conecte-se conosco


Política e Governo

Judiciário propõe frear progressão de servidores

Publicado

Medida que consta em projeto enviado à Ales se deve a crescimento da folha de pagamento incompatível com situação orçamentária da Corte

O Tribunal de Justiça (TJES) encaminhou para a Assembleia Legislativa (Ales) o Projeto de Lei (PL) 267/2020, que freia o avanço na carreira dos servidores concursados. A matéria propõe progressão mais lenta na tabela de ascensão profissional e ainda a supressão dos três últimos níveis das tabelas de vencimentos.

A matéria prevê que a partir deste ano as progressões na tabela funcional dos servidores do Judiciário capixaba não ocorrerão mais a cada dois anos, mas a cada quatro. Além disso, o servidor habilitado só terá efetivamente progressão na carreira, que ocorre em 1º de julho, caso o Estado esteja em crescimento econômico capaz de absorver o impacto na folha.

A concessão do benefício dependerá do desempenho da Receita Corrente Líquida (RCL) aferido pela média dos três quadrimestres imediatamente anteriores a sua abertura comparada à média dos três quadrimestres do período antecedente. A promoção será condicionada à manutenção do percentual da despesa total com pessoal do Poder Judiciário no limite igual ou inferior ao que determina a Lei de Responsabilidade Fiscal (LRF).

Para a apuração desse limite o valor da promoção deverá ser somado à estimativa da despesa total com pessoal para o mês de sua concessão e para os onze meses imediatamente posteriores. A apuração do limite será ainda estimada considerando a receita anualizada até o mês de junho do ano da concessão da promoção acrescida do percentual de sua evolução apurada no mesmo período.

Se a conta for desfavorável o processo de promoção ficará automaticamente adiado para o ano seguinte. Conforme o PL, o adiamento na concessão do benefício não gera direito à promoção retroativa.

Inspeção

O presidente do TJES, Ronaldo Gonçalves de Sousa, diz que a necessidade de “readequação” da Lei Estadual 7.854/2004, que instituiu o atual plano de carreiras e de vencimentos dos servidores do Poder Judiciário capixaba, foi determinada pela Corregedoria Nacional de Justiça (CNJ) em inspeção realizada em fevereiro de 2019.

Segundo o desembargador, em seu modelo atual o plano de carreira resulta em crescimento vegetativo da folha de pagamentos “incompatível” com a realidade orçamentária e fiscal do Poder Judiciário. Ele diz que dependendo dos requisitos atingidos por cada servidor do TJES esta progressão pode se dar em até 4 níveis da carreira por vez, representando uma possibilidade de aumento salarial de 11% a cada dois anos.

Ao mostrar o desequilíbrio nas contas da Corte, Ronaldo Gonçalves cita dados da Assessoria de Planejamento, Orçamento e Gestão Estratégica do TJES, segundo os quais, mesmo com medidas de sobrestamento de gastos visando ao equilíbrio fiscal, resta um passivo a ser quitado relativo a promoções que totalizam R$ 49,6 milhões.

Do total, R$ 15,4 milhões são referentes às promoções de 2017 e R$ 34,2 milhões relacionadas às movimentações na tabela funcional ocorridas em 2018.

Singularidade

O desembargador vai além ao advertir sobre a necessidade de conter o crescimento vegetativo da folha.

Ele relata que, nos autos do Processo TC 2090/2016, que trata da Prestação de Contas Anual do Tribunal de Justiça do Estado do Espírito Santo no exercício de 2015, o Tribunal de Contas (TCE-ES) recomendou a “estrita” observância às determinações contidas na Lei Estadual 10.470/2015. “Notadamente no que se refere à suspensão dos efeitos financeiros das promoções de servidores deste Poder, enquanto não houvesse o equilíbrio da gestão fiscal”, alerta.

A singularidade do TJES no desequilíbrio das contas na esfera estatal é verificada em trecho no qual o desembargador Ronaldo Gonçalves pontua que se trata de situação que se restringe aos servidores do Poder Judiciário do Espírito Santo.

Direitos adquiridos 

Ronaldo Gonçalves lembra de aspectos legais que envolvem a questão, e argumenta no texto enviado aos deputados que “ainda que não se possa pensar na adoção de medida que afete o direito garantido dos servidores do TJES”, o atual desenho de progressão funcional representa um crescimento da folha que ameaça a contenção de gastos.

Assim, diz ele, dentre as ações a serem implementadas pelo TJES para solucionar o problema é importante que a Corte estude formas de alterar a estrutura salarial, seja para os futuros servidores ou para os atuais “respeitando-se, obviamente, os direitos adquiridos”.

