conecte-se conosco


Brasil

Heineken tira R$ 4,5 milhões do marketing do Rock in Rio para ajudar no combate à Covid-19

Publicado

Segundo a cervejaria, o dinheiro será usado para instalar quatro usinas de oxigênio e fornecer equipamentos para 40 hospitais filantrópicos

A Heineken vai tirar R$ 4,5 milhões do orçamento de marketing que seria direcionado ao Rock in Rio de 2021 para investir nos esforços de combate ao coronavírus. A ação vai ser feita em parceria com o BNDES, que promete colocar uma doação com o mesmo valor para a causa.

Segundo a cervejaria, o dinheiro será usado para instalar quatro usinas de oxigênio e fornecer equipamentos para 40 hospitais filantrópicos.

A participação do BNDES acontece por meio do projeto “Salvando Vidas”, em que o banco se compromete a dobrar valores destinados ao apoio à linha de frente do enfrentamento à Covid-19.

A nona edição do Rock in Rio aconteceria em setembro e outubro deste ano, mas foi adiada para 2022 por causa do agravamento da pandemia.

Leia mais:  Confira lista com as 10 cidades mais ricas e as 10 mais pobres do Brasil
publicidade

Brasil

Rio prevê liberar 50% do público em estádios e boates em 2 de setembro, com 4 dias de festa

Publicado

Planejamento leva em conta progressão da pandemia e da cobertura vacinal. Em caso de piora nos índices, calendário e medidas podem ser revistos. Especialistas criticam plano de celebrar a reabertura com eventos por toda a cidade

A Prefeitura do Rio anunciou, nesta quinta-feira (29), um plano gradual de flexibilização das medidas de restrição na cidade. Serão 3 etapas, de 2 de setembro até 15 de novembro.

O anúncio também incluiu a programação para o réveillon e o carnaval e uma celebração de quatro dias com diversos eventos pela cidade, entre 2 e 6 de setembro (leia detalhes abaixo) – medida criticada por especialistas (leia abaixo o que dizem).

A primeira etapa, que prevê a reabertura de estádios e boates com 50% do público, depende de 77% dos cariocas já terem recebido a primeira dose da vacina contra a Covid e 45%, a segunda dose.

Hoje, no Rio, há 3.727.738 pessoas vacinadas (73% da população adulta) com primeira dose, e 1.536.740 imunizados com as duas doses. A meta da prefeitura é ter, até o início de setembro, 4.751.823 vacinados com a primeira dose – 91% da população adulta. Até novembro, o objetivo é atingir 93% de imunizados com a primeira dose e 90%, com as duas doses.

Veja como será a liberação

Fase de reabertura no RIo — Foto: Reprodução

2 de setembro:

  • liberação de eventos em ambientes abertos;
  • estádios: 50% do público com vacinação completa;
  • boates, casas de shows e festas em áreas fechadas: 50% do público também vacinados com 1ª e segunda dose.

17 de outubro:

  • estádios: 100% do público com vacinação completa;
  • boates, casas de shows e festas em áreas fechadas: 100% do público com vacinação completa.

Os eventos terão checagem de situação vacinal das pessoas, com o aplicativo Connect SUS, do Ministério da Saúde, segundo o secretário de Saúde, Daniel Soranz. Quem não tiver sido vacinado, será barrado.

15 de novembro:

  • uso de máscara obrigatório só no transporte público e em unidades de saúde;
  • livre circulação, sem restrição de capacidade e distanciamento.

Lançamento com festa

Segundo o prefeito Eduardo Paes, a reabertura será acompanhada de uma celebração de quatro dias, entre 2 e 5 de setembro, em toda a cidade .

Paes disse que o planejamento é otimista e conservador ao mesmo tempo.

“Se houver necessidade, se o secretário de Saúde chegar para mim um dia e falar que não dá porque aumentou ou chegou uma nova variante, imediatamente a gente interrompe qualquer processo de abertura e pode impor novas medidas restritivas (…) Tudo indica, nesse momento, os dados, internações, óbitos, que a gente vive um momento melhor. Não é um momento ideal ainda, por isso as restrições continuam e a abertura é gradual”, disse.

