conecte-se conosco


Política e Governo

Governador Casagrande presta contas de gestão na Assembleia Legislativa

Publicado

O governador do Espírito Santo, Renato Casagrande, realizou, nesta terça-feira (06), a prestação de contas na Assembleia Legislativa referente ao exercício de 2020, como disposto na Constituição Estadual. Durante a sessão especial, o governador abordou os principais projetos e programas do Governo do Estado, como o recém-anunciado Plano de Investimentos Públicos (PIP), que prevê investimentos da ordem de R$ 9 bilhões nos próximos anos.

Durante a exposição, o governador destacou que o equilíbrio na gestão do Estado foi fundamental para atravessar as crises que surgiram desde o início da atual gestão, como as fortes chuvas do final de 2019 e a pandemia do novo Coronavírus (Covid-19), que teve início no primeiro trimestre de 2020. Casagrande citou também o bom ambiente e o diálogo entre os Poderes, além de importantes ações como o Plano de Investimentos Públicos (PIP) do Espírito Santo.

“Graças ao equilíbrio financeiro e fiscal, ao relacionamento franco e transparente entre as instituições, aos diferenciais competitivos capixabas, ao estímulo à inovação e à nossa determinação de absoluto respeito a contratos, consolidamos aqui um ótimo ambiente de negócios. Estamos colocando de pé o nosso Plano de Investimentos Públicos. Serão ao todo R$ 9 bilhões investidos nas mais diferentes áreas de atuação do Governo. Só para a educação, setor tão castigado durante a pandemia e absolutamente prioritário para nós, será destinado mais de um R$ 1 bilhão”, declarou.

Os investimentos na saúde também foram destacados pelo governador, que citou o legado que a pandemia deixará na estrutura física da saúde capixaba. “Essa área já avançou muito com os recursos aplicados no enfrentamento à pandemia e serão destinados mais de R$ 500 milhões. Vamos ampliar nossos hospitais, informatizar toda a rede estadual, qualificar os profissionais para atender às demandas do Estado e concluir o Hospital Geral de Cariacica, além de garantir acesso ao SAMU 192 aos moradores de todas as regiões do Espírito Santo”, afirmou.

Leia mais:  Sefaz participa de reunião sobre fiscalização de fraudes no setor de combustíveis

O governador relatou o desafio de se enfrentar a pandemia, mas lembrou que o Espírito Santo estava mais preparado que a maioria dos Estados e apontou as tomadas de decisões, que, algumas controvérsias à época, se mostraram eficazes ao longo da crise sanitária:

“Em lugar de hospitais de campanha caros e que logo seriam desativados, investimos na ampliação do número de leitos nos hospitais públicos e filantrópicos, que ficarão como legado à saúde pública estadual. Implementamos mecanismos e protocolos eficazes, baseados na ciência, para monitorar a expansão do vírus. Tomamos as medidas necessárias para reduzir a circulação de pessoas. Adquirimos os equipamentos e insumos essenciais para o tratamento dos casos mais graves. Garantimos apoio financeiro às empresas e às famílias mais afetadas pela retração econômica. Demos transparência total aos gastos com o enfrentamento à pandemia. O resultado desse conjunto de ações é que nenhum capixaba veio a óbito no estado, por falta de atendimento hospitalar”, disse.

Casagrande lembrou ainda que o Espírito Santo liderou todos os rankings de transparência antes e durante a pandemia. “Somos considerados o Estado mais transparente do Brasil na prestação de contas dos recursos destinados à luta contra o novo Coronavírus. Não foi à toa que o Espírito Santo mereceu o primeiro lugar nacional no Ranking Covid-19, organizado pelo Centro de Liderança Pública, que avaliou a ação dos estados no enfrentamento à mais grave crise sanitária do nosso século”, destacou.

Mas apesar dos desafios impostos pela pandemia em todas as áreas, o Governo do Estado não paralisou os serviços públicos e nem os investimentos. Foram realizadas ações nas áreas de segurança pública, saneamento, infraestrutura, macrodrenagem e rodovias. Bem como reformas de escolas e unidades de saúde, investimento no ensino à distância através do Programa EscoLAR, redução da burocracia, aperfeiçoamento dos mecanismos de transparência e a criação do Plano Espírito Santo Convivência Consciente para articular a retomada das atividades econômicas.

