conecte-se conosco


Brasil

Mais de 200 pessoas têm contas de WhatsApp clonadas por dia no ES; saiba como se proteger

Publicado

Cibercriminosos estão se passando até por técnicos do Instituto Butantan no Espírito Santo para atrair vítimas e clonar contas

Os casos de clonagem de contas no aplicativo de mensagens instantâneas WhatsApp estão cada vez mais comuns. Os golpistas também estão sempre inovando para aplicar as fraudes. Entre as mais recentes no Estado, está a promessa de agendamento para vacinação contra a covid-19, além de ligações com o envio de SMS de golpistas se passando por técnicos do Instituto Butantan, fabricante do imunizante Coronavac no Brasil.

Somente em 2020, foram 73.909 capixabas vítimas de clonagem do WhatsApp, o que resulta, em média, em mais de 200 golpes aplicados por dia. Os dados são de um levantamento realizado pelo dfndr lab, laboratório especializado em segurança digital da PSafe. Em todo o país, cerca de 5 milhões de pessoas caíram no “conto do vigário” virtual.

Os golpistas se aproveitam de um assunto em alta para chamar a atenção das vítimas. Uma das formas de abordagem funciona da seguinte maneira: alguém liga para o celular da vítima e pede dados pessoais para agendar a vacinação. Para isso, claro, pede para a pessoa confirmar os dados. É a oportunidade de os criminosos clonarem seus dados e o número do seu aplicativo de mensagens.

A situação fez com que o Ministério da Saúde realizasse um alerta: a pasta esclareceu que não liga e não envia SMS para que os cidadãos se cadastrem para tomar a vacina contra covid-19. As ligações do tipo são golpes com objetivo de clonar aplicativos de mensagem, alertou o ministério, que reiterou que não faz agendamento de vacinação, não solicita dados das pessoas nem envia quaisquer tipos de códigos para usuários do sistema de saúde.

O titular da Delegacia de Repressão aos Crimes Cibernéticos (DRCC), o delegado Breno Andrade, acredita que, só nos primeiros dois meses deste ano, um golpe virtual é realizado por dia no Estado envolvendo clonagem de WhatsApp. 

“Com certeza, deve haver muito mais. Mas esses casos são enumerados como estelionato. Sem contar o grande número de pessoas que não registram boletim de ocorrência”, afirma. Ele, inclusive, foi alvo de um golpe em março do ano passado, quando recebeu um suposto pacote extra de internet pelo aplicativo de mensagens.

O diretor do dfndr lab, Emilio Simoni, explica que os cibercriminosos criam perfis falsos nas redes sociais, se passando por empresas e simulando o visual e a linguagem das marcas originais, inventando promoções e pesquisas. “Os golpistas utilizam de engenharia social para ganhar a confiança da possível vítima e conseguir convencê-la a passar seu código PIN, com o qual o criminoso pode obter acesso a conta do WhatsApp indevidamente”, afirma.

Simoni destaca que com o acesso à conta da vítima, os criminosos observam as conversas para entender o comportamento e a forma de comunicação do usuário, iniciando conversas se passando pelo dono da conta.

 “O golpista também poderá ler tudo que a vítima compartilhou ou foi enviado para ela, como dados pessoais, informações sigilosas da empresa em que trabalha, fotos e documentos. Com esse conteúdo em mãos, abre-se um leque de opções para os cibercriminosos realizarem chantagens e aplicarem outros golpes com os dados da vítima”, explicou.

O delegado Andrade também aconselha sempre desconfiar quando ofertas vantajosas chegam pelo aplicativo de mensagens. “São casos envolvendo promoções e prêmios de viagens, de dinheiro, de voucher e desconto em restaurantes e em faturas de consumo. É ´preciso não clicar ou confirmar dados envolvendo SMS e checar com as empresas sobre a veracidade do que se recebe”, descreve.

O alerta se estende para que as pessoas fiquem atentas a avisos relacionados à vacinação de covid-19. “Essas quadrilhas sempre se aproveitam do assunto do momento e o tema da imunização agora passa a ser explorado. A dinâmica é sempre a de que a vítima forneça os próprios dados, voluntariamente, por meio de um assunto em alta”, desenvolve.

