conecte-se conosco


Medicina e Saúde

Julho é declarado o mês internacional da prevenção à Síndrome do Olho Seco

Publicado

A campanha foi criada para conscientizar sobre o aumento no número de casos da doença, que está diretamente ligada ao crescimento no uso de celulares e dispositivos digitais durante a quarentena

A partir deste ano, julho passa a ser reconhecido internacionalmente como o mês de combate e prevenção à Síndrome do Olho Seco. A adoção da campanha já vinha sido discutida por autoridades especializadas na área e se tornou ainda mais necessária durante a pandemia da Covid-19, quando hábitos de isolamento da população resultaram no aumento da incidência da doença.

“Essa síndrome é caracterizada por uma deficiência na produção ou na qualidade das lágrimas provocando, principalmente, o ressecamento da superfície do olho. Entre os sintomas estão ressecamento, vermelhidão, ardor e coceira. Os estágios da doença vão de leve a moderado e grave. Os casos de moderado para grave trazem muito desconforto – dor, baixa da acuidade visual, dificuldades no uso de lentes de contato e em atividades de rotina como ler, ver tv, usar o computador. Além disso, o olho sem lágrima é um olho que enxerga mal”, explica a oftalmologista especializada no tratamento da Síndrome do Olho Seco, Liliana Nóbrega.

Ainda de acordo com a especialista, a doença já era considerada um problema global, afetando cerca de 15% da população mundial. “Apesar dos dados já alarmantes da síndrome, profissionais de oftalmologia de todo o mundo têm percebido que o isolamento causado pela pandemia da Covid-19, como principal forma de combate ao novo vírus, trouxe também a necessidade de orientar a população para os riscos de passar tempo demasiado à frente das telas de dispositivos digitais como celulares, televisões, computadores, entre outros”, acrescenta a médica.

Conforme orientado em cartilha da campanha, criada nos Estados Unidos pela Alliance for Eye and Vision Research (AEVR), a exposição prolongada a telas de dispositivos digitais acarreta numa rápida evaporação da lágrima. Isso acontece devido ao menor número de piscadas que a pessoa dá ao utilizar alguns desses objetos, podendo trazer como consequência o aparecimento ou a piora dos sintomas da Síndrome do Olho Seco. Estudos mostram que durante o tempo em que se passa diante das telas, nossas piscadas reduzem 40% em relação a outros momentos do dia.

“A discussão em torno dos efeitos do isolamento e do uso demasiado dos dispositivos eletrônicos já vinha sendo levantada e agora ganha ainda mais reforço com a declaração internacional de mês oficial de combate à doença. Queremos com isso despertar nas pessoas um olhar especial para esta Síndrome, que é uma das principais causas de visita ao oftalmologista e pode causar imenso desconforto ocular”, acrescenta Liliana Nóbrega.

Tratamento

A oftalmologista Liliana Nóbrega trouxe ao Espírito Santo o mais moderno e resolutivo aparelho para o tratamento da “Síndrome do Olho Seco”. De fabricação francesa, o E-Eye utiliza a tecnologia IRPL (Luz Pulsada Regulada de Alta Intensidade). Este é o primeiro equipamento médico desenvolvido especificamente para o tratamento das glândulas de Meibomius (glândulas que produzem lipídios e proteínas para as margens das pálpebras), responsáveis por 75% dos casos do “Olho Seco”.

“O tratamento é realizado com procedimentos rápidos. Duram em torno de cinco minutos e são indolores. O equipamento funciona com uma nova tecnologia de luz pulsada regulada de alta intensidade, o sistema E-Eye, que cria pulsos de luz policromática. A luz emitida não é invasiva, o que não causa comprometimento do globo ocular. Ao ser aplicado na proximidade das pálpebras, esse pulso de luz estimula terminações nervosas das glândulas de Meibomius, favorecendo um aporte maior e melhor da secreção lipídica”, afirma ela.

Estudos clínicos já realizados apontam que cerca de 90% dos pacientes mencionam melhora dos sintomas e satisfação após duas aplicações. Em apenas três aplicações – após a primeira, são feitas outras duas aos 15 e 45 dias -, o paciente já percebe uma diminuição nos sintomas de olho seco.

“É clinicamente possível observar essa melhora. A nova tecnologia induz a restauração da função normal das glândulas de Meibomius. Após o tratamento, pacientes têm relatado a diminuição do uso de colírios”, comenta Liliana Nóbrega.

