começa no dia 22
Continue lendo

Camisa 10

Messi vence 7ª Bola de Ouro e se iguala a Pelé como maior campeão

Publicado

Argentino do Paris Saint-Germain superou Lewandowski como o melhor jogador de 2021 em eleição da revista France Football

Sete vezes Lionel Messi. O argentino do Paris Saint-Germain recebeu nesta segunda-feira (29) a Bola de Ouro, prêmio concedido pela revista France Football, em evento realizado em Paris. Ele superou Robert Lewandowski, do Bayern de Munique, segundo lugar.

Como “prêmio de consolação”, o polonês venceu a disputa pelo título de atacante do ano. Ao todo, ele marcou 63 gols e deu dez assistências.

Jorginho, brasileiro naturalizado italiano, campeão da Eurocopa e também da Champions League com o Chelsea, ficou com a terceira posição. Fora ele, o brasileiro mais bem colocado foi Neymar, na 16ª posição. Pentacampeão da premiação, Cristiano Ronaldo ficou apenas na sexta posição.

Como não houve Bola de Ouro no ano passado, devido à pandemia de Covid-19, Messi havia sido o último vencedor, já que, em 2019, quando ainda jogava pelo Barcelona, ele conquistou a Bola de Ouro. O craque argentino, agora, se iguala a Pelé como o maior campeão do prêmio. Ele venceu em 2009, 2010, 2011, 2012, 2015, 2019 e 2021, enquanto o brasileiro foi eleito em 1958, 1959, 1960, 1961, 1963, 1965 e 1970, em prêmios entregues posteriormente, já que a France Football elegia apenas jogadores que atuavam na Europa na época.

Apesar de Messi não ter conquistado muitos títulos na atual temporada, pelo PSG e pelo Barcelona, pesou muito a sua grande atuação na Copa América, quando ele foi o grande responsável por encerrar um longo jejum de conquistas da Argentina. Ao todo, ele fez 41 gols e distribuiu 14 assistências.

Messi levou toda a família para a premiação

Vale lembrar que o prêmio não tem relação com o The Best, promovido pela Fifa.

Confira como ficou a lista final da Bola de Ouro em 2021:

1º Lionel Messi (Argentina/Paris Saint-Germain)
2º Robert Lewandowski (Polônia/Bayern de Munique)
3º Jorginho (Itália/Chelsea)
4º Karim Benzema (França/Real Madrid)
5º N’Golo Kanté (França/Chelsea)
6º Cristiano Ronaldo (Portugal/Manchester United)
7º Mohamed Salah (Egito/Liverpool)
8º Kevin De Bruyne (Bélgica/Manchester City)
9º Kylian Mbappé (França/Paris Saint-Germain)
10º Gianluigi Donnarumma (Itália/Paris Saint-Germain)
11º Erling Haaland (Noruega/Borussia Dortmund)
12º Romelu Lukaku (Bélgica/Chelsea)
13º Giorgio Chiellini (Itália/Juventus)
14º Leonardo Bonucci (Itália/Juventus)
15º Raheem Sterling (Inglaterra/Manchester City)
16º Neymar (Brasil/Paris Saint-Germain)
17º Luis Suárez (Uruguai/Atlético de Madrid)
18º Simon Kjaer (Dinamarca/Milan)
19º Mason Mount (Inglaterra/Chelsea)
20º Riyad Mahrez (Argélia/Manchester City)
21º Bruno Fernandes (Portugal/Manchester United)
21º Lautaro Martínez (Argentina/Inter de Milão)
23º Harry Kane (Inglaterra/Tottenham)
24º Pedri (Espanha/Barcelona)
25º Phil Foden (Inglaterra/Manchester City)
26º Nicolò Barella (Itália/Inter de Milão)
26º Rúben Dias (Portugal/Manchester City)
26º Gerard Moreno (Espanha/Villarreal)
29º César Azpilicueta (Espanha/Chelsea)
29º Luka Modric (Croácia/Real Madrid)

Clube do ano

O Chelsea, campeão da última Uefa Champions League, foi eleito o clube do ano. O time é o atual líder da Premier League e foi muito bem também no futebol feminino.

Bola de Ouro feminina

Entre as mulheres, a vencedora foi a espanhola Alexia Putellas, multicampeã com a camisa do Barcelona. Alguns meses atrás, ela já havia sido eleita a melhor jogadora da Europa pela Uefa.

Troféu Yashin

O melhor goleiro do mundo foi o italiano Gianluigi Donnarumma, campeão da Eurocopa com sua seleção. O jovem de 22 anos, que recentemente trocou o Milan pelo Paris Saint-Germain, foi o único da posição entre os 30 finalistas à Bola de Ouro.

No Troféu Yashin, ele superou o senegalês Édouard Mendy (Chelsea), o esloveno Jan Oblak (Atlético de Madrid), o brasileiro Ederson (Manchester City) e o alemão Manuel Neuer (Bayern de Munique).

Entre as mulheres, a vencedora foi a espanhola Alexia Putellas, multicampeã com a camisa do Barcelona. Alguns meses atrás, ela já havia sido eleita a melhor jogadora da Europa pela Uefa.

A meia superou a também espanhola Jenniffer Hermoso (Barcelona), a australiana Sam Kerr (Chelsea) e as holandesas Lieke Martens (Barcelona) e Vivianne Miedema (Arsenal).

Troféu Kopa

O prêmio dado ao melhor jogador sub-21 do mundo foi para o também espanhol Pedri, mais um que atua no Barcelona. Em 2021, o meia de 19 anos disputou a Eurocopa, os Jogos Olímpicos e também a Liga das Nações por sua seleção.

Ele superou os quatro outros finalistas: Jude Bellingham, Mason Greenwood, Nuno Mendes e Jamal Musiala.

Leia mais:  Atlético-MG confirma chegada de Eduardo Vargas para assinar contrato até 2022
Continue lendo

São Mateus

Política e Governo

Segurança

Camisa 10

Mais Lidas da Semana