O QUE FAZER SE VOCÊ FOI VÍTIMA

Quem se tornar vítima da clonagem da conta deve tomar algumas atitudes imediatas. O diretor do dfndr lab sugere seguir orientações do próprio aplicativo. “O WhatsApp recomenda que o usuário apague o aplicativo do smartphone, faça o download novamente e tente entrar com seu número, como se estivesse tentando pela primeira vez. O usuário receberá um código de ativação por SMS, que deverá ser informado no aplicativo. Nesse momento, se alguém estiver logado na sua conta será automaticamente desconectado”, recomenda.

Ele ressalta que é importante comunicar o ocorrido ao aplicativo, enviando um e-mail para o suporte ([email protected]) relatando brevemente o que aconteceu e informar o número do celular junto com o código internacional brasileiro e DDD (+55 XX).

“Além disso, é importante avisar aos contatos o que aconteceu. É comum que cibercriminosos enviem mensagens aos familiares e amigos da vítima pedindo transferências bancárias ou depósitos de dinheiro. Isso evitará que eles caiam em possíveis golpes ou passem informações sigilosas. Também é importante solicitar para seus amigos que removam sua conta dos grupos, onde mais pessoas podem ser contatadas pelos criminosos”, destaca.

Registro de ocorrência

Breno Andrade reforça a importância de comunicar o fato para a polícia. O procedimento é que a v´ítima faça um boletim de ocorrência através da Delegacia Online. “Além do registro, é necessário que o caso seja bem detalhado. O cidadão, além de descrever, deve reunir os prints das conversas pois são a comprovação do crime. É importante guardar esse material”, reforça.

Para evitar futuros golpes, além da desconfiança, o delegado aconselha que se utilize os procedimentos de segurança disponíveis. “É preciso ativar a verificação em duas etapas no WhatsApp. Assim, o aplicativo sempre irá verificar se é você mesmo se sua conta for acessada de um outro telefone”, indica. 

Até técnico do Butantan

Ainda na onda da vacinação contra a covid-19, no Estado houve relatos até de ligações de golpistas se passando por técnicos do Instituto Butantan, responsável pela fabricação do imunizante Coronavac no Brasil. O criminoso geralmente solicita informações para pesquisa da doença e oferece até kits de máscara e álcool em gel. 

Para confirmar o recebimento dos kits, ele pede para a vítima compartilhar um código de confirmação via SMS enviado pelo próprio fraudador. Se a vítima clica no link recebido, isso permite que o cibercriminoso clone a conta do aplicativo. O episódio aconteceu com um aposentado de 61 anos. 

“A pessoa se identificou como técnico do Butantan e fez várias perguntas. Instantes depois que eu passei o código de SMS que recebi, a minha conta de WhatsApp foi clonada. Depois eu soube que pediram dinheiro em meu nome. Foi uma dor de cabeça, mas a sorte é que eu agi rápido e consegui que o aplicativo desativasse a minha conta logo”, contou o morador da Praia do Canto, em Vitória, que preferiu não se identificar.  

Por meio de nota, o Instituto Butantan informou que não entra em contato por meio de ligações ou mensagens e nem faz a oferta dos supostos kits. Esclareceu, também, que informações e orientações podem ser acessadas por meio dos canais oficiais, como o site, por exemplo.

Evite os golpes

Dentre as dicas listadas pela dfndr lab para evitar a clonagem da conta do aplicativo, estão:

:: Instale uma solução de segurança em seu celular capaz de identificar tentativas de clonagem de WhatsApp, que alerta sempre que alguém tentar acessar o seu WhatsApp;

:: Ative a autenticação em dois fatores, dessa forma você poderá criar uma senha que será uma camada extra de segurança para sua conta de WhatsApp;

:: Procure pelo selo de verificação nos perfis das redes sociais das marcas e nunca passe informações pessoais e nenhum código que foi enviado para o seu celular; 

:: Não deixe o celular desbloqueado perto de pessoas desconhecidas, pois é possível que elas se conectem ao WhatsApp Web e tenham acesso às suas mensagens. Para verificar se alguém está acessando sua conta, clique nos três pontinhos no canto superior direito dentro do aplicativo e selecione “WhatsApp Web”. Se alguém estiver ativo, irá aparecer o nome do dispositivo no qual ele está conectado. Para sair basta clicar em “Desconectar de todos os aparelhos”.

