conecte-se conosco


Medicina e Saúde

Hemoes inicia pesquisa do uso de plasma para pacientes com Covid-19

Publicado

O Hemocentro do Espírito Santo (Hemoes) está fazendo uma pesquisa para tratamento do novo Coronavírus (Covid-19)  utilizando o plasma do sangue de pessoas que tiveram a doença em pacientes infectados. É uma forma de descobrir se anticorpos criados em quem já teve a Covid-19 pode ajudar outras pessoas a se recuperarem mais rapidamente da doença. O plasma é a parte líquida do sangue, formado por substâncias como potássio, cálcio, magnésio, proteínas, vitaminas, hormônios, entre outros, e corresponde a mais da metade do volume sanguíneo. 

Com a autorização para realizar a pesquisa após inscrição do projeto na Plataforma Brasil e a submissão da avaliação ao Comitê de Ética em Pesquisa Nacional, ao Comitê de Ética em Pesquisa Local e ao Instituto Capixaba de Ensino, Pesquisa e Inovação em Saúde (ICEPi), o Hemoes já conta com 20 doações de voluntários. Inicialmente, a pesquisa pretende comparar o resultado de 50 pacientes que serão submetidos ao plasma com outros 50 sem a transfusão, que será realizada no Hospital Estadual Dr. Jayme Santos Neves, na Serra, no início do mês de julho. 

“O uso de plasma convalescente já foi utilizado em outras pandemias, como a de influenza, por exemplo, sempre com uma resposta favorável. O paciente precisa estar numa fase inicial de gravidade, ainda tendo o organismo capacidade de responder imunologicamente à doença. É preciso também ter a compatibilidade sanguínea e o indivíduo não pode ter nenhuma história de reação adversa a alguma transfusão de sangue anterior. No momento, realizamos a busca ativa desses doadores, no futuro, caso tenhamos uma grande demanda para a produção do plasma, abriremos para o público”, disse a diretora técnica do Hemoes, Rachel Lacourt. 

Ainda segundo a médica, o doador tem que ter tido a doença comprovadamente e no momento da doação são feitos exames para ter certeza que não possui mais doença ativa e que tem em seu plasma a presença de anticorpos. O Hemoes realiza a busca ativa pelos doadores voluntários, tendo a resposta positiva, eles são convocados a irem ao Hemocentro para realizar os procedimentos. 

Rachel Lacourt ressalta também que, como em todo projeto de pesquisa, o que vai definir a continuidade ou a suspensão do projeto é o monitoramento diário da evolução clínica dos doentes. “Se os resultados forem expressivamente melhores para quem usa plasma do que para quem não usa, será possível fazer o plasma para todos. Caso se mostre não favorável à melhora do indivíduo ou até prejudicial, imediatamente será suspenso”, pontuou a diretora técnica. 

O equipamento utilizado para captação do plasma é o de Aférese, que por meio dele é possível fazer uma coleta seletiva apenas do plasma do doador. “Esse equipamento tem a capacidade de fazer uma filtração do que desejamos extrair e tudo é feito com segurança para o doador. O plasma convalescente é rico em anticorpos e pode melhorar a resposta imunológica do indivíduo e assim diminuir a evolução grave da doença, bem como o tempo de internação, de uso da ventilação mecânica e da taxa de letalidade”, observou a médica.

Leia mais:  Sem urinar direito, idoso retira mais de 100 pedras da bexiga
publicidade

Medicina e Saúde

Covid-19: Antiviral espanhol reduz 99% da carga viral, diz estudo

Publicado

Segundo pesquisadores, a plitidepsina é o remédio mais potente descoberto até agora; estudo foi publicado na revista Science

Um medicamento antiviral (plitidepsina) produzido pela empresa espanhola PharmaMar e testado em laboratórios de França e Estados Unidos demonstrou causar uma redução de 99% da carga viral do Sars-CoV-2, coronavírus causador da covid-19.

Os experimentos “in vitro” e “in vivo” já realizados em modelos animais com este medicamento, usaado como antitumoral, apresentaram uma eficácia antiviral e um perfil de toxicidade promissores, informou nesta terça-feira (27) a empresa espanhola após a publicação dos resultados na revista Science.

