conecte-se conosco


Mundo Cristão

Líder evangélico e fundador de convenção da Assembleia de Deus no ES morre aos 90 anos

Publicado

Sepultamento será às 15h30 no Cemitério Parque da Paz, em Ponta da Fruta. Pastor Oscar Domingos de Moura morreu na noite de sexta-feira (19)

pastor Oscar Domingos de Moura, presidente da Convenção Fraternal das Assembleias de Deus do Estado do Espírito Santo e Outros (Confradeesto), morreu na noite desta sexta-feira (19) aos 90 anos. Ele deixa oito filhos.

O sepultamento acontecerá a partir de 15h30 no Cemitério Parque da Paz, em Ponta da Fruta, Vila Velha.

Autoridades e líderes religiosos no ES lamentaram a morte do pastor. 

Em nota, o pastor José Wellington Costa Júnior, presidente da Convenção Geral das Assembleias de Deus no Brasil (CGADB), junto da esposa Lídia Dantas Costa, presidente das Esposas de Pastores, lamentou a morte do presidente da Confradeesto. 

Por meio das redes sociais, o prefeito da Serra, Sérgio Vidigal também divulgou nota comentando o falecimento do líder religioso.

“Pastor Oscar deixa a todos nós o seu legado de exemplo de fé e amor pela obra do Senhor e suas ovelhas, desenvolvendo com dedicação o ministério pastoral”, disse.

Oscar era natural de Afonso Cláudio, interior do Espírito Santo, e antes de se converter, serviu ao Exército e foi jogador de futebol pelo Vitória Futebol Clube.

O pastor ingressou na Convenção das Assembleias de Deus no Estado do Espírito Santo (Cadeeso) em 1985, sendo nomeado presidente no ano seguinte.

Em 2018, Oscar tomou a decisão de fundar a própria convenção, se afastou da Cadeeso e criou a Confradeesto em fevereiro do mesmo ano.

Oscar também era conselheiro vitalício da Casa Publicadora das Assembleias de Deus no Brasil (CPAD), e foi vice-presidente da Convenção Geral das Assembleias de Deus no Brasil (CGADB) em 2009.

Leia mais:  Católicas feministas querem igreja “sem padre, pró-aborto e LGBT”
publicidade

Mundo Cristão

“Deus está julgando o cristianismo de celebridades”, alerta pastor

Publicado

“Somos amigos do Noivo? Ou somos amigos da elite? Dos ricos? Dos poderosos?”, alertou o pastor Allen Hood

“Deus está julgando o cristianismo de celebridades”. Esse foi o alerta do pastor americano Allen Hood, que atuou na liderança da Casa Internacional de Oração em Kansas City (IHOPKC). 

Em um sermão publicado pelo ministério The Altar Global, Hood lembra que aos pastores e líderes que “se sua ambição é ser conhecido, você é a pessoa errada para o trabalho”.

“Temos que nos perguntar: somos amigos do Noivo? Ou somos amigos da elite? Dos ricos? Dos poderosos?”, o pastor questiona. “Gostamos das roupas, gostamos do reconhecimento, gostamos da lista de contatos, gostamos do conjunto todo.” 

Por isso, Hood lembra que Deus está em busca de profetas como João Batista para esse tempo: 

“Deus está procurando o cara que come gafanhotos e mel e usa roupas de pêlo de camelo. O último lugar que ele quer estar é na casa do rei, porque se ele for lá, ele terá que confrontá-lo sobre seu pecado: ‘Não, eu não preciso de uma foto. Você está dormindo com a esposa do seu irmão. Eu sei que vou perder a cabeça. Eu sei que você não vai me convidar de volta. Mas você me convidou e é isso o que você está recebendo’”.

O pastor ainda lamenta o fato de que “reis não tremem mais diante dos crentes”.

“Jesus disse: ‘O que você saiu para ver? Um caniço agitado pelo vento? Um homem que corteja reis e nobres e gosta do que eles podem dar a ele?”, continua o pastor.

