conecte-se conosco


São Mateus

Governo de coalizão em São Mateus

Publicado

Considerando a gravíssima e descontrolada crise política, social, econômica e administrativa que está vitimando o Município de São Mateus, no Norte do Estado do Espírito Santo;

Considerando que a gravidade da supracitada crise vem sendo, há quase quatro anos, patrocinada pelo presidente do Tribunal Regional Eleitoral/ES e pelo Tribunal Superior Eleitoral/TSE, em Brasília;

Considerando que este processo de instabilidade administrativa, social, econômica e política foi, recentemente, agravando por uma reportagem veiculada pelo jornalismo da TV GLOBO de ”maior autofinanciamento eleitoral de campanha do Brasil, em espécie, feito pelo candidato à reeleição à Prefeitura de São Mateus, ES, Daniel Santana, no valor de 150 mil reais”, além das notícias de outros aportes financeiros para a sua campanha, no montante de 100 mil reais cada, realizados por contribuintes sem lastro comprobatório;

Considerando que a enorme desigualdade financeira e estrutural da campanha do candidato à reeleição, em relação aos demais concorrentes, é desonesta, antidemocrática e desfavorável à escolha livre e soberana do processo eleitoral;

Considerando que as notícias de possíveis irregularidades praticadas pelo atual chefe do Executivo Municipal, candidato à reeleição, denunciadas pelo vereador Carlos Alberto Alves, de ”gastos exorbitantes com a contratação de shows, trios elétricos e estrutura para a realização de festas”, criaram uma disputa eleitoral, desproporcional, desonesta e desigual;

Considerando que as inúmeras denúncias feitas na Câmara de Vereadores de São Mateus, de possíveis crimes eleitorais de ”compra de votos em troca de 30 mil cestas básicas da Educação e ou adquiridas com recursos da União Federal para o combate a pandemia”, precisam ser apuradas com urgência e rigor, e que os responsáveis possam ser punidos;

Considerando que o clima de perseguição, ameaça aos servidores públicos e ou a quem discorda do candidato à reeleição ao mandato de prefeito municipal de São Mateus criou uma enorme instabilidade política e emocional com consequências imprevisíveis;

Considerando que a gravidade da situação social, econômica e administrativa também é em decorrência da omissão do Governo do Estado do Espírito Santo, do Tribunal de Contas, do Ministério Público Estadual e demais órgãos de controle e fiscalização do processo eleitoral vigente;

Considerando, finalmente, que fizemos todos os esforços para cobrar das autoridades a apuração dessas possíveis irregularidades e, sobretudo, pela REALIZAÇÃO DE ELEIÇÕES LIMPAS, além da construção de uma unidade política capaz de promover uma pacífica e civilizada alternância do poder.

Assim, como cidadão preocupado com a possibilidade do CRIME TOMAR A CIDADE DE SÃO MATEUS e EXIGIR RESGATE de suas instituições, clubes de serviços, escolas, associação de moradores, igrejas, postos médicos, estabelecimentos comerciais e sociais, além das famílias e dos cidadãos comuns – QUE SERÃO OBRIGADOS A PAGAR AO CRIME PARA EXERCER AS SUAS ATIVIDADES E OU TER O LIVRE DIREITO DE IR E VIR -,

PROPONHO:

UM GOVERNO DE COALIZÃO – COMO O PRATICADO NAS MAIORES DEMOCRACIAS DO MUNDO – PARA QUE POSSAMOS REUNIR AS FORÇAS POLÍTICAS DO MUNICÍPIO E POSSIBILITAR QUE APENAS UM CANDIDATO, COM REAL POSSIBILIDADE DE VENCER, POSSA DISPUTAR O PLEITO PARA ENFRETAR AS DESIGUALDADES FINANCEIRAS E AS CONDIÇÕES ADVERSAS QUE FAVORECEM APENAS AO CANDIDATO À REELEIÇÃO.

Como tal, na condição de intelectual comprometido com o campo democrático, FAÇO ESTE VEEMENTE APELO AOS CANDIDATOS DE OPOSIÇÃO – recorrendo aos imprescindíveis sentimentos de AMOR À NOSSA TERRA – para que possamos compor um GOVERNO DE COALIZÃO PARA SALVAR A CIDADE E O MUNICÍPIO DE SÃO MATEUS.

São Mateus, 7 de novembro de 2020.

Maciel de Aguiar
Escritor

Leia mais:  Entrevista - MACIEL DE AGUIAR
publicidade

São Mateus

São Mateus segue em risco alto pelo Mapa de Risco Covid-19

Publicado

O Governo do Estado anunciou, nesta sexta-feira (15), o 40º Mapa de Risco Covid-19, que terá vigência entre a próxima segunda-feira (18) e o domingo (24). Dos 78 municípios capixabas, 18 estão classificados em Risco Baixo e 52 estão em Risco Moderado. Oito municípios (Anchieta, Apiacá, Bom Jesus do Norte, Conceição do Castelo, Guaçuí, Iúna, Mimoso do Sul e São Mateus) estão classificados como Risco Alto.

A Matriz de Risco de Convivência considera no eixo de ameaça: o coeficiente de casos ativos por município dos últimos 28 dias, além da quantidade de testes realizados por grupo de mil habitantes e a média móvel de óbitos dos últimos 14 dias. Já o eixo de vulnerabilidade considera a taxa de ocupação de leitos potenciais de UTI exclusivos para tratamento da Covid-19, isto é, a disponibilidade máxima de leitos para tratamento da doença. A estratégia de mapeamento de risco teve início no dia 20 de abril.

