conecte-se conosco


Medicina e Saúde

Insuficiência renal pode causar problemas no coração; 5 alertas de rins fracos

Publicado

Não é somente a pressão arterial a causadora de problemas cardíacos. O cardiologista Roberto Yano, especialista em estimulação cardíaca artificial pela Sociedade Brasileira de Cirurgia Cardiovascular, explica que a insuficiência renal também pode levar ao surgimento de cardiopatias. Isso porque os rins são  órgãos nobres e responsáveis pelo controle da pressão arterial.

“Quando os rins enfraquecem, perdem a sua capacidade de filtração, ocorre um descontrole da pressão arterial. Como já sabemos, essa elevação da pressão pode sobrecarregar o coração, levando a quadros de insuficiência cardíaca e ao aceleramento do processo de aterosclerose”, alerta.

“É praticamente uma bola de neve. Os rins doentes elevam a pressão arterial. Esse descontrole pressórico, deixa o coração mais fraco. O coração ficando doente, faz com que os rins fiquem menos perfundidos, piorando ainda mais a sua função e piorando a pressão arterial, ou seja, o problema em um dos órgãos acaba por fim deixando os dois órgãos doentes”, complementa o cardiologista.

O especialista destaca 5 principais alertas que podem surgir em um indivíduo com a função renal prejudicada. Confira!

1 – Náuseas e vômitos

Leia mais:  ‘Saúde do Homem’ é tema de palestra e ações no Hospital Dr. Jayme

“Em decorrência do acúmulo de líquido e do desbalanço eletrolítico, o intestino pode começar a trabalhar de maneira lenta causando esses sintomas. Além disso, as substâncias que não foram corretamente eliminadas pelos rins podem causar uma intoxicação que também ocasiona esse mal-estar”, esclarece.

2 – Mudanças na urina

“Urina com muita espuma pode ser um sinal de insuficiência renal porque mostra o excesso de proteína. Falando nisso, no início do problema, a pessoa passa a urinar com mais frequência e em maior quantidade. Isso ocorre numa tentativa do nosso organismo eliminar mais resíduos. Já na fase avançada da insuficiência renal, ou seja, quando os rins já estão de fato próximos de parar, há uma redução no volume dessa urina, até que por fim o paciente não produz mais urina”, explica Roberto.

3 – Câimbras

“Todo mundo sente câimbra de vez em quando. Mas fique atento. Isso também pode ser um sinal de rins fracos. Na maioria das vezes pode não ser nada demais, mas se isso for frequente, é melhor investigar os rins”, alerta o médico..

Leia mais:  ES recebe mais 130 mil doses de vacina contra gripe e vacinação será restabelecida

4 – Inchaço nas pernas ou em todo o corpo

“Isso pode apontar que os seus rins não estão mais conseguindo manter um balanço de líquido do corpo em um estágio normal. Geralmente esse inchaço começa nas pernas, mas em casos mais graves pode subir para o abdômen e até mesmo deixar o seu rosto inchado”, comenta.

5 – Pressão alta não controlada

“Já falamos que os rins são os responsáveis pelo controle da pressão. Então se há um mal funcionamento deles, claro que sua pressão vai ficar desregulada, e na maioria das vezes bem alta. Os pacientes renais crônicos são os mais difíceis de conseguir controlar a pressão. Além da pressão ser alta, existem medicamentos que não podemos receitar porque o rim desse paciente não está bom. Ou seja, isso acaba limitando o nosso arsenal terapêutico de medicamentos de pressão, mas existem ainda assim tratamentos eficazes no controle da pressão arterial nesses pacientes”, finaliza Roberto.

publicidade

Medicina e Saúde

Covid-19: testes positivos voltam a crescer; registro é o maior dos últimos 4 meses no ES

Publicado

Os testes realizados em junho representam quase 90% do total de testes feitos nos meses de março, abril e maio

Espírito Santo fechou o mês de junho consolidando o aumento do número de casos de covid-19 no Estado. Até essa quarta-feira (29), segundo a secretaria de Estado da Saúde (Sesa), as amostras que foram coletadas ao longo de todo o mês apresentam a maior positividade desde março: 27%.

Após os meses de março e abril apontarem para uma redução de casos da doença com registros positivos de 7,1% e 3,5%, respectivamente, maio já demonstrava um comportamento de subida, com 10,3% dos testes positivos.

O número de testes também chama a atenção. Os realizados em junho representam quase 90% do total de testes feitos nos três meses anteriores. O Estado contabilizou pouco mais de 217 mil testes, entre março e maio. Em 29 dias, foram cerca de 206 mil.

Os testes rápidos, de antígenos, disponibilizados para a população em pontos de testagens estaduais e municipais, também aumentaram. 

Entre março e maio, foram pouco mais de 174 mil testes realizados e uma positividade média de 7,8% das análises durante os três meses. Só em junho, somam mais de 180 mil testes realizados. A positividade é de 28,5% das amostras.

Leia mais:  ES recebe mais 130 mil doses de vacina contra gripe e vacinação será restabelecida

Segunda maior onda de casos de covid no ES em 2022

Os casos positivos registrados no mês passado configuram a segunda maior onda de covid-19 deste ano. A taxa de transmissão cima de 1, ficando atrás apenas do aumento registrado em janeiro e fevereiro. 

O subsecretário de Vigilância em Saúde, Luiz Carlos Reblin, fez um alerta sobre o momento atual vivido pelo Estado. 

“Estamos com uma alta taxa de transmissão no momento e quando temos muitos casos, as pessoas mais vulneráveis e não totalmente vacinadas podem desenvolver a forma mais grave da doença e vir a óbito”, explicou.