Uma paciente que já fez o tratamento com ela relatou que, após as aplicações, percebeu uma diminuição nos sintomas de olho seco, a ponto de se esquecer de retirar as lentes de contato na hora de dormir. Com os procedimentos também é comum a redução no uso de colírios ou outros medicamentos.

Leia mais:  Consumir pimenta malagueta pode aumentar o tempo de vida
publicidade

Medicina e Saúde

Infectados devem esperar um mês antes de vacinar contra covid-19

Publicado

Segundo infectologista, intervalo é contado a partir de 14 dias depois do diagnóstico positivo da infecção pelo coronavírus

O Brasil registrou até esta sábado (10) 13.445.006 pessoas infectadas desde o início da pandemia, cerca de 6% da população brasileira. No momento em que a vacinação contra a covid-19 está sendo realizada no país, uma das dúvidas mais comuns é o que muda no caso de quem já teve a doença quando da aplicação da vacina.

Segundo o infectologista Hemerson Luz, quem já teve a covid-19 deve esperar ao menos um mês antes de tomar a vacina contra a doença. Esse intervalo é contado a partir de 14 dias depois do diagnóstico positivo, quando foi convencionado que a pessoa se livra do vírus.

Ele explica que ainda não há publicações e estudos demonstrando efeitos, mas que médicos têm adotado esse tempo mínimo para evitar potenciais efeitos adversos.

Se a pessoa tiver com a doença aguda, com febre e com sintomas da covid-19, ela não deve se vacinar. Antes disso, deve procurar um médico para receber orientações e ter um diagnóstico se está ou não com a covid-19.

“Se tiver com sintomas vou esperar encerrar o meu quadro. Se eu tiver com sintomas, tenho que procurar o médico para verificar o diagnóstico. Se tiver infectado, tem que aguardar até resolver o quadro e aí depois de 30 dias”, explica o infectologista.

Luz lembra que a vacina pode causar efeitos adversos, em geral no local da aplicação, como inchaço, vermelhidão, febre ou indisposição. Mas essas reações não duram mais de 48 horas e podem ser tratadas com remédios como analgésicos e antitérmicos.

O infectologista alerta que quem já foi infectado pode contrair a covid-19 novamente, mas o quadro deve ser brando. “A [vacina] CoronaVac tem eficácia de 50% para pegar a doença, mas é 100% eficaz contra o caso grave. A [vacina] Oxford/AstraZeneca é um pouco mais efetiva, a 70%, mas mesmo assim existe possibilidade de ficar doente”, disse.

O infectologista ressalta a importância da vacinação mesmo para quem já teve a covid-19. E acrescenta que não é preciso ter receio, pois não há chance da vacina causar doenças. Mesmo aquelas que utilizam vírus inativados não têm qualquer possibilidade de replicação do vírus no organismo.

Leia mais:  Por que o número de grávidas com HIV não para de crescer no Brasil?
Continue lendo

Medicina e Saúde

Influenza: 471 mil capixabas poderão se vacinar partir desta segunda-feira (12)

Publicado

A partir desta segunda-feira (12) tem início em todo território brasileiro a 23ª Campanha Nacional de Vacinação contra a Influenza. Para esta primeira etapa, 471.548 capixabas pertencentes ao grupo prioritário de crianças de seis meses a cinco anos, gestantes e puérperas poderão ser imunizados. Para os trabalhadores da saúde, que também fazem parte desta etapa, a data de início para vacinação contra a Influenza será a partir do dia 19 de abril, devido ao quantitativo de doses encaminhadas pelo Ministério da Saúde nesta primeira remessa.

“É importante ressaltar que nos últimos anos a meta de 90% não foi alcançada nos grupos de crianças e gestantes. Enfatizo a importância da primeira semana ser dedicada a esse público para os pais dessas crianças e as gestantes buscarem os serviços de vacinação para o alcance de elevadas e homogêneas coberturas desses grupos”, ressaltou a coordenadora do Programa Estadual de Imunizações e Vigilância das Doenças Imunopreveníveis, Danielle Grillo.