O Mapa de Risco segue as orientações dos boletins epidemiológicos do Ministério da Saúde e recomendações da equipe de especialistas do Centro de Comando e Controle (CCC) Covid-19 no Espírito Santo, que é composto pelo Corpo de Bombeiros Militar, Defesa Civil, Secretaria da Saúde (Sesa), Instituto Jones dos Santos Neves (IJSN), da Universidade Federal do Espírito Santo (Ufes) e do Instituto Federal do Espírito Santo (Ifes). As decisões adotadas pelo Governo do Estado seguem parâmetros técnicos.

Confira a classificação de todos os municípios capixabas:

RISCO ALTO: Anchieta, Apiacá, Bom Jesus do Norte, Conceição do Castelo, Guaçuí, Iúna, Mimoso do Sul e São Mateus.

RISCO MODERADO: Afonso Cláudio, Águia Branca, Alegre, Alfredo Chaves, Aracruz, Atílio Vivácqua, Baixo Guandu, Barra de São Francisco, Boa Esperança, Brejetuba, Cachoeiro de Itapemirim, Cariacica, Colatina, Conceição da Barra, Divino de São Lourenço, Domingos Martins, Fundão, Governador Lindenberg, Guarapari, Ibatiba, Ibiraçu, Ibitirama, Iconha, Jaguaré, Jerônimo Monteiro, João Neiva, Linhares, Mantenópolis, Marataízes, Marilândia, Montanha, Mucurici, Muniz Freire, Pancas, Pinheiros, Piúma, Ponto Belo, Presidente Kennedy, Rio Bananal, Santa Leopoldina, Santa Teresa, São Domingos do Norte, São José do Calçado, São Roque do Canaã, Serra, Sooretama, Vargem Alta, Venda Nova do Imigrante, Viana, Vila Valério, Vila Velha e Vitória.

RISCO BAIXO: Água Doce do Norte, Alto Rio Novo, Castelo, Dores do Rio Preto, Ecoporanga, Irupi, Itaguaçu, Itapemirim, Itarana, Laranja da Terra, Marechal Floriano, Muqui, Nova Venécia, Pedro Canário, Rio Novo do Sul, Santa Maria de Jetibá, São Gabriel da Palha e Vila Pavão.

Leia mais:  Petrocity quer iniciar obras no 1º trimestre de 2020 e operação até o final de 2023
Continue lendo

Rumos da Política

PSL: da oposição a adesão mais rápida do que se previa

Publicado

O partido foi oposição até tinha candidato ao cargo majoritário, mas aderiu ao prefeito Daniel assim que foi definido o resultado eleitoral.

Por Paulo Borges

Uma raridade no Brasil é partido político ter como diretrizes o que prega o seu estatuto e sua atuação programática. O caso do PSL de São Mateus ilustra bem essa situação, uma vez que foi oposição ao PSDB durante a campanha eleitoral e, ao consolidar os resultados eleitorais de vereador e prefeito aderiu numa operação chamada nos bastidores de “Vapt-Vupt” ao prefeito reeleito Daniel Santana. E o PSL tinha até candidato a prefeito que, nos debates e discursos batia sem dó no adversário, hoje seu mais novo aliado.

Para observadores e entendedores da política local, o PSL fez o que quase todos fazem: se deixam encantar “pelos lindos olhos do adversário que tem a caneta e a mala” para cooptá-los. No caso específico do PSL de São Mateus foi com um cargo de primeiro escalão no governo do PSDB. O seu presidente, Delcimar Oliveira, garante que foi indicação do seu vereador eleito, Isael, como forma de fechar o acordo de adesão, certamente.

Mas sobre esse assunto de adesão e alinhamento com o prefeito, foi muito comentado por aqueles que estavam fora da geopolítica do governo estadual, que “colocou” candidaturas para se garantir no resultado, isolando aqueles que não estavam no seu esquema. Era o que se dizia pelos guetos mateenses. Uma fonte “importantíssima” afirmou ao JN que o acordo do apoio ao prefeito Daniel antecede ao resultado do acordo celebrado recentemente. Essa fonte disse que já havia acontecido uma conversa “entre o presidente do PSL com Daniel dentro do seu carro” e que o candidato Laurinho Barbosa seria mantido para fragmentar a oposição como previa o “esquemão” em nível estadual intitulado de geopolítica eleitoral.

O PSL em nível nacional é oposição ao antigo regime, principalmente ao PT e PSDB. No Espírito Santo era assim, mas caiu nas mãos de aliados da esquerda e mudou de rumo, atuando como adepto de onde pode lhe oferecer um espaço político, pouco se importando com o seu programa e seu conteúdo programático.

Portanto, em São Mateus não aconteceu nenhuma novidade, pois a política local sempre foi recheada de interesses pessoais e até daqueles que não se confessa nem ao padre, escondido por detrás dos confessionários da política e da politicagem.

A confessar e afirmar é que o PSL de São Mateus está no governo do PSDB, a quem combateu intensamente durante todo o período eleitoral. Certamente o seu eleitor tem o direito de se sentir enganado. A desculpa que sempre vão dar é que “estamos pensando no progresso do município”. Então tudo o que foi dito e redito nesses últimos quatro anos foi conversa de bêbado? Sou obrigado a reconhecer que o prefeito Daniel é um cara inteligente e audacioso, pois conseguiu superar a tudo e a todos e ainda levou no balaio alguns ex-opositores. Parabéns Daniel, você é sensacional!!!

Leia mais:  São Mateus vence o Atlético Itapemirim e é vice-líder do Campeonato Capixaba 2020
Continue lendo

São Mateus

Política e Governo

Segurança

Camisa 10

Mais Lidas da Semana