conecte-se conosco


Mundo Cristão

Juliano Cazarré, ator da Globo, diz que sofre preconceito no meio artístico por ser cristão

Publicado

Juliano é católico, defende valores cristãos e costuma fazer lives com reflexões religiosas

O ator Juliano Cazarré, que atua na novela “Pantanal” da TV Globo, revelou que sofre preconceito nos bastidores por causa de suas crenças, durante uma participação no programa “Mais Você” na segunda-feira (25).

Juliano é católico, defende valores cristãos e costuma fazer lives com reflexões religiosas através de sua página no Instagram. Em entrevista a Ana Maria Braga, ele admitiu: “Não é uma caminhada fácil se assumir católico no meio artístico, as pessoas estranham muito. Eu levo umas pauladas de vez em quando.”

“Engraçado que quando eu voltei para igreja, já fazem vários anos, eu falei: ‘Que legal, eu tô voltando para a igreja do Brasil, vai ser muito bom, eu vou receber muito carinho’. Mas recebo cada paulada, também, cada pedrada”, se queixou Juliano.

O artista revelou que sua aproximação de Deus refletiu em seu casamento com Letícia Cazarré e sua visão sobre ter mais filhos. “A gente teve o Gaspar, foi se convertendo, e pensou: ‘É, vamos ter os filhos que Deus mandar’. Onde come um, come quatro, come cinco, vamos nessa”.

Leia mais:  Casamentos religiosos têm menos probabilidade de terminar em divórcio, sugere estudo

E observou: “Hoje em dia a gente ouve tanto o pessoal falando que a maternidade atrapalha a carreira e é difícil”. Hoje, Juliano e Letícia são pais de 5 filhos: Vicente, Inácio, Gaspar, Maria Madalena e Maria Guilhermina.

O ator falou ainda sobre as lives que promove nas redes sociais: “Quando a gente coloca o amor a Deus em primeiro lugar, seu amor pelo próximo aumenta. Quando você entende que tem algo maior que te ama, te entende, as coisas aqui na Terra começam a entrar no lugar”.

Acusado de “machista”

Na semana passada, Juliano Cazarré foi chamado de “machista” por alguns seguidores, por falar sobre a diferença dos papéis de pai e mãe durante uma live de reflexão religiosa.

O ator estava falando sobre José, pai de Jesus, e comentou: “Colo de pai e colo de mãe são diferentes. O colo da mãe é carinho, é aconchego. O colo do pai é proteção, é segurança. Nós precisamos ser fortes. Vai chegar o dia que sua esposa vai chegar em casa precisando chorar, e que ela tenha seu ombro para chorar. O que a gente vê hoje em dia é que a mulher chega em casa precisando desabafar e tem um outro chorando do lado dela: ‘Ai, amor, tomei uma fechada hoje na rua. Ai, meu patrão me destratou’. Às vezes, temos que engolir o nosso choro para que nossa família possa chorar”.

Leia mais:  Pastor ensina a combater maus pensamentos: “Se lembre das promessas de Deus”

As declarações de Cazarré geraram críticas e o ator respondeu às acusações em uma live na quarta-feira passada (20), visivelmente irritado.

“Eu falei que quem tem só mãe não tem proteção? Eu falei mal das mulheres por acaso? É sempre essa frescura, por isso que está cheio de homem geleia. Falar bem dos pais não é falar mal das mães, burro. Quero ver você achar alguém que trate tão bem a mulher quanto eu trato. Eu sou o cara que está em casa com as crianças, estou aqui com quatro, aí você vem aqui na minha live dizer que sou machista?”, questionou.

Ele também destacou: “Isso não é ser machista, isso aqui é ser homem, que é o que não tem mais. Toda sociedade precisa de um equilíbrio entre masculino e feminino e gente assim, fresca, é o tipo de gente que faz mal para a mulher”.

publicidade

Mundo Cristão

Entidades fazem campanha nacional de “jejum e oração” pelas eleições no Brasil

Publicado

Com o início oficial da campanha para as eleições este ano, entidades ligadas a igrejas evangélicas resolveram lançar uma campanha nacional de jejum e oração pelo Brasil, mobilizando denominações de todos os estados do país.

