conecte-se conosco


Mundo Cristão

Hebraísta explica como a Páscoa foi contaminada por paganismo e profanação

Publicado

A Páscoa deveria ser a principal festa do cristianismo, já que celebra a vida e a morte de Jesus. “Ele mandou celebrar sua morte, não seu aniversário”, disse

Por ocasião da chegada da Páscoa, muitos estão preocupados com o alto preço dos ovos de chocolate, as escolas estão contratando pessoas fantasiadas de ‘coelhinho’ e muitos ingredientes estão sendo comprados para o almoço de domingo.

Porém, segundo a Bíblia, esse movimento não está de acordo com as especificações dadas por Deus para a comemoração dessa festa. Para falar sobre isso, o hebraísta Getúlio Cidade e autor do livro “A Oliveira Natural” deu uma entrevista.

Ele explica que a festa da Páscoa, segundo as Escrituras, é um tempo de celebração à liberdade e acontece no mês de Nisan, mês do nascimento de Isaque, filho de Abraão. Segundo a tradição judaica, ele foi amarrado como oferta sobre o altar no mesmo mês. 

Importância do mês de Nisan

O mês de Nisan também marca outros eventos importantes para Israel, como a liberação do decreto de Artaxerxes para que Jerusalém fosse reedificada sob a liderança de Neemias, após décadas de abandono. 

“A inauguração do tabernáculo no deserto também aconteceu no mês de Nisan, quando Arão começou a servir como sumo sacerdote e, pela primeira vez, desceu fogo do céu”, conforme o hebraísta em seu artigo “A Páscoa e o tempo de nossa liberdade”, publicado no site “A Oliveira Natural”. 

O dia 10 de Nisan, em especial, ficou conhecido como o dia em que o povo de Israel atravessou o rio Jordão para tomar posse da Terra Prometida, depois de 40 anos de peregrinação. 

E, cerca de 1.300 anos depois,  também no dia 10 de Nisan, Jesus fez sua entrada triunfal dentro dos muros de Jerusalém, cumprindo a profecia de Zacarias 9.9, conforme especifica o hebraísta. 

Mas, de todas as datas importantes do mês de Nisan, nenhuma delas é tão conhecida como a Páscoa.

Calendário de Deus

No período de 7 dias, entre 15 a 21 de Nisan, em Israel, são comemoradas três festas, simultaneamente — Páscoa (Pesach), Pães Asmos (Hag HaMatzot) e Primícias (Hag Bikkurim).

Dia 15 a 21 de Nisan / Páscoa — Para os judeus, a Páscoa é uma festa que dura 7 dias para a comemoração da liberdade. Na época, essa liberdade aconteceu após a retirada do povo judeu do Egito. 

Dias 15 a 21 de Nisan / Pães Asmos — É uma festa comemorada em conjunto com a Páscoa e se resume em preparar os pães sem nenhum fermento. Simbolicamente, o fermento é o pecado do homem, ou seja, toda maldade que contamina o coração. Comer o pão sem fermento, durante as comemorações da Páscoa, simbolizava seguir uma vida de pureza e santidade.

Dia 17 de Nisan / Festa das Primícias — No primeiro dia da semana, era quando o sacerdote apresentava a oferta movida a Deus, com as primícias da colheita do povo. Foi justamente nesse dia que Jesus ressuscitou, tornando-se primícia entre os que dormem.

Leia mais:  Escola faz alerta aos pais sobre a série “Round 6” e tem apoio de pediatras

As três festas estão conectadas diretamente ao Messias e à sua primeira vinda para salvar a humanidade de seus pecados. Elas eram observadas normalmente pela Igreja no século I, antes de ser absorvida pelo Império Romano, quando muito paganismo se mesclou à fé cristã. 

Páscoa: diferença da celebração entre judeus e cristãos

Embora a festa seja a mesma, Getúlio explica que na cultura judaica ela se limita a comemorar a libertação do povo de Israel do Egito. Somente 1.300 anos depois foi que Jesus morreu na cruz e ressuscitou para se revelar como Messias. 

“O livro de Êxodo conta toda a história de como foi estabelecida a Páscoa e que ela deveria estar em estatuto perpétuo. No dia 14 de Nisan aconteceu a preparação e no dia 15 aconteceu a saída do Egito. O povo levou 7 dias para chegar até o Mar Vermelho e é por isso que a festa tem essa duração”, explicou. 

“Para nós, cristãos, essa festa tem um significado muito profundo. A simbologia é ampla e perfeita — Jesus é o cordeiro ferido e morto para salvar a humanidade e o Egito é o mundo em que vivemos”, compartilhou.

“O pecado, simbolizado pelo fermento, é uma forma de escravidão que nos prende ao mundo. Faraó simboliza satanás que insiste em escravizar a alma das pessoas. As águas do Mar Vermelho representam a nossa passagem da morte para a vida”, continuou.

