conecte-se conosco


Política Nacional

Internautas tentam filiar presidente Jair Bolsonaro (sem partido) ao PT após divulgação de dados

Publicado

Internautas preencheram ficha de filiação de Bolsonaro ao PT

Após o presidente Jair Bolsonaro ter sido alvo do grupo Anonymous na noite de segunda-feira, internautas divulgaram nas redes sociais uma ficha virtual de filiação de Bolsonaro, atualmente sem partido, ao Partido dos Trabalhadores (PT), usando dados pessoais do presidente que foram divulgados. Na manhã desta terça, o perfil do PT no Twitter se manifestou sobre a tentativa de filiação de Bolsonaro: “Indeferido”, disse a legenda.

Os dados divulgados de Bolsonaro, como CPF, número de telefone e título de eleitor, na verdade já eram públicos – eles ficam disponíveis em sistemas da Justiça Eleitoral toda vez que qualquer pessoa lança candidatura em eleições. Antes de se eleger presidente, Bolsonaro foi deputado federal por sete mandatos.

O preenchimento da ficha de filiação do PT, partido de oposição ao governo Bolsonaro, é feito pela internet. O PT informa em seu site que “qualquer homem ou mulher que se disponha a lutar por uma sociedade democrática, plural e solidária pode se filiar ao PT”, desde que cumpra requisitos legais como ter mais de 16 anos e não estar filiado a nenhum outro partido político.

Bolsonaro está sem partido desde o fim de 2019, quando deixou o PSL para fundar o Aliança pelo Brasil, legenda que ainda não conseguiu sua homologação no Tribunal Superior Eleitoral (TSE).

Para que a filiação seja validada, no entanto, é necessária a aprovação do próprio partido, que cadastra a ficha do novo filiado no TSE. Em suas redes sociais, o PT já informou que não fará isso com a suposta filiação de Bolsonaro, preenchida na verdade por internautas.

Em seu sistema de filiação, o PT também informa que, antes de concluir o processo, o partido apresenta “a história e o programa do nosso partido, além dos direitos e deveres dos filiados e filiadas”. “Sua filiação só será concluída depois que você considerar que não há mais nenhuma dúvida”, diz o site.

Também circulam nas redes sociais prints de tentativa de filiação de Bolsonaro ao Partido da Causa Operária (PCO).

Leia mais:  STF contraria Constituição e tem 5 votos por reeleição no Congresso
publicidade

Política Nacional

Moro se filia ao Podemos para concorrer a Presidência

Publicado

O ex-juiz Sergio Moro decidiu se filiar ao Podemos para concorrer à eleição em 2022. Ainda não há definição se a disputa será por uma vaga ao Senado ou à Presidência da República.

A propósito, será uma filiação em família: sua mulher, Rosângela, também assinará a ficha do partido.

O Podemos marcou para 10 de novembro o evento de filiação, que deve ocorrer em Brasília. O partido não descarta que a pré-candidatura à Presidência seja anunciada na ocasião.

Até o ato de filiação, Moro já deve estar desligado da empresa de consultoria americana Alvarez & Marsal, da qual foi anunciado em novembro do ano passado como sócio-diretor.

 

 

Leia mais:  Governo federal inaugura primeira antena de 5G em área rural do país
Continue lendo

Política Nacional

“Precisamos pacificar o país”, diz Eduardo Leite em visita ao ES

Publicado

Em seu discurso, Eduardo Leite afirmou que é necessário ter bom senso e equilíbrio para focar no enfrentamento dos problemas do Brasil

Pacificar o Brasil! Esta é a meta do pré-candidato à presidência, Eduardo Leite (PSDB). Atual governador do Rio Grande do Sul, ele esteve no Espírito Santo neste sábado (23) e se reuniu com apoiadores e representantes do partido. 

Eduardo Leite enfrenta o governador paulista João Doria e Arthur VIrgílio, ex-prefeito de Manaus, nas prévias pela candidatura do PSDB à Presidência da República nas eleições de 2022.

Em seu discurso, Eduardo Leite afirmou que “o Brasil não precisa de um terceiro polo de radicalização”. O governador ressaltou que é necessário ter bom senso e equilíbrio para focar no enfrentamento dos problemas do país. 

“Estamos vendo a quantidade de inflação, de estagnação econômica se projetando para 2022, uma perda no poder de compra e na renda das famílias. Os reais problemas que devem ser enfrentados são esses: inflação, desemprego, gerar crescimento econômico para incluir as pessoas no mercado de trabalho e dar mais renda às famílias”, disse. 

Quando questionado sobre os possíveis adversários, Leite afirmou que não iria fazer considerações e adjetivações para ressaltar defeitos dos adversários para conquistar simpatia e apoio de possíveis eleitores. “Queremos ganhar essa eleição pela qualidade do nosso projeto e não pelo defeitos dos adversários”, disse. 

E completou: 

“Essa tentativa de desfazer, de destruir e desconstruir o que pensa diferente da gente, foi o que gerou para o Brasil esses problemas que estamos vivenciando. Esse é um sentimento que nem é próprio do brasileiro. O brasileiro não é do ódio, não é da guerra, não é do conflito. É um povo afetivo que gosta de construir coisas boas. Mas nos convenceram e permitimos que nos convencessem, de que deveríamos promover um enfrentamento uns aos outros”, afirmou.

Questionado sobre ser ou não uma opção da chamada “terceira-via”, Eduardo Leite disse que o seu foco está no Brasil que “podemos ser”. “Lula (PT) é o Brasil que já foi. Bolsonaro (sem partido) é um Brasil que estamos sendo, e que não está bom. Eu não quero discutir o Brasil que já foi, nem o que estamos sendo. Eu quero discutir o Brasil que podemos ser. O Brasil que queremos ser”, afirmou. 

Leia mais:  Ministro da Educação realiza visita ao Espírito Santo nesta segunda
Continue lendo

São Mateus

Política e Governo

Segurança

Camisa 10

Mais Lidas da Semana