Os autores concluíram que a “plitidepsina” é, “de longe”, o composto mais potente descoberto até agora e sugeriram, portanto, que deveria ser testado em ensaios clínicos ampliados para o tratamento da covid-19.

O trabalho é o resultado de uma colaboração entre a PharmaMar e os laboratórios dos pesquisadores Kris White, Adolfo García-Sastre e Thomas Zwaka, nos Departamentos de Microbiologia e Biologia Celular, Regenerativa e de Desenvolvimento da Escola de Medicina Icahn do Monte Sinai, em Nova York; Kevan Shokat e Nevan Krogan, do Instituto de Biociências Quantitativas da Universidade da Califórnia, em San Francisco; e Marco Vignuzzi, do Instituto Pasteur, em Paris.

Os autores determinaram que “a atividade antiviral da plitidepsina contra o Sars-CoV-2 ocorre através da inibição de um alvo conhecido (eEF1A)” e asseguraram que este medicamento demonstrou “in vitro” uma forte potência antiviral, em comparação com outros antivirais contra o vírus em questão, e também com uma toxicidade limitada.

Em dois modelos animais diferentes de infeção pelo coronavírus, o ensaio demonstrou uma redução na replicação viral, e comprovou uma diminuição de 99% nas cargas virais nos pulmões dos animais tratados com plitidepsina.

Os pesquisadores observam na publicação que, embora a toxicidade seja uma preocupação com qualquer antiviral que vise uma proteína de célula humana, o perfil de segurança da plitidepsina está bem estabelecido em humanos e as doses bem toleradas deste medicamento utilizado no ensaio clínico contra a covid-19 são ainda mais baixas do que as utilizadas nesses experimentos.

A publicação conclui que a plitidepsina atua bloqueando a proteína (eEF1A), que está presente em células humanas, e que é utilizada pelo Sars-CoV-2 para reproduzir e infectar outras células. Este mecanismo culmina em uma eficácia antiviral também “in vivo”.

“Acreditamos que os nossos dados e os resultados positivos iniciais do ensaio clínico da PharmaMar sugerem que a plitidepsina deve ser seriamente considerada para ensaios clínicos ampliados para o tratamento da covid-19”, destacam os pesquisadores.

A empresa recorda, na mesma nota divulgada nesta terça-feira, que diante da contínua propagação global da doença e do crescente desespero para encontrar um tratamento, o diretor do Instituto Quantitativo de Biociências da Universidade da Califórnia, Nevan Krogan, uniu forças com pesquisadores da Universidade da Califórnia, do Instituto Gladstone, da Escola de Medicina Icahn do Monte Sinai, do Instituto Pasteur e do Instituto Médico Howard Hughes, para a busca de um tratamento.

No momento, a PharmaMar negocia com vários órgãos reguladores para iniciar os ensaios previstos para a fase 3.

Leia mais:  Pesquisadoras descobrem que ômega 3 é eficaz contra zika vírus
Continue lendo

Medicina e Saúde

Vacina contra a Covid-19 é aplicada em mais de 20 mil pessoas no Estado

Publicado

Até às 15h desta terça-feira (26), 21.744 mil pessoas do público-alvo foram vacinadas no Estado. Os dados são do Programa Estadual de Imunizações, da Secretaria da Saúde (Sesa). Os municípios da Região Metropolitana de Saúde realizaram, até o momento, a imunização de 9.165 mil pessoas; nos municípios da Região Sul foram 5.352; nos municípios da Região Central foram 5.221 vacinados; e os municípios da Região Norte totalizaram 2.006 pessoas imunizadas.

Quanto aos imunizantes, a população que está sendo vacinada com a CoronaVac deverá receber a segunda dose no intervalo de quatro semanas. Já para a população-alvo imunizada com Oxford-AstraZeneca, a segunda dose será aplicada em um intervalo de 12 semanas, aproximadamente três meses.

Leia mais:  Sem urinar direito, idoso retira mais de 100 pedras da bexiga
Continue lendo

São Mateus

Política e Governo

Segurança

Camisa 10

Mais Lidas da Semana