conecte-se conosco


Internacional

Mãe dá à luz quatro bebês em um ano

Publicado

Jessica Pritchard teve trigêmeos onze meses após o nascimento da filha, Mia. Ela também já tinha uma filha mais velha

Uma mãe, de Sheffield, na Inglaterra, ficou chocada ao descobrir que sua terceira gravidez seria de trigêmeos. Jessica Pritchard, 31, e seu parceiro Harry, 34, tinham dado as boas-vindas a sua segunda filha, Mia, meses antes dos trigêmeos. Em entrevista ao South Yorkshire Live, Jessica disse que o marido não acreditou nela até ver os exames. “Foi definitivamente [um grande choque], embora nos consideremos muito abençoados.”

Jessica lembra que não tinha recebido nenhuma indicação de que teria trigêmeos, então foi uma grande surpresa e significava que ela e Harry tinham uma enorme lista de compras para se preocupar. “Era mais uma questão de se preparar para comprar três de tudo: três berços e um carrinho triplo”, disse a mãe. Os trigêmeos — Ella, George e Olivia — nasceram em abril deste ano, 11 meses após o nascimento da bebê Mia, em maio de 2020. Os pequenos ainda contam com ajuda da irmã mais velha, Molly, de 8 anos. “Ela adora todos eles. Ela é uma irmã tão boa e quer ajudar o tempo todo”, disse Jéssica.

Leia mais:  Maior asteroide a se aproximar da Terra em 2021 passará na próxima semana

Agora, o casal tem que lidar com a casa sempre cheia, mas a mãe conta que vem se adaptando à nova rotina. “Definitivamente foi uma grande surpresa, mas adorável e não demorou muito para me ajustar. Sou muito organizada, então só preciso planejar as coisas com antecedência”. 

Mia com os irmãos (Foto: Reprodução: YorkShire)

Mia com os irmãos (Reprodução: YorkShire)

publicidade

Internacional

Escola é construída em semanas a partir de impressora 3D na África

Publicado

Projetos sem fins lucrativos se juntaram para criar colégio na ilha de Madagascar que pode receber até 30 alunos

Um projeto feito na ilha de Madagascar, no continente da África, construiu a primeira escola com auxílio de uma impressora 3D no país, na cidade de Fianarantsoa.

Uma parceria entre a organização sem fins lucrativos Thinking Huts, a Ecole de Management et d’Innovation Technologique e a universidade local de Fianarantsoa busca mudar a realidade dos jovens da ilha, na África subsaariana.

Com o nome de Bougainvillea, a escola, antes da chegada das entidades, passava por uma construção que já durava sete anos. Com a ajuda desses parceiros, as paredes do colégio foram impressas em 18 horas e três semanas depois a estrutura do local estava finalizada.

O espaço, de 65 m², foi projetado para acomodar até 30 estudantes ao mesmo tempo. A escola receberá desde alunos do primário até estudantes do ensino médio.

As portas, o teto e a janela da escola foram fabricados com materiais locais, e as paredes, construídas com cimento, com auxílio da tecnologia 3D. Além disso, a estrutura do colégio tem formato de uma colmeia de abelha, simbolizando a união.

Leia mais:  Maior asteroide a se aproximar da Terra em 2021 passará na próxima semana

Impressora 3D auxilia na construção das paredes do colégio

“Nós nos inspiramos na colmeia, que simboliza a reunião de pessoas para formar uma comunidade que só vai prosperar se todos trabalharem para uma missão compartilhada”, afirma Maggie Grout, empreendedora que criou a Thinking Huts. “A impressão 3D permite reduzir o desperdício e o tempo de construção”, completa.

Segundo estimativa da Unesco, para melhorar os índices educacionais em Madagascar, seria necessária a criação de cerca de 22 mil escolas no país.

Com os números atuais, uma em cada três crianças na ilha não completou sequer o primário e 97% das crianças de até 10 anos não conseguem ler uma frase com poucas sentenças.

A iniciativa pode ser uma virada de chave para melhorar o sistema educacional e afetaria positivamente outros tantos setores do país, que atualmente ocupa a 164ª posição no IDH (Índice de Desenvolvimento Humano), com pontuação de apenas 0,528 em um índice que vai até 1.

Continue lendo

Internacional

Homem é enterrado vivo após beber e desmaiar durante festival na Bolívia

Publicado

Victor Alvarez, de 30 anos, conseguiu escapar do caixão, que estava a 80 km de distância da festa; linha de apuração aponta para ritual

Um jovem de 30 anos afirmou que foi enterrado vivo depois de consumir bebidas alcoólicas com um amigo e ficar bêbado durante um tradicional festival em homenagem à Mãe Terra em El Alto, na Bolívia. 

Victor Hugo Mica Alvarez conseguiu escapar do caixão em que foi colocado, em Achacachi, a cerca de 80 km de distância do local do evento.

As autoridades investigam a possibilidade de o rapaz ter sido vítima de um ritual. O caso ocorreu na última sexta-feira (5), de acordo com o jornal britânico Daily Mail. 

“Ontem à noite foi a pré-entrada [da Villa Victoria], fomos dançar, sou guia, e não lembro mais. A única coisa que lembro é que pensei que estava na minha cama e me levantei para ir ao banheiro, mas não conseguia mais me mexer. Foi quando empurrei o caixão, que tinha um vidro, que se quebrou. A terra começou a entrar pelo vidro, e então eu consegui sair. Eles me enterraram”, declarou o rapaz ao diário Página Siete, de La Paz, capital boliviana.

Leia mais:  Rússia diz ter matado quase 2.000 combatentes estrangeiros na Ucrânia

O Festival Madre Tierra conta com oferendas para Pachamama, a deusa da terra e da fertilidade na cultura dos povos indígenas dos Andes Centrais. Os bolivianos indígenas acreditam que a divindade “abre a boca” em agosto. Por isso, há quem ofereça a ela desde animais até doces. Existe a suspeita na região de que anciãos ainda oferecem seres humanos em segredo.

O jovem afirmou que havia uma estrutura montada no local em que foi enterrado. Assim que escapou, ele pediu ajuda a outro rapaz, que o levou a uma delegacia de polícia. No entanto, os agentes não acreditaram na versão de Álvarez, que procurou o jornal boliviano para fazer a denúncia e pedir ajuda com a investigação.

Continue lendo

São Mateus

Política e Governo

Segurança

Camisa 10

Mais Lidas da Semana