conecte-se conosco


Internacional

Índia dá início ao mais ambicioso esquema de vacinação do mundo

Publicado

A Índia iniciou seu programa de vacinação contra Covid-19 neste sábado (16). O país, que tem uma população de 1,35 bilhão de pessoas e mais de 10 milhões de casos do novo coronavírus, tem pela frente o desafio de organizar a “maior campanha de vacinação do mundo”, dizem as autoridades indianas.

Neste primeiro dia, cerca de 100 pessoas serão vacinadas voluntariamente em cada um dos 3.006 centros do país.

O país não faz uma operação de saúde em grande escala há quase 20 anos, quando lançou a campanha contra a poliomielite para vacinar cerca de 100 milhões de crianças menores de três anos em um dia.

O governo do primeiro-ministro indiano Narendra Modi identificou 300 milhões de pessoas que compõem o “grupo prioritário” para receber o imunizante contra o coronavírus.

Esse grupo é formado por 30 milhões de profissionais de saúde, policiais, soldados e voluntários e 270 milhões de pessoas mais vulneráveis ao vírus: a maioria, cidadãos com mais de 50 anos e mais 10 milhões de pessoas com comorbidades graves.

Imunizantes usados

Duas vacinas já foram aprovadas para uso emergencial nesta primeira fase de imunização: a da Universidade Britânica de Oxford, com farmacêutica sueco-britânica AstraZeneca, e a Covaxin, a fórmula desenvolvida pelo laboratório Bharat Biotech em parceria com o Conselho Indiano de Pesquisa Médica (ICMR).

O Serum Institute of India (SII), maior fabricante mundial de vacinas em volume, é responsável pela produção de Covishield e já entregou cerca de 11 milhões de doses ao governo no início da campanha, enquanto Bharat A Biotech confirmou a compra de 5,5 milhões de vacinas a mais.

Distribuição 

A logística para o fornecimento das vacinas começa com a previsão da transferência das doses para os quatro principais pontos escolhidos para abastecimento no país: Karmal (norte), Bombaim (oeste), Calcutá (leste) e Chennai (sul).  

Mais 29 mil pontos no país serão percorridos por terra. Esses locais funcionam como uma rede para entrega de imunizantes aos postos de atendimento, onde ocorrerá a aplicação das vacinas. 

Outro fator também que precisou ser observado é a temperatura para conservação dos imunizantes (2 a 8 graus).

Principalmente em estruturas mais precárias, como próximo a comunidades indígenas ou zonas rurais, que apresentam problemas no serviço de eletricidade. E com a chegada do verão, as temperaturas no país podem passar de 40°.

O governo indiano comprou 70 câmaras de congelamento, 240 câmaras frias, 45.000 geladeiras forradas a gelo, 41.000 freezers, 300 geladeiras de carga solar e cerca de 200.000 banheiros treinados para essa tarefa.

“Nosso desafio é maior e mais complexo do que o de mais de 50 países onde a vacinação já começou, por isso devemos estar mais preparados”, disse o secretário de Saúde Rajesh Bhushan.

Registro e comunicação

Com o objetivo de vacinar 300 milhões de pessoas, a Índia também criou um plano arrojado de comunicação e registro das pessoas que serão imunizadas.

O governo indiano lançou o “Co Win”, um aplicativo que enviará as informações de temperatura de todos os locais onde as vacinas serão armazenadas, para a sede em Nova Délhi. 

Além disso, a plataforma digital também permitirá o envio de uma mensagem informando onde e quando você receberá a vacina, identificando também qual dose do imunizante foi ministrado durante a vacinação.

Índia x Brasil

O porta-voz do Ministério das Relações Exteriores da Índia, Anurag Srivastava, disse na quinta-feira (14) que “é muito cedo” para dar respostas sobre exportações das vacinas produzidas no país, uma vez que a campanha nacional de imunização ainda está só começando.

O Brasil é um dos países que está na fila para buscar 2 milhões de doses da vacina de Oxford.

O presidente Jair Bolsonaro (sem partido) disse na sexta-feira (15) que o avião responsável por buscar as vacinas na Índia partirá em “dois ou três dias, no máximo”. Inicialmente, a aeronave deveria ter partido na quinta (14).

“Já temos tudo acertado para disponibilizar 2 milhões de doses. Hoje está começando a vacinação na Índia, então resolveu-se atrasar em um ou dois dias até que o povo lá comece a ser vacinado. Daqui a dois, três dias no máximo o nosso avião vai partir e vai trazer esses dois milhões de doses para cá”, disse Bolsonaro em entrevista ao programa Brasil Urgente, da TV Bandeirantes.

