conecte-se conosco


Mundo Cristão

Jovem deixa lesbianismo e se entrega a Jesus durante louvor: “Ele restaurou tudo em mim”

Publicado

Michaela Lane encontrou em Jesus as respostas que procurava e a cura para as dores geradas pelos abusos que sofreu na infância.

A jovem Michaela Lanning sofreu com os abusos dentro de sua própria casa, que a levaram muitas vezes a ficar na casa de sua avó, onde precisava dormir no sofá, em meio às pilhas de lixo acumulado, mofo tóxico e amianto no tapete rasgado, ainda na infância.

“Papai era muito desconectado, muito sociopata, muito narcisista, uma personalidade muito viciante”, disse ela em um depoimento em vídeo em seu canal no YouTube.

Sem apoio, sua mãe acabou sendo despejada, o que gerou todo tipo de confusão para Michaela e seus irmãos.

Quando estava na quinta série, Michaela sofreu bullying porque não fazia as coisas de menina, como as outras garotas. A verdade é que sua cabeça estava muito confusa, enquanto tentava lidar com os ataques de ansiedade de sua mãe e fazer refeições apenas com pipoca.

“Eu tinha que colocar minha mãe para dormir e estava com medo de que ela morresse”, lembra Michaela. “Enquanto eu a levava para a cama todas as noites, pensava que isso iria livrá-la da morte”.

Sua mãe se recuperou do colapso, mas Michaela ainda sofria com as consequências de sua infância conturbada e começou a se cortar como um mecanismo de enfrentamento da dor na sexta série.

Já na sétima série, ela desenvolveu transtorno dissociativo.

“Achei que estava morta ou assistindo a um filme”, diz ela. “Eu pensei que estava dormindo e era um sonho que eu estava tendo. Eu realmente não tinha mais noção do que era realidade. Eu não estava ciente de nada acontecendo ao meu redor e isso era assustador”.

Todos os dias ela estava na sala da enfermeira da escola e inventava motivos para ser mandada para casa, geralmente por causa de uma dor de estômago ou dor de cabeça.

Na oitava série, ela teve aulas online porque sair de casa lhe causava ataques de pânico.

“As coisas estavam ficando muito ruins com meus pais”, diz ela. “Uma vez meu pai estava vigiando minha irmã e eu, e ele nos perseguiu pelo corredor com uma faca. Sim, voltamos a morar com minha avó”.

“Minha irmã e eu dormíamos na sala em dois sofás, que provavelmente eram dos anos 80. Eles estavam cobertos de xixi de cachorro. Eles estavam imundos; eles tinham buracos neles. Foi sobre isso que dormimos por mais quatro anos. Sem cama, sem quarto, sem pai, nada”.

Homossexualidade

Em busca de validação no colégio, ela “se assumiu” como bissexual e mais tarde como lésbica. A escola era um colégio artístico e foi onde ela pensou que poderia encontrar apoio e resolver o caos em sua mente.

Ela passou passou a andar com transgêneros e ser fortemente influenciada para mudar seu pensamento sobre sua própria identidade, de forma que chegou a fundar um grupo LGBT na escola

“Eu senti todas essas coisas e eu, em meu quebrantamento e minha automutilação e meu distúrbio alimentar e minha ansiedade, tudo estava se juntando, e eu disse que sim, parece certo: eu sou transgênero”, ela lembra.

Então, ela passou a se declarar como um homem, disse a todos que queria ser chamada por um nome diferente (masculino) e começou a se consultar com um “terapeuta de gênero”.

“Mas no meu íntimo eu sabia que não era transgênero o tempo todo. Na verdade, o que eu precisava era de um salvador, só não sabia disso na época”, explicou.

Quando ela teve um colapso nervoso, Michaela largou a escola e abandonou sua identidade transgênero.

Drogas

Em seu segundo ano, ela frequentou uma “escola secundária alternativa”, para onde os drogados e adolescentes grávidas são enviados.

“Não conheci uma única criança ou adolescente lá que não usasse drogas, ou pelo menos usasse vap”, diz ela. Foi nessa época que ela começou a fumar maconha.

