conecte-se conosco


Brasil

Justiça libera prisão domiciliar para Abdelmassih em razão de pandemia

Publicado

Ex-médico, condenado a mais de 173 anos por abusar sexualmente de pacientes, apontou problemas de saúde e cumprirá pena em casa

A Justiça de São Paulo autorizou o ex-médico Roger Abdelmassih a deixar a prisão para cumprir a pena em casa em razão da pandemia do novo coronavírus.

Aos 76 anos, Abdelmassih solicitou o benefício alegando fazer parte do grupo de risco da doença, pois além de ser idoso tem doenças cardíacas e respiratórias, conforme laudos apresentados ao Judiciário.

Um dos principais nomes da reprodução assistida no país nas últimas décadas, Abdelmassih foi condenado a mais de 173 anos de prisão por abusar sexualmente de pacientes.

A autorização para Abdelmassih deixar a Penitenciária 2 de Tremembé vale inicialmente por 90 dias e depois poderá ser prorrogada. Abdelmassih não poderá se ausentar da residência a não ser mediante prévia autorização judicial, exceto para tratamento médico e hospitalar, o que deverá ser comprovado posteriormente.

A decisão desta terça-feira (14) foi da juíza Sueli Zeraik de Oliveira Armani, da 1ª Vara de Execuções Criminais de Taubaté. Ela citou recomendação do CNJ (Conselho Nacional de Justiça) para que se evitem riscos epidemiológicos e decisão do STF (Supremo Tribunal Federal) que determinou a liberação de uma presa lactante em razão da covid-19.

De volta pra casa

Essa não é a primeira vez em que o ex-médico terá o benefício da prisão domiciliar, já que ele cumpria pena nessa modalidade até outubro de 2019. O direito foi revogado depois da abertura de uma apuração por suposta fraude em relação ao estado de saúde dele.

Leia mais:  Fundação Renova envia suspeitas de fraude para apuração
publicidade

Brasil

Médico morre eletrocutado na frente da noiva um dia antes de casar

Publicado

A noiva, inclusive, tinha postado há poucas horas no Instagram um vídeo mostrando a decoração para recepcionar os convidados após a celebração

Uma tragédia às vésperas do casamento tirou a vida do médico Denis Ricardo Faria Gurgel, de 31 anos. Ele morreu na última quinta-feira (29) após sofrer uma descarga elétrica, na zona rural de Cariri do Tocantins, sul do estado.

Denis e a noiva estavam às margens de uma represa, participando de uma sessão de fotos, quando tudo aconteceu.

A cerimônia de casamento aconteceria nesta sexta, em Gurupi.

O Corpo de Bombeiros chegou a ser acionado, mas, infelizmente, ao chegar no local, o médico já estava caído, sem vida.

De acordo com relatos da noiva, os dois estavam com varas de pescar.

Um dos anzóis teria ficado preso em um fio de energia. O médico levou as duas mãos para retirar o anzol e levou a descarga elétrica. Segundo os bombeiros, o fio de energia não possuía proteção em alguns pontos.

Última foto mostra casal sorrindo e pescando minutos antes de médico sofrer choque e morrer nas vésperas de casamento

A última foto tirada pelo fotógrafo mostra o quanto o casal estava feliz.

A noiva, inclusive, tinha postado há poucas horas no Instagram um vídeo mostrando a decoração para recepcionar os convidados após a celebração.

Teixeira, o fotógrafo, e a noiva ainda gritaram por socorro a um funcionário da fazenda, mas devido à distância, cerca de 600 metros, o homem não conseguiu ouvir.

“Eu cheguei com a canoa perto, ele entrou descalço e começou a tirar a linha com a mão, mas sem triscar no fio. Já estava terminando, ele se desequilibrou e no reflexo, no impulso, para não cair, ele se apoiou no fio com a mão direita e já começou a receber a descarga elétrica”, disse o fotógrafo ao G1.

Leia mais:  Comida levada por Flordelis para filho em presídio foi apreendida durante visita
Continue lendo

Brasil

Idoso recebe nota de R$ 420 e dá troco de R$ 320 em Unaí (MG)

Publicado

Jovem de 24 anos usou a cédula falsa que tem um bicho-preguiça desenhado para pagar uma dívida de R$ 100; suspeito foi preso

Um jovem de 24 anos foi preso nesta quinta-feira (29) após usar uma cédula falsa de R$ 420 para pagar um empréstimo feito por um idoso de 75 anos em Unaí, a 590 km de Belo Horizonte.

De acordo com a PM (Polícia Militar), o idoso se recusou a receber a nota que tinha, em uma das faces, um desenho de um bicho-preguiça e uma folha similar à da maconha. O suspeito teria, então, esbravejado com a vítima e alegado que a nota era verdadeira e que ele teria retirado a cédula em um caixa eletrônico da cidade. A vítima, então, aceitou a nota e ainda devolveu R$ 320 de troco.

O boletim de ocorrência indica que a vítima teria sido procurada, na última terça-feira (27) pelo suspeito, que é empregado de um vizinho. O homem pediu R$ 100 emprestados e prometeu que faria a devolução até o início de agosto.

Desconfiada, a vítima procurou a Polícia Militar, que foi até a casa do suspeito. O homem reafirmou ter recebido a nota no caixa eletrônico do banco e que já havia gasto o dinheiro repassado pelo idoso. O jovem também afirmou que estava em liberdade condicional e já havia sido detido por roubo e receptação.

Na residência, os militares encontraram maconha. Questionado, o suspeito confirmou que a droga era dele e que ele a levaria para uma fazenda, onde seria consumida pelo jovem e pela esposa. O suspeito foi preso e encaminhado a uma delegacia.

Leia mais:  Vira-lata caramelo 'anuncia' chegada da nota de R$ 200 em campanha do BC
Continue lendo

São Mateus

Política e Governo

Segurança

Camisa 10

Mais Lidas da Semana