conecte-se conosco


Internacional

Incêndio em fabricante de vacinas na Índia deixa pelo menos 5 mortos

Publicado

De acordo com o Portal Uol, a direção da instituição afirmou que as vacinas contra a covid-19 não foram atingidos durante o incêndio

O incêndio no Instituto Serum, fabricante da vacina contra covid-19 desenvolvida pela Oxford e pela AstraZeneca, na Índia, deixou pelo menos 5 mortos, segundo informações do jornal local Times of India.

Segundo a publicação, ainda não se sabe o que causou o fogo que atingiu o prédio. As chamas atingiram dois andares, mas não os locais onde é fabricada a vacina.

De acordo com o Portal Uol, a direção da instituição afirmou que as vacinas contra a covid-19 não foram atingidos durante o incêndio.

As vítimas ainda não tiveram suas identidades confirmadas, mas acredita-se que são pessoas estavam trabalhando em uma obra no local e não funcionários do Instituto Serum.

O CEO da Serum, Adar Poonawalla, lamentou o acidente e prestou homenagem aos mortos em um tweet.

“Nós recebemos notícias tristes. Depois de mais investigações, descobrimos que infelizmente houveram mortes durante o incidente. Estamos profundamente tristes e oferecemos as nossas sinceras condolências aos familiares daqueles que partiram”, postou Poonawalla.

Recentemente, o Brasil anunciou que compraria 2 milhões de doses da vacina de Oxford/AstraZeneca produzidas pela empresa indiana, mas a exportação ainda não foi autorizada pelo governo do país asiático.

Leia mais:  Apple e Nike são acusadas de usar 'trabalho forçado' de minoria muçulmana na China
publicidade

Internacional

Japão prorroga estado de emergência em Tóquio

Publicado

Medida não implica em confinamento obrigatório, mas pede para que a população não saia de casa de maneira desnecessária

O primeiro-ministro do Japão, Yoshihide Suga, anunciou nesta sexta-feira (5) o prolongamento por duas semanas do estado de emergência vigente em Tóquio e três prefeituras – que são governos regionais -, após determinar que a situação dos respectivos sistemas de saúde não melhorou de forma satisfatória.

A medida divulgada hoje pelo chefe de governo terá validade até o próximo dia 31, ou seja, menos de quatro meses antes do início dos Jogos Olímpicos, que serão abertos em 23 de julho na capital japonesa.

Suga fez o anúncio pouco depois de se reunir com o comitê de especialistas que assessora o Executivo japonês na gestão da pandemia da covid-19.

O premiê afirmou, em entrevista coletiva, que o fim prematuro do estado de emergência poderia resultar em aumento no número de casos de infecção pelo novo coronavírus, muito pouco tempo antes do evento poliesportivo, que foi adiado para este ano.

Suga declarou estado de emergência por causa da pandemia no dia 7 de janeiro, na área de Tóquio. Em seguida, determinou o mesmo mecanismo para 11 das 47 prefeituras do país. Atualmente, além da região metropolitana da capital, Chiba, Saitama e Kanagawa seguem sob o regime de alerta máximo.

No Japão, o estado de emergência não implica em confinamento obrigatório, mas foi feito pedido para que a população não saia de casa de maneira desnecessária e que bares e restaurantes evitem permanecer abertos após às 20h (hora local).

Além disso, o governo tem estimulado o trabalho remoto e fixado limite de até 5 mil pessoas em eventos abertos ao público.

Pressão no sistema

De acordo com boletim divulgado ontem pelo governo japonês, a taxa de ocupação de leitos de hospital por pacientes com covid-19 era de 47% em Chiba, 42% em Saitama, 31% em Tóquio, e 29% em Kanagawa.

Desde o início da propagação do novo coronavírus, o Japão registrou 437.440 casos de infecção, e 8.132 mortes por covid-19.

Leia mais:  Mundo tem 1 milhão de casos de coronavírus, diz universidade
Continue lendo

Internacional

Baixa procura por vacina contra covid preocupa Uruguai

Publicado

Último país da América do Sul a iniciar a vacinação ainda não conseguiu fazer deslanchar a campanha de imunização

A inscrição dos uruguaios para receber a vacina contra a covid-19 da farmacêutica chinesa Sinovac foi menor que o esperado, o que gerou nesta quarta-feira (3) críticas por parte das autoridades, que mais uma vez defenderam a eficácia do imunizante.

O presidente da Administração dos Serviços de Saúde do Estado (Asse), Leonardo Cipriani, declarou que a CoronaVac é altamente eficaz e que a vacina pode evitar “praticamente 100%” que uma pessoa morra em decorrência da doença causada pelo vírus SARS-CoV-2.

Em testes realizados no Brasil pelo Instituto Butantan, a vacina da Sinovac teve 50,38% de eficácia global, percentual que sobe para 78% quando se trata de casos leves de Covid-19 e 100% contra casos graves e mortes. Nesta quarta, a Universidade Hacettepe, da Turquia, país que também usa a CoronaVac, divulgou uma eficácia global de 83,5%.

Pedido de cooperação

Cipriani destacou que a forma como a vacina foi negociada permitirá ao Uruguai, com 3,5 milhões de habitantes, se tornar um dos primeiros a imunizar toda a população, apesar de ter iniciado o processo depois de outros países.

“O Uruguai vai ser capaz de fazer uma boa surpresa se as pessoas cooperarem”, afirmou o presidente da Asse, que acredita que até o meio do ano 80% da vacinação poderia ser concluída.

Nesse contexto, o Ministério de Saúde Pública do Uruguai planeja distribuir as sobras de doses para grupos de prisioneiros e moradores de rua. Esses grupos começariam a ser vacinados na terceira semana do plano, juntamente com residentes de asilos e casas de repousos e funcionários desses espaços, trabalhadores da área da saúde e pessoas com menos de 60 anos com doenças crônicas.

Os centros de vacinação abriram suas portas na última segunda-feira para administrar as 192 mil doses da CoronaVac a policiais, militares, bombeiros, professores e trabalhadores do Instituto Nacional da Criança e do Adolescente (Inau) com menos de 60 anos de idade.

Os trabalhadores da saúde começarão a ser vacinados na próxima segunda-feira, quando chegará ao país vizinho o primeiro lote de imunizantes da Pfizer, procedente dos Estados Unidos.

O Uruguai, que é o último país da América do Sul a iniciar a vacinação, registrou 59.171 casos de coronavírus até hoje, dos quais 7.189 são considerados ativos. Há 75 pessoas internadas em unidades de terapia intensiva, e 617 pessoas morreram de Covid-19.

Leia mais:  Vírus misterioso mata duas pessoas na China, e Brasil reforça cuidado
Continue lendo

São Mateus

Política e Governo

Segurança

Camisa 10

Mais Lidas da Semana