Agendamento oficial

No Espírito Santo, o agendamento oficial para a vacinação do público-alvo é realizado por meio das prefeituras de cada município. Atualmente, grande parte dos municípios já realiza a vacinação dos idosos acima de 80 anos. Em Viana, a idade mínima atual é 78 anos.

Leia mais:  Governo federal zera imposto de importação de agulhas e seringas
publicidade

Brasil

Prazo para contestar auxílio emergencial negado termina neste sábado

Publicado

Saiba como proceder e quem tem direito a fazer a solicitação, realizada por meio do site do Ministério da Cidadania

O prazo para a contestar os pedidos de auxílio emergencial negados termina neste sábado (24), às 23h59. A data limite se aplica aos trabalhadores que se inscreveram pelos meios digitais e que tiveram a solicitação recusada na revisão mensal de julho.

Mensalmente, governo federal analisa os CPFs dos beneficiários para conferir se eles ainda se enquadram nos critérios para receber o auxílio.

De acordo com o Ministério da Cidadania, a contestação vai permitir uma nova análise com bases mais atualizadas dos dados da pessoa. O requerimento com o pedido de revisão deve ser feito pelo site da pasta (https://consultaauxilio.cidadania.gov.br).

“Após ingressar com os dados de identificação e clicar na aba correspondente ao auxílio emergencial 2021, a pessoa deve clicar no botão: contestar. A partir daí, precisa aguardar até que seja realizada uma nova análise da situação do seu benefício”, informou o ministério.

Após a contestação, o pedido será reanalisado pela Dataprev. A partir daí, é preciso aguardar até que a nova análise da situação do benefício seja concluída.

Se a razão que motivou o cancelamento permitir contestação, o trabalhador poderá voltar a receber o benefício.

O ministério disse que, caso não ocorra a aprovação por algum motivo de indeferimento definitivo, não será possível apresentar contestação, pois a situação que motivou o indeferimento não vai se alterar.

Pessoas que já tenham ficado inelegíveis para receber o auxílio antes e já tenham realizado a contestação não poderão submeter nova contestação.

Já os bloqueios feitos a pedido dos órgãos de controle não podem ser contestados ainda, pois estão sob análise do Ministério da Cidadania e da Dataprev. Esse tipo e bloqueio é feito de forma preventiva.

“Posteriormente, é definido pela liberação ou cancelamento do benefício em definitivo. Não há prazo definido para divulgação do resultado”, disse o ministério.

Leia mais:  Governo federal zera imposto de importação de agulhas e seringas
Continue lendo

Brasil

Concluída a implantação da restauração florestal em áreas afetadas pelos rejeitos de Fundão (MG)

Publicado

A Fundação Renova concluiu a implantação da restauração florestal de 550 hectares de florestas e Áreas de Preservação Permanente (APPs) localizadas em Mariana, Barra Longa, Rio Doce, Santa Cruz do Escalvado e Ponte Nova, municípios que sofreram o primeiro impacto ambiental do rompimento da barragem de Fundão (MG).

Para o trabalho de restauração foram destinados R$ 356 milhões e o processo envolveu 202 propriedades rurais afetadas diretamente pelos rejeitos, com adesão e autorização dos produtores rurais. No total, essas áreas receberam cerca de 300 mil mudas de 96 espécies nativas. Todos os hectares agora estão protegidos e serão monitorados para avaliar a efetividade da restauração e dos métodos usados. A Fundação Renova ficará ainda encarregada pelas manutenções até 2026, como roçadas, adubações, combates a formigas e replantios caso seja necessário.

Veja os resultados obtidos com a restauração florestal nas áreas impactadas pelos rejeitos da barragem de Fundão (MG):

Os resultados da restauração florestal nas APPs são visíveis. Nas áreas implantadas, foram observados indicadores como cobertura vegetal acima de 80%, índices satisfatórios de massa vegetal acima do solo, índice de solo exposto comparado ao período pré-rompimento e aumento de regenerantes de diversidade de espécies nas áreas.

Com o término da implantação da restauração florestal em áreas diretamente impactadas, a Fundação Renova protocolou os resultados na Câmara Técnica de Restauração Florestal e Produção de Água (CTflor) e no Comitê Interfederativo (CIF).