O projeto teve início no último dia 14 e durará até o dia 30 de setembro. A intenção, portanto, é abranger todo o período eleitoral. O primeiro turno das eleições será realizado em 2 de outubro, quando a população deverá eleger deputados federais, estaduais, senadores, governadores e o presidente da República.

“A união faz a força! Vamos, juntos, interceder por melhores dias para o nosso País. Cada dia da semana contará com a contribuição e a determinação de cada estado! Quem vem nessa?”, escreveu o bispo Robson Rodovalho, líder da Igreja Sara Nossa Terra.

O líder religioso compartilhou um banner digital com as informações da campanha de jejum e oração. No material é possível observar que os dias da semana foram divididos por estado, ficando o sábado e domingo para todos.

Ou seja, as igrejas de São Paulo, Rio de Janeiro e o Paraná, por exemplo, deverão se unir em jejum e oração em todas as quartas-feiras até o dia 30 de setembro, enquanto que o Espírito Santo, Rondônia e Roraima deverão orar e jejuar nas quintas-feiras.

Leia mais:  Arqueólogos encontram esqueleto com prego no calcanhar que evidencia crucificação na Inglaterra

Esta é uma iniciativa da Associação dos Parlamentares Evangélicos do Brasil (Apeb), do Fórum Evangélico Nacional de Ação Social e Política (Fenasp) e da Confederação dos Conselhos de Pastores do Brasil (Concepab).

Clamor pelo Brasil

A mobilização nacional em prol do jejum e oração, contudo, não é inédita no país. Em 05 de abril de 2020 também foi realizado um evento semelhante, logo no início da pandemia do novo coronavírus.

Na época, lideranças religiosas também convocaram as suas igrejas para jejuar e orar pelo Brasil. O presidente da República, Jair Messias Bolsonaro (PL) também aderiu ao movimento, chegando a participar de um rápido momento em frente ao Palácio da Alvorada. Confira:

jejum

No Alvorada, Bolsonaro participa do jejum e recebe oração de pastores

Continue lendo

Mundo Cristão

Igreja causa polêmica ao anunciar culto ‘Vem Novinha’

Publicado

A publicação foi alvo de várias críticas que partiram de internautas cristãos

Um anúncio divulgado nas redes sociais com a chamada para participação em um culto, deu o que falar na última sexta-feira, 12. Isso porque, o evento religioso foi batizado de “Vem Novinha” e causou polêmica na internet.

A programação estava marcada para o último sábado (13), no templo da Igreja Casa, em Águas Lindas de Goiás (GO). o evento chamou anta atenção que até a ex-ministra de Estado da Mulher, Família e Direitos Humano, Damares Alves (Republicanos) se manifestou sobre o caso.

“Águas Lindas, neste sábado teremos o famoso VEM NOVINHA… A tour do SHARE já começa com um tema um pouquinho polêmico rs. Esse é o TBT de um culto que ficou pra história… Quer entender que loucura é essa? Vem pra CASA que temos certeza que você será surpreendido. Marque pelo menos cinco pessoas nos comentários e se prepare!”, diz o post.

A publicação foi alvo de várias críticas que partiram de internautas cristãos, que não ficaram satisfeitos com o nome do culto nem da boca provocante utilizada na arte de convite para o culto.

Leia mais:  Ateus pedem que FBI pare de propagar a fé cristã

A ex-ministra Damares também comentou o caso. “Eu não acredito no que estou lendo. Este povo não sabe que as “novinhas” são meninas estupradas e exploradas sexualmente. Eles não têm noção que estão ajudando na apologia à pedofilia? Falta de sabedoria”, escreveu Damares.

Continue lendo

São Mateus

Política e Governo

Segurança

Camisa 10

Mais Lidas da Semana