Leia mais:  Editorial - Um governo responsável

Casagrande encerrou sua fala lamentando o número de mortos pela pandemia e enviou condolência a todos os familiares e amigos que perderam entes queridos.  “Não poderia concluir essa fala inicial sem agradecer a todos que contribuíram para que chegássemos até aqui, superando tantas dificuldades e tanta dor. Assim como não posso deixar de enviar, mas uma vez, as minhas mais sentidas condolências a todos que perderam entes queridos para o coronavírus. Ainda não é possível comemorar o fim do pesadelo que se abateu sobre o planeta, e precisamos continuar firmes e atentos aos cuidados com o controle da pandemia. Mas já olhamos para a frente com a confiança de quem vê, além de um porto seguro, a certeza de um tempo muito melhor”, concluiu.

Depois do pronunciamento, o governador do Estado respondeu aos questionamentos dos parlamentares. Casagrande anunciou também o encaminhamento de dois projetos de lei ao Legislativo. O primeiro altera a Lei nº 9.999/2013, que instituiu o Programa Estadual de Transporte Escolar no Estado do Espírito Santo (PETE/ES). O novo texto acaba com a exclusividade da transferência de recursos financeiros para atender a estudantes residentes no meio rural, além disso simplifica a forma de cálculo do repasse dos recursos e faculta a possibilidade da aquisição de veículos e equipamentos necessários à execução do serviço.

A segunda proposta visa a alterar o cálculo do Índice de Participação dos Municípios (IPM) no que tange ao Índice de Qualidade Educacional. O indicador é baseado no Programa de Avaliação da Educação Básica do Espírito Santo (PAEBES). Como não foi possível a realização da avaliação no ano de 2020 devido à pandemia, o projeto visa a utilização dos dados de 2019 para o cálculo do IPM.

publicidade

Política e Governo

Veja o perfil dos 7 candidatos ao governo do Espírito Santo em 2022

Publicado

Neste ano, sete candidatos disputam a vaga para o Palácio Anchieta. Veja a lista e o perfil de quem está no páreo para ser o governador do Espírito Santo

Nas eleições deste ano, sete candidatos disputam o cargo de governador. São eles, em ordem alfabética: Aridelmo Teixeira (Novo), Audifax Barcelos (Rede), Carlos Manato (PL), Cláudio Paiva (PRTB), Guerino Zanon (PSD), Renato Casagrande (PSB) e Vinícius Sousa (PSTU).

O Folha Vitória acompanha as publicações no TSE das candidaturas e vai atualizar a lista dos candidatos à medida que houver mudanças. 

No caso do pedido de candidatura do ex-prefeito de Linhares Guerino Zanon, a reportagem teve acesso ao extrato do seu pedido de registro de candidatura. No entanto, até às 19h desta segunda-feira (15), a solicitação ainda não constava da base de dados do Tribunal Superior Eleitoral (TSE), cujo sistema não é atualizado automaticamente

O primeiro turno será realizado em 02 de outubro e um eventual segundo turno para governador e/ou presidente ocorrerá em 30 do mesmo mês.

Veja abaixo quem são os candidatos ao governo do ES:

Veja o perfil de cada um dos candidatos:

Aridelmo Teixeira

Natural de Governador Valadares, em Minas Gerais, o professor e empresário Aridelmo Teixeira é cofundador da FUCAPE Business School. Aos 57 anos, o candidato ao governo do Espírito Santo já atuou como secretário da Fazenda da prefeitura de Vitória, de 2021 a 2022.

Doutor em Controladoria e Contabilidade pela Universidade de São Paulo (USP), mestre em Ciências Contábeis pela FGV/RJ e graduado em Ciências Contábeis, atualmente Aridelmo é coordenador do InspiraES, plataforma de gestão de voluntários para o desenvolvimento de políticas públicas, fundada por ele em 2019 por meio do Instituto Fucape de Tecnologias Sociais (IFTS).

O candidato também já foi presidente institucional da ONG “Espírito Santo em Ação”, além de compor o time de fundadores do Instituto Líderes do Amanhã.

Aridelmo é membro Intergovernmental Working Group of Experts on International Standards of Accounting and Reporting / United Nations Conference for Trade and Development (ISAR /UNCTAD).

Ainda na educação, o empresário também atuou como membro da Comissão de Assessoramento na área de Ciências Sociais Aplicadas na FAPES, na CAPES e no CNPq.

Audifax Barcelos

Aos 58 anos, Audifax Barcelos já acumula 34 de experiência na gestão pública. Casado, pai de dois filhos e evangélico, o ex-prefeito da Serra atualmente é membro da Primeira Igreja Batista de Vitória, onde já atuou como diácono e professor da escola bíblica dominical.