Entre 2 e 5 de setembro, a prefeitura prevê:

  • fechamento de ruas para o trânsito;
  • eventos em pólos gastronômicos;
  • DJs em pontos da orla;
  • iluminações e projeções;
  • apresentações musicais;
  • ponto facultativo no dia 3 de setembro (sexta-feira);
  • manifestações culturais e artísticas em centenas de pontos com priorização de artistas locais;
  • meia entrada nos principais pontos turísticos da cidade;
  • mapping e orquestra nos Arcos da Lapa;
  • programação especial nas cidades das Artes e do Samba;
  • atividades em todas as vilas olímpicas da cidade;
  • meditação, tai chi chuan e ioga em praças e parques;
  • Taça Renasce Rio: partida comemorativa (“de preferência no Maracanã”, diz Paes) com 50% do público;
  • campeonato de futebol solidário em comunidades;
  • Jogos de Botequim.

O que dizem especialistas

Para Roberto Medronho, infectologista e epidemiologista da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ), liberar estádios para 100% a partir de outubro é “muito complicado”.

“Eu pessoalmente sou contra o plano apresentado. Esse plano sequer foi discutido e aprovado no Comitê Científico, criado pela prefeitura, de altíssimo nível, com pessoas de alto gabarito e que deveriam ter sido ouvidos para referendar ou não esse plano.”

A pneumologista Margareth Dalcomo, da Fiocruz, diz que entende a intenção da prefeitura, mas vê com preocupação as medidas:

“A intenção da prefeitura é a melhor possível no sentido de trazer um pouco de alegria no momento em que passou um ano e meio de muito luta, perda, tristeza, um impacto sobre toda a população, entendo que do ponto de vista de agregar, de fazer algo coletivo agradável sem duvida nenhuma. Alerto que isso tudo tem um risco, um risco que é razoavelmente calculado e um risco que é fora de controle, sem duvida nenhuma.”

“Eu não sou contra a prefeitura fazer atividade ao ar livre, como uma orquestra nos Arcos da Lapa, quero apenas alertar que ir a um sanitário, por exemplo, num local como esse, continua a ter os mesmos riscos, então, os cuidados que todas as pessoas que terão que tomar serão os mesmos que temos alertado esse tempo todo”, opina Dalcomo.

A especialista lembrou que a variante delta da Covid já está circulando mas, embora tenha melhorado o ritmo de vacinação, a dinâmica de imunização ainda está longe de uma situação de cobertura (vacinal), que ela afirma ser de 80% da população vacinada.

“Seria aquele [percentual] que eu, particularmente, consideraria confortável para que procedêssemos a algumas aberturas”, opinou Dalcomo.

‘Maior réveillon da história’, diz Paes

Show de cores e imagens durou 14 minutos no último réveillon com público na Praia de Copacabana (Arquivo) — Foto: Felipe Grandim/G1 Rio

O prefeito disse ainda que o réveillon será o “maior da história da cidade” e que o carnaval, se tudo caminhar como o previsto, será realizado.

Paes disse que semana que vem a prefeitura divulga o caderno de encargos da festa de Ano Novo e lembrou que a cessão do Sambódromo foi assinada.

“Já estamos quase fechando os detalhes do apoio e do patrocínio que a prefeitura fará para as escolas de samba. Há uma cláusula que diz: ‘Olha, caso não aconteça, na data programada, as escolas terão a obrigação de fazer numa data programada pela prefeitura’. Mas nós estamos programando diante dos dados – aí, desculpe, são os epidemiologistas que podem nos dizer – que a gente vai ter, sim, réveillon e carnaval.”

Projeto de liberação do Rio de Novo

Rio anuncia etapas do plano de flexibilização — Foto: Reprodução

O anúncio é considerado um “plano de voo” das atividades que vão ser liberadas até o fim do ano, conforme o avanço da vacinação.

O prefeito explicou que pretende vacinar adultos com a primeira dose até o dia 18 de agosto. E, assim como projetou um calendário de vacinação, decidiu anunciar um calendário para o carioca “poder ter de novo uma vida normal”. O plano foi denominado Rio De Novo.

“Nosso desejo é que o Rio seja a cidade do mundo inteiro que celebre o reencontro da vida com ela mesma.”

Pré requisito para redução de restrições:

  • Cenário epidemiológico favorável
  • Continuidade da chegada de vacinas
  • Manutenção da vacinação dos cariocas
  • Alta cobertura vacinal completa acima de 60 anos

A realização do plano anunciado nesta quinta vai depender da concretização do calendário de vacinação, que pretende imunizar todos adultos, com a primeira dose, até agosto.

Na véspera, o prefeito Eduardo Paes (PSD) admitiu que tentou pressionar Brasília, quando divulgou o calendário de vacinação com base na estimativa de entrega das vacinas do governo federal.