“Agora mesmo, o Espírito Santo está tirando essa coisa grotesca de celebridade fora do Corpo. E amado, eu digo que quanto mais rápido melhor!”

Por fim, o pastor Allen deixa um alerta aos mais jovens: “Não façam o que fizemos! Não vá por esse caminho. Nos conduzam a uma era de avivamento”.

Leia mais:  Pastor é preso acusado de homofobia por dizer que Deus criou ‘apenas 2 sexos’
Continue lendo

Mundo Cristão

‘Minha força é Cristo’, diz pastor que se tornou técnico na NFL e vem fazendo sucesso

Publicado

O técnico Frank Reich tem uma trajetória inusitada: foi jogador da NFL nos anos 1990 e depois se tornou pastor e presidente de seminário. Porém sua jornada no maior esporte dos Estados Unidos não havia acabado, e em 2018 voltou como técnico para reconstruir o Indianápolis Colts.

Em 1997, Frank Reich era o quarterback reserva do Carolina Panthers, mas o sonho de ser técnico já rondava seu coração. Ele se aposentou em 1998 e sua vida seguiu outros caminhos.

“Quando estava jogando, sempre pensei que seria um treinador. Quando entrei no ministério de tempo integral, foi por todos os motivos certos – um amor verdadeiro, sincero e de coração por Deus. Eu estava tentando fazer a coisa certa”.

Essa declaração, dada à Coalizão pelo Evangelho nos EUA, resume as reviravoltas na vida do técnico que vem fazendo sucesso com um time improvável: o Indianapolis Colts, que não ia à fase “mata-mata” (playoffs) da NFL desde 2014, conseguiu avançar no primeiro ano de Reich como técnico, em 2018.

Em 2021, após começar com três derrotas, o time vem virando o jogo e tem a projeção de 72% de probabilidade de chegar aos playoffs da NFL, de acordo com informações do Indy Star.

Reich, que há três anos deixava a presidência do campus de Charlotte (Carolina do Norte) do Seminário Teológico Reformado (RTS), falou sobre como tem usado sua fé cristã para estimular os atletas de sua equipe.

“Algumas pessoas sabem que nossa equipe tem usado a metáfora de escalar o Monte Everest para fazer um paralelo em nossa busca para chegar ao topo. E não demorou muito para descobrir que essa metáfora não se aplica apenas ao futebol. Em vez disso, pode ser uma imagem dos muitos desafios que todos nós enfrentamos, certo? Todos nós enfrentamos montanhas que estamos tentando escalar”, afirmou o técnico Frank Reich após a vitória no último domingo, 21 de novembro, sobre o badalado Buffalo Bills.

“A razão pela qual estou fazendo isso aqui e agora é porque quase 30 anos atrás, depois de um grande jogo no final do corredor, em uma coletiva de imprensa, compartilhei a letra de uma música que significava muito para mim”, disse Reich.

Em 1993, Reich recitou a letra da música In Christ Alone quando era jogador do Bills após a vitória nos playoffs sobre o Houston Oilers, virando 32 pontos de desvantagem na ocasião, um recorde que continua sendo a maior vitória inesperada na história da NFL.

“Realmente fala de onde eu tiro minhas forças. A música é In Christ Alone […] Pode encorajar alguém que está escalando sua própria montanha agora”, afirmou na entrevista coletiva do último domingo.

O técnico continuou, recitando o refrão: “Somente em Cristo coloco minha confiança e encontro minha glória no poder da cruz. Em cada vitória, diga-se de mim que minha fonte de força e minha fonte de esperança é somente Cristo”.

Por fim, acrescentou: “Embora tenha sido há quase 30 anos quando li essas palavras aqui neste estádio, esta semana me lembrei de Hebreus 13:8 que diz: ‘Jesus Cristo é o mesmo ontem, hoje e para sempre’”.

Leia mais:  Jovens cristãos não estão preparados para enfrentar o ambiente acadêmico, diz professor
Continue lendo

São Mateus

Política e Governo

Segurança

Camisa 10

Mais Lidas da Semana