Oficio ao sindicato 

O presidente do TJES afirma no texto que acompanha a matéria que encaminhou ofício ao Sindicato dos Servidores do Poder Judiciário (Sindijudiciário/ES) solicitando sugestões que pudessem subsidiar estudos sobre as alterações no plano de cargos e salários.

Em resposta, acrescentou Gonçalves, a entidade sindical ponderou, em síntese, que o plano de cargos e salários dos servidores não pode ser visto como o único ou principal fator responsável pela situação financeira enfrentada pelo Poder Judiciário, haja vista a existência de outras causas que devem ser analisadas.

“Concluiu (a entidade), ao final, que não possui nenhuma sugestão, mas que tem interesse em participar dos estudos e, oportunamente, apresentar considerações”, citou o desembargador.

Fundo do Judiciário

O TJES encaminhou outro projeto à Ales. O PL 266/2020, além de alterar a redação do artigo 2º da Lei Complementar Estadual 219/2002, que instituiu o Fundo Especial do Poder Judiciário do Estado do Espírito Santo (FUNEPJ), inclui parágrafo único no dispositivo vedando uso dos recursos do fundo para  pagamento de salários e encargos.

O novo texto do artigo, em versão mais enxuta, diz apenas que “o Fundo Especial (do Judiciário) tem por finalidade assegurar recursos para manutenção, expansão e aperfeiçoamento da atividade jurisdicional, visando ampliar o acesso à Justiça e o cumprimento das demandas judiciais de forma efetiva, adequada e em tempo razoável”.

A Mensagem que acompanha o PL data de 1º de novembro de 2019 e é assinada pelo ex-presidente do TJES, Sérgio Luiz Teixeira Gama. No texto, Gama afirma que “resta evidente” que no formato atual a redação do artigo 2º possui “elevada abrangência interpretativa”, o que pode, na sua opinião, gerar dúvidas em algumas situações quanto à devida destinação dos recursos do FUNEPJ.

O artigo 2º em vigor é um pouco longo e especifica várias finalidades, entre elas construção, ampliação e reforma de prédios próprios do Poder Judiciário, conservação de imóveis, bem como despesas de capital e de custeio. O desembargador cita que em Minas Gerais e São Paulo também estão sendo enxugados os artigos de leis que definem os objetivos dos fundos dos Tribunais de Justiça como forma de diminuir as margens de interpretação das possíveis destinações orçamentárias.

As duas iniciativas aguardam manifestação da Presidência.

Leia mais:  Vice-governadora participa da abertura da Vitória Stone Fair
publicidade

Política e Governo

Gilson Daniel na campanha de Sérgio Moro

Publicado

A Executiva nacional do Podemos designou o prefeito de Vila Velha, Arnaldinho Borgo, para coordenar e organizar as chapas de estadual e federal para a eleição do ano que vem. Isso porque o presidente estadual da legenda, Gilson Daniel, vai compor a equipe que irá coordenar a campanha do ex-juiz e ex-ministro Sergio Moro.

Ex-ministro Sergio Moro.

Arnaldinho disse que as chapas já estão quase completas. “Estou empenhado e animado, pois acredito que vamos fazer três ou quatro deputados. Já na federal, acredito que faremos dois federais”. Gilson Daniel é pré-candidato a deputado federal e o vice-prefeito de Vila Velha, Victor Linhalis (SD), deve se filiar ao Podemos e também ser candidato a uma cadeira na Câmara Federal.

Já para o Senado, o partido mira no secretário estadual de Controle e Transparência, Edmar Camata, segundo Gilson Daniel. Ele disse também que Moro vai se filiar ao Podemos no próximo dia 10 (novembro) num evento em Brasília. O partido da “Lava-Jato” quer que Moro seja candidato à Presidência da República.

Leia mais:  Quem tem direito ao auxílio financeiro de R$ 600 do Governo Federal?
Continue lendo

Política e Governo

“Eles querem que eu fique calado?”, questiona Colnago mirando cúpula tucana

Publicado

O ex-vice-governador César Colnago (PSDB) não vai recuar de trabalhar sua pré-candidatura ao governo. Mesmo sem o apoio da Executiva estadual e do presidente do partido, Vandinho Leite, ele disse que continuará se reunindo com lideranças e viajando pelo interior. Houve mal-estar na cúpula do ninho tucano o anúncio de Colnago de que vai disputar o governo do Estado.

