conecte-se conosco


Política e Governo

Governador do ES diz que irá processar por vídeo Fake News em festa junina

Publicado

Um vídeo que foi divulgado recentemente nas redes sociais  onde mostra o governador do Espírito Santo Renato Casagrande (PSB) em uma festa junina causou polêmica no meio político, o motivo da polêmica é que Casagrande aparece em uma aglomeração fazendo a brincadeira chamada “dança da cadeira” em tempos de pandemia.

Após a repercussão negativa do vídeo, o governador disse que o vídeo foi gravado em em uma confraternização com familiares e amigos, e a postagem em grupos de Whats App aponta que o governador estaria descumprindo as normas de proteção ao covid-19, ao estar em aglomeração e sem o uso de máscara. O governador disse que vai processar os disseminadores do vídeo.O governador informou que o principal disseminador do vídeo em redes sociais já foi identificado e nesta semana deve ser acionado na Justiça.

“É inacreditável que, mesmo diante do sofrimento de tantas famílias, algumas pessoas insistem em tentar confundir a população com notícias falsas. A da vez é um vídeo em uma festa junina, em 2019. Vamos judicializar todas elas para que as pessoas paguem pela irresponsabilidade”.

No texto ele diz que a quadrilha foi em 2019, mas informou depois que, analisando melhor as imagens, chegou à conclusão de que a festa foi em 2017. Casagrande disse que se confundiu porque a festa junina com amigos e familiares é uma tradição e acontece todos os anos na região de Vitor Hugo, em Domingos Martins. Por causa da pandemia, este ano a festa não aconteceu.

Leia mais:  Evair de Melo faz prestação de conta do mandato em Linhares
publicidade

Política e Governo

MP Eleitoral dá parecer pela cassação da Chapa de Prefeito e Vice de Itaguaçu

Publicado

A Promotoria Eleitoral ligada à 16ª Zona Eleitoral deu parecer favorável à cassação do diploma do prefeito de Itaguaçu, Uesley Corteletti, e da vice-prefeita, Ana Brigida, por “incursão em prática vedada pela lei eleitoral, com o emprego de recursos na campanha que transitaram à margem do que dispõe notadamente o artigo 22 da Lei nº 9.504/97”.

O MPE considerou que há provas de que os investigados “incorreram, sim, em práticas irregulares na campanha, quais sejam: o uso de veículos de maneira isolada, apartada de carreatas, caminhadas, passeatas, reuniões e comícios; a utilização de carro de som, sem declaração do gasto; a realização de caminhadas com o uso de carro de som cujo gasto não se declarou”.

No parecer, o promotor Antonio Carlos Horvath ainda relatou que: “Quanto à realização de comício na antevéspera da eleição, quando já se tinha proibida tal prática em decisão judicial proferida pelo juízo da 16ª Zona Eleitoral, percebe-se que houve, sim, a despeito de ausentes os demandados na ocasião, reunião pública, contando com a utilização de minitrio, nos quais se vê alguém fazendo as vezes de locutor do evento”.

A ação foi proposta pela coligação “União para o progresso de Itaguaçu” que alega que houve, por parte da campanha do prefeito, emprego de organização paramilitar, entre outras coisas. No dia 14 de novembro, véspera da eleição, a PM abordou e apreendeu em poder de Valdecir Chieppe Filho, conhecido como “Cachorrão”, dois simulacros de pistola, um cassetete, uma capa de colete balístico, um giroflex móvel, R$ 8.800,25 em espécie, envelopes de depósitos bancários e R$ 70 em notas falsas. A ação pede a cassação do diploma e novas eleições.

Segundo o parecer do MPE, ainda “apreenderam-se materiais de campanha dos demandados e uma espécie de dossiê de diversos correligionários da coligação adversária, contendo fotografias, endereços, etc. O vínculo havido entre Valdecir Chieppe Filho e o demandado Uesley Roque Corteletti Thon é confirmado por eles mesmos, mas sob a alegação de que se tratava de uma contratação para segurança particular do então candidato”.

Leia mais:  Bandes apresenta linhas de crédito para empresários no TIMS
Continue lendo

Política e Governo

Orçamento do Estado para 2022 deve ser votado hoje na Comissão de Finanças

Publicado

Está marcada para esta segunda-feira (06) a votação na Comissão de Finanças da Assembleia do Orçamento do Estado para 2022. A peça orçamentária, no valor de R$ 20,3 bilhões, recebeu mais de 1.300 emendas dos parlamentares.

O relator da peça é o deputado Freitas, que também preside a Comissão de Finanças. Ele chegou a pedir mais tempo para apresentar o relatório, devido ao número alto de emendas, mas o regimento interno da Casa diz que o parecer deve ser apresentado e votado até o dia 5 de dezembro (que nesse ano caiu num domingo, ontem) na comissão. Por isso, ficou para hoje.

Freitas já tinha informado (no último dia 16) que iria votar na comissão e enviar a peça orçamentária para o plenário hoje. A partir daí, o presidente da Ales, Erick Musso, define a data em que a matéria será votada, podendo inclusive ser hoje mesmo. A votação do Orçamento é condição para que os deputados saiam para o recesso parlamentar.

Esse ano houve um acordo entre o governo e os parlamentares e eles poderão indicar, cada um, R$ 1,5 milhão de emenda parlamentar (antes era R$ 1 milhão) a ser paga no ano que vem. O que atende a pedidos dos deputados em boa hora, já que ano que vem é ano eleitoral e a maioria vai tentar a reeleição.

Leia mais:  Sedu divulga resultado parcial do Pró-Docência
Continue lendo

São Mateus

Política e Governo

Segurança

Camisa 10

Mais Lidas da Semana