conecte-se conosco


Cidades

Governador inaugura nova central de videomonitoramento da Ceturb-ES

Publicado

Mais agilidade nas ações operacionais, segurança para os usuários, controle na formação de filas com distanciamento e ferramentas para auxiliar nas pesquisas de demanda nos terminais. Essas são algumas das vantagens da nova Central de Controle Operacional (CCO) da Companhia Estadual de Transportes Coletivos de Passageiros do Estado do Espírito Santo (Ceturb-ES), inaugurada na manhã desta quinta-feira (23) pelo governador Renato Casagrande. A nova CCO vai proporcionar a melhoria da oferta do serviço de transporte urbano.


A nova central de videomonitoramento está instalada na sede da Ceturb-ES, em Vitória. A unidade recebe imagens das câmeras espalhadas nos terminais de integração, em tempo real. Dessa forma, será possível observar toda a operação do sistema e realizar as interferências necessárias para cada tipo de situação identificada, como, por exemplo, liberar carros extras para atender à demanda de uma determinada linha.

O governador Renato Casagrande destacou a importância da nova CCO. “O novo equipamento permite que a Ceturb veja, em tempo real, tudo o que acontece nos terminais. Podemos detectar aglomeração, depredação e as imagens ficam guardadas por 60 dias para que seja usada em uma investigação policial, caso seja necessário. Temos como enviar mensagens de informação e acionar fiscais, por exemplo. Essa Central vai de encontro ao que buscamos, que é tomar decisões com planejamento e levando segurança aos nossos usuários”, disse.


O secretário de Estado de Mobilidade e Infraestrutura, Fábio Damasceno, comentou que a nova central vai auxiliar a gestão do transporte tanto do ponto de vista técnico como operacional. “Temos em tempo real e em uma mesma plataforma as informações de tudo o que acontece nos terminais. Com isso, a Ceturb-ES pode aprimorar o planejamento da operação. Também é uma ferramenta estratégica para a tomada de decisão, principalmente em situações de crise. Além disso, a Central complementa a fiscalização, pois não só vamos fiscalizar a operação, como também a atuação dos próprios fiscais”, explicou.

O diretor-presidente da Ceturb-ES, Raphael Trés, sublinhou  a importância do uso da tecnologia para a gestão operacional do Sistema Transcol:. “A Central dá mais agilidade às ações, especialmente nesse momento de pandemia, mas é um legado que fica para agregar mais qualidade ao serviço. Vai ser possível intervir rapidamente para solucionar problemas de demanda, filas, distanciamento e problemas com a segurança”.

Cada terminal de integração tem, pelo menos, dez câmeras PTZ (Pan Tilt Zoom) móveis, com movimentos de 360 graus, que capturam imagens e zoom em alta fidelidade, capazes de identificar detalhes da operação e de ocorrências nos terminais rodoviários. As imagens ficarão armazenadas tanto na CCO quanto em cada terminal de integração.

As câmeras também são capazes de emitir sinais de áudio a partir da Central, na Ceturb-ES, para os terminais. Esse sistema de áudio é de alta fidelidade e é utilizado para emissão de mensagens de caráter informativo e corretivo para os usuários do Sistema Transcol. Essas mensagens de áudio podem ser gravadas ou emitidas ao vivo, por meio de microfones instalados na central de operações e enviados aos terminais de ônibus.

O sistema conta, ainda, com botões de pânico, que, posteriormente, poderão ser distribuídos aos vigilantes dos terminais que, ao verificarem alguma anormalidade, podem acionar o sinal que será emitido na central de operações. Em casos de crimes ou situações de insegurança, os operadores da CCO também poderão acionar as autoridades policiais ou fazer a intervenção por meio do sistema de áudio. 

Outras 40 câmeras fixas devem ser instaladas nos terminais a partir de agosto. Sete dessas já estão instaladas e em fase de teste. As câmeras fixas estão atreladas a um software capaz de analisar as imagens e produzir relatórios gerenciais, como o de aglomeração, que vai auxiliar no controle do fluxo de pessoas nos terminais.

Objetivos

Leia mais:  Dia Livre de Impostos: produtos serão vendidos com até 50% de desconto nesta quinta. Saiba mais!

– Possibilitar o uso de espaços públicos pelo cidadão com maior segurança;

– Aumentar a sensação de segurança da população dos municípios onde estão localizados os terminais;

– Auxiliar em investigações criminal, civil e administrativa, bem como auxiliar na identificação e localização de infratores;

– Auxiliar na operação do sistema de transporte;

– Proporcionar apoio logístico na pesquisa de demanda dentro dos terminais;

– Sistema de áudio para orientar e dar avisos aos usuários.

publicidade

Cidades

Obra de saneamento é apresentada em Vila Velha

Publicado

Projeto da Cesan para a Grande Terra Vermelha, em Vila Velha, foi o assunto debatido em audiência pública da Comissão de Saúde da Assembleia

Interligar todas as residências em uma única rede de esgoto, com a ligação das casas até a tubulação da rua e construir duas estações de tratamento para atender todos os bairros do entorno. Esse é o trabalho que será realizado pela Companhia Espírito Santense de Saneamento (Cesan) na Região 5, conhecida como Grande Terra Vermelha, em Vila Velha. O cronograma de obras foi apresentado em audiência pública promovida pela Comissão de Saúde da Assembleia Legislativa (Ales) na noite de quarta-feira (15).