No ano seguinte, ela foi morar com um amigo cuja mãe lhes fornecia álcool. Michaela estava fumando maconha e bebendo e conseguiu um namorado por meio de um aplicativo. Quando ele a agrediu sexualmente, isso desencadeou pesadelos e flashbacks e ela terminou com ele.

No primeiro ano do segundo grau, ela estava tendo um curso de religião mundial e considerou preencher o vazio em seu coração e curar suas dores, convertendo-se ao islamismo ou ao judaísmo. Afinal, o contato com seu pai, que se dizia “cristão”, anos antes criou uma ideia distorcida na mente dela sobre Jesus.

Restauração

No entanto, um dia por curiosidade, ela começou a pesquisar igrejas no Google e encontrou a Igreja Red Rocks. Ela não pisava em uma igreja há quatro anos.

Mas a partir do momento em que entrou na igreja, ela sentiu a presença de Deus e sentiu o Espírito Santo se mover em seu coração. Ela podia sentir o amor de Cristo no ar.

Durante o momento de louvor, ela levantou os braços em sinal de rendição, sentiu o Espírito Santo descer sobre ela e entregou sua vida a Jesus Cristo. Mais tarde, ela foi batizada e sentiu o chamado de Deus para o ministério.

“Foi como se um interruptor acendesse dentro de mim e tudo que eu estava perseguindo, tudo que eu desejava, tudo que eu havia desejado por todos aqueles anos, havia falhado dentro de mim”, diz Michaela. “De repente, Ele restaurou cada parte quebrada de mim. Ele curou cada parte quebrada de mim e cada coisa que fiz. Cada coisa que aconteceu me levou a ele”.

“Estou viva pela graça de Deus. Sou salva pelo sacrifício de Jesus e tudo o que fiz foi para Ele. Ele não me julga pelo meu pecado, Ele não me julga pela minha crise de identidade, Ele não me julga pela minha doença mental. Ele vê em mim a Sua filha e vê meu coração e minha alma e meu amor por Ele”.

Michaela está estudando atualmente no Instituto Bíblico Moody para desenvolver se engajar ministerialmente e compartilhar o Evangelho com outros jovens.

Leia mais:  Lei assegura abertura de igrejas na pandemia
publicidade

Mundo Cristão

Ex-panicat Carol Dias se batiza em igreja evangélica: “Cristo tocou em mim”

Publicado

Vídeo no Instagram mostra sua conversão para quase 6 milhões de seguidores

No último domingo (9), a ex-panicat e atualmente educadora financeira Carol Dias, postou um vídeo no Instagram que mostra o seu batismo e disse que irá falar sobre sua conversão quando se sentir pronta.

“Ontem foi o dia mais inexplicável da minha vida. Cristo tocou em mim. Nós fomos escolhidos por ELE. Eu vou dar meu testemunho com Deus, quando me sentir pronta para contar e espalhar fé e muito amor para vocês”, escreveu em sua conta.

A influenciadora também citou João 14:17: “É o espírito da verdade, que o mundo não pode receber, porque não o vê, nem o conhece. Vocês o conhecem, porque ele habita com vocês e estará em vocês.”

E por fim, agradeceu a @drisanchessp por estar com ela nesse momento.

Jaque Khoury, ex-BBB e ex-panicat, comentou: “Linda! Cheia de amor e cheia de luz, Te amo amiga”.

Ex-colegas do “Pânico”, Lizi Benitez, Fernanda Lacerda, Wendy Tavares e Nicole Bahls também reagiram a sua publicação, de acordo com o Uol.

Leia mais:  Cristolândia vende panetones para ajudar na recuperação de dependentes químicos
Continue lendo

Mundo Cristão

Joe Biden pode “punir” médicos cristãos que não realizam cirurgia transgênero, nos EUA

Publicado

O governo de Joe Biden anunciou que está revertendo uma política da era Trump que, segundo seus defensores, protegia a liberdade religiosa dos médicos cristãos em disputas sobre procedimentos médicos para transgêneros.