Ainda segundo a coordenadora, a distribuição das doses para a Influenza teve início nesta sexta-feira (09) aos municípios capixabas, de maneira gradual. Nas semanas seguintes, serão distribuídas as demais cotas da vacina. “Iniciamos a distribuição com 30% das doses correspondentes ao público da primeira fase. E nas próximas semanas, serão distribuídas as demais cotas até atingirmos o total de 1.551.830 doses previstas para toda Campanha”.

A coordenadora informou que o Estado tem orientado os municípios quanto às estratégias de vacinação, uma vez que ocorrerá concomitante à Campanha contra a Covid-19 e no período de pandemia.

“O objetivo é evitar a aglomeração e não ter fila para não expor a população ao risco da contaminação. Diante disso, orientamos os municípios em realizar as ações semelhantes às que vêm sendo feitas para a Campanha da Covid-19, com agendamentos, vacinações extramuros, drive-thru, além de vacinações em domicílio àqueles que possuem dificuldades de locomoção ou acamados”, disse.

A previsão, segundo o Ministério da Saúde, é que a primeira etapa se encerre no dia 10 de maio. Em seguida, no dia 11, inicia-se a segunda etapa com a população de 60 anos ou mais e professores, com previsão de término para 08 de junho. A terceira e última etapa iniciará no dia 09 de junho e se estendendo até 09 de julho, e irá contemplar pessoas portadoras de doenças crônicas não transmissíveis e outras condições clínicas especiais; pessoas com deficiência permanente; forças de segurança e salvamento; forças armadas; caminhoneiros; trabalhadores de transporte coletivo rodoviário de passageiros urbano e de longo curso; trabalhadores portuários; funcionários do sistema prisional; adolescentes e jovens de 12 a 21 anos de idade que cumprem medidas socioeducativas; e população privada de liberdade.

Feriado Dia de Nossa Senhora da Penha na segunda-feira (12)

No Espírito Santo, a próxima segunda-feira (12) é também feriado do Dia de Nossa Senhora da Penha, Padroeira do Estado. A orientação, segundo a coordenadora do Programa Estadual de Imunizações e Vigilância das Doenças Imunopreveníveis, Danielle Grillo, é que a população busque informações nos municípios quanto à abertura do serviço para saber se haverá vacinação disponível neste dia. 

Campanhas de vacinação Influenza e Covid-19

Devido à concomitância das ações de vacinação de Influenza e da Covid-19, há grupos prioritários que são semelhantes para ambas as campanhas. A orientação, segundo o Ministério da Saúde, é que seja priorizada a vacinação contra a Covid-19. “É por esse motivo que a população idosa, acima dos 60 anos, será contemplada na segunda fase da Influenza, dando tempo necessário para que esse grupo seja imunizado em ambas as campanhas”, explicou Danielle Grillo.

A coordenadora do Programa de Imunizações informa também que os públicos contemplados para as duas campanhas precisam se atentar aos intervalos entre as doses. “O intervalo mínimo entre as vacinas deve ser de 14 dias. Se recebeu a primeira dose (D1) da Covid-19 e está perto da segunda, é preferível receber esta D2 e aguardar, após imunização, 14 dias para tomar a vacina da Influenza. Mas, se está recebendo a D1 hoje, aguarde 14 dias para Influenza, e depois mais 14 dias para a D2 da Covid-19, fechando o tempo para imunizante da Coronavac, por exemplo.”

Grupos prioritários da Campanha de Vacinação contra a Influenza

Nesta campanha, serão vacinadas crianças de 6 meses a menores de 6 anos de idade (5 anos, 11 meses e 29 dias), gestantes, puérperas, povos indígenas, trabalhadores da saúde, idosos com 60 anos e mais, professores das escolas públicas e privadas, pessoas portadoras de doenças crônicas não transmissíveis e outras condições clínicas especiais, pessoas com deficiência permanente, forças de segurança e salvamento, forças armadas, caminhoneiros, trabalhadores de transporte coletivo rodoviário de passageiros urbano e de longo curso, trabalhadores portuários, funcionários do sistema prisional, adolescentes e jovens de 12 a 21 anos de idade que cumprem medidas socioeducativas e população privada de liberdade.

O público-alvo representará, no Espírito Santo, 1.551.830 milhão de pessoas. A meta é vacinar pelo menos 90% dos grupos elegíveis.

Leia mais:  Vacina da Moderna pode causar reação em pessoas com botox e preenchimento labial
Continue lendo

São Mateus

Política e Governo

Segurança

Camisa 10

Mais Lidas da Semana