O encontro aconteceu na Escola Estadual de Ensino Médio Mário Gurgel, em Jabaeté, e contou com a presença de autoridades, especialistas, líderes comunitários e moradores da região.

De acordo com o gerente de projetos da Cesan, Luiz Cláudio Victor Rodrigues, a universalização do saneamento básico na maior região do município, que hoje conta com cerca de 100 mil moradores, vai custar R$ 228 milhões e  tem previsão de entrega para o primeiro trimestre de 2024. 
Os recursos para as obras são oriundos do governo do Estado, Banco de Desenvolvimento do Espírito Santo (Bandes) e Banco Mundial. 

“A universalização levará rede coletora e tratamento para todos os bairros da região, inclusive Ponta da Fruta, Balneário Ponta da Fruta e Barra do Jucu. São 184 quilômetros de estrutura. A ordem de serviço já foi dada, a equipe de topografia já está no local e tem até seis meses para concluir o projeto e colocar a obra em andamento. Estamos conversando com as empresas para viabilizar a contratação de mão de obra local”, disse Rodrigues.

Os impactos socioambientais para os moradores das localidades envolvidas nas obras estão sob fiscalização de uma empresa contratada para acompanhar o processo. Segundo a gestora social do projeto, Danielle Érica da Silva, a população está sendo ouvida.  

“Nosso objetivo é levantar possíveis riscos para os moradores dos locais afetados pela obra, mitigando possíveis danos e perdas para quem vive nesses locais”, afirmou.

Proponente da audiência pública, o presidente de Comissão de Saúde, deputado Doutor Hercules (MDB), abordou a necessidade de levar à comunidade as informações necessárias acerca das mudanças nas comunidades que serão contempladas. Ele informou que uma nova reunião será realizada na Câmara de Vereadores de Vila Velha.

“A pedido de lideranças e do vereador Joel Rangel, nós vamos fazer uma nova reunião, mas será no Legislativo municipal. É fundamental a participação dos moradores para que sejam esclarecidos todos os pontos. Os representantes dos bairros vão tirar suas dúvidas sobre diversos pontos relacionados ao fornecimento de água e saneamento básico na região”, pontuou.

Leia mais:  Covid-19: Espírito Santo tem 3 cidades em risco moderado
Continue lendo

Cidades

Seag e Sebrae-ES oferecem oficinas e consultorias para impulsionar a agroindústria familiar e empreendimentos rurais

Publicado

A Secretaria da Agricultura, Abastecimento, Aquicultura e Pesca (Seag), em parceria com o Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas (Sebrae) está dando continuidade ao programa “Agrolegal” em 2021. A estruturação do projeto teve início no ano passado e tem como principal objetivo o aperfeiçoamento de políticas públicas que visem a impulsionar o desenvolvimento da agroindústria familiar e de empreendimentos rurais.

Segundo o coordenador de Agroindústria e Empreendedorismo Rural da Seag, Jackson Fernandes de Freitas, atualmente estão sendo desenvolvidas oficinas no formato on-line e consultorias para produtores e donos de empreendimentos, em parceria com o Sebrae-ES. À medida que participam das oficinas, os produtores passam a ter acesso às consultorias. O plano para os próximos meses é continuar com as oficinas e promover capacitações para municípios e produtores.

Outra ação a ser realizada nos próximos meses é a publicação de uma portaria com a definição dos critérios para a utilização da logomarca criada para os produtos da agroindústria familiar e produtores originais do Espírito Santo. 

O setor da agroindústria é essencial para promover inclusão social e produtiva às famílias rurais por meio da participação nas mais diversas etapas de produção. O principal foco da iniciativa é executar ações que estimulem o desenvolvimento das agroindústrias familiares e de pequeno porte e do empreendedorismo rural no Estado do Espírito Santo. São mais de 1.500 empreendimentos de agroindústria familiar em todo o Estado.

O projeto conta com quatro grandes eixos de atuação: 1) fortalecimento do serviço de inspeção municipal; 2) orientação técnica e qualificação dos agricultores, dos empreendimentos e dos servidores que prestam suporte; 3) ampliação de mercado para as agroindústrias; e 4) Fomento à inovação e outras atividades empreendedoras. As ações planejadas envolvidas nesses quatro eixos vão desde a realização de capacitações e articulação de espaços para comercialização até o apoio a projetos de pesquisa, por exemplo.

Texto: Camila Borges

Leia mais:  Cadeia produtiva da indústria têxtil, de confecções e calçados tem recursos com o Bandes
Continue lendo

São Mateus

Política e Governo

Segurança

Camisa 10

Mais Lidas da Semana