Em causa está uma parte da Patient Protection and Affordable Care Act (PPACA ou Lei de Proteção e Cuidado Acessível ao Paciente, também conhecida como Obamacare) que proíbe a discriminação com base no sexo dentro dos cuidados de saúde. A Seção 1557 da lei, que trata da não discriminação, foi interpretada pela administração Trump como se referindo a “homem ou mulher e conforme determinado pela biologia”. Várias organizações religiosas, incluindo as associações médicas e odontológicas cristãs , apoiaram a regra Trump e disseram que protegia a liberdade religiosa. O próprio governo Trump disse que a regra oferece “proteção à consciência e à liberdade religiosa”.

Mas o governo Biden disse nesta segunda-feira que interpretaria a Seção 1557 para proibir a discriminação com base na orientação sexual e identidade de gênero. O último termo abrange o transgenerismo. A aplicação da nova regra entra em vigor imediatamente.

O Escritório de Direitos Civis do Departamento de Saúde e Serviços Humanos dos EUA (HHS, na sigla em inglês) disse que interpretaria e aplicaria as proibições da Seção 1557 e do Título IX sobre a discriminação com base no sexo, para incluir a discriminação com base na orientação sexual e na identidade de gênero.

“O medo da discriminação pode levar os indivíduos a renunciar aos cuidados, o que pode ter consequências negativas graves para a saúde”, disse Xavier Becerra, secretário do Departamento de Saúde e Serviços Humanos.

“É posição do Departamento de Saúde e Serviços Humanos que todos – incluindo as pessoas LGBTQ – devem ter acesso aos cuidados de saúde, sem discriminação ou interferência, ponto final”, disse Becerra.

Apoiadores da regra da era Trump, no entanto, dizem que a nova regra Biden – que é semelhante a uma da administração Obama – levará os médicos cristãos e outros médicos religiosos a serem forçados a realizar procedimentos de transição de gênero, incluindo cirurgia.

“Isso é ruim para pacientes, médicos e para a liberdade religiosa”, tuitou Luke Goodrich, advogado do Fundo Becket para Liberdade Religiosa, que está envolvido em um processo judicial relacionado ao assunto.

Becket chama isso de ” Mandato Transgênero “.

Goodrich disse que a regra Biden “puniria médicos e hospitais se eles não executassem procedimentos prejudiciais de transição de gênero contra sua consciência e julgamento médico”.

O governo Biden disse na segunda-feira que iria “cumprir a Lei de Restauração da Liberdade Religiosa” e “todas as ordens judiciais aplicáveis”. A Lei de Restauração da Liberdade Religiosa é uma lei federal que impede o governo de “onerar substancialmente o exercício da religião de uma pessoa”.

Goodrich, no entanto, observou que o governo Biden está lutando contra os médicos cristãos no tribunal sobre o assunto. Em abril, o governo Biden apelou de uma decisão de um tribunal que determinou que os médicos não podem ser forçados a realizar procedimentos de transição de gênero.

O Catholic Vote também criticou o governo Biden.

“A decisão do HHS desta manhã atrasa o relógio da sanidade médica”, disse Brian Burch, presidente da Catholic Vote. “Este novo mandato do HHS é um esforço transparente para substituir o julgamento médico no campo altamente experimental e politizado da medicina de gênero”, alertou.

Ao contrário do anúncio enganoso do HHS, a nenhum americano está sendo negado tratamento por braços quebrados ou procedimentos médicos padrão com base em suas  “identidades” de gênero ou orientação sexual. 

“Este movimento do HHS é uma configuração para normalizar e dar força aos médicos para administrar drogas que bloqueiam a puberdade em crianças, realizar cirurgias de mudança de sexo e muito mais. Hospitais e médicos cristãos provavelmente sofrerão mais pressão e escrutínio como resultado”, concluiu.

Leia mais:  Número de divorciados que frequenta a igreja dobrou nas últimas décadas
Continue lendo

São Mateus

Política e Governo

Segurança

Camisa 10

Mais Lidas da Semana