conecte-se conosco


Internacional

Impeachment de Trump deve ser decidido neste sábado pelo Senado

Publicado

Após quatro dias de audiências, senadores darão seus votos no processo, que pode tirar os direitos políticos do ex-presidente norte-americano

Após quatro dias de audiências, o Senado dos EUA deve votar o futuro político do ex-presidente Donald Trump em uma votação neste sábado (13), exatamente um mês após o impeachment ser aprovado pela Câmara dos Representantes, quando ele ainda estava no cargo. Os senadores devem se reunir às 10h (meio-dia no horário de Brasília) e a votação pode começar às 15h (17h em Brasília).

O ex-presidente é acusado de ter traído seu juramento por ter incitado a invasão do Capitólio, sede do Congresso dos EUA, por parte de seus apoiadores em 6 de janeiro. Naquele momento, acontecia uma sessão conjunta do parlamento para contabilizar os votos do Colégio Eleitoral, última etapa para oficializar os resultado da eleição presidencial de 2020, com derrota de Trump para o democrata Joe Biden. A violência acabou com cinco mortes.

O ex-presidente é acusado de ter traído seu juramento por ter incitado a invasão do Capitólio, sede do Congresso dos EUA, por parte de seus apoiadores em 6 de janeiro. Naquele momento, acontecia uma sessão conjunta do parlamento para contabilizar os votos do Colégio Eleitoral, última etapa para oficializar os resultado da eleição presidencial de 2020, com derrota de Trump para o democrata Joe Biden. A violência acabou com cinco mortesLigação de Trump para mudar eleição na Geórgia será investigada

O incidente fez com que a estrutura de segurança da capital, Washington, fosse reforçada inslusive com soldados da Guarda Nacional. Para condenar Trump, são necessários 67 votos dos total de 100 senadores, algo que deverá ser complicado. Além dos 50 democratas, seriam necessários pelo menos mais 17 republicanos. Se houver a aprovação, uma votação de maioria simples pode cassar os direitos políticos de Trump e impedi-lo de disputar a presidência ou outro cargo público novamente.

Na terça-feira, na abertura do julgamento, os senadores votaram uma moção para determinar se o processo seria constitucional, mesmo após o fim do mandato de Trump. Com o apoio de 6 republicanos, os democratas conseguiram 56 votos para manter o julgamento.

Na quarta e quinta-feira, os nove representantes democratas que formam a acusação se revezaram na tribuna. Com dezenas de vídeos, tanto os postados em redes sociais como aqueles gravados pelas câmeras de segurança, além de tuítes feitos pelos presidentes, eles tentaram mostrar como Trump convenceu seus seguidores de que havia perdido a eleição por uma suposta fraude, jamais provada, a atacar o Congresso para que ele pudesse manter o poder.

Na sexta-feira, a equipe de defesa do ex-presidente, que tinha um total de 16 horas disponíveis, usou apenas três para atacar a acusação e criar uma narrativa de que Trump teria feito todo o possível para conter a violência e dizer que o processo seria inconstitucional e uma tentativa de “cancelar” seus 74 milhões de eleitores.

A segunda metade da sessão de sexta foi dedicada às perguntas e respostas dos senadores, que são os jurados nesse julgamento, para as equipes de acusação e defesa. A sessão foi encerrada com uma homenagem ao policial do Capitólio Eugene Goodman, que recebeu a medalha de honra do Congresso, por sua atuação no combate à invasão do dia 6 de janeiro

A segunda metade da sessão de sexta foi dedicada às perguntas e respostas dos senadores, que são os jurados nesse julgamento, para as equipes de acusação e defesa. A sessão foi encerrada com uma homenagem ao policial do Capitólio Eugene Goodman, que recebeu a medalha de honra do Congresso, por sua atuação no combate à invasão do dia 6 de janeiro.

Leia mais:  Imagens do terremoto na Turquia e Grécia impressionam
publicidade

Internacional

Centenas de israelenses protestam contra ‘passe verde’ para vacinados

Publicado

Manifestantes acusaram governo de querem criar divisão entre aqueles que não querem ser vacinados e o resto da população

Algumas centenas de israelenses protestaram na noite de quarta-feira (24) em Tel Aviv contra as medidas do governo para estimular a vacinação, que a partir desta semana incluem um passe verde que permite o acesso a certos locais e atividades apenas para os vacinados contra covid-19.

O protesto aconteceu na Praça Habima, em Tel Aviv, em frente a um icônico teatro e justamente no dia em que o município organizou o primeiro “Concerto do Passe Verde”, no qual só podiam entrar aqueles que haviam recebido as duas doses da vacina há pelo menos uma semana.

Alguns dos manifestantes exibiram cartazes acusando o governo de instalar um regime de apartheid que marginalizará aqueles que não querem ser vacinados, e outros até compararam o passe verde às marcas que os judeus tiveram que usar na Alemanha nazista.

De acordo com a imprensa local, o protesto reuniu vários grupos, em sua maioria marginalizados, e alguns deles negam não apenas a eficácia da vacina, mas também o perigo do coronavírus.

No entanto, sua reivindicação representa um setor significativo da sociedade, que inclui múltiplas ONGs e até mesmo acadêmicos, que expressaram preocupação com o avanço do governo nas liberdades individuais da população no esforço de vacinar o maior número possível de pessoas.

Além da introdução do passe verde, o Parlamento aprovou ontem uma lei que autoriza o envio de listas de pessoas não vacinadas às autoridades locais, e uma comissão parlamentar deu sua aprovação inicial a uma medida que permitiria aos israelenses que chegassem do exterior se isolarem em casa, em vez de em hotéis, mas com a condição de usar uma pulseira eletrônica para monitorar seus movimentos.

Leia mais:  Covid: casos nas últimas 4 semanas superam 1º semestre de pandemia
Continue lendo

Internacional

Cataratas do Niágara congelam em meio a forte frente fria

Publicado

As famosas cataratas do Niágara congelaram na segunda-feira (22/2), em meio a uma forte frente fria polar que continua a atingir várias regiões dos Estados Unidos.

O gelo se formou no topo da famosa cachoeira depois que as temperaturas caíram para -19C em Niagara, no norte do estado de Nova York.

Cataratas do Niagara congeladas

Nuvens espessas de vapor e um arco-íris também eram visíveis na área, localizada na fronteira entre EUA e Canadá e uma das mais visitadas dos dois países.

O fenômeno ocorreu depois que o presidente Joe Biden declarou um grande desastre no Texas, onde ocorreram apagões e pelo menos 30 mortes durante uma nevasca histórica. Nas redes, circula uma teoria da conspiração afirmando que a nevasca no Texas é “fake”.

No país, ao menos 69 pessoas morreram de envenenamento por monóxido de carbono, hipotermia, acidentes de carro, incêndios em casas e afogamentos no período congelante.

Cataratas do Niagara congeladas

Cataratas do Niagara congeladas

Leia mais:  Novo vírus da gripe com 'potencial pandêmico' é encontrado na China
Continue lendo

São Mateus

Política e Governo

Segurança

Camisa 10

Mais Lidas da Semana