“Coloquei a candidatura porque entendo que o partido precisa. E reforça a candidatura nacional, assim como nossas teses. Vou trabalhar para ser o candidato do partido, mas sei que dependo da decisão final que será na convenção”, disse Colnago.

Ele participou na manhã de sábado (23) do evento “Conversas com Eduardo Leite”, em Vitória. O governador do Rio Grande do Sul veio ao Estado por conta de sua campanha para disputar as prévias do partido, que acontecem no dia 21 de novembro. Colnago já tinha feito uma manifestação anterior pró-Doria – que disputa contra Leite para ser o nome tucano na eleição para presidente da República no ano que vem.

Colnago chegou a citar a visita de Eduardo Leite para justificar o anúncio da pré-candidatura e rebateu seus críticos. “Eu tenho conversado com o partido. O que Eduardo Leite está fazendo aqui? Eduardo e Dória são precipitados por fazer pré-campanha? Não. Eles querem que eu fique calado? Como fundador do partido, com a história que tenho? Não. Eu vou colocar minha pré-candidatura para ser construída, tanto na sociedade como no ambiente interno do PSDB. Sou um democrata, sempre fui um democrata. Agora, com a história que tenho, com as diversas secretarias e mandatos, desejar e querer colocar o meu nome à disposição para ser o pré-candidato, que precipitação tem nisso? Se fosse assim não estaríamos aqui discutindo as prévias. O PSDB está fazendo a coisa mais inteligente desse país, que é antecipar o debate porque o Brasil quer mudar e o Espírito Santo também”, afirmou Colnago.

A postura do ex-vice-governador aumenta ainda mais o desconforto dentro do partido. Tucanos que são da base do governador Renato Casagrande – a quem Colnago já está mirando sua artilharia – não estão nada confortáveis com a situação.

Executiva não definiu

Tanto durante o discurso no evento, como depois, em entrevista para a coluna, o presidente do PSDB capixaba, Vandinho Leite, foi categórico ao afirmar que candidaturas majoritárias não serão debatidas e nem postas agora pelo partido. “Vamos definir nossas candidaturas majoritárias após a definição das prévias. Isso não está posto no momento. Nós decidimos na Executiva, e é uma decisão coletiva, de que nós só vamos debater palanque no Espírito Santo, após a decisão sobre o nosso presidenciável”, disse Vandinho.

Sobre a possibilidade de um palanque duplo envolvendo o PSDB, Vandinho também adiou a discussão. O PSB estuda a possibilidade de, se não tiver candidatura própria a presidente da República, o palanque de Casagrande apoiar dois presidenciáveis de partidos diferentes. De acordo com o presidente do PSB-ES, Alberto Gavini, uma das possibilidades é apoiar os candidatos do PT (Lula) e do PDT (Ciro), e a outra é apoiar os candidatos do PDT (Ciro) e do PSDB (o que vencer nas prévias). Em troca, esses partidos no Estado apoiariam a reeleição de Casagrande e ocupariam postos-chaves, como o nome do vice na chapa e/ou o nome do Senado.

“Temos um excelente diálogo com o governador Casagrande. É claro que, a partir do momento que o partido do governador nos dá um sinal, um sinal gentil, a gente agradece. Mas não estou entrando ainda no debate com os partidos, para respeitar a decisão da Executiva”, disse Vandinho. Se vingar o acordo para o palanque duplo envolvendo o PSDB, os tucanos não terão candidato ao governo e o palanque do presidenciável do partido será o mesmo de Casagrande.

Decisão local

Ao ser questionado se o PSDB teria palanque no Estado, o presidenciável Eduardo Leite disse que a decisão será da Executiva estadual. “O Espírito Santo é um estado muito importante para nós, um bom exemplo para políticas públicas. Nós queremos sim ter um palanque aqui no Estado, acho que é importante, agora respeitamos o encaminhamento que os tucanos do Espírito Santo farão. Um partido quando se forma busca protagonismo, é legitimo aspirar e buscar uma candidatura ao Executivo, mas você não pode fazer isso sem entender que eventualmente outra candidatura, em outro partido, possa representar algo semelhante ao que pensamos e que possamos colaborar”.

E o Arthur?

O governador do Rio Grande do Sul, Eduardo Leite, já veio duas vezes ao Estado. O governador paulista, João Dória, uma vez. Só o ex-senador Arthur Virgílio, que também disputa as prévias do PSDB, é que ainda não sinalizou uma visita ao Estado.

Leia mais:  Conselho Gestor do Plano Espírito Santo – Convivência Consciente se reúne pela primeira vez
Continue lendo

São Mateus

Política e Governo

Segurança

Camisa 10

Mais Lidas da Semana