Leia mais:  EUA: delegacia é queimada em ato contra morte de homem negro
publicidade

Internacional

Jovem finge o próprio sequestro para não ter que trabalhar

Publicado

O rapaz acabou descoberto por detalhes na cena do crime e por não ter criado uma história consistente

Um rapaz de 19 anos forjou o próprio sequestro para não ter que ir trabalhar. Brandon Soules era funcionário de uma fábrica em Coolidge, nos Estados Unidos. 

No dia 10 de fevereiro ele colocou um lenço na boca, amarrou as mãos com o próprio cinto e deitou perto de uma rua movimentada. Quando o encontraram e chamaram a polícia, ele afirmou que havia sido sequestrado por dois homens mascarados.

“Ele nos informou que foi atingido na cabeça e colocado em um carro na frente de sua casa, por volta das 7 horas, mas quando localizamos imagens de uma câmera de vigilância na frente de sua casa, não vimos isso acontecer”, afirmou Mark Tercero, investigador de polícia local, em entrevista à NBC News.

Quando questionado do motivo do sequestro, o jovem disse que o pai dele “escondera dinheiro em alguma parte da cidade”, o que não foi confirmado por policiais.

O plano chegou a funcionar por alguns dias, mas uma análise feita em uma foto obtida pela polícia também revelou a farsa, como o cinto frouxo na mão dele. Chamado para depor novamente no dia 17, Brandon afirmou que inventou a história.

Logo depois, a polícia divulgou um comunicado sobre a resolução do caso para evitar pânico com a possibilidade de sequestradores estarem soltos na região. Não foi divulgada uma possível punição para Brandon, mas o jovem acabou perdendo o emprego.

Leia mais:  China fecha 2020 com crescimento de 2,3% do PIB, mas desempenho é o mais fraco em 44 anos
Continue lendo

Internacional

Italiana de 96 anos deixa 25 milhões de euros para caridade

Publicado

Marisa Cavanna dedicou sua vida ao ensino de literatura; sua decisão surpreendeu os vizinhos, que a consideravam reservada

A ex-professora italiana Marisa Cavanna, que morreu no final do ano passado, deixou 25 milhões de euros (cerca de R$ 165 milhões) de herança a várias diferentes organizações e instituições de caridade, incluindo dois dos principais hospitais de Gênova, revelou nesta quinta-feira (25) a imprensa local.

A história de Marisa, que dedicou sua vida ao ensino de literatura, surpreendeu seus vizinhos, que se lembram dela como “uma senhora reservada, o arquétipo genovês”, segundo a emissora local Telenord, que revelou a história.

Aqueles que a conheciam lembram-se de sua discrição e relutância em aparecer em eventos de caridade. “Ela era de fazer e não falar”, mencionaram à Telenord.

“Ela sempre cumprimentou, agradeceu aos médicos, deixou escrito seu obituário, no qual relembrou sua longa lista de alunos, motivo de alegria de uma vida”, afirmaram.

Marisa Cavanna, que morreu no dia 9 de dezembro do ano passado, “chegou muito lúcida” aos seus últimos dias e deixou tudo para depois de sua morte perfeitamente organizado, segundo a mídia local, que hoje tornou público o testamento da ex-professora.

Generosidade com os mais pobres

A idosa tinha planejado que 16 organizações recebessem a soma de 25 milhões de euros diretamente de seu espólio, cuja origem é desconhecida, embora se acredite que venha de sua família.

Do total, 5 milhões de euros irão para o hospital Galliera, juntamente com os lucros da venda de um edifício onde a própria professora vivia, que deve valer aproximadamente três milhões de euros.

Outros cinco milhões irão para o hospital pediátrico Gaslini, também em Gênova, e mais cinco milhões para a Associação Italiana de Pesquisa do Câncer.

Marisa Cavanna também destinou uma grande quantia de dinheiro a ONGs como a Anistia Internacional, Save the Children, as Pequenas Irmãs dos Pobres e as Missionárias da Obra de Santa Teresa de Calcutá.

Leia mais:  Cerca de 2 mil pessoas já tomaram a vacina contra a covid-19 em Moscou
Continue lendo

São Mateus

Política e Governo

Segurança

Camisa 10

Mais Lidas da Semana