Ovo de Páscoa, coelho e profanação

De acordo com o hebraísta, até a data da Páscoa foi desvinculada do cenário bíblico. “Hoje em dia, uma coisa não tem nada a ver com a outra. Outros elementos que entraram para a celebração da Páscoa são resultado do paganismo e da profanação”, disse.

Ele também explica que a data 14 de Nisan é fixa, então em cada ano ela cai num dia diferente do calendário. Por esse motivo, não faz sentido falar em “sexta-feira santa”, por exemplo. 

“A profanação vem da Babilônia, onde havia a deusa da fertilidade, também conhecida como Ishtar, rainha dos céus ou Astarote, entre outros nomes, mas a entidade era a mesma”, especificou.

Segundo Getúlio, na crença popular da época, essa deusa havia descido do céu através de um enorme ovo e havia celebrações feitas a ela. Como a Páscoa teve sua data alterada, as duas festas se misturaram e os costumes também. 

“Era costume durante as celebrações babilônicas, a distribuição dos ovos de Ishtar. Além disso, havia uma representação através do coelho que simbolizava a fertilidade”, associou.

A ligação do coelho, nesse caso, não é associada ao ovo, pois os coelhos são mamíferos. Mas, como Ishtar era considerada a ‘deusa da fertilidade’, o coelho servia de representação graças à sua intensa prática reprodutiva. 

Leia mais:  TVE e Rádio Espírito Santo transmitem missas da Festa da Penha 2020

“A profanação foi praticamente imediata e, durante as festas da primavera, passou a ser comemorada a festa de Ishtar e a festa da Páscoa. O problema é que as pessoas não diferenciam as coisas pagãs das coisas sagradas”, disse ainda. 

“Cristãos deveriam observar o calendário bíblico”

Para o hebraísta, os cristãos deveriam focar mais nas datas bíblicas para as festas que Deus instituiu. “O dia 14 de Nisan é tão importante para Deus, que Jesus foi crucificado nesse mesmo dia e no mesmo horário dos sacrifícios no Templo, 1.300 anos depois”, apontou. 

Durante os 13 séculos, ano após ano, conforme especifica Getúlio, o sacrifício de cordeiros era feito até chegar o grande dia de sacrificar o Cordeiro de Deus — Jesus Cristo.

“Então, essa festa deveria ser a mais importante para os cristãos. Deveríamos honrar o sacrifício do Senhor em 14 de Nisan e não a tal da sexta-feira santa”, observou. 

hebraísta sugere o “Seder” ou uma refeição em família, como a que Jesus fez ao se assentar com os discípulos para comer os pães asmos, ervas amargas e tomar os cálices com vinho. 

“Não na igreja ou nas sinagogas, mas nas próprias casas, convidando amigos e vizinhos para celebrar a vida e a morte de Jesus por nós, porque ele mandou celebrar sua morte. Em nenhum momento, as Escrituras mandam celebrar seu aniversário”, alertou. 

A Páscoa e os quatro cálices do Seder

Durante o Seder — uma refeição bastante demorada, pois os judeus contam toda a história do Êxodo — o hebraísta explica que eles bebem quatro cálices de vinho, que simbolizam as quatro promessas que estão em Êxodo, capítulo 6.6-7.

“O primeiro cálice, bebido logo no início do Sedar, é o cálice da santificação. Ele simboliza a promessa que Deus fez de livrar Israel das cargas dos egípcios”, disse.

“O segundo faz referência ao livramento do povo de Israel e, ao mesmo tempo, ao juízo sobre o povo egípcio. É um cálice tomado não com muita alegria, pois Deus não se alegra da destruição e nem da morte do ímpio”, continua.

“O terceiro é o mais importante de todos para nós, já que simboliza a redenção. Foi quando Jesus instituiu a Ceia do Senhor, pois era o cálice da salvação. E o quarto cálice simboliza o louvor e está associado ao Salmo messiânico 118, que foi cantado pelo próprio Jesus”, disse ainda.

“A Páscoa é, talvez, a principal festa bíblica e a nossa melhor oportunidade de compreender nossas raízes judaicas, que estão em Israel. Desejo que nessa Páscoa, o Messias se revele, que as pessoas busquem a santidade de Deus. O Cordeiro de Deus está entre nós e deve ser celebrado”, concluiu.

publicidade

Mundo Cristão

Renomado cientista admite que a ciência não preenche “o vazio em nosso coração”

Publicado

Para quem se dedica a conhecer um pouco do mundo científico atual, não é mais novidade o fato de que a ciência, por si mesma, não traz respostas aos maiores dilemas da vida humana. Essa realidade também foi constatada pelo renomado cientista aeroespacial romeno, Dragos Bratasanu.

O “Dr. Dragos”, como é mais conhecido, já foi nomeado para o prêmio MIT Innovators Under 35 como uma das “mentes mais brilhantes da Europa”. O seu sucesso no mundo científico, contudo, não foi suficiente para preencher “o vazio” em sua vida.