A próxima etapa consiste no monitoramento ecológico da região para avaliar a efetividade da restauração e dos métodos usados. A partir do levantamento de dados, será analisada a necessidade de ações para aumentar a densidade e diversidade de espécies nas áreas, além de possíveis ações corretivas. A previsão é destinar R$ 81 milhões para esta próxima etapa de monitoramento e a continuidade das manutenções.

A linha do tempo acima apresenta a evolução ao longo do tempo do período antes do rompimento até os dias atuais. Isto é possível evidenciar por meio de imagens de satélites e ortofotos de drones georreferenciais.

Produtores rurais: papel fundamental no processo da restauração

Para engajar 202 proprietários na restauração ambiental, primeiro foi necessária a retificação ou a elaboração do Cadastro Ambiental Rural (CAR) – registro público eletrônico e obrigatório para obtenção da regularidade ambiental do imóvel – das propriedades rurais.

O trabalho só teve início após a assinatura do termo de adesão à adequação ambiental por parte do dono do terreno e a apresentação do projeto específico da propriedade. Com a autorização, a Fundação Renova iniciou o cercamento para proteger e delimitar a área de APP. Em seguida, com o preparo de solo, a equipe em campo realizou o combate a formigas, adubação e o plantio das mudas nativas.

A demarcação das faixas de APPs a serem recuperadas se dá por meio do dimensionamento exigido na legislação florestal. Alguns proprietários não só autorizaram e aderiram à adequação ambiental, como, também, realizaram atividades como o plantio e a manutenção do que foi plantado.

“Nesse processo, o produtor efetua a atividade e recebe por essa mão de obra, e os insumos são fornecidos pela Renova. É uma forma de parceria que cria um sentimento de pertencimento da área reflorestada e gera uma receita a mais para o atingido”.

Giorgio Peixoto,

Gerente do Uso Sustentável da Terra da Fundação Renova

Processo de revegetação começou em 2015

Todo o processo de restauração começou nos anos de 2015 e de 2016. À época, foi feito um plantio emergencial de 800 hectares com gramíneas e leguminosas de rápido crescimento para controle de erosão. Paralelo a isso, calhas, margens e planícies foram regularizadas e receberam revegetação. Para completar, ocorreu a recomposição da mata ciliar, que é fundamental à saúde dos cursos d’água.

O resultado positivo de um plantio florestal piloto com espécies nativas para testes de restauração florestal sobre rejeitos, feito em 2017, foi o respaldo para definição da metodologia de preparo inicial do solo afetado e sobrevivência de espécies.

2018: estudos comprovaram que reflorestamento era viável

Estudos no solo afetado feitos por pesquisadores da Universidade Federal de Viçosa (MG), em 2018, foram determinantes para assegurar se o reflorestamento nessa região seria viável. Um deles foi desenvolvido por Maria Catarina Kasuya, especialista em microbiologia do solo.

Analisou-se amostras de mudas que receberam substrato à base de tipos de fungos e bactérias para repovoar áreas afetadas e permitir um crescimento com qualidade e eficácia. A pesquisa indicou também que o processo de revegetação emergencial auxiliou na repovoação da biomassa microbiana dos solos onde houve deposição de rejeitos. Com os microrganismos, foi possível cultivar mudas resistentes a solos críticos, como trechos onde há rejeitos.

Mapeamento definiu qual região seria reflorestada

O Termo de Transação e de Ajustamento de Conduta (TTAC), acordo que instituiu a Fundação Renova em 2016, previa o reflorestamento de dois mil hectares, a partir do mapeamento da região a ser reflorestada. Mas, após estudos detalhados, concluiu-se que, dessa área, os cerca de 550 hectares eram passíveis de reflorestamento.

O restante (em torno de 1.450 hectares) corresponde a corpos d’água, construções civis, rochas, estradas consolidadas, áreas agrícolas, áreas íngremes, areal, vilas (Bento Rodrigues e Paracatu de Baixo), cidades (sede de Barra Longa), faixa de servidão (rede elétrica, mineroduto, gasoduto e rodovia), passagem para dessedentação animal e áreas de inundação, que são áreas não passíveis de restauração florestal.

 

Leia mais:  MP apura corrupção na compra de testes de baixa qualidade para a Covid-19

Continue lendo

São Mateus

Política e Governo

Segurança

Camisa 10

Mais Lidas da Semana