“Outro dia me disseram que eu não deveria ter divulgado o calendário sem ter a certeza que o ministério (da Saúde) iria enviar as vacinas. Falei que temos que divulgar o calendário para que, caso atrase, a gente tenha pressão popular e, dessa forma, a vacina chegue logo.”

Rock in Rio e feriado

O período de um ano de celebrações termina em 2 de setembro, exatamente quando começa o Rock in Rio 2022 – a edição de 2021 foi adiada devido à Covid.

Paes anunciou nesta quinta que pretende que a abertura do evento, em 2 de setembro de 2022, seja transformada em feriado na cidade – a pauta depende de aprovação da Câmara Municipal. A data seria chamada de Dia do Reencontro.

A organização do festival promete divulgar, nas próximas semanas, novidades e nomes de bandas e artistas confirmados.

Flamengo pede volta de público aos estádios

Paes também comentou a polêmica sobre o pedido do Flamengo para ter público de volta em estádios:

“Em relação ao jogo do Flamengo, o Flamengo fez uma proposta específica, ela está sendo analisada hoje pela Secretaria Municipal de Saúde. A proposta chegou só ontem, ela não teve uma reposta até ontem porque ninguém tinha pedido, não é porque eu sou vascaíno”, disse Paes, antes de perguntar o time do secretário Daniel Soranz, que é flamenguista.

Leia mais:  Empoderamento feminino é realidade nos ambientes fabris da Suzano

Continue lendo

Brasil

Chuva de meteoros será visível em todo o Brasil nesta madrugada

Publicado

Delta Aquariidis deixará de 20 a 30 rastros luminosos cruzando o céu a cada hora durante o pico do fenômeno

Pessoas em todas as partes do Brasil poderão observar a chuva de meteoros Delta Aquariidis, também conhecida de Delta Aquáridas, que terá o pico na madrugada de quinta (29) para sexta-feira (30). Nas condições ideais, será possível enxergar de 20 a 30 meteoros por hora cruzando o céu.

Para fazer uma boa observação, o astrônomo Marcelo De Cicco, coordenador do projeto de detecção de meteoros Exoss, ligado ao Observatório Nacional, orienta que é  importante estar em um lugar afastado das luzes da cidade, como um sítio ou uma chácara. O brilho da Lua, que está visível no céu nesta semana, pode atrapalhar um pouco, mas não impedirá a visualização do fenômeno.

“A Lua está em fase cheia e sua luminosidade deve ofuscar um pouco o brilho dos meteoros. Ainda assim, trata-se de uma chuva relativamente intensa e com meteoros bem brilhantes”, afirma.

A chuva de meteoros tem esse nome pois tem como radiante a Constelação de Aquário, localizada na mesma direção que a estrela Delta Aquarii. Isso significa que todos os meteoros parecerão se originar desse ponto no céu aos olhos do observador, mas trata-se meramente de um efeito de perspectiva.

Segundo De Cicco, não há um horário específico que seja melhor para contemplar o fenômeno, mas é preciso esperar até, pelo menos meia-noite, quando a constelação de Aquário estará mais alta no céu.

Ele explica que não se deve fixar a visão só nesse ponto específico, mas observar o céu em todas as direções — de preferência reclinado em uma cadeira de praia ou algo do tipo, de modo a ter o maior campo de visão possível.

O que é um meteoro?

Popularmente conhecido como “estrela cadente”, um meteoro é um fenômeno que caracteriza a passagem de um meteoroide pela atmosfera terrestre, provocando um rastro brilhante no céu e, eventualmente, sons. Meteoroides, por sua vez, são fragmentos de cometas ou asteroides, que se desprendem desses corpos celestes e ficam vagando pelo espaço, em órbitas em torno do Sol.

De acordo com o astrônomo, a Delta Aquariidis é proveniente de rastros deixados pelo cometa 96P/Machholz, descoberto pelo norte-americano Donald Machholz em 12 de maio de 1986. Na realidade, ainda espera-se uma validação sobre a origem do fenômeno, mas, à medida que os estudos avançam, acredita-se que esta é a possibilidade mais concreta.

“Uma característica interessante desse cometa é que ele tem período orbital muito curto, de apenas 5,3 anos. Sua próxima passagem ‘perto’ da Terra, em termos astronômicos, será em 2023”, diz.

Leia mais:  Espírito Santo atinge saldo de mais de 50 mil empregos desde lançamento do Plano ES
Continue lendo

São Mateus

Política e Governo

Segurança

Camisa 10

Mais Lidas da Semana