Mesmo sendo um destaque na National Geografic por sua pesquisa junto à NASA (Administração Nacional da Aeronáutica e Espaço), o cientista se viu mergulhado em uma depressão que lhe fez rever todos os seus conceitos sobre o sentido da vida.

“A dor era tão intensa que peguei meu travesseiro e clamei a Deus do fundo do meu coração: Se você é real, eu preciso de você agora”, disse ele em uma entrevista à CBN News.

Leia mais:  Escola faz alerta aos pais sobre a série “Round 6” e tem apoio de pediatras

Busca por sentido

A necessidade de sentido em sua vida, fez com que o Dr. Dragos buscasse respostas em várias crenças religiosas. Ele ainda não tinha noção de que a fé em Jesus Cristo não é mais “uma” entre muitas, mas sim a revelação da própria verdade acerca de Deus.

Entre idas e vindas em religiões asiáticas e espíritas, ele só veio a ter os primeiros contatos com algo mais sólido do cristianismo quando leu um livro de Katheryn Kuhlman, uma pregadora cristã dos Estados Unidos, a qual faz uma série de relatos de milagres em sua obra.

“Você simplesmente não pode negar as evidências. Eu li que as piores e mais horríveis doenças foram curadas. E entendo que o papel da ciência não é definir o que é possível e o que não é possível, ou dizer o que podemos ou não fazer. O papel da ciência nada mais é do que observar, explicar e entender. É isso”, disse o cientista.

O Dr. Dragos, então, posteriormente foi chamado a entregar a sua vida para Cristo. Como um cientista acostumado a lidar com evidências, ele uniu o seu conhecimento empírico aos fatos ligados à fé, e acabou se convertendo ao Evangelho.

Leia mais:  Padre Patrick se declara após reunir multidão na Festa da Penha: "Gratidão

Com isso, a sua conclusão agora é de que “a ciência e a tecnologia transformaram nosso mundo de maneiras belas e surpreendentes, mas não são suficientes para preencher o vazio em nosso coração.”

“Precisamos sentir o fluir do Espírito de Deus dentro de nós para termos uma vida significativa e com propósito”, diz ele. “Quando você vai até Jesus com o coração aberto, não à igreja, não à religião, mas para uma dimensão mais profunda, sentindo o amor e o poder de Deus, então o céu se abre.”

Continue lendo

Mundo Cristão

Malafaia defende Magno Malta e critica ministros do STF

Publicado

Pastor desafiou os ministros do STF a moverem algum processo contra ele

O pastor Silas Malafaia, da Assembleia de Deus Vitória em Cristo (ADVEC), criticou os ministros Luís Roberto Barroso e Alexandre de Moraes, do Supremo Tribunal Federal (STF), devido ao processo movido contra o ex-senador Magno Malta.

Magno Malta acusou o ministro Barroso de bater em mulher durante um evento, o que levou a apresentação de uma queixa-crime na Corte contra o ex-senador, que afirmou ter provas de que o ministro do Supremo praticou o crime.

“Magno Malta quando era senador, no plenário do Senado, abriu a boca dizendo que para Barroso ser ministro do STF, o processo de acusação de que ele bateu em mulher foi arquivado em tempo recorde”, lembrou o pastor Silas Malafaia.

De acordo com Malafaia, naquela época Barroso não fez nada contra o então senador, mas agora o ministro decidiu ingressar contra ele no Supremo, mesmo que Malta não tenha foro privilegiado, o que demonstra desrespeito ao processo legal, na visão do pastor.

Leia mais:  Desempregada, cozinheira usa auxílio emergencial para abrir negócio: “Coisa de Deus”

“Barroso não moveu nada contra Magno Malta [naquela época]. Passaram-se anos [e] agora, numa palestra, Magno Malta repete a história”, disse.  “Sabe o que Barroso faz? [Ele] encaminha uma queixa-crime para o ditador-mor da toga, [ministro] Alexandre de Mores”, continuou.

O pastor questiona a ação, lembrando que o ministro deveria ter ingressado então na primeira instância. Malafaia disse que o processo é uma “aberração” e que Malta deveria denunciar os ministros a Comissão Interamericana de Direitos Humanos.

“Isso é uma aberração, isso é uma afronta. Se eu sou Magno malta, eu não respondia nada, eu entrava na Comissão Interamericana de Direitos Humanos e fazia uma denúncia. O devido processo legal jogado no lixo”, disse.

“Barroso, você é um cínico, cretino e covarde. Eu queria que alguém encaminhasse uma notícia contra mim pra ver se eu dava resposta. Ia ter que me prender pra ter uma balbúrdia nesse país pra esses caras caírem”, continuou.

Assista:

Continue lendo

São Mateus

Política e Governo

Segurança

Camisa 10

Mais Lidas da Semana