Para Reblin, é fundamental que a população reforce a adoção dos cuidados aprendidos desde o início da pandemia, não deixando de lado a vacinação.

“Essas regras de manter distanciamento em locais com muita circulação, usar as máscaras e a higienização das mãos continuam tão importantes quanto era no começo da pandemia. Junto a isso, temos a vacinação contra a Covid-19, com doses disponíveis à população que precisa atualizar os esquemas vacinais com o quantitativo de doses referentes à faixa etária”, disse.

Saiba onde testar

Livre demanda (sem agendamento):

– Rodoviária de Vitória (Vitória): de segunda a sexta-feira, das 8h às 17h, para a realização de Teste Rápido de Antígeno;

– Ufes (Campus Goiabeiras): de segunda a sexta-feira, das 7h às 15h30 (com intervalo de 12h às 13h), para a realização de Teste Rápido de Antígeno;

Leia mais:  Tire suas dúvidas sobre a redução de intervalo entre doses no Brasil

– Ufes (São Mateus): de segunda a sexta-feira, das 8h às 17h, pra a realização de Teste Rápido Antígeno;

– Terminal de Laranjeiras (Serra): de segunda-feira a sexta-feira, das 8h às 17h, para a realização de Teste Rápido de Antígeno.

Para a testagem por agendamento:

– Aeroporto de Vitória (Vitória), para a realização do exame RT-PCR e de Teste Rápido Antígeno: todos os dias, 24h;

– Hospital Estadual Infantil e Maternidade Alzir Bernardino Alves, o Himaba (Vila Velha), para a realização do exame RT-PCR e de Teste Rápido de Antígeno: segunda a sexta, das 09h às 15h30;

– Hospital Estadual Dr. Jayme Santos Neves, na Serra, para a realização de Teste Rápido de Antígeno: segunda a sexta-feira, das 7h30 às 18h (com intervalo das 11h30 às 13h30);

– Centro de Reabilitação Física do Espírito Santo (Crefes), para a realização de Teste Rápido de Antígeno: segunda a sexta-feira, das 8h às 16h.

Para agendar os testes de RT-PCR a população deve acessar o site Acesso Cidadão. Já o agendamento para o Teste Rápido de Antígeno, deverá ser feito no site Vacina e Confia. Além disso, no Vacina e Confia, a população tem acesso aos pontos de testagens municipais.

Continue lendo

Medicina e Saúde

Tratamento inovador elimina totalmente o câncer de mama em estágio inicial

Publicado

Tumores desapareceram em duas semanas após injeção da substância e sem efeitos colaterais

Um estudo recente publicado recentemente na revista Proceedings of the National Academy of Sciences mostrou que a aplicação de uma imunotoxina nos dutos mamários eliminou totalmente lesões pré-cancerosas visíveis e invisíveis de pacientes. 

A pesquisa foi feita em laboratório e liderada por pesquisadores do Johns Hopkins Kimmel Cancer Center, especializado em câncer de mama em estágio inicial.

O estágio zero da doença, também conhecido como CDIS (carcinoma ductal in situ), é caracterizado pela presença de células pré-cancerosas anormais nos dutos de leite.

De acordo com o autor sênior do estudo, Saraswati Sukumar, diversas mulheres realizam cirurgias de remoção, tratamentos de radiação e, em alguns casos, quimioterapia ou terapias hormonais para eliminar esses cânceres precoces.

“Em nossa pesquisa, propusemos um tratamento alternativo em que a injeção da droga imunotoxina pelo duto poderia resultar na limpeza do CDIS”, disse Sukumar em comunicado.

Metodologias do estudo

Primeiramente, o trabalho avaliou a eficácia da imunotoxina em quatro linhagens celulares de diferentes subtipos de câncer de mama em camundongos. Os resultados evidenciaram que o tratamento induziu à morte as células tumorais em todas elas. 

Leia mais:  H5N8 tem potencial para se tornar nova pandemia, dizem cientistas

Os pesquisadores também administraram o tratamento a cerca de dez camundongos para captar possíveis toxinas circulares no sangue após a intervenção e, de cinco a 30 minutos depois, não encontraram nada.

Em seguida, eles injetaram a imunotoxina diretamente nos dutos mamários de dois grupos de camundongos com CDIS, classificados como MCF7 E SUM225.

No primeiro, foi administrado uma vez por semana durante três semanas e, para viés de comparação de eficácia, aplicaram no corpo de outro conjunto de camundongos.

No final da terapia, descobriram que aqueles que receberam a injeção no corpo tiveram um crescimento tumoral mais lento, mas que retornava após a interrupção.

Já os que receberam diretamente nos dutos tiveram os tumores completamente eliminados dentro de duas semanas após a conclusão do tratamento e a arquitetura da mama era parecida com glândulas mamárias normais. Nenhuma recorrência foi detectada após dois meses. 

O grupo SUM225 suprimiu a doença em apenas duas semanas de tratamento e não demonstrou recorrência até o final do estudo. 

Leia mais:  ES recebe mais 130 mil doses de vacina contra gripe e vacinação será restabelecida

De acordo com os autores, o tratamento foi bem tolerado, sem efeitos colaterais da toxina ou injeção. Eles disseram que a pesquisa fornece uma forte base pré-clínica para a realização de ensaios de viabilidade e segurança em pacientes com câncer de mama em estágio 0. 

Segundo dados divulgados pelo Inca (Instituto Nacional de Câncer), no ano passado, o Brasil totalizou 66,3 mil diagnósticos da doença no público feminino, com 17,8 mil mortes. O câncer de mama é também o mais incidente em mulheres de todas as regiões do país, após o câncer de pele não melanoma.

Continue lendo

São Mateus

Política e Governo

Segurança

Camisa 10

Mais Lidas da Semana