Formado em Economia e Administração pela Universidade Federal do Espírito Santo (Ufes), a trajetória profissional do também ex-deputado federal, teve início entre os anos de 1982 e 1986, quando assumiu o cargo de auxiliar administrativo da prefeitura de Vitória.

Leia mais:  Sedu reúne secretários municipais para debater ‘Formação do Currículo do Espírito Santo no Ciclo de Alfabetização’

Passado um ano, Audifax iniciou a carreira de economista na administração da Capital. Tempos depois, entre 1988 e 1989, foi secretário de Planejamento de Vila Velha.

A partir daí, Audifax atuou como secretário de Administração de Vitória e, também, como diretor do Departamento de Administração da Ufes.

Com uma densa história com a Serra, onde foi prefeito por três mandatos, Audifax começou a vida na gestão do município no setor de Administração, entre os anos de 1997 e 2000. Pouco tempo depois, o atual candidato ao governo do Estado, se elegeu como deputado federal por dois anos, em 2011 e 2012.

Carlos Manato

Nascido em Alegre, o médico e ex-deputado federal Carlos Manato agora está na disputa pela posição de governador do Estado. Presente na política capixaba desde 2003, Manato já ocupou o posto de deputado federal por quatro vezes.

Com a vida acadêmica voltada à área da Saúde, Manato é pós-graduado em Medicina do Trabalho, pela Escola Superior de Ciências da Santa Casa de Misericórdia de Vitória (Emescam), e em Colposcopia pela Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG). 

O candidato também é pós-graduado em Administração Hospitalar e especialista em Ginecologia e Obstetrícia.

Na Câmara dos Deputados, já foi membro das seguintes comissões: Turismo, Agricultura, Pecuária, Abastecimento, Desenvolvimento Rural, Desenvolvimento Econômico, Indústria, Comércio e Serviços, entre outras.

Em sua carreira,  o político já trabalhou como professor na Emescam, médico no Instituto Estadual de Saúde Pública; foi diretor-clínico e diretor-geral do Hospital Dório Silva, além de diretor-clínico e diretor-presidente do Hospital Metropolitano.

Cláudio Paiva

Aos 62 anos, pai de três filhos e morador de Guarapari, na região metropolitana do Estado, o contador e administrador de empresas Cláudio Paiva trabalha, há mais de trinta anos, como consultor empresarial e com gestão de pessoas.

Ainda em sua trajetória profissional, Paiva  atuou na educação durante 16 anos, como professor de graduação e pós-graduação, além de trabalhar como terapeuta e psicanalista. É pós-graduado e doutor em Psicanálise Clínica e, atualmente, gerencia uma clínica, onde atende dependentes químicos.

De maneira voluntária, Cláudio também presta serviços para a “Rede Mulher”, uma organização que acolhe mulheres vítimas de agressão por parte dos companheiros e que foram colocadas para fora de casa. 

Guerino Zanon

Natural do município de Rio Bananal, interior do Espírito Santo, Guerino Luiz Zanon começa a jornada ainda aos 13 anos quando decide sair de casa para estudar em um internato no interior de Colatina.

Tempos depois se mudou para Linhares, onde trabalhou em uma padaria e em um hotel. Ainda na juventude, com a ajuda de familiares, Guerino se mudou para Vitória para entrar na universidade.

Guerino é formado em Física pela Universidade Federal do Espírito Santo (Ufes). Ainda nos primeiros anos do curso, começou a dar aulas em um pré-vestibular que, anos depois, lhe conferiu a experiência suficiente para fundar, ao lado da esposa, o Colégio Cristo Rei e a Faculdade de Administração e Ciências Contábeis de Linhares.

Leia mais:  Governo do Estado dá início ao Seminário de Planejamento Estratégico 2021-2022

A carreira política de Zanon começou em 1996, quando ele decidiu se afastar da direção das instituições de ensino para disputar a primeira eleição para prefeito de Linhares. Guerino esteve à frente do Executivo municipal por cinco mandatos.

Ainda na política, o ex-prefeito também já atuou como deputado estadual duas vezes, sendo que em 2006 foi o deputado estadual mais votado da história do Espírito Santo. Nesse mesmo ano, foi presidente da Assembleia Legislativa.

Guerino também foi secretário estadual de Esportes e Lazer por duas vezes, entre os anos de 2005 e 2006; e de janeiro a junho de 2016.

Renato Casagrande

Nascido em Castelo, no Sul do Estado, Renato Casagrande é formado em Engenharia Florestal pela Universidade Federal de Viçosa, em Minas Gerais, e em Direito pela Faculdade de Direito de Cachoeiro de Itapemirim.

Casado, pai de dois filhos e atual governador do Espírito Santo, Casagrande já atuava na esfera política antes de ocupar o Palácio Anchieta. 

Durante sua vida pública, Casagrande já exerceu os cargos de senador, deputado federal, vice-governador e deputado estadual. Também já foi secretário de Estado da Agricultura, secretário de Meio Ambiente no município da Serra e de Desenvolvimento Rural, em Castelo.

Além da atual gestão, Casagrande já foi governador do Estado de 2011 a 2015. De 2015 a 2018, o atual chefe do Executivo estadual foi presidente da Fundação João Mangabeira, dedicada a discutir e difundir o socialismo democrático (se opondo ao capitalismo).

Capitão Sousa

Capitão da Polícia Militar, bacharel em Direito e membro do Movimento Policiais Antifascismo, Vinícius Sousa é natural de Belo Horizonte, capital de Minas Gerais. Casado com Marcelle Sillis Bilo e pai de três crianças, o capitão, que reside no município de Castelo, constituiu família em solo capixaba.

Após concluir os estudos, terminou por forma-se professor. Em seguida, atuou na vigilância sanitária, onde se aposentou.

Na juventude, o candidato trabalhou como “office boy”. Durante esse período, entrou para o curso de Direito, e fez estágios em diversas funções, para custear os estudos.

Também trabalhou nas procuradorias municipais de Belo Horizonte e Vitória, além da Secretaria de Planejamento, Habitação e Desenvolvimento Urbano de Cariacica.

A carreira na Polícia Militar começou em 2008, quando foi aprovado, em primeiro lugar, no concurso para soldados e precisou desistir do curso de Direito. Em 2012, Vinícius foi aprovado no concurso para Oficiais da PM, formando-se em 2014, e só então conseguiu retomar o curso e se formar em Direito.

Continue lendo

Política e Governo

Partidos têm até as 19h de hoje para as últimas definições da eleição

Publicado

Às 19 horas desta segunda-feira (15) encerra-se o prazo para que os partidos informem ao Tribunal Regional Eleitoral (TRE) os dados sobre candidatos e coligações desta eleição. O prazo é somente para o envio presencial, com mídia entregue na sede do TRE, uma vez que o período para o envio pela internet se esgotou às 8 horas, segundo a Lei das Eleições (Lei 9.504/1997) e a Resolução do TSE 23.609/2021.

Algumas coisas ainda precisam ser definidas. Dos sete candidatos ao governo, quatro já estão registrados no portal do Divulgacand do TSE. São eles: Aridelmo (Novo), Audifax (Rede), Capitão Sousa (PSTU) e Casagrande (PSB). Já Manato (PL), Guerino (PSD) e Cláudio Paiva (PRTB) ainda não foram registrados.

Guerino ainda precisa definir o nome que vai concorrer em sua chapa como vice e seu candidato ao Senado. Segundo a assessoria do candidato, o anúncio deve ser feito na tarde de hoje.

Dos oito candidatos ao Senado também, apenas quatro já têm o registro. São eles: Idalécio Carone (Agir), Erick Musso (Republicanos), Filipe Skiter (PSTU) e Gilbertinho Campos (Psol). Ainda faltam: Rose de Freitas (MDB), Nelson Júnior (Avante), Magno Malta (PL) e Antônio Bongestab (PRTB). Alguns candidatos ao Senado ainda precisam bater o martelo com relação aos suplentes, como Rose e Malta que, até então, constam com suplentes provisórios.

Leia mais:  Sefaz participa de reunião sobre fiscalização de fraudes no setor de combustíveis

Ainda há dúvidas, também, sobre as coligações dos partidos. O Pros, por exemplo, no final de semana, desfez o que foi definido nas convenção partidária e saiu da coligação de Casagrande para apoiar Audifax. Há uma movimentação do partido na instância nacional e também estadual e até 19h uma nova reviravolta pode ocorrer. Em outras eleições, como em 2018, mudanças foram feitas no último minuto.

Continue lendo

São Mateus

Política e Governo

Segurança

Camisa 10

Mais Lidas da Semana